Iwakura Tomomi

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Este é um nome japonês; o nome de família é Iwakura
Iwakura Tomomi
Iwakura Tomomi
Nascimento 26 de outubro de 1825
Kyoto, Japão
Morte 20 de julho de 1883 (27 anos)
Ocupação estadista

Iwakura Tomomi (岩倉 具視? 26 de outubro de 1825 - 20 de julho de 1883) foi um estadista japonês do período Meiji.[1] A antiga nota de 500 ienes emitida pelo Banco do Japão carrega seu retrato.

Juventude[editar | editar código-fonte]

Iwakura nasceu em Kyoto como o segundo filho de um cortesão de baixa patente e nobre Horikawa Yasuchika (堀川 康親?).[2] Em 1836, ele foi adotado por outro nobre, Iwakura Tomoyasu (岩倉 具康?), do qual ele recebeu seu nome de família. Ele foi treinado pelo kampaku Takatsukasa Masamichi e escreveu a opinião para a reforma da Corte Imperial. Em 1854 ele tornou-se camareiro do Imperador Komei.[2]

Vida na corte[editar | editar código-fonte]

Assim como muitos outros cortesãos em Kyoto, Iwakura se opôs aos planos do Xogunato Tokugawa de acabar com a política de isolamento nacional do Japão e de abrir o país para os países estrangeiros. Quando Hotta Masayoshi, um Rōjū do governo Tokugawa, veio a Kyoto para obter a permissão imperial para assinar o Tratado de Amizade e Comércio (Estados Unidos-Japão em 1858, Iwakura reuniu cortesãos que eram contra o tratado e tentou dificultar as negociações entre o Xogum e a Corte.[2]

Após o Tairō Ii Naosuke ser assassinado em 1860, Iwakura passou a apoiar o Movimento Kobugattai, uma aliança da Corte com o Xogunato. A política central desta aliança era o casamento do Xogum Tokugawa Iemochi com a Princesa Kazu-no-Miya Chikako, a irmã mais nova do Imperador Komei. Os samurais e os nobres que apoiavam a política mais radical do Sonnō jōivia Iwakura como um defesnor do Xogunato, e pressionou a Corte para o expulsar. Como resultado, Iwakura deixou a Corte e moveu-se para Iwakura, norte de Kyoto.

No exílio[editar | editar código-fonte]

Em Iwakura, ele escreveu muitas opiniões e as enviou para a Corte e seus companheiros políticos no Domínio de Satsuma. Em 1866, quando o Xogum Iemochi morreu, Iwakura tentou fazer a Corte tomar a iniciativa política. Ele tentou reunir os daimyōs sob o nome da Corte mas falhou. Quando o Imperador Komei morreu no ano seguinte, havia um rumor que Iwakura planejava assassinar o Imperador por envenenamento, mas ele escapou da prisão.

Com Ōkubo Toshimichi e Saigō Takamori, em 3 de janeiro de 1868, ele planejou a tomada do Palácio Imperial de Kyoto pelas forças leais a Satsuma e Chōshū, assim iniciando a Restauração Meiji. Ele encomendou cartazes imperiais com o sol e a lua em um campo vermelho, o que ajudou a assegurar que os eventos da Restauração Meiji ocorressem, no geral, sem derramamento de sangue.

Burocrata Meiji[editar | editar código-fonte]

Missão Iwakura. O líder da missão foi Iwakura Tomomi, mostrado na figura vestindo uma tradicional roupa japonesa.

Após o estabelecimento do governo Meiji, Iwakura exerceu um importante papel devido à influência e confiança que ele tinha com o Imperador Meiji. Ele foi responsável em grande medida pela promulgação da [[Carta de Juramento] de 1868, além da abolição do sistema han.

Logo após sua nomeação como Ministro da Direita em 1871, ele liderou a jornada de volta ao mundo de dois anos conhecida como Missão Iwakura,[3] visitando os Estados Unidos e alguns países da Europa com o objetivo de renegociar os tratados desiguais e reunir informações para ajudar a efetivar a modernização do Japão. Uma celebração ocorreu em Manchester e Liverpool em 1997 para festejar o 125º aniversário da Missão Iwakura. Em seu retorno ao Japão em 1873, ele chegou em cima da hora para prevenir uma invasão da Coreia (Seikanron). Percebendo que o Japão não estava em condição de desafiar as potências ocidentais, ele defendeu o fortalecimento da instituição imperial, que ele sentia que poderia ser alcançada através de uma constituição escrita e uma forma limitada de parlamentarismo. Ele ordenou Inoue Kowashi a começar a trabalhar em uma constituição em 1881, e mandou Ito Hirobumi para a Europa a fim de estudar os vários sistemas europeus.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Nussbaum, Louis-Frédéric. (2005). "Iwakura Tomomi" em Japan Encyclopedia, p. 408.
  2. a b c Iwakura, Tomomi (em inglês). Página visitada em 09/09/2011.
  3. Baroness Uriu - Vassar College Encyclopedia - Vassar College (em inglês). Página acessada em 08/09/2011.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Notas[editar | editar código-fonte]

  • Este artigo foi inicialmente traduzido do artigo da Wikipédia em inglês, cujo título é «Iwakura Tomomi».