Álcool combustível

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Álcool combustível pode ser um biocombustível (bioetanol) produzido, geralmente, a partir da cana-de-açúcar, mandioca, batata,[1] milho e beterraba. E pode ser um combustível sintético, produzido de recursos naturais renováveis como carvão (etanol de carvão),[2] madeira (metanol) [3] e de recursos não renováveis (como derivados do petróleo).[4]

História[editar | editar código-fonte]

Ele é utilizado desde o início da indústria automotiva, servindo de combustível para motores a explosão do tipo ciclo Otto. Porém, com a utilização de combustíveis fósseis, no começo do século XX, mais barato e abundante, o etanol tornou-se uma opção praticamente ignorada.

A utilização do etanol que sem dúvida é a mais frequente, e que se iniciou tão logo surgiram os primeiros motores a combustão interna,[5] é seu uso como combustível: a maior parte da produção de álcool do mundo é destinada a fins energéticos, e a maior parte utilizada para fins energéticos é etanol.[6] Neste aspecto, também é usado misturado à gasolina, (ver: Misturas comuns do álcool combustível) para aumentar a resistência a compressão dela (octanagem).[7] Governos têm estimulado estas substituições já visando o esgotamento das reservas naturais de combustíveis fósseis.[8]

Alemanha[editar | editar código-fonte]

Durante a Segunda Guerra Mundial, os mísseis V-2 utilizaram como combustível, álcool feito a partir de batatas.[9]

Brasil[editar | editar código-fonte]

A primeira experiência de uso do etanol como combustível no Brasil aconteceu no ano de 1925,[10] com a criação do primeiro carro a álcool do país.[11] Em 1927, a Usina Serra Grande Alagoas foi a primeira do país a produzir etanol combustível (conhecido como USGA).[12] Outras misturas de etanol combustível surgiram no país durante este período: Azulina, Motorina e Cruzeiro do Sul entre outras.[13] No início da década seguinte, com a queda nos preços do petróleo, estes empreendimentos não tiveram condições de prosseguir.

A partir da crise do petróleo, na década de 1970, o Governo brasileiro, numa atitude isolada internacionalmente, criou o programa Pró-álcool, e o etanol novamente recebeu as atenções como biocombustível de extrema utilidade.

Enquanto o governo promovia estudos econômicos para a sua produção em grande escala, oferecendo tecnologia e até mesmo subsídios às usinas produtoras de açúcar e álcool, as indústrias automobilísticas instaladas no Brasil na época - Volkswagen, Fiat, Ford, General Motors e Chrysler - adaptavam seus motores para receber o álcool combustível. Daí, surgiriam duas versões no mercado: motor a álcool e a gasolina.

O primeiro carro a álcool lançado foi o Fiat 147 em 1978. Daí até 1986, o carro a álcool ganhou o gosto popular dos brasileiros , sendo que a quase totalidade dos veículos saídos das montadoras brasileiras naquele ano utilizava esse combustível.

A partir de então, o consumo de álcool apresentou queda gradual. Os motivos passam pela alta no preço internacional do açúcar, o que desestimulou a fabricação de álcool. Com o produto escasseando no mercado, o Governo brasileiro iniciou a importação de etanol dos Estados Unidos, em 1991, ao tempo que ia retirando, progressivamente, os subsídios à produção, promovendo a quase extinção do Pró-Álcool. A queda no uso desse biocombustível também se deveu, ao longo da década de 1990, a problemas técnicos nos motores a álcool, incapazes de um bom desempenho nos períodos frios, principalmente. Durante a década, com altas inesperadas no preço do petróleo, o álcool seria misturado à gasolina, numa taxa em torno de vinte por cento, como forma de amenizar o preço da gasolina ao consumidor.

No início do século XXI, na certeza de escassez e de crescente elevação no preço dos combustíveis fósseis, priorizam-se novamente os investimentos na produção de etanol por um lado e, por outro, um amplo investimento na pesquisa e criação de novos biocombustiveis. Diante de uma situação nacional antiga e inconstante, justamente causada pelas altas e baixas do petróleo, as grandes montadoras brasileiras aprofundaram-se em pesquisas e, dessa forma, lançaram uma tecnologia revolucionária: os carros dotados de motor bicombustível, fabricados tanto para o uso de gasolina quanto de álcool.

No Brasil, o termo "Álcool" foi substituído para "Etanol" a partir de setembro de 2010 por conta de uma resolução da ANP.[14]

China[editar | editar código-fonte]

Em 2017, a China criou a primeira usina para produção de etanol de carvão do mundo.[15] Normalmente o álcool combustível, do tipo bioetanol, é produzido através de fermentação/destilação de matéria-prima de origem vegetal (biomassa). Na China estes métodos são considerados inconvenientes, por causa da escassez de terras para a agricultura.[16] O país tem grandes reservas de carvão e, usando-as na produção de etanol pretende poupar as terras aráveis destinado-as para a produção de alimentos.[17] A produção inicial foi de 100.000 toneladas métricas mas, para o ano de 2020, é esperada uma produção dez vezes maior.[18]

Estados Unidos[editar | editar código-fonte]

O empresário Henry Ford defendia o uso de bioetanol como combustível, por acreditar que tornaria-se economicamente mais viável que os derivados do petróleo.[1] Durante a II Guerra Mundial o exército dos Estados Unidos Manteve uma usina em Omaha (Nebraska) para a produção e realização experiências com bioetanol.[19] Ainda durante a II Guerra Mundial, em algumas regiões do país, o álcool combustível foi usado em máquinas agrícolas e automóveis.[20]

Reino Unido[editar | editar código-fonte]

Em 1908, o Reino Unido realizou experiências, na África, com etanol extraído da cana-de-açúcar e de cactos, em motores de caminhões.[1] Na I Guerra Mundial, o British Alcohol Motor Fuel Committee prosseguiu com a pesquisa.[1]

Galeria[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d Henry Ford and Grass-roots America. Autor: Reynold M. Wik. University of Michigan Press, 1973, págs. 143 a 145, (em inglês) ISBN 9780472061938 Adicionado em 22/03/2018.
  2. Springer - Biological production of ethanol from coal synthesis gas. J. R. Phillips, K. T. Klasson, E. C. Clausen & J. L. Gaddy. Setembro de 1993, (em inglês) Acessado em 22/03/2018.
  3. Encyclopædia Britannica - Methanol chemical compound (em inglês) Acessado em 22/03/2018.
  4. Betalabservices - Etanol sintético: Tendências e fornecimento em nível global. Acessado em 22/03/2018.
  5. «O etanol como combustível». Como tudo funciona. Consultado em 23 de outubro de 2011. O álcool etílico é utilizado como combustível desde o nascimento dos automóveis, na tentativa de adaptar os motores recém inventados para a sua utilização. 
  6. «Álcool - Etanol Brasileiro». biodieselbr.com. Consultado em 23 de outubro de 2011. O Brasil é o país mais avançado, do ponto de vista tecnológico, na produção e no uso do etanol como combustível [...]. A produção mundial de álcool aproxima-se dos 40 bilhões de litros, dos quais presume-se que até 25 bilhões de litros sejam utilizados para fins energéticos. O Brasil responde por 15 bilhões de litros deste total. 
  7. «APLICAÇÃO DO MÉTODO DE ANÁLISE DOS COMPONENTES PRINCIPAIS COM ESPECTROSCOPIA RAMAN EM SISTEMAS DE ETANOL-METANOL.» (PDF). Centro Universitário de Franca. 1 páginas. Consultado em 23 de outubro de 2011. O etanol é utilizado na obtenção de bebidas alcoólicas [...]; como combustível tanto puro como coadjuvante no aumento da octanagem das gasolinas; na formulação de produtos farmacêuticos [...]. 
  8. «ETANOL, ALCOOLQUÍMICA E BIORREFINARIAS» (PDF). BNDES Setorial. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Março de 2007. 15 páginas. Consultado em 23 de outubro de 2011. A substituição de combustíveis fósseis por biocombustíveis tem sido estimulada pelos governos [...] pela perspectiva de esgotamento das reservas mundiais [...]. 
  9. A Lucky Survivor from a Lost Land. Autor: Armin W. Becker. Trafford Publishing, 2012, pág. 19, (em inglês) ISBN 9781466963740 Adicionado em 22/03/2018.
  10. (em português) Instituto Nacional de Tecnologia - Terças Tecnológicas apresenta um panorama das pesquisas em biocombustíveis nos últimos 90 anos. Página visitada em 8 de Janeiro de 2013.
  11. (em português) Brasil.Gov - Instituto Nacional de Tecnologia (INT). Página visitada em 8 de Janeiro de 2013.
  12. (em português) Biodieselbr - acessado em 8 de Setembro de 2010.
  13. (em português) Ambiente SP - págs 42 e 43. Acessado em 8 de Setembro de 2010.
  14. Economia.Terra - Postos terão que chamar álcool de etanol, determina ANP. 11 de dezembro de 2009. Acessado em 17 de Dezembro de 2014.
  15. China Daily - China creates world's first coal-to-ethanol production line. Zhang Zhihao, 17 de Março de 2017, (em inglês) Acessado em 28/03/2018.
  16. Asian Scientist - World’s First Coal-To-Ethanol Plant Up And Running In China.
  17. China Daily - Facility first to get ethanol from coal. Zhang Zhihao, 20 de Março de 2017, (em inglês) Acessado em 28/03/2018.
  18. The Star - Turning coal into pure ethanol. 18 de Março de 2017, (em inglês) Acessado em 28/03/2018.
  19. Renewable Fuel Standard: Potential Economic and Environmental Effects of U.S. Biofuel Policy.
    Autores: National Research Council, Division on Engineering and Physical Sciences, Board on Energy and Environmental Systems, Division on Earth and Life Studies, Board on Agriculture and Natural Resources, Committee on Economic & Environmental Impacts of Increasing Biofuels Production.
    National Academies Press, 2012, pág. 17, (em inglês) ISBN 9780309187510 Adicionado em 22/03/2018.
  20. Distilled in Maine: A History of Libations, Temperance & Craft Spirits. Autora: Kate McCarty. Arcadia Publishing, 2015, pág. 105, (em inglês) ISBN 9781625853288 Adicionado em 22/03/2018.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]