Shōjo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Searchtool.svg
Esta página ou secção foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa. Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo. Pode encontrar ajuda no WikiProjeto Animangá.

Se existir um WikiProjeto mais adequado, por favor corrija esta predefinição. Este artigo está para revisão desde dezembro de 2009.

Question book.svg
Este artigo não cita fontes confiáveis e independentes (desde dezembro de 2009). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)


Shōjo (少女? lit. menina(s)) é um termo usado para referir mangás e animes para garotas, apesar de poder também interessar a qualquer gênero ou faixa etária. Os mais conhecidos no Ocidente são os romances ou comédias românticas que normalmente envolvem personagens da mesma idade do público-alvo (adolescentes). Entretanto, também é possível encontrar mangás shōjo de conteúdo histórico, de ficção científica ou terror, por exemplo. O primeiro mangá considerado shojo foi A Princesa e o Cavaleiro criado pelo mangaká Osamu Tezuka que conta com muitas obras famosas de outros gêneros de mangá como Astro Boy, na década de 50. Um dos exemplos mais famosos de shōjo manga é Sailor Moon.

Informações gerais[editar | editar código-fonte]

A classificação do mangá é dada pela revista antológica em que a história é editada pela primeira vez. Assim se a revista em que o título sai periodicamente é shojo, o mesmo será shoujo, lembrando que histórias de sucesso são reeditadas em formato tankoubon (mangá), com qualidade superior às antologias, similar ao formato editado no exterior. Histórias para mulheres mais maduras, depois dos 18 anos aproximadamente, são mangás josei que seria o gênero adulto para o público feminino. As antologias de mangá acabam assim por determinar seu público alvo, as quais dividem-se em faixas etarias mais específicas do que meramente shoujo ou josei, assim há antologias que tem como público alvo meninas desde a idade em que começam a ler.[1] Há revistas que são limítrofes entre o shojo e o josei, mas mesmo assim elas tem sua classificação como parte de um dos dois gêneros; como é o caso da revista Cookie, onde o mangá NANA (da mangaká Ai Yazawa)(o segundo mangá mais vendido do mundo) é editado, que é uma revista shojo.

Na maioria das vezes, um mangá ou anime shōjo mostra os sentimentos que o personagem sente, como Lovely Complex, flores de cerejeira ou penas indicando um flashback ou algum momento dramático, assim como Card Captor Sakura ou Full Moon wo Sagashite. O mangá shõjo é conhecido por que o começo da história é sempre conhecido, em geral o encontro de um casal que logo irá se apaixonar, e ter um final bastante imprevisível o que por vezes frustra as leitoras. A complexidade do enredo varia conforme a idade do público alvo a ser atingido. Muitas vezes os temas giram em torno de colégios, poderes mágicos e geralmente uma história de amor.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Museu do Mangá, Kioto, visitado em janeiro de 2011.
Ícone de esboço Este artigo sobre mangá e anime é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.