La nouvelle manga

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

La Nouvelle Manga é um movimento artístico envolvendo banda desenhada franco-belga com o mangá japonês. O termo foi utilizado pela primeira vez por Kiyoshi Kusumi, redator chefe da revista de mangás Comickers, quando se referiu ao trabalho Manga Nouvelle Vague no Tanjo!! (literalmente, "O nascimento da nova onda do mangá!!"), do francês naturalizado japonês Frédéric Boilet. O próprio Boilet adotou o termo e encorajou outros artistas a participarem.[1]

O movimento[editar | editar código-fonte]

O movimento parte de algumas constatações como, por exemplo, a de que enquanto o cinema europeu se apóia com freqüência sobre temas do cotidiano, as histórias em quadrinhos européias estão, há muito tempo, presas a temas fixos como a ficção científica, as histórias de época e o western. Por outro lado, os japoneses utilizam grandemente o cotidiano como tema.

Boilet vê o movimento como uma tentativa de diminuir a distância entre os quadrinhos de todas as nacionalidades ou pelo menos entre os quadrinhos de autores da Europa e do Japão. Ele deseja fazer isso promovendo e criando trabalhos que combinem os melhores aspectos do movimento nouvelle vague do cinema francês, com mangás que tratam do cotidiano e histórias em quadrinho franco-belgas. De acordo com ele, o ponto forte dos mangás está na experimentação com narrativas enquanto o dos quadrinhos franco-belgas seria a experimentação com o estilo e o design. Como resultado, Boilet quer ver quadrinhos que capturem a essência da vida humana, feitos com um visual e estilo narrativo dinâmicos. Por tratarem de temas mais universais, esses seriam quadrinhos que atrairiam uma audiência maior do que a dos fãs costumeiros; que atrairiam os adultos e os jovens, os homens e as mulheres. Assim como no Japão, as pessoas leriam quadrinhos por curiosidade, como quando vão ao cinema ou lêem um livro.

A maioria das obras do nouvelle manga é classificada como alternativa ou semi-alternativa. As obras de Boilet, por exemplo, são publicadas em revistas do gênero seinen, relativamente conhecidas, como a Big Comic e as de Kan Takahama, um outro autor, na revista Garo.

Associaram-se de maneira mais ou menos distante da produção e dos debates que envolvem o movimento: Moyoco Anno, Aurélia Aurita, David B., Matthieu Blanchin, Frédéric Boilet, Nicolas de Crécy, Étienne Davodeau, Yoji Fukuyama, Emmanuel Guibert, Kazuichi Hanawa, Daisuke Igarashi, Little Fish, Taiyo Matsumoto, Fabrice Neaud, Loïc Néhou, Benoît Peeters, Frédéric Poincelet, David Prudhomme, François Schuiten, Joann Sfar, Kiriko Nananan, Hideji Oda, Kan Takahama, Jiro Taniguchi, Yoshiharu Tsuge, Vanyda e Naito Yamada.

Alguns álbuns nouvelle manga[editar | editar código-fonte]

Na ordem: título orginal, autor e ano original de publicação.

  • O Espinafre de Yukiko - Frédéric Boilet (2001);
  • Mariko Parade - Frédéric Boilet & Kan Takahama (2003);
  • L'Homme sans talent - Yoshiharu Tsuge (2004);
  • Na prisão - Kazuichi Hanawa (2005);
  • Le Terrain vague - Hideji Oda (2005);
  • Japon - diversos autores (2005);
  • Fraise et Chocolat - Aurélia Aurita (2006).

Ver Também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Inc Icon Group International. In: ICON Group International, Inc.. Adopts: Webster's Quotations, Facts and Phrases. [S.l.: s.n.]. 563 pp. ISBN 0546676278, 9780546676273.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre mangá e anime é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.