William Bateson

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
William Bateson
Genética
Nacionalidade Inglaterra Inglês
Nascimento 8 de agosto de 1861
Local Whitby
Morte 8 de fevereiro de 1926 (64 anos)
Local Merton
Atividade
Campo(s) Genética
Prêmio(s) Medalha Real (1920)

William Bateson (Whitby, North Yorkshire, 8 de agosto de 1861Merton, Surrey, 8 de fevereiro de 1926) foi um biólogo inglês que ficou conhecido como o "Pai da Genética". Um ano antes de usar o termo genética pela primeira vez na história da humanidade, ele tornou-se pai do pensador ciberneticista Gregory Bateson, igualmente brilhante.

Bateson efetuou seus estudos no St. John College da Universidade de Cambridge. Trabalhou como assistente da cátedra de zoologia e pesquisou no jardim botânico, onde se dedicou ao estudo dos problemas da variação e da herança, assuntos que lhe haviam interessado desde o início da sua vida científica. Em 1908 ocupou a cátedra de biologia e, em 1910, assumiu a direção do Instituto de Horticultura John Innes, em Merton.

Sua relação com o mendelismo se manifestou no seu primeiro trabalho, intitulado Hibridação e cruzamento como método de investigação científica, que apresentou na I Conferência Internacional sobre Hibridação, realizada em Londres em 1899. Bateson foi o primeiro a divulgar na Inglaterra as investigações de Mendel, tendo sido com seus trabalhos e publicações um grande defensor deste.

Em 1902 publicou "Os princípios mendelianos da herança: uma defesa", com a tradução dos trabalhos originais de Mendel sobre hibridação, publicados em 1866. Sugeriu pela primeira vez o termo genética para a ciência da herança e da variação. Também criou os termos homozigoto, heterozigoto, alelomorfo ( mais tarde abreviado para alelo ) e epistático.

Conteúdo a ser fundido aqui[editar | editar código-fonte]

Conhecido como o pai da genética, um termo de sua autoria para designar a ciência dos genes, da hereditariedade e da variação dos organismos. Estudou na Rugby School, Cambridge, foi o primeiro professor britânico de genética (Cambridge, 1908-1910), diretor do John Innes Horticultural Institution (1910-1926) e professor de fisiologia na Royal Institution (1912-1926). Usou pela primeira vez o termo genética (1905) para descrever o estudo da variação e hereditariedade, em uma carta dirigida ao embriologista de Cambridge, Adam Sedgewick. Ele, na Inglaterra, e Hugo de Vries (1848-1935), na Holanda, descobriram que as espécies parecem evoluir em passos bruscos e descontínuos, chamados por de Vries de mutações (1900), pouca antes de tomarem conhecimento dos estudo de Gregor Mendel (1822-1884). Tornou-se pesquisador das grandes e súbitas mutações familiares aos horticultores práticos, em desacordo com a teoria de Charles Darwin (1809-1882). Divulgou um documento (1906), juntamente com outro biólogo inglês Reginald Punnet (1875-1967), provando a semelhança entre a teoria de Mendel e a separação de cromossomos durante a divisão dos núcleos das células e morreu em Londres.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • William Bateson (1894). Materials for the study of variation: treated with special regard to discontinuity in the origin of species. Disponível online.

Referências[editar | editar código-fonte]


Precedido por
James Hopwood Jeans e John Bretland Farmer
Medalha Real
1920
com Godfrey Harold Hardy
Sucedido por
Frank Dyson e Frederick Frost Blackman


Ícone de esboço Este artigo sobre um(a) biólogo(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.