Sismo do Chile de 2010

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Sismo do Chile de 2010
Consequência de uma tsunami proveniente do terremoto que atingiu o Chile em 27 de fevereiro de 2010.
Mapa da área atingida pelo sismo de 27 de fevereiro de 2010 na costa do Chile.
Epicentro 35° 50' 45,6" S 72° 43' 8,4" O
Profundidade 35
Magnitude 8,8 MW
Data 27 de fevereiro de 2010
Zonas atingidas  Chile
Vítimas 795 mortes confirmadas[1]

O sismo do Chile de 2010 ocorreu ao longo da costa da Região de Maule no Chile[2] em 27 de fevereiro de 2010, às 3h34min na hora local (6h34min UTC), atingindo uma magnitude de 8,8 na escala de magnitude de momento e durando três minutos.[3] [4] O terremoto foi sentido na capital Santiago com intensidade VIII na escala de Mercalli (Ruinoso).[5] Tremores foram sentidos em muitas cidades argentinas, incluindo Buenos Aires, Córdoba, Mendoza e La Rioja.[6] [7] Outros foram sentidos mais ao norte, como na cidade de Ica no sul do Peru.[8] Alertas de tsunami foram emitidos por 53 países,[5] e um tsunami foi registrado, com ondas superiores a 2,6m. no mar de Valparaíso, Chile. A presidente Michelle Bachelet declarou "estado de calamidade". Ela também confirmou a morte de pelo menos 723 pessoas.[9] Muitos outros foram registrados como desaparecidos[10] [11] [12]

Sismologistas estimam que o terremoto tenha sido tão poderoso que o sismo teria encurtado a duração do dia em 1,26 microssegundos e deslocado o eixo terrestre em 8 cm.[13] [14] [15]

O epicentro do sismo foi no mar da região de Maule, aproximadamente 8 km a oeste de Curanipe e 115 km a norte-nordeste da segunda maior cidade do Chile, Concepción.[16] [17] O terremoto também causou seichas que ocorreram no Lago Pontchartrain ao norte de Nova Orleães, Estados Unidos, localizadas a cerca de 7 600 km do epicentro do terremoto.[18]

Geologia[editar | editar código-fonte]

O sismo aconteceu na subducção da Placa de Nazca sob a placa da América do Sul.

O sismo ocorreu ao longo da fronteira entre a Placa de Nazca e a Placa Sul-Americana, as quais convergem a uma taxa de aproximadamente 8 cm por ano,[19] tendo sido causado por um movimento de subducção da primeira sob a segunda.

A costa do Chile é um local de intensa atividade sísmica. A zona está situada sobre o Círculo de Fogo do Pacífico. Até hoje o maior abalo sísmico sofrido pelo país foi o sismo de Valdivia de 1960, com magnitude 9,5Mw. Mais recentemente, em 2007, o Sismo de Tocopilla, que atingiu 7.7 Mw e afetou a região de Antofagasta, também teve seu epicentro localizado entre as placas de Nazca e Sul-americana.

Entretanto, Richard Gross do Laboratório de Propulsão a Jacto da NASA concluiu através da aplicação de modelização computorizada de que o sismo alterou em cerca de oito centímetros o eixo da Terra, tornando os dias mais curtos em cerca de 1,26 microssegundo.[20]

Danos e vítimas[editar | editar código-fonte]

Residência destruída pelo terremoto.
Prédio destruído em Concepción.

Segundo um cinegrafista da Associated Press Television News, alguns edifícios desmoronaram em Santiago e houve corte no fornecimento de energia em algumas partes da cidade.[21] Edifícios danificados e incêndios foram registrados em Concepción.[22] O governo já havia contabilizado 214 mortes no fim do primeiro dia.[23] [24] Quatro dias depois, as vítimas fatais já alcançavam 795.[25]

Em diferentes cidades ocorreram roubos e saques, de lojas, prédios e casas, especialmente os mais afetados.[26] Em Concepción, apesar do toque de recolher, os saques continuaram e foi incendiado o shopping La Polar. O terremoto causou a escassez de matérias-primas, as pessoas em várias cidades para longas filas nos postos de gasolina para fazer combustível,[27] os danos sofridos em muitas refinarias, forçou a Companhia Nacional de Petróleo aumentar as importações de combustível para garantir o abastecimento energia, por decisão da presidente Cristina Kirchner, Argentina dobrou o envio de gás para aliviar a demanda para fins de geração de energia a diesel.[28]

No Aeroporto Internacional de Santiago, uma de suas passarelas de acesso à entrada caiu. Dutos de ar condicionado se romperam, inundando o saguão, que também ficou bastante danificado. Houve perdas de equipamentos, como televisores, telões, letreiros e objetos das lojas. As autoridades aeroportuárias fecharam todas as operações de voo durante 72 horas, à torre de controle e nem às pistas, que resistiram perfeitamente aos fortes tremores.[2]

A ONEMI (Oficina Nacional de Emergencia) do Chile estima que, na escala de Mercalli, a intensidade do sismo na província de Bibío tenha sido IX e, em Santiago, VIII.[29] A USGS estimou a intensidade em Santiago e Valparaíso em VII-VIII MM.

A empresa Air Worldwide, especializada em avaliar o impacto financeiro de desastres naturais, estima que o prejuízo total decorrente do terremoto possa ultrapassar 15 bilhões de dólares, considerando não só os danos ocorridos em edificações, mas também na infraestrutura - estradas, pontes, aeroportos, redes elétricas e de telecomunicações.

Praia de Pichilemu, Chile após o terremoto.

Auxílio do governo brasileiro[editar | editar código-fonte]

Após reunir-se com Michelle Bachelet, em Santiago, o presidente Lula comprometeu-se a enviar um hospital de campanha da Marinha Brasileira, além de profissionais de saúde e de resgate, para auxílio às vítimas do terremoto. Durante o sismo, havia 300 a 400 brasileiros em trânsito no Chile. 30 deles regressaram em 2 de março, no avião reserva da FAB que acompanhava a aeronave do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Aeronaves avião Hércules da FAB seguiram para o Chile nos dias seguintes para trazer outros grupos de brasileiros e levar ajuda ao país, incluindo o Hospital de Campanha da Marinha do Brasil. Dois helicópteros H-60 Blackhawk chegaram à Concepción no dia 4 de março, de onde cumpriram missões de transporte de ajuda humanitária até o dia 19 daquele mês.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Wikinotícias
O Wikinotícias tem uma ou mais notícias relacionadas com este artigo: Terremoto de 8,8 graus mata no Chile

Referências

  1. "Bachelet says Chile quake toll rises to 795-report", Reuters AlertNet, 2 de março de 2010. Página visitada em 2 de março de 2010.
  2. a b Reuters earthquake report Reuters.. Página visitada em 27 de fevereiro de 2010.
  3. USGS Earthquake Details United States Geological Survey. Página visitada em 27 de fevereiro de 2010.
  4. Patrick Sawer. "Huge earthquake hits Chile", The Daily Telegraph, 27 de fevereiro de 2010. Página visitada em 27 de fevereiro de 2010.
  5. a b "Tsunami After Major Earthquake Hits Chile", Sky News, 27 de fevereiro de 2010. Página visitada em 27 de fevereiro de 2010.
  6. Confirman que el sismo de Chile se sintió en Buenos Aires (em Spanish) Infobae (27 de fevereiro de 2010). Página visitada em 27 de fevereiro de 2010.
  7. "En la región de Cuyo "se sintió muy fuerte" el temblor de Chile", Infobae.com, 27 de fevereiro de 2010. Página visitada em 27 de fevereiro de 2010.
  8. "Temblor sacude Ica y causa temor en pobladores tras terremoto en Chile", Peru.com, 27 de fevereiro de 2010. Página visitada em 27 de fevereiro de 2010.
  9. "Chilean quake toll jumps to 708", BBC News, 28 de fevereiro de 2010. Página visitada em 28 de fevereiro de 2010.
  10. David Batty. "Deadly earthquake hits central Chile", The Guardian, 27 de fevereiro de 2010. Página visitada em 27 de fevereiro de 2010.
  11. "Death toll in Chile earthquake rises to 78", RTÉ News, 27 de fevereiro de 2010. Página visitada em 27 de fevereiro de 2010.
  12. "8.8-magnitude quake rocks Chile, sets off tsunami", Los Angeles Times, 27 de fevereiro de 2010. Página visitada em 27 de fevereiro de 2010.
  13. Chilean Quake May Have Shortened Earth Days, NASA News 03/01/10, Pagina visitada em 17 de janeiro de 2014.
  14. Earth days could be shorter after Chilean earthquake News.com.au (22 de julho de 2009). Página visitada em 2 de março de 2010.
  15. Terremoto do Chile deixou os dias na Terra mais curtos, diz cientista da Nasa
  16. Magnitude 8.8 – Offshore Maule, Chile United States Geological Survey (27 de fevereiro de 2010). Página visitada em 27 de fevereiro de 2010.
  17. Intensity of shaking in cities around the 2010 Chilean earthquake from USGS Earthquake.usgs.gov (27 de outubro de 2009). Página visitada em 1 de março de 2010.
  18. Erdman, Jonathan (27 de fevereiro de 2010). de fevereiro de 2010 How strong & rare was quake? The Weather Channel. Página visitada em 27 de fevereiro de 2010.
  19. Sismo 8.8 sentido no Chile Instituto de Meteorologia (27 de fevereiro de 2010). Página visitada em 27 de fevereiro de 2010.
  20. Sismo do Chile desviou o eixo da Terra - Ciências - PUBLICO.PT publico.pt. Página visitada em 3 de março de 2010.
  21. Eva Vergara, Associated Press, "8.8-magnitude earthquake hits central Chile".. Acesso em 27 de fevereiro de 2010..
  22. [1].
  23. [2].
  24. Terremoto no Chile afeta 1,5 milhão de casas; mortos passam de 200 UOL Notícias. (27 de fevereiro de 2010). Página visitada em 27 de fevereiro de 2010.
  25. Sobe para 799 o número de mortos em terremoto de 8,8 graus no Chile Folha Online. (3 de março de 2010). Página visitada em 3 de março de 2010.
  26. Terremoto no Chile El Observador. (27 de fevereiro de 2010). Página visitada em 27 de fevereiro de 2010.
  27. http://www.elmostrador.cl/ahora/2010/02/27/enap-terremoto-genera-alteraciones-en-refinerias-y-asegura-disponibilidad-de-combustibles/
  28. http://ar.reuters.com/article/topNews/idARN0324806120100303
  29. "Bachellet confirmó que hay cinco muertos por el sismo en Chile", mdz online. Acesso em 27 de fevereiro de 2010. (em espanhol).