Toussaint Louverture

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou se(c)ção não cita fontes fiáveis e independentes (desde setembro de 2010). Por favor, adicione referências e insira-as no texto ou no rodapé, conforme o livro de estilo. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros, acadêmico)Yahoo!Bing.
François-Dominique Toussaint Louverture.
François-Dominique Toussaint Louverture.
Nascimento 20 de Maio de 1743
Cabo Haitiano, Saint-Domingue
Morte 8 de abril de 1803 (59 anos)
Fort-de-Joux, França
País Haiti
Força Exército
Anos em serviço 1791-1803
Hierarquia General
Batalhas/Guerras Independência do Haiti
Outros Serviços Político

François-Dominique Toussaint Louverture (20 de maio de 17438 de abril de 1803, Forte de Joux, La Cluse-et-Mijoux, Doubs) foi o maior líder da Revolução haitiana e, em seguida, governador de Saint Domingue, o nome do Haiti na época.

É reconhecido por ter sido o primeiro líder negro a vencer as forças de um império colonial europeu em seu próprio país. Nascido escravo, tendo sua formação em armas e tendo levado uma luta vitoriosa para a liberação dos escravos haitianos, ele passou a ser uma figura histórica de importância no movimento de emancipação dos negros na América.

A independência do Haiti[editar | editar código-fonte]

A revolução para independência do Haiti iniciou-se em 1791, tendo á frente o líder negro Toussaint Louverture e, como pano de fundo, os incêndios nos canaviais. Em 1794, quando o governo aboliu a escravidão nas colônias, os haitianos já tinham conquistado sua liberdade. Toussaint, porém, manteve a região ligada à federação francesa. Em 1801, o líder haitiano libertou os escravos da porção espanhola da ilha (a atual República Dominicana).

A característica peculiar do processo de independência do Haiti foi a participação maciça dos negros, que defendiam a liberdade, a igualdade e o direito à propriedade de terras.

A revolução, no entanto, não agradou Napoleão, já que a libertação dos escravos diminuiu os lucros com o que era outrora a mais lucrativa colônia francesa. O Imperador francês enviou para a colônia seu cunhado, Charles Leclerc, com a intenção declarada de depôr Louverture e com a intenção secreta de restaurar a escravidão na ilha. Leclerc consegue apoio de pessoas próximas de Toussaint e por fim consegue que o auto-declarado governador do hoje Haiti assine um acordo em 7 de maio de 1802 no qual, no entanto, a escravidão continua sendo proibida.

Toussaint Louverture então se ausenta para uma fazenda que, depois de três semanas é atacada por tropas de Leclerc. Toussaint e sua família são enviados para a França e aprisionados. Na prisão, em 1803, Louverture finalmente morre de pneumonia e é enterrado sem caixão em uma caverna debaixo da capela da prisão.

Na ilha, o desaparecimento de Toussaint não leva à calma. A situação das tropas francesas vai piorando e a febre - mais do que a guerilha - provoca baixas terríveis no corpo expedicionário. A aliança dos chefes negros acelera o desastre das tropas francesas que acabam por capitular no dia 19 de novembro em Vertieres, deixando Santo Domingo para sempre.

Os chefes negros substituem o nome de Santo Domingo pelo nome caribenho de Haiti e, no dia 29 de novembro 1803 « em nome dos negros e homens de cor, é proclamada a independência de Santo Domingo. Devolvidos a nossa liberdade primitiva, asseguramos nós mesmos nossos direitos, juramos de não obedecer à nenhuma força da Terra… ». A independência é confirmada o dia 1 de Janeiro 1804.

Assim nasceram: a primeira e única insurreição vitoriosa de escravos; a primeira colônia indígena independente e a primeira República Negra da Historia da humanidade. Como celebrou Aimé Césaire, foi no Haiti onde « pela primeira vez, a negritude se pôs em pé ».

Toussaint Louverture não viu se cumprir este glorioso fim. Foi o vencedor póstumo. Debilitado pela enfermidade e isolado na sua cela em Joux, morreu o dia 7 de abril 1803.

Napoleão I conheceu sua primeira derrota em Santo Domingo. Em 1817, no Memorial de Santa Helena, reconheceu seu erro: "O assunto de Santo Domingo foi uma estupidez minha. Foi o maior erro que cometi em administração. Deviria ter tratado os chefes negros como as autoridades de uma província e deixado, como Vice-Rei, Toussaint Louverture”. Apreciável homenagem do "Napoleão Branco" , chamado de "Napoleão Negro" pelo famoso escritor Chateaubriand.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]