Jatropha curcas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa


Como ler uma caixa taxonómicaJatropha curcas
purgueira, jatrofa, pinhão-manso
Jatropha curcas

Jatropha curcas
Estado de conservação
Não avaliada
Classificação científica
Reino: Plantae
Divisão: Magnoliophyta
Classe: Magnoliopsida
Ordem: Malpighiales
Família: Euphorbiaceae[1]
Género: Jatropha
Espécie: J. curcas
Nome binomial
Jatropha curcas
L., 1753[2]
Sinónimos[3]
Ricinus jarak Thunb.
Ricinus americanus Mill.
Ricinoides americana Garsault
Manihot curcas (L.) Crantz
Jatropha yucatanensis Briq.
Jatropha edulis Sessé
Jatropha curcas var. rufa
Jatropha condor Wall.
Jatropha afrocurcas Pax
Jatropha acerifolia Salisb.
Curcas purgans Medik.
Curcas lobata Splitg. ex Lanj.
Curcas indica A.Rich.
Curcas drastica Mart.
Curcas curcas (L.) Britton & Millsp.
Curcas adansonii Endl.
Castiglionia lobata Ruiz & Pav.
Sementesde Jatropha curcas.
Ilustração
Hábito da planta.

Jatropha curcas L.[4] é uma espécie de planta da família Euphorbiaceae[5] [6] conhecida pelos nomes comuns de purgueira, pinhão-manso, jatrofa, mandubiguaçu, pinhão-de-purga[7] e pinha-de-purga. Com distribuição natural no sul do México e América Central,[8] a espécie é amplamente cultivada para a produção de biocombustíveis (biodiesel) e como planta medicinal, estando naturalizada na maioria das regiões tropicais e subtropicais. As sementes contêm 27-40% de óleos vegetais[9] (média: 34.4%[10] ) que podem ser facilmente processados para produzir biodiesel de alta qualidade, utilizável em motores diesel convencionais. As sementes são também uma fonte da toxalbumina conhecida por curcina ou jatrofina, um composto de elevada toxicidade.[11]

Descrição[editar | editar código-fonte]

J. curcas é um arbusto ou pequena árvore (microfanerófito a mesofanerófito), venenoso, parcialmente suculento, semi-perene, com até 6 m de altura,[8] mas geralmente de 1 a 5 m de alto, muito resistente à aridez, o que permite a sua cultura em regiões desérticas.[12] [13] Os ramos mais jovens contêm uma seiva de coloração rosada, ligeiramente leitosa, sendo os caules amisa antigos recobertos por um ritidoma esfoliante.

A espécie é monoica, com folhas ovadas, por vezes levemente 3–7-lobadas, 10–25 cm de comprimento e 9–15 cm de largura, lobos agudos, base amplamente cordada, glabrescentes na face inferior. Os pecíolos com 8–15 cm de comprimento, glabros e estípulas reduzidas.

Ao florescer apresente inflorescência em forma de dicásio terminal, 10–25 cm de comprimento, com múltiplas ramificações, formando geralmente estruturas planas. As flores apresentam sépalas inteira, pétalas fundidas, 5–6 mm de comprimento, hirsutas por dentro, verdosas ou branco-amareladas, com 10 estames, as anteras 1–1,6 mm de comprimento e o ovário glabro.

O fruto é uma cápsula tricoca, ovoide a ligeiramente trilobada, com até 3 cm de comprimento e 2 cm de largura, carnosa, mas deiscente ao maturar.[14] As sementes são oblongas, elipsoides, com 15–22 mm de comprimento, apresentando uma coloração escura e contidas em frutos tipo. A semente é constituída, em média, de 75% de embrião e 25% de tegumento, apresentam pequena variação de tamanho e densidade, além de não apresentar problemas de dormência.[15]

Distribuição[editar | editar código-fonte]

Nativa da América Central, foi difundida pelas regiões tropicais e subtropicais da Ásia e África por comerciantes portugueses, como planta medicinal, depois amplamente usada em cercas e abrigos. Na actualidade apresente distribuição cosmopolita nas regiões tropicais e subtropicais devido à sua grande facilidade em se adaptar a condições adversas, nomeadamente à secura, aos solos degradados e à salinização dos solos e águas.[16]

Resiste a elevada secura nos solos, crescendo em regiões precipitação anual de apenas 250 a 600 mm. Em cultura é resistente a pragas e a patógenos, não requerenso o uso de pesticidas graças às características pesticidas e fungicidas naturais da planta. A planta pode viver até aos 40 anos de idade.

Cultivo e usos comerciais[editar | editar código-fonte]

No clima semiárido da Região Nordeste do Brasil[17] , depois de cinco anos de experimentos com pinhão-manso, o pesquisador da Embrapa Semiárido (em Petrolina, em Pernambuco), Marcos Drummond, informou que um dos principais gargalos do cultivo está na colheita. Os frutos amadurecem desuniformes, o que prejudica e aumenta o custo da mão de obra. "Enquanto não se resolver este problema, a cultura fica inviável economicamente. O trabalho de melhoramento genético é fundamental para obter uniformidade na maturação dos frutos. Também é necessário estabelecer modelos de sistemas produção", reforça Drummond. Nesta região, com precipitação de 500 mm, é inviável produzir economicamente sem irrigação. Nos experimentos, após repetição de quatro anos, tem-se observado uma produtividade de 4 mil/kg/sementes/ha, onde estão sendo fornecidos 20 litros de água por semana. Nas mesmas condições, mas sem irrigação, a produtividade não chega a 300/kg/sementes/ha. "Esses dados mostram que o pinhão-manso tem potencial. Só precisamos ajustar a cultura às condições ambientais", comprova Drummond. Comparada as outras espécies, o pinhão-manso apresenta menor demanda de água, porém necessita de um suprimento regular ao longo do ano. Também é uma modalidade que não compete com o fornecimento de comida.

Na Índia, onde o cultivo da purgueira têm tradicionalmente estado nas mãos dos pequenos produtores, existem planos para semear até 40 milhões de hectares com Jatropha. A multinacional British Petroleum tem um projecto experimental para produzir biodiesel a partir de uma plantação de 100 mil ha na Indonésia. A construtora automóvel DaimlerChrysler testou automóveis Mercedes movidos exclusivamente com diesel de Jatropha.

Taxonomia[editar | editar código-fonte]

Jatropha curcas foi descrita por Carolus Linnaeus, tendo a sua descrição científica publicada em Species Plantarum 2: 1006. 1753.[14] O epíteto específico "curcas" foi utilizado pela primeira vez pelo médico português Garcia de Orta no século XVI e é de origem incerta.[18]

Cultivada comercialmente nas regiões semi-áridas da zona tropical e subtropical, a espécie recebe múltiplas designações nos países lusófonos, com etimologia por vezes assente nas línguas nativas locais. O nome comum brasileiro "mandubiguaçu" é formado pela junção dos termos tupis mãdu'bi (amendoim) e guaçu (grande)[19] , significando, portanto, "amendoim grande". É uma referência a suas sementes, semelhantes às do amendoim. "Purgueira" e "pinhão-de-purga" também são referência às suas sementes, que contêm um óleo tóxico com efeito purgativo.[20]

A espécie apresente uma variada sinonímia, resultado da vesta área de expansão da planta e da sua variabilidade morfológica.[21]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas[editar | editar código-fonte]

  1. Nahar, K. and Ozores-Hampton, M. (2011). Jatropha: An Alternative Substitute to Fossil Fuel.(IFAS Publication Number HS1193). Gainesville: University of Florida, Institute of Food and Agricultural Sciences. Retrieved (12-17-2011).
  2. Jatropha curcas L. Germplasm Resources Information Network United States Department of Agriculture (2008-08-29). Visitado em 2010-10-14.
  3. http://www.catalogueoflife.org/show_species_details.php?record_id=4839083
  4. L., 1753 In: Sp. Pl. : 1006
  5. WCSP: World Checklist of Selected Plant Families
  6. Roskov Y., Kunze T., Orrell T., Abucay L., Paglinawan L., Culham A., Bailly N., Kirk P., Bourgoin T., Baillargeon G., Decock W., De Wever A., Didžiulis V. (ed) (2014). Species 2000 & ITIS Catalogue of Life: 2014 Annual Checklist. Species 2000: Reading, UK.. Visitado em 26 May 2014.
  7. FERREIRA, A. B. H. Novo dicionário da língua portuguesa. Segunda edição. Rio de Janeiro. Nova Fronteira. 1986. p. 1 078.
  8. a b Janick, Jules. The Encyclopedia of Fruit & Nuts. [S.l.]: CABI, 2008. 371–372 pp. ISBN 978-0-85199-638-7.
  9. Achten WMJ, Mathijs E, Verchot L, Singh VP, Aerts R, Muys B 2007. Jatropha biodiesel fueling sustainability?. Biofuels, Bioproducts and Biorefining 1(4), 283-291.[1] doi:10.1002/bbb.39The Jatropha Archives
  10. Achten WMJ, Verchot L, Franken YJ, Mathijs E, Singh VP, Aerts R, Muys B 2008. Jatropha bio-diesel production and use. (a literature review) Biomass and Bioenergy 32(12), 1063–1084.[2] doi:10.1016/j.biombioe.2008.03.003The Jatropha Archives
  11. http://www.drugsandpoisons.com/2008/01/lectins-peas-and-beans-gone-bad.html
  12. JATROPHA IN AFRICA. FIGHTING THE DESERT & CREATING WEALTH
  13. Jatropha: creating desert solutions
  14. a b Jatropha curcas Tropicos.org. Missouri Botanical Garden. Visitado em 24 de marzo de 2014.
  15. SHEPENTINA et al., 1986.
  16. Genetica Forestal, S. De R.L. de C.V. –DR. Teobaldo Eguiluz Piedra.
  17. "Bagarai" (2011). "Pinhão-manso: cultura para uso como fonte de energia fomenta pesquisa - Bagarai" "Heineken". Visitado em 16 abril de 2011.
  18. Jatropha curcas L. Euphorbiaceae (PDF) Agroforestree Database 4.0 World Agroforestry Centre (2009). Visitado em 2010-10-14.
  19. FERREIRA, A. B. H. Novo dicionário da língua portuguesa. Segunda edição. Rio de Janeiro. Nova Fronteira. 1986. p. 1 078.
  20. FERREIRA, A. B. H. Novo dicionário da língua portuguesa. Segunda edição. Rio de Janeiro. Nova Fronteira. 1986. p. 1 078.
  21. http://www.catalogueoflife.org/show_species_details.php?record_id=4839083

Galeria[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  • Carl von Linné: Species Plantarum. (ed.1) 1: 1006, 1753
  • Alph. Steger, J. van Loon: Das fette Öl der Samen von Jatropha curcas. In: Fette und Seifen. 49(11), 1942, S. 769–840.
  • J. Heller: Physic nut Jatropha curcas L. IPK, Gatersleben 1996, ISBN 92-9043-278-0. (PDF)
  • N. D. Prajapati, Tarun Prajapati (Hrsg.): A handbook of Jatropha curcas Linn. (physic nut). Asian Medicinal Plants and Health Care Trust, 2005, ISBN 81-89070-05-3.
  • Bundesministerium für Ernährung, Landwirtschaft und Verbraucherschutz, Sonderheft 294: Möglichkeiten der Dekontamination von „Unerwünschten Stoffen nach Anlage 5 der Futtermittelverordnung (2006)“. 2006
  • Michael Schwelien: Treibstoff aus der Giftpflanze. In: Die Zeit. 31. Dezember 2004.
  • Ranty Islam: Indisches Nuß-Öl soll Autos antreiben. In: Die Zeit. 2. Dezember 2006.
  • J. Latschan: Sustainable energy: Risks and opportunities of biomass for biofuel. The case of Jatropha cultivation in India. Centre for Sustainability Management, Lüneburg 2009. (CSM Lüneburg, 2,4 MB; PDF)
  • Lutz Roth, Max Daunderer, Karl Kormann: Giftpflanzen Pflanzengifte. 6. überarbeitete Auflage. Nikol-Verlag, Hamburg 2012, ISBN 978-3-86820-009-6.
  • Ingrid und Peter Schönfelder: Das neue Buch der Heilpflanzen. Franckh-Kosmos Verlag, 2011, ISBN 978-3-440-12932-6.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Jatropha curcas
Wikispecies
O Wikispecies tem informações sobre: Jatropha curcas