Prisma

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Um prisma

Um prisma é todo poliedro formado por uma face superior e uma face inferior paralelas e congruentes (também chamadas de bases) ligadas por arestas.[1] [2] As laterais de um prisma são quadriláteros ou paralelogramos. A nomenclatura dos prismas é dada de acordo com a forma das bases. Assim, se temos pentágonos nas bases, teremos um prisma pentagonal. O prisma pode ser classificado em reto quando suas arestas laterais são perpendiculares às bases, e oblíquo quando não são.

Propriedades de um prisma reto[editar | editar código-fonte]

Para calcular a área da superfície de um prisma, calcularemos a área das bases e a área das laterais (para calcular a área das laterais, calcularemos a área de todos os polígonos laterais e somaremos a área de todos eles), e somaremos as duas, formando a área total (At). Já para calcular o volume, usaremos a seguinte fórmula V = Bh, em que B é a área da base e h é a altura do prisma, que corresponde a aresta lateral do prisma.

Prismas e antiprismas[editar | editar código-fonte]

Prisma

Os prismas e antipirinismo são grupos finitos.

Os prismas são constituídos por duas faces paralelas chamadas lados que dão o nome ao prisma, e uma série de rectângulos, tantos como lados da face directriz. Por exemplo, o prisma cujas faces directrizes são triangulares chama-se prisma triangular e compõe-se de dois triângulos e três rectângulos; tem nove arestas e seus vértices de ordem três de onde convergem sempre dois rectângulos e um triângulo. Outro exemplo seria o prisma decagonal composto de dois decágonos e dez rectângulos; tem trinta arestas e vinte vértices de ordem três.

Os antiprismas têm uma construção parecida, duas faces paralelas e a uni-las uma série de triângulos.

Primeiro uso[editar | editar código-fonte]

Prisma

Conhecido também por prisma de Espato de Islândia (ou Nicol), é usado para transformar um feixe de luz natural num feixe de luz polarizada. Seu uso é aplicado num ramo da física a isomeria óptica. Sua invenção é atribuída ao físico e mineralogista escocês Guilherme Nicol, nascido em 1768 e falecido em 1851.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas

  1. Universidade Estadual Paulista. Prisma (PDF)
  2. Marcelo Rigonatto. Elementos de um poliedro (em português) R7 Escola Kids. Visitado em 24 de setembro de 2013.

Referências[editar | editar código-fonte]

  • Anthony Pugh. Polyhedra: A visual approach (em ). Califórnia: University of California Press Berkeley, 1976. ISBN 0-520-03056-7. Capítulo 2: Poliedro de Arquimedes, prismas e antiprismas