Invasão chinesa do Tibete (1950-1951)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

História da República Popular da China

Flag of the People's Republic of China.svg

    Era Mao Tse-tung (1949–1976)
        Guerra Civil Chinesa
        Invasão chinesa do Tibete
        Guerra da Coréia
        Zhen Fan
        Campanhas Três-Anti/Cinco-Anti
        Campanha das Cem Flores
        Campanha Antidireitista
        Grande Salto para Frente
        Ruptura sino-soviética
            Fome de 1958-1961 na China
            Guerra sino-indiana
        Revolução Cultural
            Lin Biao
            Bando dos Quatro
            Protestos de Tian'anmen
    Era Deng Xiaoping (1976–1989)
        Abertura econômica da China
        Quatro Modernizações
        Guerra Sino-vietnamita
        Massacre na Praça da Paz Celestial
        Um país, dois sistemas
        Reunificação Chinesa
    China Atual
        Distúrbios no Tibete em 2008
        Terremoto de Sichuan de 2008
        Jogos Olímpicos de Verão
        Distúrbios em Xinjiang

   Ver Também:
        História da China

Líderes Proeminentes
Mao - Deng - Jiang - Hu
Outros temas sobre a China
Cultura - Economia
Geografia - Política - Educação
Portal:China


O regime comunista chinês liderado por Mao Tse Tung invade o Tibete em 1950, sob o pretexto de "libertar o país do imperialismo inglês", quarenta mil soldados chineses entraram em Outubro do mesmo ano em Lhassa, capital histórica tibetana, e em 1951 o país ficou sob controle total da China.

O Exército de Salvação Popular derrotou o exército tibetano em 7 de outubro de 1950, em Chamdo e em Kham (Tibete Oriental). Este ataque marcou o início da campanha de Pequim para integrar o Tibete na República Popular da China. O Governo da República Popular da China chama essa operação de "libertação pacífica do Tibete" [1] e em um acordo de 17 pontos sobre a Libertação Pacífica do Tibete, foi assinado pelos representantes do XIV Dalai Lama, Tenzin Gyatso e o Governo da República Popular da China que declarou a soberania da China sobre o Tibete. No entanto, é chamado de invasão do Tibete pelo governo tibetano no exílio, [2] , o Congresso americano, os analistas militares, as fontes da mídia, várias ONGs, como a Comissão Internacional de Juristas, presumem que o Tibete não teve outra escolha a não ser assinar o acordo em 17 pontos, que foi denunciado pelo Dalai Lama no exílio em 1959.

A ocupação chinesa se dá por interesses estratégicos e territoriais. A China alega soberania histórica sobre o Tibete e sua estratégia é levar ao país seu modelo de desenvolvimento. Durante o governo de Mao Tsé-tung, os chineses tentaram sufocar a religiosidade local, destruindo santuários e assassinando milhares de monges. O resultado da mão-de-ferro chinesa são os mais de 100.000 tibetanos refugiados pelo mundo, a destruição sistemática de mosteiros, pela opressão religiosa, pelo fim da liberdade política e pelo aprisionamento e assassinato de civis em massa. Estima-se que 1 milhão de tibetanos já tenham morrido nas mãos do Exército chinês.

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Peaceful Liberation of Tibet
  2. The Status of Tibet: "At the time of its invasion by troops of the People's Liberation Army of China in 1949, Tibet was an independent state in fact and law...."
Ícone de esboço Este artigo sobre conflitos armados é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.