Caso nominativo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Casos gramaticais

Declinação

Casos gramaticais
Declinação por idioma
editar esta tabela

O caso nominativo, caso reto ou primeiro caso é um caso gramatical equivalente ao sujeito e ao predicativo do sujeito.

O caso nominativo é a forma habitual de certas categorias gramaticais, como substantivos, adjetivos, pronomes e, menos frequentemente, numerais e particípios, e às vezes não indica nenhuma relação especial do nome com outras categorias gramaticais. Por isso, em algumas línguas o caso nominativo é desmarcado, isto é, a palavra nominativa é a forma básica ou raiz, sem flexão; alternativamente, pode-se dizer que é marcado por um morfema nulo. Além disso, na maior parte das línguas com um caso nominativo, a forma nominativa é a usada para citar uma palavra ou enumerá-la como entradas de dicionários e enciclopédias. O idioma japonês é um dos poucos que têm um caso nominativo propriamente dito, representado pela partícula "ga".

O caso nominativo é encontrado no latim e grego antigo, entre outras línguas. O português ainda conserva alguns pronomes nominativos, classificados como pronomes pessoais do caso reto, em oposição aos do caso oblíquo. Os pronomes pessoais do caso reto no português são: eu (oblíquos me e mim), tu (oblíquos te e ti), ele(s)/ela(s) (oblíquos o(s)/a(s), ele(s)/ela(s), lhe(s) e si), nós (oblíquos nos e nós) e vós (oblíquos vos e vós).

O termo caso nominativo é mais comumente usado em relação a esse caso nas línguas nominativo-acusativas, como latim, grego e nas línguas mais modernas da europa ocidental. Já o termo caso reto é normalmente usado em línguas analíticas como o português, o espanhol e o galego, para se referir ao mesmo caso gramatical.

Ver também[editar | editar código-fonte]