Sarandi (Paraná)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Emblem-scales.svg
A neutralidade desse artigo (ou seção) foi questionada, conforme razões apontadas na página de discussão.
Justifique o uso dessa marca na página de discussão e tente torná-lo mais imparcial.
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde outubro de 2011).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
NoFonti.svg
Este artigo ou secção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde outubro de 2011).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Município de Sarandi
Bandeira de Sarandi
Brasão de Sarandi
Bandeira Brasão
Hino
Fundação 14 de outubro de 1981
Gentílico sarandiense
Prefeito(a) Carlos de Paula (PDT)
(2013–2016)
Localização
Localização de Sarandi
Localização de Sarandi no Paraná
Sarandi está localizado em: Brasil
Sarandi
Localização de Sarandi no Brasil
23° 26' 38" S 51° 52' 26" O23° 26' 38" S 51° 52' 26" O
Unidade federativa  Paraná
Mesorregião Norte Central Paranaense IBGE/2008[1]
Microrregião Maringá IBGE/2008[1]
Região metropolitana Maringá
Municípios limítrofes Maringá e Marialva
Distância até a capital 412 km
Características geográficas
Área 103,226 km² [2]
População 82 842 hab. Censo IBGE/2010[3]
Densidade 802,53 hab./km²
Altitude 592 m
Clima Subtropical
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,768 alto PNUD/2000[4]
PIB R$ 511 009,123 mil IBGE/2008[5]
PIB per capita R$ 6 120,90 IBGE/2008[5]
Página oficial

Sarandi é um município brasileiro do estado do Paraná, situado na Mesorregião Norte Central Paranaense. A população de acordo com o Censo 2010 é de 82.842 habitantes.

História[editar | editar código-fonte]

Sarandi foi traçada nos mapas da Companhia Melhoramentos do Norte do Paraná em 1947. Era o início da venda de lotes urbanos na região, que viria a constituir a localidade e que serviria de “centro de abastecimento” da Ferrovia Rede Viação Paraná/Santa Catarina.

Entretanto, documentos e depoimentos relacionados à posse de terras evidenciam a presença de famílias na área rural desde a década de 1930, vindo a aumentar consideravelmente na década seguinte.

As primeiras famílias desbravam a terra, abriram clareiras e formaram as primeiras lavouras de café. Muitos destes pioneiros, anos depois, foram os primeiros moradores também na área urbana, contribuindo para o desenvolvimento da localidade.

Os primeiros habitantes eram, em sua maioria, imigrantes vindos do estado de São Paulo e da região Nordeste brasileira, sonhando com as riquezas do Norte do Paraná. Eles adquiriram suas terras, abrindo a mata e formando grandes lotes rurais. Assim começava o plantio de café.

Na área urbana, em 1974, as loteadoras iniciaram a venda de terrenos. Porém a explosão imobiliária ocorreu em 1976. Na ocasião, um grande número de famílias deixou o campo por força da geada que dizimou os cafezais.

O sucesso na venda de terrenos urbanos viabilizou à abertura de novos loteamentos. O acentuado crescimento econômico, a expansão da área urbana e o aumento na arrecadação de impostos impulsionam a eclosão de um movimento popular pedindo a emancipação política da localidade, que na época pertencia à Marialva. Um plebiscito popular em 1981 aprovou a criação do Município de Sarandi, de acordo com a Lei 7052/1982.

Sarandi e região metropolitana[editar | editar código-fonte]

Hoje, Sarandi busca resolver vários problemas que vêm desde o seu surgimento, como a falta de planejamento e urbanismo, educação, cultura, saúde, educação e violência, que, aos poucos, resultam em melhorias na qualidade de vida de sua população.

Posicionando o município em relação a região metropolitana com projeto de lei em tramitação na Assembleia Legislativa do Estado, convém uma leitura de material divulgado em setembro de 2005, pelo Jornal da UEM - Universidade Estadual de Maringá, folha 3 / Urbanismo, sob título “Radiografia da região metropolitana”.

Pesquisadores da Universidade Estadual de Maringá e de outras instituições ligadas à Rede Observatório das Metrópoles buscaram apontar os problemas e as soluções para as cidades. Assim, o Núcleo Região Metropolitana de Maringá/UEM, da rede Observatório das Metrópoles, sediada na Universidade Federal do Rio de Janeiro, elaboraram o projeto "Como anda a região metropolitana de Maringá".

De acordo com a coordenadora do Núcleo, professora Ana Lúcia Rodrigues, uma pesquisa realizada pela rede/UFRJ revelava que, na verdade, indicativos dos municípios sob a área de influência de Maringá não alcançavam a pontuação suficiente para serem classificados como metropolitanos, com a exceção de Sarandi e Paiçandu.

No trabalho elaborado pelo Núcleo local, constatou-se que, em comparação com Maringá, Sarandi e Paiçandu eram os municípios mais carentes em políticas públicas da região, na época de divulgação da pesquisa.

O crescimento populacional nas duas cidades era de 4% a 5% ao ano, enquanto o aumento registrado no município polo foi de 2,2%. Entre julho de 2004 e julho de 2006, três mil novos moradores se fixaram em Sarandi. Paiçandu ganhou mil habitantes, e Maringá ganhou cinco mil.

Esse crescimento populacional fez aumentar os problemas sociais, principalmente porque, na região, os dois municípios menores são também os que possuem os níveis mais baixos de renda. A renda per capita mensal em Paiçandu é de R$ 182,23 em Sarandi é de R$ 187,13, enquanto em Maringá é de R$ 465,37.

Conforme o estudo, Sarandi e Paiçandu eram as únicas cidades com alto nível de integração com o município polo (Maringá). Entretanto, apresentavam os problemas mais sérios.

Ainda, de acordo com a coordenadora do Núcleo, professora Ana Lúcia Rodrigues, deveria haver políticas públicas mais inclusivas em todos os municípios metropolitanos, incluindo Sarandi, e não somente em Maringá. Isso contribuiria para aumentar o nível de integração e diminuir as desigualdades sociais entre as cidades.

O processo de concentração das atividades e de população na sede da aglomeração urbana regional chegava a 75%, muito acima do que ocorria em outras regiões metropolitanas brasileiras. Apenas o município de Sarandi apresentava algum peso, pois sua população respondia por 16% da fatia do bolo populacional na região.

A pesquisa apontava, ainda, a existência de um déficit habitacional em todos os municípios.

Outra importante conclusão da pesquisa demonstra que, em 2005, não sobraria, na maior parte dos municípios, recursos para investimentos em projetos integrados. Segundo o cruzamento de dados, existia, entre os municípios, uma disparidade nos índices de arrecadação municipal própria e nos percentuais da receita consumidos com o serviço da dívida pública.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Localiza-se a uma latitude 23º26'37" sul e a uma longitude 51º52'26" oeste, estando a uma altitude de 592 metros. Sua população estimada em 2004 era de 83.449 habitantes.

Rodovias[editar | editar código-fonte]

Subdivisões geográficas[editar | editar código-fonte]

Sarandi é uma cidade hierarquizada e dividida em loteamentos, que dão origem aos bairros. A cidade também é dividida em regiões geográficas; são elas: Zona Norte (região ao norte da BR-376), Zona Sul (região ao sul da linha férrea) e Zona Central (região entre a rodovia e a linha férrea). Cada região de Sarandi possui comércio e prestação de serviços próprios, centralizados pela Zona Central, onde se encontra a maioria dos bancos e lojas. A maioria dos bairros de Sarandi vem sofrendo um grande processo de valorização em decorrência de obras de infraestrutura e novos empreendimentos nos mesmos. Atualmente, Sarandi possui os seguintes bairros:

ZONA NORTE

  • Alvamar
  • Alphaville
  • Bom Pastor
  • Estância Zaúna
  • Independência
  • Nova Independência
  • Novo Panorama
  • Ouro Verde
  • Panorama
  • Perimetral
  • Regente
  • Rio de Janeiro
  • São José
  • Universal
  • Universitário

ZONA CENTRAL

  • Centro
  • Das Flores
  • Dom Bosco
  • Europa
  • Nova Aliança
  • Nova Paulista
  • Novo Centro
  • Parque Industrial
  • Primaverão
  • São Jorge
  • Verão

ZONA SUL

  • Ana Elisa
  • Bela Vista
  • Califórnia
  • Castelo
  • Cometa
  • Eco Valley
  • Esperança
  • Floresta
  • Itamaraty
  • Mauá
  • Monte Líbano
  • Monterey
  • Nova Sarandi
  • Novo Bertioga
  • Portal das Torres
  • Real
  • Santana
  • São Pedro
  • Triângulo
  • Vale Azul
  • Vera Cruz

Crescimento[editar | editar código-fonte]

Sarandi vem apresentando nos últimos anos um considerável crescimento e desenvolvimento econômico, impulsionado principalmente pela construção civil e pelo comércio. Dezenas de loteamentos, condomínios e apartamentos tem expandido os limites geográficos da cidade. Entre eles, vale destacar os condomínios Eco Garden Residence, na Zona Sul; Eco Valley; e o Jardim Rio de Janeiro, na Zona Norte da cidade, na continuação da Avenida Rio de Janeiro.

Industrias e Comércio[editar | editar código-fonte]

Encontram-se instaladas, em Sarandi, dezenas de indústrias de pequeno, médio e grande porte, que geram empregos para toda a região. Se destacam, entre elas, a NOMA do Brasil, uma das maiores empresas do ramo de carrocerias da América Latina, e a CPA Trading, empresa de armazenamento de Etanol. O comércio de Sarandi, embora desfavorecido pela proximidade com a cidade polo Maringá, é forte e está em constante crescimento, e novas redes se instalam na cidade, como as Lojas Pernambucanas e a Subway. Além da região Central de Sarandi, outros bairros vem apresentando um bom crescimento comercial, como os Jardins Panorama, Independência e Esperança.

Referências

  1. a b Divisão Territorial do Brasil. Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1 de julho de 2008). Página visitada em 11 de outubro de 2008.
  2. IBGE (10 out. 2002). Área territorial oficial. Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Página visitada em 5 dez. 2010.
  3. Censo Populacional 2010. Censo Populacional 2010. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (29 de novembro de 2010). Página visitada em 11 de dezembro de 2010.
  4. Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil. Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) (2000). Página visitada em 11 de outubro de 2008.
  5. a b Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Página visitada em 11 dez. 2010.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre municípios do estado do Paraná é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.