Gary Lineker

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Gary Lineker
Gary Lineker
Informações pessoais
Nome completo Gary Winston Lineker
Data de nasc. 30 de janeiro de 1960 (54 anos)
Local de nasc. Leicester,  Reino Unido
Altura 1,77 m
Informações profissionais
Clube atual Aposentado
Posição Atacante
Clubes de juventude
1976–1978 Inglaterra Leicester City
Clubes profissionais
Anos Clubes Jogos (golos/gols)
1978-1984
1985-1986
1986-1989
1989-1992
1992-1994
Inglaterra Leicester City
Inglaterra Everton
Espanha Barcelona
Inglaterra Tottenham Hotspur
Japão Nagoya Grampus Eight
194 (95)
41 (30)
99 (43)
105 (67)
23 (9)
Seleção nacional
1984-1992 Flag of England.svg Inglaterra 80 (48)

Gary Winston Lineker, OBE (Leicester, 30 de novembro de 1960) é um ex-futebolista inglês. Atualmente trabalha como jornalista esportivo da BBC.

Lineker é um dos mais celebrados futebolistas ingleses. Ficou conhecido não só pela habilidade e faro de gol, como também por seu cavalheirismo em campo.[1] Discreto dentro e fora de campo, tornou-se um símbolo de fair-play, uma vez que em toda a sua carreira jamais recebeu cartão vermelho, nem mesmo amarelo.[1] [2] [3]

Curiosamente, ficou bastante identificado com equipes azuis e brancas, sendo ídolo em todas: Leicester City, Everton e Tottenham Hotspur, além da Seleção Inglesa. Nos três clubes foi artilheiro do campeonato inglês, e pela Inglaterra, artilheiro da Copa do Mundo de 1986. Ele é também o segundo maior artilheiro do English Team, com apenas um gol atrás de Bobby Charlton. Curiosamente, teve a oportunidade de igualá-lo em uma cobrança de pênalti contra o Brasil[4] em amistoso de 1992 em Wembley,[5] mas perdeu.

Assim como a elegância, a habilidade e a imagem de bom moço, sua carreira ficou marcada, todavia, pelos poucos títulos que conseguiu.[3] Seu feito mais expressivo como jogador não foi um troféu, e sim a artilharia da Copa de 1986, sendo até hoje o único inglês artilheiro de uma Copa.

Carreira em clubes[editar | editar código-fonte]

Início[editar | editar código-fonte]

Lineker começou a carreira no Leicester City, clube de sua cidade-natal, realizando sua estreia profissional pelos Foxes em 1979. O clube encontrava-se na segunda divisão e, aos poucos, Lineker foi assumindo a condição de líder do time,[6] que conseguiu o acesso. Os anos seguintes foram de lapidação. Até que, na temporada 1984/85, terminaria como artilheiro do campeonato inglês, com 24 gols, e chegaria à Seleção Inglesa.[6]

Seu brilho naquela temporada chamou a atenção de uma equipe maior, o Everton, que o contratou imediatamente, por 800 libras esterlinas.[6] Sem seu principal jogador, o Leicester voltaria à segunda divisão duas temporadas depois.[6]

O Everton era o então campeão nacional e o único time que conseguia bater de frente com o Liverpool, por sinal seu arquirrival, naquela época. Mesmo campeão inglês, os Toffees não puderam participar da Copa dos Campeões da UEFA em razão do próprio Liverpool: na temporada 1984/85, este decidiu o torneio com a Juventus, e hooligans torcedores dos Reds provocaram a morte de trinta e nove torcedores do adversário, no que ficou conhecida como tragédia de Heysel, o estádio onde realizou-se a partida. A punição estendeu-se a todos os clubes ingleses, proibidos de participar de competições europeias oficias pelos cinco anos seguintes.

Auge[editar | editar código-fonte]

No clube azul de Liverpool, começou a temporada ganhando a Supercopa da Inglaterra contra o Manchester United. Lineker manteve a veia goleadora posteriormente e sagrou-se novamente artilheiro do campeonato, agora com trinta gols, e garantindo sua presença na Copa do Mundo de 1986. O Everton, porém, ficou aquela temporada com dois vice-campeonatos. Para piorar, o campeão foi justamente o Liverpool, no campeonato inglês, por dois pontos, e na Copa da Inglaterra; na Copa, ele chegou a inaugurar o placar no primeiro tempo, mas os rivais, que já haviam faturado o título inglês, viraram para 3 x 1 na segunda etapa. Seria a única temporada de Lineker em Goodison Park: após sua exuberante Copa do Mundo, foi contratado pelo Barcelona.

O treinador do Barça na época era seu compatriota Terry Venables, e Lineker chegou com outro britânico, o galês Mark Hughes. O Barça já contava com outro, o escocês Steve Archibald. Lineker não tardou para se destacar: na estreia, fez dois gols contra o Racing Santander.[7] Na primeira temporada, a de 1986/87, marcou os três gols na vitória por 3 x 2 no clássico contra o Real Madrid. Ele marcou ainda outros dezesseis gols ao longo do campeonato espanhol,[8] terminando como vice-artilheiro. Porém, foi o arquirrival quem terminou campeão, por três pontos. Em melhor momento, o Real venceria a liga novamente nos outros dois anos em que Lineker ficaria no Camp Nou.

Ainda assim, foi nos blaugranas que ele faturou seus dois primeiros títulos de expressão: a Copa do Rei em 1988 e a Recopa Europeia em 1989, além de ter batizado o jogo eletrônico Gary Lineker's SuperStar Soccer (em 1987).[9] . Porém, Lineker acabou deixando o clube após a Recopa, aborrecido com o técnico Johan Cruijff. Cruijff insistia em escalá-lo no meio-de-campo, onde o inglês não rendia tão bem, e aos poucos ele saiu do time titular.[3] [8] Lineker, mesmo saindo pela porta dos fundos, não guarda mágoas da equipe. Declarou uma vez que "adorava a pressão de jogar pelo Barcelona na frente de 120 000 pessoas a cada duas semanas. Alguns jogadores não gostam disso, mas eu adorava a sensação dos grandes jogos".[4]

Final da carreira e pós-gramados[editar | editar código-fonte]

Lineker voltou então à Inglaterra, agora como jogador do Tottenham Hotspur. E logo em seu retorno, alcançou pela terceira vez a artilharia do campeonato inglês, com 24 tentos. No ataque dos Spurs formou grande dupla com Paul Gascoigne, transportada também para a Seleção Inglesa. E foi na equipe londrina que o goleador conseguiu seu único troféu importante na terra natal, a Copa da Inglaterra de 1990/91, sobre o Nottingham Forest. No final daquele ano, ficaria em terceiro na primeira vez em que a FIFA escolheu o melhor jogador do mundo, atrás do premiado, o alemão Lothar Matthäus, e do francês Jean-Pierre Papin.

Depois da temporada seguinte, a de 1991/92, deixou White Hart Lane e o futebol inglês, despedindo-se também da seleção após a Eurocopa 1992. Lineker foi jogar no nascente futebol profissional do Japão, onde seu filho, que sofria de um tipo raro de câncer, teria melhores condições de tratamento.[10] Ali, atuou por dois anos no Nagoya Grampus Eight até aposentar-se dos gramados em 1994. Desde então, exerce a função de comentarista esportivo da BBC.

Em 2002, com um bom patrimônio, Lineker empenhou-se para salvar sua ex-equipe, e clube do coração,[2] [6] do Leicester City da falência. Com empresários da região, formou um consórcio para comprar o City, que necessitava de 7,8 milhões de dólares para não fechar as portas.[2] Além de usar seu próprio dinheiro,[2] Lineker esforçou-se para angariar fundos não só das empresas, como dos moradores locais.[6] Seu envolvimento foi reconhecido pelos torcedores, que uniram-se em torno da causa até que os credores do clube aceitaram em janeiro de 2003 a negociação com o consórcio de Lineker.[6]

Seleção Inglesa[editar | editar código-fonte]

Lineker recebeu a primeira oportunidade de atuar pela Inglaterra ainda no Leicester City, em 1984. A boa fase - e a artilharia - por qual passava no clube de sua cidade foi mantida quando esteve no Everton, na temporada 1985/86, e foi naturalmente incluído entre os convocados para a Copa do Mundo de 1986.

Copa do Mundo de 1986[editar | editar código-fonte]

O English Team começou mal a Copa: perdeu na estreia para Portugal e empatou sem gols contra o Marrocos. Ameaçada de ser eliminada na primeira fase, a Inglaterra classificou-se graças a uma exibição primorosa de Lineker na última partida do grupo: ele marcou os três gols na vitória por 3 x 0 sobre a Polônia. Nas oitavas-de-final, marcou outras duas vezes nos 3 x 1, desta vez sobre o Paraguai, em um jogo duro: os paraguaios não se furtaram em recorrer a golpes de caratê para derrubar Lineker.[11]

Nas quartas-de-final, a Inglaterra enfrentou outro adversário sul-americano, a Argentina. Era a primeira vez que os dois se encontravam em campo, depois de terem se enfrentado na Guerra das Malvinas, ocasionando um clima tenso criado pela imprensa dos dois países.[11] O próprio exército mexicano teve de comparecer por volta do Estádio Azteca: tanques patrulhavam as ruas e, dentro do estádio, havia grande número de militares em meio aos torcedores.[11] O segundo tempo começou sem que nenhuma das equipes tivesse marcado, até Diego Maradona anotar seu célebre gol de mão, aos cinco minutos, validado a despeito dos protestos dos jogadores ingleses.[11] Em espaço de alguns minutos, Maradona marcou outro gol igualmente mítico, driblando meio time inglês antes de colocar a bola nas redes.

A dez minutos do fim da partida, Lineker escorou de cabeça para as redes de Nery Pumpido um cruzamento de John Barnes.[11] A três minutos do final, a jogada se repetiu: Barnes cruzou, Lineker saltou, mas quem entrou nas redes foi ele, e não a bola.[11] Lineker não conseguira alcançá-la e a Argentina venceu, mandando a Inglaterra de volta para casa.

Copa do Mundo de 1990 e Eurocopas[editar | editar código-fonte]

Dois anos depois, fazendo sucesso no Barcelona, Lineker esteve presente na Eurocopa 1988, mas os britânicos foram muito mal e despediram-se do torneio na lanterna do grupo da primeira fase, com três derrotas. Outros dois anos passaram-se e chegou a Copa do Mundo de 1990. Lineker e seu colega de Tottenham Paul Gascoigne formavamo ataque inglês. Lineker marcou na estreia, contra a Irlanda, mas passou em branco nas três partidas seguintes.

Reacendeu contra Camarões, a sensação do mundial. Os africanos, inspirados por Roger Milla, venciam a partida de virada por 2 x 1, quando a dez minutos do fim, Lineker foi derrubado na grande área e o árbitro assinalou pênalti. Ele mesmo cobrou e levou a partida à prorrogação. No tempo extra, um passe de Gascoigne a Lineker venceu a defesa dos Leões Indomáveis e, quando este iria chutar, foi novamente calçado na grande área.[11] Mais uma vez, ele cobrou e marcou, evitando uma derrota contundente para os ingleses. Os britânicos conseguiam voltar a uma semifinal de Copa pela primeira vez desde a de Copa do Mundo de 1966, quando sediaram o torneio e foram campeões. O adversário seria o mesmo da final de 1966: a Alemanha Ocidental.

A Inglaterra dominou o primeiro tempo, mas nenhum gol foi feito.[11] Após sessenta minutos e contrariando a tendência do jogo, os alemães inauguram o placar com uma boa sorte: um chute de falta atingiu o pé de Paul Parker, fazendo com que a bola subisse, encobrisse Peter Shilton e entrasse nas redes.[11] Dez minutos depois, porém, Lineker aproveitou a confusão da defesa germânica, insinuou-se por ela e empatou.[11] O tempo normal se encerrou, porém, com outra imagem marcante: a do choro compulsivo de Gascoigne, consolado por Lineker após tomar o segundo cartão amarelo na Copa, o que impediria Gazza de disputar a final, caso a Inglaterra chegasse a ela.[11]

A partida acabaria só sendo decidida nos pênaltis: Lineker acertou a sua cobrança, mas os colegas Stuart Pearce e Chris Waddle desperdiçaram e os rivais alemães foram à final, da qual sairiam campeões. Ele saiu do torneio como vice-artilheiro. Seus dez gols somados em Copas fazem dele o maior goleador do English Team no torneio. Ele se despediu da seleção após a Eurocopa 1992, com a Inglaterra novamente fazendo má campanha e terminando em último lugar em seu grupo na primeira fase.

Títulos[editar | editar código-fonte]

Lineker com a esposa.
Leicester City
Everton
Barcelona
Tottenham Hotspur

Artilharias[editar | editar código-fonte]

Gols internacionais[editar | editar código-fonte]

# Data Local Adversário Resultado Competição Gols Marcados
1 26/3/1985 Estádio de Wembley Flag of Ireland.svg Irlanda 2-1 Amistoso 1
2 16/6/1985 Los Angeles Memorial Coliseum, Los Angeles Flag of the United States.svg Estados Unidos 5-0 Amistoso 2
3 16/10/1985 Estádio de Wembley Flag of Turkey.svg Turquia 5-0 Elim. Copa do Mundo 1986 3
4 11/6/1986 Estadio Tecnológico, Monterrey Flag of Poland.svg Polónia 3-0 Copa do Mundo de 1986 3
5 18/6/1986 Estadio Azteca, Cidade do México Flag of Paraguay.svg Paraguai 3-0 Copa do Mundo de 1986 2
6 22/6/1986 Estadio Azteca, Cidade do México Flag of Argentina.svg Argentina 1-2 Copa do Mundo de 1986 1
7 15/10/1986 Estádio de Wembley Bandeira da Irlanda do Norte Irlanda do Norte 3-0 Elim. Euro 1988 2
8 18/2/1987 Santiago Bernabéu, Madrid Flag of Spain.svg Espanha 4-2 Amistoso 4
9 19/5/1987 Estádio de Wembley Brasil Brasil 1-1 Amistoso (Copa Rous) 1
10 9/9/1987 Rheinstadion, Düsseldorf Alemanha Alemanha Ocidental 1-3 Amistoso 1
11 10/5/1987 Estádio de Wembley Flag of Turkey.svg Turquia 8-0 Elim. Euro 1990 3
12 25/5/1988 Estádio de Wembley Flag of Colombia.svg Colômbia 1-1 Amistoso (Copa Rous) 1
13 22/11/1988 Estádio de Wembley Países Baixos Países Baixos 2-2 Amistoso 1
14 28/5/1988 Stade Olympique de la Pontaise, Lausanne Flag of Switzerland.svg Suíça 1-0 Amistoso 1
15 26/4/1989 Estádio de Wembley Flag of Albania.svg Albânia 5-0 Elim. Euro 1990 1
16 3/6/1989 Estádio de Wembley Flag of Poland.svg Polónia 3-0 Elim. Euro 1990 1
17 7/6/1989 Valby Idrætspark, Copenhagen Flag of Denmark.svg Dinamarca 1-1 Amistoso 1
18 26/3/1990 Estádio de Wembley Brasil Brasil 1-0 Amistoso 1
19 15/5/1990 Estádio de Wembley Flag of Denmark.svg Dinamarca 1-0 Amistoso 1
20 11/6/1990 Stadio Sant'Elia, Cagliari Flag of Ireland.svg Irlanda 1-1 Elim. Copa do Mundo 1990 1
21 1/7/1990 Stadio San Paolo, Nápoles Flag of Cameroon.svg Camarões 3-2 Elim. Copa do Mundo 1990 2
22 4/7/1990 Stadio delle Alpi, Turim Bandeira da Alemanha Ocidental Alemanha Ocidental 1-1 (3-4 nos pens) Copa do Mundo de 1990 1 + 1 pen
23 2/4/1990 Estádio de Wembley Flag of Hungary.svg Hungria 1-0 Amistoso 1
24 17/10/1990 Estádio de Wembley Flag of Poland.svg Polónia 2-0 Elim. Euro 1992 1
25 6/2/1991 Estádio de Wembley Flag of Cameroon.svg Camarões 2-0 Amistoso 2
26 26/7/1991 Estádio de Wembley Flag of Argentina.svg Argentina 2-2 Amistoso (England Challenge Cup) 1
27 3/6/1991 Mt Smart Stadium, Auckland Flag of New Zealand.svg Nova Zelândia 1-0 Amistoso 1
28 12/6/1991 Stadium Merdeka, Kuala Lumpur Malásia Malásia 4-2 Amistoso 4
39 13/11/1991 Stadion Miejski, Poznań Flag of Poland.svg Polónia 1-1 Elim. Euro 1992 1
30 19/2/1992 Estádio de Wembley Bandeira da França França 2-0 Amistoso 1
31 29/4/1992 Estádio Luzhniki, Moscou CIS.svg CEI 2-2 Amistoso 1

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b "O matador caladão", Especial Placar: Os 100 Craques das Copas, outubro de 2005, Editora Abril, pág. 52
  2. a b c d "Leicester: O bom filho à casa torna", Tomaz R. Alves, Trivela.com.
  3. a b c "Gary Lineker: o cavalheiro da bola", André Melsohn Dayan, Trivela.com.
  4. a b "No fim do dia... Gary Lineker", FourFourTwo, número 8, julho de 2009, Editora Cádiz, pág. 66
  5. "Gary Lineker - Goals in International Matches", Roberto Mamrud, RSSSF.
  6. a b c d e f g "Leicester City – A gangorra quebrou", Lincoln Chaves, Trivela.com.
  7. ver vídeo "Gary Lineker debut at Barcelona 1986", disponível em: <youtube.com/watch?v=GQaxjpNRJgg>
  8. a b "Os desbravadores", Felipe dos Santos Souza, Trivela.com.
  9. "O nome da bola - Parte I", Lincoln Chaves, Trivela.com
  10. "Grampus", Especial Placar 500 Times do Mundo, outubro de 1998, Editora Abril, pág. 72
  11. a b c d e f g h i j k YALLOP, David A. Como eles roubaram o jogo - segredos dos subterrâneos da FIFA. São Paulo: Record, 1998. ISBN 85-01-05448-8