Martinho de Tours

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de São Martinho de Tours)
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde novembro de 2011).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
São Martinho de Tours
São Martinho no Mosteiro de Tibães
O Apóstolo da Gália e Bispo de Tours
Nascimento 316 em Sabaria, Panônia Prima
Morte 397
Festa litúrgica 11 de Novembro
Gloriole.svg Portal dos Santos

Martinho de Tours (em latim: Martinus Turonensis; Sabaria, Panónia, 316 - Condate, Gália, 397), foi um militar, monge e, mais tarde, bispo de Turonum (Tours), sendo considerado santo pela Igreja Católica.[1]


Vida[editar | editar código-fonte]

A sua vida decorreu no século IV, que foi uma época de importantes transformações. Martinho de Tours teve um importante papel nessas mesmas transformações ao ter sido, primeiro, um convertido à religião cristã e, depois, um dos impulsionadores de uma maior cristianização da Europa, cujo processo avançou significativamente no século IV. Ainda em termos de contexto histórico, nasceu três anos após o Edito de Milão promulgado pelo imperador Constantino I no ano de 313, que havia concedido aos cristãos liberdade de culto.

Foi discípulo de Santo Hilário de Poitiers (um dos doutores da Igreja), que se distinguiu na Teologia, e também foi contemporâneo de outro importante doutor da Igreja - Agostinho de Hipona (354-430). Embora Martinho fosse um homem culto, foi na ação prática (caridade, ensino, fundação e construção de igrejas, de mosteiros e de escolas) que se distinguiu.

A sua ação missionária e pedagógica, a par da de outros, foi muito importante na cristianização da Gália (é mesmo apelidado de apóstolo da Gália ou “Pai das Gálias”[2] ), mas também numa área geográfica e cultural mais vasta, tendo esta se repercutido em outras províncias ocidentais do Império Romano. A sua ação educativa, caritativa e religiosa revelar-se-ia fundamental a longo prazo ao ter contribuído para deixar um legado cultural e religioso que perdurou para além da queda do Império Romano do Ocidente (no ano de 476) e que faz parte da formação da própria civilização cristã europeia. Foi um dos fundadores do monaquismo na Europa Ocidental. Devido à sua vida exemplar, ainda em vida foi reverenciado.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Infância[editar | editar código-fonte]

Martinho (Martinus em latim) era filho de um Tribuno, comandante e soldado do exército romano. Nasceu e cresceu na cidade de Sabaria/Savaria (atual Szombathely), localizada na antiga província da Panónia, (atual área da Hungria a oeste do rio Danúbio), em 316, uma província nas fronteiras do Império Romano. A família na qual nasceu não era de religião cristã, a educação da sua família foi feita na religião dos seus antepassados: a da religião politeísta romana antiga (que tinha crença em deuses mitológicos venerados no Império Romano).[3] [4]

Por curiosidade começou a freqüentar uma Igreja cristã, ainda criança, sendo instruído na doutrina cristã, porem sem receber o batismo. Aos 10 anos de idade (no ano de 326) entrou para o grupo dos catecúmenos (aqueles que estão se preparando para receber o batismo). Assim, ele despertou para a fé cristã quando ainda menino.[5] [6] [7]

Membro do Exército Romano[editar | editar código-fonte]

Ao atingir a adolescência, aos 15 anos de idade (no ano de 331), para tê-lo mais à sua volta, seu pai o alistou na cavalaria do exército imperial contra a própria vontade. Mas se o intuito do pai era afasta-lo da Igreja, o resultado foi inverso, pois Martinho, continuava praticando os ensinamentos cristãos, principalmente a caridade.[8] [9] [10]

Depois, foi destinado a prestar serviço na Gália, (atual França), no entanto, mesmo como soldado da cavalaria do exército romano, jamais abandonou os ensinamentos de Cristo.[11]

Foi nessa época que ocorreu o famoso episódio do manto, que poderá ter ocorrido no ano de 337, próximo da cidade de Samarobriva/Ambiano (atual Amiens, capital da Picardia). Um dia um mendigo que tiritava de frio pediu-lhe esmola e, como não tinha, o cavalariano cortou seu próprio manto com a espada, dando metade ao pedinte. Contam os relatos escritos que, durante a noite, o próprio Jesus lhe apareceu em sonho, usando o pedaço de manta que dera ao mendigo e agradeceu a Martinho por tê-lo aquecido no frio. Dessa noite em diante, ele decidiu que deixaria as fileiras militares para dedicar-se à religião.[12] [13] [14]

Batismo[editar | editar código-fonte]

Com vinte e dois anos foi batizado (no ano de 338), provavelmente por Santo Hilário, bispo da cidade de Pictávio (atual Poitiers), mas também é possível que o tenha sido pelo bispo de Samarobriva ou Ambiano (atual Amiens), cidade perto da qual ocorreu o célebre repartir do manto a um mendigo.[15] [16] [17]

Monge e Professor[editar | editar código-fonte]

Afastou-se da vida da corte e do exército, tornou-se monge, tendo permanecido na Gália.

No ano de 354, aos 38 anos de idade, chega a Pictavium (Poitiers), para se tornar discípulo do seu famoso bispo - Santo Hilário, que o ordenou diácono. Nesse mesmo ano, parte em viagem de regresso à Panónia, para a sua cidade natal de Sabaria, com o objectivo de se encontrar com a sua família e tentar converter vários dos seus conterrâneos à religião cristã através da pregação e da evangelização. Entre os novos convertidos que fez contaram-se a sua mãe mas não o seu pai, que permaneceu na religião politeísta.[18] [19]

No ano seguinte (355), no entanto, é expulso da Panónia por questões relacionadas com a perseguição movida pelos partidários do arianismo, pois Martinho era um firme defensor do cristianismo católico ou catolicismo.[20] [21]

Durante 5 anos permaneceu isolado, vivendo como monge, numa ilha do Mar Tirreno, na Ilha de Galinária, ao largo da costa de Itália.

No ano de 361, aos 45 anos de idade, Martinho regressou à Gália, no mesmo ano em que Santo Hilário voltou do exílio e regressou à cidade de Pictavium (atual Poitiers). Tendo sabido esta informação, Martinho viaja para essa cidade. Ambos contactam diretamente e Santo Hilário doou a Martinho um terreno em Ligugé, a doze quilômetros de Pictavium (Poitiers). Lá, Martinho fundou uma comunidade de monges. Mas logo eram tantos jovens religiosos que buscavam sua orientação, que ele construiu o primeiro mosteiro da França e da Europa ocidental. [22] [23]

Missionário e Evangelizador[editar | editar código-fonte]

No ocidente, ao contrário do oriente, os monges podiam exercer o sacerdócio para que se tornassem apóstolos na evangelização.

Martinho liderou então a conversão de muitos habitantes da região rural. Com seus monges ele visitava as aldeias pagãs, pregava o evangelho, derrubava templos e ídolos e construía igrejas. Onde encontrava resistência fundava um mosteiro com os monges evangelizando pelo exemplo da caridade cristã, logo todo o povo se convertia.[24] [25]

Dizem os escritos (como os de Sulpício Severo) que, nesta época, havia recebido dons místicos, operando muitos prodígios em beneficio dos pobres e doentes que tanto amparava. A sua vida foi uma verdadeira luta contra o paganismo e em favor do cristianismo.[26] [27]

Bispo[editar | editar código-fonte]

Quando a diocese de Cesaroduno, também conhecida por Civitas Turono (atual Tours), na Gália (atual França), ficou vaga, no ano de 371, tinha Martinho 55 anos, o povo o aclamou por unanimidade para ser o bispo, no entanto, pessoalmente preferiria recusar o cargo.[28] [29]

Martinho aceitou, apesar de resistir no início. Mas não abandonou sua peregrinação apostólica, visitava todas as paróquias, zelava pelo culto e não desistiu de converter pagãos e exercer exemplarmente a caridade. Nas proximidades da cidade fundou outro mosteiro, denominado Marmoutier. E sua influência não se limitou a Tours, mas se expandiu por toda a Gália (atual França) e para além desta em outras províncias do Império Romano, tornando-o querido e amado por todo o povo.[30] [31]

Martinho exerceu o bispado por vinte e cinco anos. Já idoso, aos oitenta e um anos de idade, Martinho, Bispo de Tours, ainda afirmava: Senhor, se o vosso povo precisa de mim, não vou fugir do trabalho. Seja feita a vossa vontade. Estava na cidade de Condate (atual Candes), perto de Tours, quando morreu no dia 8 de novembro de 397, aos oitenta e um anos de idade.[32] [33]

Relatos Biográficos[editar | editar código-fonte]

A vida de São Martinho é sobretudo conhecida devido aos escritos de Sulpício Severo (c.360-c.420), que foi seu discípulo e amigo, e de Gregório de Tours (538-594), que também foi bispo de Tours mas duzentos anos mais tarde.

Sulpício Severo escreveu a obra A vida de São Martinho (Vita Martini, em latim) que é o relato da sua vida que melhor informação nos dá mais próxima da época em que ele viveu, embora Sulpício lhe tenha acrescentado diversas lendas e prodígios. Esta obra teve grande divulgação pelas províncias do Império Romano e, mais tarde, tornou-se uma das mais famosas biografias de santos (hagiografia) da época medieval europeia, tendo esta contribuído ainda mais para o conhecimento e fama acerca de São Martinho.[34] [35]

Culto[editar | editar código-fonte]

Importância[editar | editar código-fonte]

Venerado como São Martinho de Tours, tornou-se o primeiro Santo não mártir a receber culto oficial da Igreja e tornou-se um dos Santos mais populares da Europa medieval.

Quatro mil igrejas são dedicadas a ele na França, e o seu nome dado a milhares de localidades, povoados e vilas; como em toda a Europa, nas Américas, enfim, em muitos países do mundo.

É em Tours, na França, que está o seu santuário e basílica que parte das suas relíquias dentro do braço erguido de uma enorme estátua, que o representa a abençoar[36] .

Discorrendo sobre ele, o Papa Bento XVI disse: O gesto caritativo de São Martinho se insere na lógica que levou a Jesus a multiplicar os pães para as multidões famintas, mas sobretudo a dar-se a si mesmo como alimento para a humanidade na Eucaristia. (...) Com esta lógica de compartilhar se expressa de modo autêntico o amor ao próximo. (Alocução do Ângelus, de 11 de novembro de 2007).

Curiosidades[editar | editar código-fonte]

Ele instituiu a primeira escola e transformou o local – que hoje é a cidade de Tours[37] .

Sobre o túmulo de S. Martinho, por estar agoniado pela perspectiva da batalha de Tolbiac contra a temível horda dos alamanos (ano 496), o rei Clóvis prometeu converter-se ao “Deus de Clotilde”, sua mulher católica, se obtivesse a vitória. Como venceu miraculosamente e foi baptizado junto com os seus soldados no Natal, do mesmo ano[38] .

A família real francesa recebeu o nome de “Capeto” por ter recebido, há mais de um milénio, um pedaço da sua célebre capa como relíquia e pela circunstancia histórica explicada acima que fez nascer a primeira nação cristã da Europa[39] .

Foi de tal maneira cultuado, que o templo onde ela se venerava que recebeu o nome de “capela”, palavra hoje largamente generalizada[40] .

Em resultado da Revolução Francesa foi demolida a sua basílica, que já tinha sido restaurada devido a circunstancias idênticas pelos protestantes, mas que desta vez os "revolucionários" fizeram passar uma rua por cima do túmulo, a fim de garantir que ele fosse esquecido definitivamente. Apenas no século XIX um aristocrata francês, conhecido como “o santo homem de Tours”, promoveu pela França uma cruzada para sua reparação conseguindo-o.

Santo Padroeiro[editar | editar código-fonte]

São Martinho é padroeiro de diversas profissões (antigas e modernas) que são as seguintes: curtidores, alfaiates, peleteiros, soldados, cavaleiros, restauradores (hotéis, pensões, restaurantes), produtores de vinho.[41] [42]

Também é o padroeiro dos mendigos.

Festa de São Martinho[editar | editar código-fonte]

Sua festa é comemorada no dia 11 de Novembro, data em que foi sepultado na cidade de Tours.

Há diversas tradições festivas associadas a esta data e que se relacionam com um espírito de convívio e de solidariedade.

Algumas dessas tradições são:

- Comer a chamada oca de São Martinho (um ganso);

- Beber do vinho novo (guardado após as vindimas), chamado vinho de São Martinho;

- Acender de fogos de festa: os fogos de São Martinho.

Também associados à festa de São Martinho há dois ditos:

- No dia de São Martinho bebe o vinho e deixa a água correr para o moinho;

- No São Martinho vai à adega e prova o vinho.[43] [44]

Referências

  1. QUINSON, Marie-Therese (1999). Dicionário cultural do cristianismo. Edicoes Loyola. p. 193. ISBN 978-85-15-01330-2.
  2. As relíquias na grande estátua da basílica de São Martinho de Tours, Ciência Confirma Igreja, 31 de março de 2014
  3. http://www.bcdp.org/v2/images/documentos/s.%20martinho.pdf
  4. http://smartinho.blogspot.pt/2004/11/vida-de-s-martinho.html
  5. http://www.bcdp.org/v2/images/documentos/s.%20martinho.pdf
  6. http://smartinho.blogspot.pt/2004/11/vida-de-s-martinho.html
  7. http://www.catolicanet.com/?system=santododia&action=ver_santos&data=11/11
  8. http://www.bcdp.org/v2/images/documentos/s.%20martinho.pdf
  9. http://smartinho.blogspot.pt/2004/11/vida-de-s-martinho.html
  10. http://www.catolicanet.com/?system=santododia&action=ver_santos&data=11/11
  11. http://www.catolicanet.com/?system=santododia&action=ver_santos&data=11/11
  12. http://www.bcdp.org/v2/images/documentos/s.%20martinho.pdf
  13. http://smartinho.blogspot.pt/2004/11/vida-de-s-martinho.html
  14. http://www.catolicanet.com/?system=santododia&action=ver_santos&data=11/11
  15. http://www.bcdp.org/v2/images/documentos/s.%20martinho.pdf
  16. http://smartinho.blogspot.pt/2004/11/vida-de-s-martinho.html
  17. http://www.catolicanet.com/?system=santododia&action=ver_santos&data=11/11
  18. http://www.bcdp.org/v2/images/documentos/s.%20martinho.pdf
  19. http://smartinho.blogspot.pt/2004/11/vida-de-s-martinho.html
  20. http://www.bcdp.org/v2/images/documentos/s.%20martinho.pdf
  21. http://smartinho.blogspot.pt/2004/11/vida-de-s-martinho.html
  22. http://www.bcdp.org/v2/images/documentos/s.%20martinho.pdf
  23. http://smartinho.blogspot.pt/2004/11/vida-de-s-martinho.html
  24. http://www.bcdp.org/v2/images/documentos/s.%20martinho.pdf
  25. http://smartinho.blogspot.pt/2004/11/vida-de-s-martinho.html
  26. http://www.bcdp.org/v2/images/documentos/s.%20martinho.pdf
  27. http://smartinho.blogspot.pt/2004/11/vida-de-s-martinho.html
  28. http://www.bcdp.org/v2/images/documentos/s.%20martinho.pdf
  29. http://smartinho.blogspot.pt/2004/11/vida-de-s-martinho.html
  30. http://www.bcdp.org/v2/images/documentos/s.%20martinho.pdf
  31. http://smartinho.blogspot.pt/2004/11/vida-de-s-martinho.html
  32. http://www.bcdp.org/v2/images/documentos/s.%20martinho.pdf
  33. http://smartinho.blogspot.pt/2004/11/vida-de-s-martinho.html
  34. http://www.bcdp.org/v2/images/documentos/s.%20martinho.pdf
  35. http://smartinho.blogspot.pt/2004/11/vida-de-s-martinho.html
  36. As relíquias na grande estátua da basílica de São Martinho de Tours, Ciência Confirma Igreja, 31 de março de 2014
  37. As relíquias na grande estátua da basílica de São Martinho de Tours, Ciência Confirma Igreja, 31 de março de 2014
  38. As relíquias na grande estátua da basílica de São Martinho de Tours, Ciência Confirma Igreja, 31 de março de 2014
  39. As relíquias na grande estátua da basílica de São Martinho de Tours, Ciência Confirma Igreja, 31 de março de 2014
  40. As relíquias na grande estátua da basílica de São Martinho de Tours, Ciência Confirma Igreja, 31 de março de 2014
  41. http://www.bcdp.org/v2/images/documentos/s.%20martinho.pdf
  42. http://smartinho.blogspot.pt/2004/11/vida-de-s-martinho.html
  43. http://www.bcdp.org/v2/images/documentos/s.%20martinho.pdf
  44. http://smartinho.blogspot.pt/2004/11/vida-de-s-martinho.html

Ver também[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Martinho de Tours
Ícone de esboço Este artigo sobre Cristianismo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.