Torre de Hércules

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Pix.gif Torre de Hércules *
Welterbe.svg
Património Mundial da UNESCO

Spain LaCoruna tower.jpg
Torre de Hércules
País Espanha
Critérios iii
Referência 1312
Coordenadas 43° 23.14' N 8° 24.39' O
Histórico de inscrição
Inscrição 2009  (33ª sessão)
* Nome como inscrito na lista do Património Mundial.
Torre de Hércules
Localização Corunha,  Espanha
Coordenadas 43° 23.14' N 8° 24.39' O

A Torre de Hércules localiza-se no extremo Norte da península corunhesa, a cerca de 1600 metros do centro da cidade da Corunha, na Galiza, Espanha.

Monumento nacional, é o mais antigo, ilustre e representativo da Corunha, e o elemento principal do seu escudo. É o único farol romano que existe no mundo e que continua a cumprir a sua função.[1]

História[editar | editar código-fonte]

A torre foi construída na cidade de Brigâncio, no século II, durante os mandatos dos imperadores Trajano e Adriano, pelo arquitecto Gaio Sévio Lupo,[2] natural da cidade de Emínio (atual Coimbra) na Lusitânia, e tinha como função servir de farol de navegação.

A torre terá perdido o seu uso marítimo possivelmente durante a Idade Média, quando foi convertida em fortificação.

Em 1682, o duque de Uceda incumbiu o arquitecto Amaro Antune da restauração da estrutura. Este construiu uma escada de madeira que atravessa as abóbadas para a parte superior, onde dispôs as pequenas torres que suportam o farol.

Foi no reinado de Carlos IV de Espanha que ficou completa a sua reconstrução, tendo os trabalhos sido iniciados em 1788. A obra neoclássica terminou em 1791 sob a direcção de Eustaquio Giannini.

Em 27 de junho de 2009 foi classificada como Património da Humanidade pela UNESCO.

Características[editar | editar código-fonte]

A torre era, antes da reforma, um corpo prismático com base quadrada, apresentando no exterior um muro de pedra com duas portas na parte baixa e janelas assimétricas que chegavam ao piso superior.

Após as reformas, passou a constituir-se numa torre e num farol. De planta quadrada, ergue-se a uma altura de 68 metros. O conjunto é constituído por três corpos: o inferior, de base quadrada com 11,60 metros de largura e 34,60 metros de altura; um intermédio, de menores dimensões, de secção octogonal; e um terceiro, menor ainda, também de secção octogonal, que suporta a construção cilíndrica em vidro que protege a lanterna do farol.

Ao subir os seus 242 degraus, pode-se apreciar a vista panorâmica da linha de costa e do oceano Atlântico.

Lendas[editar | editar código-fonte]

Há várias lendas locais relacionadas à sua construção. Uma delas conta que Hércules chegou de barco às costas que rodeiam actualmente a torre e que foi, precisamente ali, o lugar onde enterrou a cabeça do gigante Gerião, depois de o vencer em combate.

Gerião, rei de Brigâncio, era um tirano que obrigava os seus súditos a entregarem a metade dos seus bens, incluindo os seus filhos. Um dia decidiram pedir ajuda a Hércules. Este derrotou o rei, enterrou-o, e levantou, à guisa de túmulo, a Torre de Hércules; esta lenda está representada no escudo de Corunha.

Outra lenda, esta de origem Irlandesa e constante do "Livro das Invasões da Irlanda", apontaria Breogán, líder do mítico Povo Milesiano que colonizou a Irlanda, como construtor da alta torre.[3] De acordo com a mesma lenda, Ith, filho de Breogán, teria avistado a Irlanda pela primeira vez do alto da mítica Torre de Breogán.

Referências