Vigo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Espanha Vigo
Vigo
 
—  Município  —
Bandeira de Vigo
Bandeira
Brasão de armas de Vigo
Brasão de armas
Localização de Vigo na Galiza
Localização de Vigo na Galiza
Vigo está localizado em: Espanha
Vigo
Localização de Vigo na Espanha
42° 14' 10" N 8° 43' 36" O
Comunidade autónoma Galiza
Província Pontevedra
 - Alcaide Abel Caballero (PSOE)
Área
 - Total 109,1 km²
Altitude 0 m (0 pés)
População (2009)
 - Total 297 332
    • Densidade 2 725,32/km2 
Gentílico: Vigués/sa Olivico/a
Fuso horário CET (UTC+1)
 - Horário de verão CEST (UTC+2)
Código postal 362xx
Sítio hoxe.vigo.org

Vigo é um município da Espanha na província de Pontevedra, comunidade autónoma da Galiza, de área 109,1 km² com população de 294.772 habitantes e densidade populacional de 2663,07 hab/km². Os seus habitantes são chamados vigueses ou olívicos.

Fica situada à beira da ria que leva o seu nome. Dista 26 km de Pontevedra (capital da provincia) e 71 km de Santiago de Compostela (capital politica da Galiza) e pouco mais de 20 km de Valença, a localidade portuguesa mais próxima.

Com 296 000 habitantes (censo de 2013), é o maior municipio da Galiza. A maior cidade é A Coruña. Porto marítimo, com importante atividade pesqueira, sendo o principal porto pesqueiro da Europa. Centro comercial e económico do sul da Galiza e cabeceira da principal área industrial da comunidade autónoma.

História[editar | editar código-fonte]

Pré-história[editar | editar código-fonte]

Vigo e a sua comarca estiveram povoadas desde tempos remotos. Entretanto, até ao momento não se localizou nenhuma comprovação da era paleolítica e os poucos achados são da Idade da Pedra e estas peças encontram-se no Museu Municipal de Castrelos.

A época romana[editar | editar código-fonte]

Villa romana de Toralha

Em Vigo o processo de romanização foi intenso. Evidências arqueológicas indicam uma importante atividade portuária e comercial no litoral viguês desde o século II a.C., desenvolvendo-se um progressivo processo de romanização, consolidado durante o século I d.C., uma vez estabelecida a paz romana.

O processo de romanização durou cerca de seiscentos anos, dos quais ficaram relevantes vestígios, investigados em numerosas escavações arqueológicas: vilas (villae) distribuídas pelo litoral (Alcabre, Toralha…), restos de instalações portuárias, ruas, instalações produtivas, necrópoles, além da intensa romanização dos povoados castrejos do município.

Recentes escavações arqueológicas no Areal e no centro histórico põem a possibilidade da existência, pelo menos entre os séculos III e VI d.C., de um importante assentamento humano.

A Idade Média[editar | editar código-fonte]

Conta-se com muito pouca informação, especialmente da Alta Idade Média. Foi o tempo de frequentes incursões da pirataria procedentes do norte da Europa que fizeram que a população se mudasse para o interior em busca de mais segurança.

Durante a Idade Média, a Igreja dominou a sociedade galega. Vigo dependeu durante muitos anos do mosteiro cisterciense de Melón.

A partir do século XII, Vigo começa a recuperar sua população, mas segue submetida a um estrito controle do poder eclesiástico e dos senhores feudais. A paróquia de Santiago de Vigo era a mais importante da vila.

Do século XV ao XVIII[editar | editar código-fonte]

Batalha de Rande (1702). Obra de 1705 conservada no Rijksmuseum Amsterdam.

Apesar do período dos corsários, a vila foi crescendo. Vigo tinha uma importante atividade artesanal e comercial, mas o principal era o marítimo. Alguns documentos comprovam já nesta época a importância que tinha a pesca de sardinha. Em 1573 foi assinado o primeiro ato que regulava essa pescaria.

Em 1587 as epidemias da peste e a pirataria dizimaram a população. Em 1702 acontece a batalha de Rande. A frota anglo-neerlandesa persegue a frota espanhola e os barcos de guerra franceses que a escoltavam. Esta importante frota, carregada de riquezas procedentes da América, foi destruída depois de uma cruel batalha em mar e terra. Ainda hoje existem restos deste episódio bélico nos fundos da Rande.

Em 1778, Carlos III rompe com o monopólio dos portos autorizados a comercializar com a América e Vigo começa a obter benefícios do tráfico de alto bordo. Por esta época a vila estava completamente cercada com uma muralha, construída pelo motivo da Guerra de Restauração Portuguesa diante do temor de uma invasão.

A chegada à cidade na segunda metade do século XVIII de comerciantes e industriais catalães levam a uma pequena revolução económica.

Século XIX[editar | editar código-fonte]

Como outros muitos lugares da Península Ibérica, Vigo foi ocupada pelo exército francês em 1809. A resistência popular a esta invasão provoca um levantamento dirigido pelos militares Pablo Morillo e Bernardo González "Cachamuínha" que com a ajuda inestimável do Conde de Gondomar, sem cuja ajuda não teriam podido fazer frente ao exército invasor, terminam com um assalto às muralhas e com a expulsão do exército de Napoleão. Este episódio motivou a concessão a Vigo do título de cidade Fiel, Leal e Valorosa.

Em 1833 é construído o caminho real que leva a Madrid, conhecido como estrada de Castilla ou de Villacastín. Um ano depois são terminadas as obras de construção da Colegiata por Melchor de Prado, já que o antigo templo havia sido destruído em um dos numerosos saques sofridos pela vila. A cidade cresce e seus governantes concordam em demolir as muralhas para facilitar sua expansão.

A segunda metade do século XIX foi um período de contínuo crescimento da cidade, propiciado, entre outras coisas, pelo incremento das relações com a América. Neste tempo continuam abrindo-se fábricas o que provoca o crescimento da população assalariada e também de uma burguesia financeira. Vigo se expande extramuros com a abertura de novas ruas e a construção de nobres edifícios.

Século XX[editar | editar código-fonte]

A Praça da Espanha em Vigo

Com a entrada no século XX, a burguesia liberal viguesa toma em suas mãos os mecanismos de poder económico e político. Instalam-se novas indústrias ao mesmo tempo que melhoram as comunicações. Em pouco mais de dez anos a população é duplicada (em 1910 havia 30 000 habitantes).

No primeiro terço deste século, o porto de Vigo está unido à imagem de vários galegos que embarcaram rumo à emigração americana. Outro símbolo é o elétrico, que começou a funcionar em 1914. Todo este dinamismo ficou neutralizado com o início da Guerra Civil Espanhola.

Nas décadas de 1960 e 1970, Vigo sofreu um crescimento urbano acelerado, e por vezes desordenado, motivado pelo desenvolvimento industrial.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Localização[editar | editar código-fonte]

A cidade de Vigo se estende em direção noroeste-sudoeste pela margem sul da ria de Vigo, no sopé do Monte do Castro, que acabou rodeando completamente devido ao crescimento urbano.

Clima[editar | editar código-fonte]

O clima da cidade de Vigo é oceânico com influências mediterrâneas. Caracteriza-se por invernos suaves e chuvosos, e verões quentes mas não ao extremo, pois as temperaturas não chegam a superar os 32 °C.

Temperatura e precipitações médias mensais (Estação de Peinador)
Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez
Temperatura °C 10 11 13 14 15 17.3 19.4 19.4 18.0 14.6 11.3 9.2
Precipitações mm. 255 219 145 148 141 73 43 40 113 215 228 298

Demografia[editar | editar código-fonte]

Variação demográfica do município entre 1991 e 2010
1991 1996 2001 2004 2013
276109 286774 280186 292059 296.479

Governo e administrações[editar | editar código-fonte]

Prefeitura de Vigo

A prefeita de Vigo desde dezembro de 2003 até junho de 2007 foi Corina Porro, do Partido Popular, que governou em minoria.

Conforme a divisão em comarcas prevista pela Junta da Galiza, a Comarca de Vigo está integrada pelos seguintes municípios: Vigo, Redondela, Porrinho, Nigrám, Baiona, Gondomar, Mós, Fornelos de Montes, Paços de Borbém, Salceda de Caselas e Soutomaior.

A divisão interna do município de Vigo é complexa, como o restante de prefeituras galegas. É dividido em paróquias, e estas por sua vez em bairros e os bairros são divididos em lugares. Por exemplo o Camiño da Feira está no lugar das Relfas, bairro de Moledo e paróquia de Sárdoma.

A cidade é dividida em 24 paróquias: Alcabre, Beade, Bembrive, Bouzas, Cabral, Candeán, Castrelos, Cies, Coia, Comesaña, Coruxo, Freixeiro, Lavadores, Matamá, Navia, Oia, Saiáns, San Paio, San Xoán do Monte, Sárdoma, Teis, Valadares, Vigo Centro e Zamáns.

Economia[editar | editar código-fonte]

Porto de Vigo

A comarca de Vigo caracteriza-se pela economia diversificada vinculada à indústria e aos serviços. Entre os motores da economia de Vigo está a indústria automobilística, liderada pelo Grupo PSA (Peugeot/ Citroën). São importantes a construção naval e o setor pesqueiro em todas suas vertentes, desde a indústria extrativa, armadores, até comercial. Vigo é o primeiro porto de comércio de peixe para consumo humano do mundo (650000 toneladas no ano de 2004). O porto de Vigo conta com mais de 9 km de milhas de atraque.

Uma infraestrutura relevante na economia de Vigo é o aeroporto de Vigo (ou aeroporto de Vigo-Peinador) situado fora da cidade, que em 2005 superou a cifra de 1 100 000 viajantes.

Outras atividades económicas importantes em Vigo são a indústria química e farmacêutica, a indústria têxtil, a indústria editorial, alimentícia, a fabricação de produtos para a construção, a fabricação de maquinaria industrial, a engenharia naval e em menor escala a indústria aeronáutica.

Lugares de interesse[editar | editar código-fonte]

  • O centro histórico: É a zona antiga de Vigo. Onde se encontra a praça e mercado de Pedra, além da praça da Constituição, a Collegiada de Santa Maria.
  • A Collegiada de Santa Maria: Iniciada em 1816 e terminada de construir em 1836, em substituição do templo gótico anterior.
  • A Alameda e Montero Ríos-Areal: Zona de passeio próxima ao porto desportivo e ao Casco Vello.
  • A Porta do Sol: Lugar onde se encontra o monumento conhecido popularmente como "o Sereio", do escultor Francisco Leiro.
  • A Praça da Constituição: À entrada do casco antigo, considerada como a Praça Maior de Vigo. Muito familiar, com terraços e cafés.
  • Santa Maria de Castrelos (rural): Do século XII, está formada por uma única nave de abside semicircular e uma planta de 20 por 7 metros.
  • Sam Salvador de Corujo (rural): Também do século XII. Destaca sua monumental abside. Trata-se da igreja monasterial do antigo priorado que existiu em Vigo.
  • Santiago de Bembrive (rural): Igreja do século XII.
  • Museu municipal Quiñones de León
  • Casa Galega da Cultura (ou Biblioteca Penzol)
  • A praia de Samil: Uma das maiores de Vigo e a mais frequentada pelos turistas ourensans.
  • A praia do Vao
  • As Ilhas Cíes, a 15 kilometros de Vigo, arquipélago que forma parte do Parque nacional das Ilhas Atlânticas. Dispõe de praias e parque de campismo.

Desportos[editar | editar código-fonte]

O Celta de Vigo, principal clube de futebol da cidade, disputou a primeira divisão espanhola, a Liga BBVA. O Celta está frequentemente entre os 20 melhores clubes da Espanha que disputam a liga principal.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Vigo