Logos (cristianismo)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Logos (em grego: Λόγος - "palavra"/"verbo", "discurso" ou "razão"), conhecido em português como Verbo, é um importante conceito na cristologia cristã para estabelecer a doutrina da divindade de Jesus Cristo e sua posição como Deus Filho na Trindade, como declarado no Credo Calcedoniano.

O conceito deriva da famosa frase de João: «No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus.» (João 1:1) na abertura de seu evangelho (Ἐν ἀρχῇ ἦν ὁ λόγος, καὶ ὁ λόγος ἦν πρὸς τὸν θεόν, καὶ θεὸς ἦν ὁ λόγος[1] ). Em traduções, "Verbo" é geralmente utilizado para Logos (Λόγος), mas em discussões e obras teológicas, o termo não é geralmente traduzido.

Cristo como sendo o Logos[editar | editar código-fonte]

Teólogos cristãos geralmente consideram que João 1:1 como o principal texto para suportar a crença de que Jesus é Deus, considerando a ideia de que o Pai, o Filho e o Espírito Santo são iguais. Embora seja unicamente neste versículo que Jesus é chamado de "Verbo de Deus", o tema aparece por todo o Evangelho de João em variadas formas[2] .

Embora o termo Logos não apareça como um título além do prólogo, todo o livro de João defende este argumento básico. Sendo o Logos, Jesus Cristo é Deus auto-revelado (Luz) e a redenção (Vida). Ele é Deus presente para o homem e por ele conhecido. Tomé o reconheceu como Deus quando duvidou de sua ressurreição (João 20:28), mas o Logos também é, de alguma forma, diferente de Deus, pois como disse João, "...estava com Deus". Deus e o Logos portanto não são dois seres e, por outro lado, não são simplesmente idênticos. Este aparente paradoxo permeia os evangelhos. Deus, quando age e se revela, não "exaure" o que Deus é e isto aparece em várias frases de Jesus:

Assim, o Logos é Deus ativo na criação, revelação e redenção. Jesus Cristo não apenas traz a palavra de Deus aos homens, ele "é" a palavra, o "Verbo"[3] . E este entendimento é o que foi proclamado no Credo Niceno-Constantinopolitano, resultado do Primeiro Concílio de Constantinopla em 381[4] .

O teólogo Stephen L. Harris alega que João teria adaptado o conceito de Fílon de Alexandria sobre o Logos, identificando Jesus como uma encarnação do Logos divino que formou o universo[5] (cf. Provérbios 8:22-36).

Salmo 33:6[editar | editar código-fonte]

Entre os diversos versículos da Septuaginta e que adiantam o uso que será feito pelo Novo Testamento está «Pela palavra de Jeová foram feitos os céus, E pelo sopro da sua boca todo o exército deles.» (Salmos 33:6), que faz referência direta à história da criação em Gênesis[6] . Teófilo de Antioquia faz referência a esta ligação em To Autolycus 1:7[7] . Agostinho de Hipona considerava que, neste versículo, tanto logos ("palavra") quanto pneuma ("sopro") estava "próximos de serem personificados".[8] .

Lucas 1:2[editar | editar código-fonte]

Alguns teólogos enxergam em «como no-los transmitiram os que foram deles testemunhas oculares desde o princípio, e ministros da palavra» (Lucas 1:2) uma primeira referência ao Logos e ao arche ("começo")[9] [10] .

João 1:1[editar | editar código-fonte]

O Evangelho de João começa com um "Hino ao Verbo" que identifica Jesus como sendo o Logos e este, como sendo Deus. As quatro últimas palavras do versículo (θεὸς ἦν ὁ λόγος - literalmente "Deus era o Logos" ou "o Verbo era Deus") tem, particularmente, sido o tópico de diversos debates no cristianismo. Na frase em grego, tanto o sujeito (Logos) quanto o objeto (Deus) aparecem no caso nominativo e, assim, o complemento é geralmente diferenciado eliminando-se o artigo e colocando-o antes do verbo[11] [12] . Gramaticalmente, portanto, a frase poderia ser lida tanto como "o Verbo era Deus" quanto "o Verbo era um deus". Os primeiros manuscritos do Novo Testamento não faziam distinção entre caixa alta e caixa baixa[11] , de forma que as crenças já existentes quando foram criados influenciaram a tradução, embora muitos acadêmicos vejam o movimento de "Deus" para o início da sentença como um indicador de uma ênfase mais consistente com "o Verbo era Deus"[13] [14] [15] [16] .


I João 1[editar | editar código-fonte]

O tema de João 1:1 - "O que era desde o princípio, o que temos ouvido, o que temos visto com os nossos olhos, o que contemplamos e o que as nossas mãos apalparam, a respeito do Verbo da vida" - seria o tema desenvolvido no primeiro capítulo de I João. Alguns autores notaram que eles compartilham as importantes palavras arche e logos[17] . Outros afirmam que há relação entre a identificação de Jesus com logos em I João 1:1 e João 1:14[18] . Por fim, Smalley afirma que "o primeiro verso em I João 1:1 faz referência ao Logos pré-existente e que os três seguintes, ao 'Logos encarnado'"[19] .

Logos como "verbo", "sabedoria" e a linguagem do Antigo Testamento[editar | editar código-fonte]

O Novo Testamento faz uso de diversas partes do relato sobre a "Sabedoria" no Antigo Testamento e as aplica a Jesus:

  • Assim como a sabedoria, Jesus existia previamente a todas as coisas e estava com Deus[20] ;
  • A linguagem lírica sobre "a sabedoria ser o sopro do poder de Deus, refletindo a glória divina na forma de luz e sendo uma imagem de Deus", parece ser ecoada por I Coríntios 1:17-18 e I Coríntios 1:24-25 (versículos que asssociam a sabedoria divina com o poder), por Hebreus 1:3 ("sendo o resplendor da sua glória"), João 1:9 ("a verdadeira luz que, vinda ao mundo, alumia a todo o homem") e em Colossenses 1:15 ("a imagem do Deus invisível").
  • O Novo Testamento aplica a Cristo a linguagem sobre a importância cósmica da sabedoria como agente de Deus na criação do mundo: «Tudo foi feito por ele; e nada do que tem sido feito, foi feito sem ele» (João 1:3)[21]
  • Quarto, em face a crucificação de Jesus, Paulo transforma vivamente a noção da inacessibilidade da sabedoria divina em I Coríntios. "A sabedoria de Deus" (I Coríntios 1:21) não é apenas "misteriosa e oculta" (I Coríntios 2:7), mas também, definida pela cruz e sua proclamação, dos "estultos para o sábios do mundo" (I Coríntios 1:18-25)[22] .
  • Através de suas parábolas e por outros meios, Jesus ensina a sabedoria[23] . Ele é "maior" que Salomão, o sábio do Antigo Testamento e professor por excelência[24] .
  • O Novo testamento, contudo, não parece ter aplicado a Cristo os temas sobre a "Senhora Sabedoria"[25] e sua beleza radiante. Leão, o Grande (m. 461), porém, lembra de Provérbios 9:1, que retrata o ainda não nascido Jesus no útero de Maria como "A sabedoria edificou a sua casa"[26] .

Há, de qualquer maneira, uma clara preferência no Novo Testamento pelo Logos como sendo a palavra dita ou uma afirmação racional, a despeito da disponibilidade desta rica linguagem e conceituação da sabedoria. João prefere falar sobre o "Verbo", um termo que oferece também uma rica complexidade de significados.

O Antigo Testamento deu uma contribuição essencial à mensagem cristológica essencial do Novo Testamento de Cristo como sendo o Logos. O Verbo está com Deus desde o princípio[27] , é poderosamente criativo[28] e é a personificação da expressão de Deus[29] . Assim como a sabedoria, a palavra expressa o poder ativo de Deus na criação. A oração de Salomão assume "verbo" e "sabedoria" como agentes idênticos da criação divina: "Deus dos pais e Senhor de misericórdia, tudo criaste com a 'tua palavra'! Com a 'tua sabedoria' formaste o homem para dominar as criaturas que fizeste"[30] . Mesmo assim, o prólogo de João não se inicia afirmando que "No princípio era a 'Sabedoria' e a 'Sabedoria' estava com Deus e a 'Sabedoria' era Deus"[31] .

Apesar de, na literatura judaica pré-cristianismo, "sabedoria", "verbo/palavra" e, em todo caso, "espírito" serem "quase formas alternativas de descrever o poder ativo e imanente de Deus"[32] , há diversas considerações a serem feitas para entender por que João escolheu Logos ("verbo"/"palavra") e não "sabedoria". Primeiro por que, dado que sophia (grego antigo para "sabedoria") já era personificada como "Senhora Sabedoria"[25] , poderia ficar estranho falar desta figura feminina como "encarnando" quando Jesus era um homem. Segundo, no judaísmo helenístico, a lei de Moisés já havia sido igualada com a "sabedoria"[33] e creditada com muitas de suas características[34] . Anunciar, portanto, que a "Sabedoria era Deus e encarnou" poderia parecer sugerir que "a Torá era Deus e encarnou". No espaço de uns poucos anos, os cristãos passariam a identificar o Filho de Deus e Logos com "lei" ou "a Lei"[35] . Mas nem João e nem nenhum outro autor do Novo Testamento o fez. O mais perto disto pode ser encontrado em Gálatas 6:2 ("lei de Cristo") e em Romanos 10:4 (que, em algumas traduções, aparece como "o fim da lei é Cristo"[36] ). Para os autores do Novo Testamento, Jesus substitui a Torá e suas qualidades, principalmente a "luz"[37] e a "vida"[38] , que agora são atribuídas a Jesus, principalmente em João. Por fim, Paulo, Lucas (especialmente nos Atos dos Apóstolos) e outras testemunhas do Novo Testamento prepararam o caminho para o prólogo de João ao se utilizarem de Logos como significando a revelação de Deus através de Cristo[39] .

Tanto na época do Novo Testamento como depois, o "Verbo" joanino apresentou diversas possibilidades cristológicas. Primeiro, a possibilidade de identificação e distinção. Por um lado, palavras procedem de alguém que fala, uma espécia de extensão dele e são, num certo sentido, iguais a ele ("o Verbo era Deus"). Por outro, uma palavra é distinta de quem a profere ("o Verbo estava com Deus"). Portanto, Cristo é identificado com YHWH, mas é diferente dele. Em segundo lugar, Deus proferiu o Verbo Divino já desde o princípio ("desde o princípio") e o Verbo "era" (e não "se tornou") Deus. Neste contexto, "Verbo" inicia a discussão sobre a pré-existência, pessoal e eterna, de Cristo como Logos[40] .

Em terceiro lugar, palavras revelam quem as profere. Feliz ou infelizmente, palavras expressam o que está na mente. No Antigo Testamento, "a palavra de Deus" repetidamente denota a revelação de Deus e de sua vontade. O Evangelho de João consegue, assim, passar tranquilamente do linguajar sobre "o Verbo" para se concentrar em «o Deus unigênito que está no seio do Pai, esse o revelou.» (João 1:18) Como Filho de Deus enviado pelo Pai ou o Filho do homem que desceu dos céus de uma forma única e exclusiva, Jesus revela uma sabedoria celeste[40] [41] .

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. João 1:1 (em grego) Byblos. Página visitada em 01/06/2013.
  2. Como, por ex., em João 6:60, João 7:36, João 8:37-43, João 12:48 e João 19:8
  3. Vide João 1:14 - "O Verbo se fez carne e habitou entre nós, cheio de graça e de verdade, e vimos a sua glória, glória como do unigênito do Pai."; e João 14:6 - "Eu sou o caminho e a verdade e a vida; ninguém vem ao Pai senão por mim."
  4. Frank Stagg, New Testament Theology.
  5. Harris, Stephen L., Understanding the Bible. Palo Alto: Mayfield. 1985. "John" p. 302-310
  6. Gênesis 32:6 - τῷ λόγῳ τοῦ κυρίου οἱ οὐρανοὶ ἐστερεώθησαν καὶ τῷ πνεύματι τοῦ στόματος αὐτοῦ πᾶσα ἡ δύναμις αὐτῶν
  7. Oskar Skarsaune In the shadow of the temple: Jewish influences on early Christianity p342
  8. Agostinho de Hipona, The Trinity Edmund Hill, John E. Rotelle 1991 p35
  9. David L. Jeffrey A Dictionary of biblical tradition in English literature 1992 Page 460. "Em sua referência a 'testemunhas oculares desde o princípio, e ministros da palavra' Lucas está certamente se referindo a uma pessoa e, também, às palavras"
  10. Leon Morris The Gospel according to John 1995 Page 110 - "...quando Lucas fala dos que foram 'testemunhas oculares desde o princípio, e ministros da palavra', é difícil não ficar com a impressão de que "a palavra" seria, para ele, mais do que a doutrina."
  11. a b J.W. Wenham, The Elements of New Testament Greek, Cambridge University Press, 1965, p. 35.
  12. Leon Morris, The Gospel According to John, Eerdmans, 1995, p. 68, ISBN 0-8028-2504-4.
  13. William Hendriksen, The Gospel of John, The Banner of Truth Trust, 1959, p. 71.
  14. William D. Mounce, Basics of Biblical Greek, 2nd ed, Zondervan, 2003, pp. 27–28.
  15. F. F. Bruce, Frederick Fyvie Bruce, The Gospel of John, Eerdmans , 1994, p. 31, ISBN 0-8028-0883-2.
  16. D. A. Carson, The Gospel According to John, Eerdmans , 1991, p. 117, ISBN 0-8028-3683-6.
  17. John Painter, Daniel J. Harrington 1, 2, and 3 John 2002 p131
  18. Dwight Moody Smith First, Second, and Third John 1991 p48
  19. Stephen S. Smalley 1, 2, 3 John 2008 p25
  20. João 1:1-2
  21. Veja também Colossenses 1:16 e Hebreus 1:2
  22. Veja também Mateus 11:25-27
  23. Mateus 25:1-12; Lucas 16:1-18; também Mateus 11:25-30
  24. Mateus 12:42
  25. a b Por exemplo em Provérbios 1:20-33, Provérbios 8:1-9 e Sab 8:2.
  26. Epistolae 31, 2-3
  27. Gênesis 1:1, João 1:1
  28. Gêneses 1:1 até Gêneses 2:4; Isaías 55:10-11; Salmos 33:6-9; Salmos 107:20; Judite 16:14
  29. Sab 18:14-16
  30. Sab 9:1-2
  31. É importante diferencia entre o significado e a tradução de Logos como elas aparecem nas várias tradições e textos, o que será enfatizado nesta seção com base em G. O'Collins, Christology: A Biblical, Historical, and Systematic Study of Jesus, OUP (1995), pp. 24-41; J.D.G. Dunn, Christology in the Making, SCM Press (1989), pp. 196-207, 230-9.
  32. J.D.G. Dunn, Christology in the Making, SCM Press (1989), p. 196.
  33. Baruque 4:1-4 e Eclesiástico 24:23.
  34. Pelo menos em um lugar (Isaías 2:3), "verbo"/"palavra" aparece associado com a Torá.
  35. Como de fato ocorreu em Pastor de Hermas, Similitudines, 8. 3. 2; Justino Mártir, Diálogo com Trypho, 43. 1 e 11. 2.
  36. Rom 10:4 na Nova Versão Internacional, por exemplo
  37. Salmos 119:105 Provérbios 6:23
  38. Salmos 119:93 Provérbios 4:4-13
  39. Como J.D.G. Dunn, Christology in the Making, SCM Press (1989) pp. 230-9, corretamente argumenta, o contexto para a escolha de João por "verbo" também pode ser encontrado nos livros mais antigos do Novo Testamento e não somente no Antigo ou em outras fontes (como Filon de Alexandria); cf. também A. T. Lincoln, The Gospel According to St John, Continuum (2005), pp.94-8.
  40. a b Cf. G. O'Collins, Christology: A Biblical, Historical, and Systematic Study of Jesus, cit., pp. 24-41
  41. Cf. Dunn, op. cit., pp. xxvi-xxviii.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Borgen, Peder. Early Christianity and Hellenistic Judaism. Edinburgh: T & T Clark Publishing. 1996.
  • Brown, Raymond. An Introduction to the New Testament. New York: Doubleday. 1997.
  • Butler, Clark. G.F. W. Hegel. Boston: Twayne Publishing. 1977.
  • Dillion, J. M. “Plato/Platonism.” in The Dictionary of the New Testament Background. ed. by Craig A. Evans and Stanley E. Porter. (CD-ROM) Downers Grove: InterVarsity Press. 2000.
  • Essays in Greco-Roman and Related Talmudic Literature. ed. by Henry A. Fischel. New York: KTAV Publishing House. 1977.
  • Ferguson, Everett. Backgrounds in Early Christianity. Grand Rapids: Eerdmans Publishing. 1993.
  • Freund, Richard A. Secrets of the Cave of Letters. Amherst, New York: Humanity Books. 2004.
  • Greene, Colin J. D. Christology in Cultural Perspective: Marking Out the Horizons. Grand Rapids: InterVarsity Press. Eerdmans Publishing. 2003.
  • Hillar, Marian. Philo of Alexandria (20BCE-50CE). in The Internet Encyclopedia of Philosophy. ed. by James Fieser and Bradley Dowden. 2006. Available at iep.edu
  • Holt, Bradley P. Thirsty for God: A Brief History of Christian Spirituality. Minneapolis: Fortress Press. 2005.
  • Josephus, Flavius. Complete Works. trans. and ed. by William Whiston. Grand Rapids: Kregel Publishing. 1960.
  • Lebreton, J. (1910). The Logos. In The Catholic Encyclopedia. New York: Robert Appleton Company. Retrieved August 29, 2011 from New Advent.
  • Letham, Robert. The Work of Christ. Downers Grove: InterVarsity Press. 1993.
  • Macleod, Donald. The Person of Christ. Downers Grove: InterVarsity Press. 1998.
  • McGrath, Alister. Historical Theology: An Introduction to the History of Christian Thought. Oxford: Blackwell Publishing. 1998.
  • Moore, Edwin. “Neoplatonism.” in The Internet Encyclopedia of Philosophy. ed. by James Fieser and Bradley Dowden. 2006. Available at iep.edu
  • Neusner, Jacob. From Politics to Piety: The Emergence of Pharisaic Judaism. Providence, R. I.: Brown University. 1973.
  • Norris, Richard A. Jr. The Christological Controversy. Philadelphia: Fortress Press. 1980.
  • O'Collins, Gerald. Christology: A Biblical, Historical, and Systematic Study of Jesus. Oxford:Oxford University Press. 2009.
  • Pelikan, Jaroslav. Development of Christian Doctrine: Some Historical Prolegomena. London: Yale University Press. 1969.
  • _______ The Emergence of the Catholic Tradition (100-600). Chicago: University of Chicago Press. 1971.
  • Robertson, J. A. T. Redating the New Testament. 2nd ed. Philadelphia: Westminster Press. 1985.
  • Sacred Realm: The Emergence of the Synagogue in the Ancient World. ed, by Steven Fine. New York: Oxford Press. 1996.
  • Schweitzer, Albert. Quest of the Historical Jesus: A Critical Study of the Progress from Reimarus to Wrede. trans. by W. Montgomery. London: A & C Black. 1931.
  • Turner, William. “Neo-Platonism.” in New Advent Catholic Encyclopedia. ed by John Cardinal Farley, Archbishop of New York, 2006. Available at http://newadvent.org./cathen/10742b.htm.
  • Tyson, John R. Invitation to Christian Spirituality: An Ecumenical Anthology. New York: Oxford University Press. 1999.
  • Westerholm, S. “Pharisees.” in The Dictionary of New Testament Background. ed. by Craig A. Evans and Stanley E. Porter. (CD-ROM) Downers Grove: InterVarsity Press. 2000.
  • Wilson, R. Mcl. Gnosis and the New Testament. Philadelphia: Fortress Press. 1968.
  • Witherington, Ben III. The Jesus Quest: The Third Search for the Jew of Nazareth. Downers Grove: InterVarsity Press. 1995.
  • _______ “The Gospel of John.” in The Dictionary of Jesus and the Gospels. ed. by Joel Greene, Scot McKnight and I. Howard
  • Marshall. (CD-ROM) Downers Grove: InterVarsity Press. 1992.
  • Yamauchi, Edwin. Pre-Christian Gnosticism: A Survey of the Proposed Evidence. Grand Rapids: Eerdmans Publishing. 1973.