Trabalho Interno

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Inside Job
Trabalho Interno (BR)
 Estados Unidos
2010 • 108 min 
Direção Charles H. Ferguson
Produção Charles H. Ferguson
Audrey Marrs
Produção executiva Jeffrey Lurie
Christina Weiss Lurie
Roteiro Charles H. Ferguson
Narração Matt Damon
Gênero Documentário
Idioma inglês
Música Alex Heffes
Cinematografia Svetlana Cvetko
Kalyanee Mam
Edição Chad Beck
Adam Bolt
Distribuição Sony Pictures Classics
Orçamento US$ 6.000.000
Receita US$ 7.871.522[1]
Página no IMDb (em inglês)

Trabalho interno é um documentário de 2010 acerca da crise financeira global de 2007-2012 dirigida por Charles H. Ferguson. O filme é descrito por Ferguson como sendo sobre "a corrupção sistêmica dos Estados Unidos pela indústria de serviços financeiros e as consequências da corrupção sistêmica."

Em cinco partes, o filme explora como as mudanças no ambiente político e as práticas bancárias ajudaram a criar a crise financeira. Trabalho Interno foi então bem recebido pela crítica que louvou seu ritmo, pesquisa e exposição de material complexo.

Foi exibido no Festival de Cannes de 2010 em maio e ganhou o Oscar de melhor documentário de 2011. Contou com entrevistas de George Soros, Barney Frank, Lee Hsien Loong, Christine Lagarde, Eliot Spitzer, Dominique Strauss-Kahn, entre outros.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

O documentário está dividido em cinco partes. Ele começa examinando como a Islândia estava altamente desregulada em 2000 e a privatização de seus bancos. Quando o Lehman Brothers foi à bancarrota e o AIG entrou em colapso, a Islândia e o resto do mundo entraram em uma recessão global.

Parte I: Como chegamos aqui[editar | editar código-fonte]

A indústria financeira americana estava regulada de 1940 a 1980, seguida de um longo período de desregulação. No fim da década de 1980, a crise de empréstimo e da economia custou aos contribuintes cerca de 124 bilhões de dólares. Nos final da década de 1990, o setor financeiro se consolidou em algumas firmas gigantes. Em 2001, a bolha pontocom explodiu porque os bancos de investimento promoveram companhias de Internet, que sabiam que faliriam, resultando em 5000 bilhões de dólares em perdas de investidores. Nos anos 90, os derivativos se tornaram populares na indústria e aumentaram a instabilidade. Esforços em regular derivativos foram contrariados pelo Commodity Futures Modernization Act of 2000, apoiado por vários funcionários-chave. Nos anos 2000, a indústria foi dominada por cinco bancos de investimento: (o Goldman Sachs, o Morgan Stanley, o Lehman Brothers, o Merrill Lynch e o Bear Stearns), dois conglomerados financeiros (o Citigroup, o JPMorgan Chase), três companhias de seguro securitizadas (AIG, MBIA, AMBAC) e as as três agências de classificação de risco de crédito: (Moody’s, Standard & Poors e Fitch).

Os bancos de investimento empacotaram hipotecas com outros empréstimos e débitos em obrigações de dívida colateralizada (CDOs), que eles venderam aos investidores. As agências de classificação deram a muitos CDOs classificações AAA. Os empréstimos subprime levaram ao empréstimo predatório. A muitos proprietários de residência foram dados empréstimos que eles nunca poderiam saldar.

Parte II: A Bolha (2001-2007)[editar | editar código-fonte]

Durante o boom da habitação, a proporção de dinheiro pedida emprestada por um banco de investimento versus os próprios ativos do banco alcançaram níveis sem precedentes. A permuta padrão de créditos (CDS), era aparentada à uma política securitária. Os especuladores poderiam comprar CDSs para apostar contra CDOs que não possuíam. Numerosos CDOs foram apoiados por hipotecas subprime. O Goldman-Sachs vendem mais ações do que valem. Venderam os 3000 milhões de dólares de CDOs na primeira metade de 2006. O Goldman também apostou contra os CDOs de baixo valor, dizendo aos investidores que eram de alta qualidade. As três maiores agências de classificação contribuíram para o problema. Os instrumentos de classificação subiram direto de um mero punhado em 2000 para mais que 4.000 em 2006.

Parte III: A Crise[editar | editar código-fonte]

O mercado para CDOs colapsou e bancos de investimento foram deixados com centenas de milhares de milhões de dólares em empréstimos, os CDOs e o estado real que eles não poderiam se desfazer. A Grande Recessão começou em novembro de 2007 e em março de 2008 o Bear Stearns ficou sem dinheiro em espécie. Em setembro, o governo federal assumiu o Fannie Mae e o Freddie Mac, que tinham estado à beira do colapso. Dois dias mais tarde, o Lehman Brothers colapsou. Todas estas entidades tinham classificações AA ou AAA dias antes de serem socorridas. Merrill Lynch, na extremidade do colapso, foi adquirido pelo Bank of America. Henry Paulson e Timothy Geithner decidiram que o Lehman deveria entrar em falência, o que resultou em um colapso do mercado de notas promissórias. Em 17 de setembro, o insolvente AIG foi assumido pelo governo. No dia seguinte, Paulson e o presidente do Fed, Ben Bernanke, pediram ao Congresso US$ 700 bilhões para socorrer os bancos. O sistema financeiro global se tornou paralisado. Em 3 de outubro de 2008, o presidente Bush assinou o Troubled Asset Relief Program, mas os mercados de ações globais continuaram a despencar. Demissões e embargos continuaram com o desemprego crescendo a 10% nos EUA e na União Europeia. Por volta de dezembro de 2008, a GM e a Chrysler também enfrentaram a falência. Os embargos nos EUA atingiram níveis sem precedentes.

Parte IV: Responsabilidade[editar | editar código-fonte]

Os altos executivos das companhias insolventes se afastaram com suas fortunas pessoais intactas. Os executivos tinham escolhido a dedo seu quadro de diretores, que entregava bilhões em bônus após o socorro do governo. Os maiores bancos cresceram em força e duplicaram os esforços anti-reforma. Os economistas acadêmicos tinham defendido por décadas a desregulação e ajudaram a moldar a política dos EUA. Eles ainda se opuseram à reforma depois da crise de 2008. Algumas das firmas de consultoria envolvidas foram a Analysis Group, a Charles River Associates, a Compass Lexecon, e o Grupo Consultivo de Economia e Direito (LECG). Muitos destes economistas tinham conflitos de interesse, coletando dinheiro como consultores de companhias e de outros grupos envolvidos na crise financeira.[2]

Parte V: Onde estamos agora[editar | editar código-fonte]

Dezenas de milhares de trabalhadores de fábrica dos EUA estão demitidos. As novas reformas financeiras da administração Obama foram fracas e não havia nenhuma regulação importante sobre as práticas de agências de classificação, lobistas e compensação executiva. Geithner se tornou Secretário do Tesouro. Feldstein, Tyson e Summers também foram altos conselheiros econômicos de Obama. Bernanke foi reconduzido à presidência do Fed. As nações europeias impuseram regras limitantes na compensação bancária, mas os EUA resistiram a estas.

Recepção[editar | editar código-fonte]

O filme recebeu revisões positivas, alcançando uma classificação de 97% no site dos Rotten Tomatoes.[3] Roger Ebert descreveu o filme como "um documentário raivoso bem fundamentado sobre como a indústria financeira americana demonstrou deliberadamente espoliar o investidor americano ordinário."[4] A.O. Scott do New York Times escreveu que "Mr. Ferguson tinha convocado a força moral flagelante de um sermão de sacudir o púlpito. Ao que ele entrega com rigor, restrição e bom humor faz deste caso todo o mais devastador."[5] Logan Hill da revista Vulture da New York, caracterizou o filme como um "documentário indignado de tirar o fôlego," observando a "presença effetiva" do narrador Matt Damon.[6] Peter Bradshaw do The Guardian disse que o filme era "de prender a atenção tanto quanto qualquer suspense." Ele prosseguiu dizendo que era obviamente influenciado por Michael Moore, descrevendo-o como "um filme de Moore com aos truques e piruetas removidas."[7]

O filme foi selecionado para uma exibição especial no Festival de Cannes 2010. Um revisor escrevendo de Cannes caracterizou o filme como "um história complexa muito bem contada e com uma grande dose de raiva sem interrupção."[8]

A revista política conservadora The American Spectator criticou o filme como intelectualmente incoerente e impreciso, acusando Ferguson de responsabilizar "um bando de pessoas más [com] pontos de vista econômicos e políticos à direita do [seu]."[9]

Prêmios[editar | editar código-fonte]

Prêmio Data da cerimônia Categoria Agraciado(s) Resultado
Óscar[10] 27 de fevereiro de 2011 Melhor documentário Charles H. Ferguson e Audrey Marrs Venceu
Chicago Film Critics Association Awards[11] 20 de dezembro de 2010 Melhor documentário Indicado
Directors Guild of America Awards[12] 29 de dezembro de 2010 Melhor documentário Venceu
Gotham Independent Film Awards[13] 29 de novembro de 2010 Melhor documentário Indicado
Las Vegas Film Critics Society Awards[14] 16 de dezembro de 2010 Melhor documentário Indicado
Online Film Critics Society Awards[15] 3 de janeiro de 2011 Melhor documentário Indicado
Phoenix Film Critics Society Awards[16] 28 de dezembro de 2010 Melhor documentário Indicado
Writers Guild of America Awards[17] 5 de fevereiro de 2011 Roteiro de melhor documentário Venceu

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Inside Job no boxofficemojo
  2. (em inglês). Visitado em 19 de julho de 2012.
  3. Inside Job (em inglês). Visitado em 19 de julho de 2012.
  4. Inside Job (em inglês). Visitado em 19 de julho de 2012.
  5. Who Maimed the Economy, and How (em inglês) (7 de outubro de 2010). Visitado em 19 de julho de 2012.
  6. Is Matt Damon's Narration of a Cannes Doc a Sign that Hollywood is Abandoning Obama? (em inglês) (16 de maio de 2010). Visitado em 19 de julho de 2012.
  7. Inside Job Review (em inglês). Visitado em 19 de julho de 2012.
  8. At Cannes, the Economy Is On-Screen (em inglês) The New York Times (16 de maio de 2010). Visitado em 19 de julho de 2012.
  9. Inside Job (em inglês). Visitado em 19 de julho de 2012.
  10. Nominees for the 83rd Academy Awards (em inglês). Visitado em 19 de julho de 2012.
  11. [http://www.chicagofilmcritics.org/index.php? option=com_content&view=article&id=62&Itemid=60 Chicago Film Critics Awards - 2008-2010] (em inglês). Visitado em 19 de julho de 2012.
  12. DGA 2011 Award Winners Announced (em inglês) The Hollywood Reporter. Visitado em 19 de julho de 2012.
  13. 2010 Gotham Independent Film Award Nominations (em inglês). Visitado em 19 de julho de 2012.
    Adams, Ryan (29 de novembro de 2010). 20th Anniversary Gotham Independent Award winners (em inglês). Visitado em 19 de julho de 2012.
  14. Adams, Ryan (16 de dezembro de 2010). The Las Vegas Film Critics Society Awards (em inglês). Visitado em 19 de julho de 2012.
  15. Stone, Sarah (27 de dezembro de 2010). Online Film Critics Society Nominations (em inglês) AwardsDaily.com. Visitado em 19 de julho de 2012.
    Stone, Sarah (3 de janeiro de 2011). The Social Network Named Best Film by the Online Film Critics (em inglês) AwardsDaily.com. Visitado em 19 de julho de 2012.
  16. Phoenix Film Critics Name The King's Speech Best Film of 2010 (em inglês) Phoenix Film Critics Society. Visitado em 19 de julho de 2012.
  17. Writer's Guild of America 2011 Awards Winners (em inglês) Writers Guild of America. Visitado em 19 de julho de 2012.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]