Victoria (cratera)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Cratera Victoria
Victoria crater from HiRise.jpg

Imagem da HiRISE da cratera Victoria em 3 de outubro de 2006.
Planeta Marte
Região Meridiani Planum
Tipo cratera de impacto
Coordenadas 2.5° S, 5.5° W
Diâmetro 750 m
Profundidade aproximadamente 70 m
Quadrângulo Margaritifer Sinus
Epônimo A Nau Victoria e Victoria, Seychelles.


Victoria é uma cratera de impacto em Marte localizada a 2.05°S, 5.50°W no Meridiani Planum, visitada pelo veículo explorador de Marte Opportunity.[1] Ela possui por volta de 730 metros de largura, aproximadamente oito vezes o tamanho da cratera Endurance, visitada pela Opportunity nos sóis 95 a 315. Ela foi informalmente nomeada assim devido ao Victoria -um dos cinco navios de Fernão de Magalhães e o primeiro navio a circum-navegar o globo e formalmente nomeada em em honra a Victoria, Seychelles. Ao longo das bordas da cratera há vários afloramentos dentro das alcovas recuadas e promontórios, nomeados a partir dos cabos e baías que Magalhães descobriu.

A Opportunity viajou por 21 meses rumo a Victoria antes de finalmente atingir sua borda em 26 de setembro de 2006 (sol 951), na recém chamada "Baía Duck".[2] Ao redor do rover se encontravam formações apelidadas "No Name", "cratera Duck", "cratera Emma Dean", "Sereia do Cânion", e "Kitty Clyde's Sister". A Opportunity também capturou imagens de várias alcovas ao redor, informalmente chamadas "Cabo Verde" e "Cabo Frio", e uma pequena cratera de tom brilhante do tamanho da cratera Beagle na terminação oposta de Victoria.

Exploração[editar | editar código-fonte]

Após chegar à cratera, o rover executou uma circum-navegação parcial no sentido horário. O percurso levou aproximadamente um quarto do caminho ao redor da cratera. As várias "baías" e "cabos" receberam o nome de vários locais visitados por Fernão de Magalhães a bordo do navio Victoria.[3]

A circum-navegação permitiu ao rover identificar possíveis pontos de entradas e saídas, criar um mapa topográfico de alta resolução da cratera e testar o software de direção atualizado.[3] O rover investigou as camadas nas paredes de vários cabos e a natureza das riscas escuras ao norte da cratera.[4]

Interior[editar | editar código-fonte]

Após uma tempestade de poeira em escala planetária ter atrasado sua entrada na cratera por seis semanas e ameaçado a sobrevivência de ambos os rovers, a Opportunity finalmente entrou a cratera em um ponto na Baía de Duck. A entrada foi precedida por um teste de manobra no sol 1291 para determinar o grau de deslizamento e confirmar as estratégias de saída, seguida da entrada no sol 1293.[5] [6] Durante a estadia do rover no interior da cratera, dados foram coletados de camadas de rocha dentro da cratera e imagens de alta resolução foram obtidas em Cabo Verde.[7]

O rover deixou o interior da cratera no sol 1634 (29 de agosto de 2008) após ter experimentado o mesmo pique de voltagem que precedeu o mal funcionamento da roda frontal direita da sonda gêmea Spirit.[7] Após uma circum-navegação parcial em sentido anti-horário, o rover partiu rumo ao seu próximo destino, a cratera Endeavour.[8]

A cratera Victoria vista pela Opportunity (MER-B) da NASA em 2006 utilizando seu instrumento Pancam.
A cratera Victoria vista pela Opportunity (MER-B) da NASA em 2006 utilizando seu instrumento Pancam.

Ver também[editar | editar código-fonte]

O veículo explorador de Marte Opportunity na borda de Victoria fotografado pela Mars Reconnaissance Orbiter.

Outras crateras visitadas pela Opportunity (MER-B)[editar | editar código-fonte]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Victoria (cratera)