Segunda Crise do Estreito de Taiwan

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Segunda Crise do Estreito de Taiwan
Taiwan Strait.png
Estreito de Taiwan
Data 1958
Local Estreito de Taiwan
Desfecho Cessar-fogo, status quo ante bellum
Combatentes
República da China República da China
Estados Unidos Marinha dos Estados Unidos
República Popular da China República Popular da China

A Segunda Crise do Estreito de Taiwan (também conhecida como Crise do Estreito de Taiwan de 1958) foi um conflito ocorrido entre os governos da República Popular da China (China comunista) e a República da China (Taiwan) em que a República Popular da China bombardeia as ilhas de Quemoy e Matsu no Estreito de Taiwan, na tentativa de tomá-las da República da China. Esta situação, continuou por 44 dias e custou cerca de 1.000 vidas. Foi uma continuação da Primeira Crise do Estreito de Taiwan, que teve início imediatamente após a Guerra da Coréia.

História[editar | editar código-fonte]

De novembro de 1954 a maio de 1955, a Primeira Crise do Estreito de Taiwan ocorre entre a China comunista e a República da China Nacionalista refugiada em Taiwan em decorrência da guerra civil chinesa. Pequim conseguiu capturar duas das ilhas próximas à costa que ainda estavam sob controle nacionalista, mas foi impedida pela ameaça de intervenção militar por parte dos Estados Unidos.[1]

A segunda crise começou em 23 de agosto de 1958, quando a artilharia do Exército de Libertação Popular passou a bombardear as ilhas de Quemoy e Matsu no Estreito de Taiwan e ameaçar lançar uma invasão. Mao Tse Tung não queria que a questão de Taiwan permanecesse nas sombras, pretendendo protestar contra o contínuo apoio dos Estados Unidos à República da China (Taiwan) e mostrar a sua independência da União Soviética.[2] Esses ataques causam a implantação da Sétima Frota dos Estados Unidos no Estreito. Depois de algumas semanas críticas, durante o qual as ilhas ficaram em sério risco, os estadunidenses conseguiram estabelecer uma linha de abastecimento em Quemoy, incluindo desembarque aberto, entre outros, de artilharia que poderia lançar ogivas nucleares táticas.

A primeira fase de bombardeios durou semanas, depois houve uma pausa e os bombardeios foram retomados por 29 dias, nos últimos dias adotou-se o padrão de efetuar bombardeios apenas nos dias ímpares, manobra que Mao descreveu como um ato de batalha política[3] .

O conflito, que resultou em cerca de 1.000 mortos e feridos[4] , terminou com um cessar-fogo entre as partes beligerantes, mas os bombardeios continuaram de forma intermitente por mais de uma década.[1]

No início da crise, Mao Tsé-Tung afirmou que tais bombardeios seriam uma resposta chinesa à intervenção norte-americana no Líbano (Crise do Líbano de 1958), uma atitude que demonstraria sua oposição à política de coexistência pacífica sustentada pela União Soviética na época. Por outro lado, em 5 de setembro, Zhou Enlai afirmou que o objetivo de Pequim seria a retomada das conversações entre a China e os Estados Unidos ao nível de embaixadores, ou seja, seria uma resposta ao rebaixamento do caráter daquelas negociações[5] , em 1957, que ocorriam em Genebra desde o final da Primeira Crise do Estreito de Taiwan, em 1954. No dia seguinte, o Embaixador dos EUA em Varsóvia foi indicado para representar os EUA na retomada do diálogo[6] .

Ao final da crise, Mao Tsé-Tung declarou:

Lutamos nessa campanha, que tornou os Estados Unidos dispostos a conversar. Os Estados Unidos nos abriram as suas portas. A situação não parece ser nada boa para eles, e vão se sentir nervosos da sim dia não se não mantiverem um canal de diálogo conosco a partir de agora. Ok, então vamos conversar. Em relação à situação geral, é melhor resolver as disputas com os Estados Unidos por meio de conversa ou por meios pacíficos, porque somos um povo amante da paz.

[7]

Outra consequência da crise, foi o aprofundamento da ruptura sino-soviética, pois a União Soviética:

  1. pouco depois da crise, suspendeu a cooperação nuclear com Pequim;
  2. em junho de 1959, revogou a promessa de fornecer tecnologia necessária para a construção de uma bomba atômica pela China;
  3. em 1960, ordenou a saída de todos os seus especialistas estabelecidos na China e cancelou os projetos de cooperação técnica[8] .

Referências

  1. a b The Taiwan Straits Crises: 1954–55 and 1958 Office of the Historian, Bureau of Public Affairs, United States Department of State..
  2. Second Taiwan Strait Crisis GlobalSecurity.org.
  3. KISSINGER, Henry, Sobre a China, p 178.
  4. KISSINGER, Henry, Sobre a China, p 180.
  5. Que deixaram de ser realizadas entre embaixadores e passaram a ser realizadas entre os primeiros-secretários de embaixadas. Tal rebaixamento era relevante pois foi um retrocesso no caráter das conversações que inicialmente eram travadas por meros funcionários consulares, mas depois passaram a ser travadas por embaixadores, que são tecnicamente representantes pessoais do Chefe de Estado e contam com maior influência. Tal rebaixamento também conduziu a uma suspensão daquelas negociações (cf. KISSINGER, Henry, Sobre a China, p 167-168).
  6. KISSINGER, Henry, Sobre a China, p 164,168,178-181.
  7. KISSINGER, Henry, Sobre a China, p 184.
  8. KISSINGER, Henry, Sobre a China, p. 185.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Bush, R. & O'Hanlon, M. (2007). A War Like No Other: The Truth About China's Challenge to America. Wiley. ISBN 0-471-98677-1
  • Bush, R. (2006). Untying the Knot: Making Peace in the Taiwan Strait. Brookings Institution Press. ISBN 0-8157-1290-1
  • Carpenter, T. (2006). America's Coming War with China: A Collision Course over Taiwan. Palgrave Macmillan. ISBN 1-4039-6841-1
  • Cole, B. (2006). Taiwan's Security: History and Prospects. Routledge. ISBN 0-415-36581-3
  • Copper, J. (2006). Playing with Fire: The Looming War with China over Taiwan. Praeger Security International General Interest. ISBN 0-275-98888-0
  • Federation of American Scientists et al. (2006). Chinese Nuclear Forces and U.S. Nuclear War Planning
  • Gill, B. (2007). Rising Star: China's New Security Diplomacy. Brookings Institution Press. ISBN 0-8157-3146-9
  • Shirk, S. (2007). China: Fragile Superpower: How China's Internal Politics Could Derail Its Peaceful Rise. Oxford University Press. ISBN 0-19-530609-0
  • Tsang, S. (2006). If China Attacks Taiwan: Military Strategy, Politics and Economics. Routledge. ISBN 0-415-40785-0
  • Tucker, N.B. (2005). Dangerous Strait: the U.S.-Taiwan-China Crisis. Columbia University Press. ISBN 0-231-13564-5

Ver também[editar | editar código-fonte]