Orphan

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de A Órfã)
Ir para: navegação, pesquisa
Orphan
Órfã (PT)
A Órfã (BR)
Pôster da estreia nos cinemas de Orfã.
 Estados Unidos
2009 •  cor •  123 min 
Direção Jaume Colete-Serra
Produção Joel Silver
Susan Downey
Leonardo DiCaprio
Jennifer Davisson Killoran
Roteiro David Leslie Johnson
Alex Mace
Elenco Vera Farmiga
Isabelle Fuhrman
Peter Sarsgaard
Aryana Engineer
Jimmy Bennett
CCH Pounder
Gênero Suspense
Drama
Terror
Música John Ottman
Cinematografia Jeff Cutter
Edição Timothy Alverson
Companhia(s) produtora(s) Dark Castle Entertainment
Appian Way Productions
Distribuição Warner Bros. Pictures
Lançamento Estados Unidos 24 de julho de 2009
Brasil 4 de setembro de 2009
Portugal 8 de outubro de 2009
Idioma Inglês
Orçamento US$ 20 milhões
Receita US$ 78 337 373[1]
Site oficial
Página no IMDb (em inglês)

Orphan (A Órfã (título no Brasil) ou Órfã (título em Portugal))[2] é um filme americano de 2009, dos gêneros drama, suspense e terror, dirigido por Jaume Collet-Serra, escrito por David Johnson e Alex Mace e protagonizado por Isabelle Fuhrman, Peter Sarsgaard, Vera Farmiga e Aryana Engineer.

A história do filme é sobre um casal que, após a morte de um dos seus filhos durante o nascimento, resolve adotar uma misteriosa garota de nove anos de idade. Orphan foi produzido por Joel Silver e Susan Downey da Dark Castle Entertainment e Leonardo DiCaprio e Jennifer Davisson Killoran da Appian Way Productions.[3] O filme foi lançado nos cinemas estadunidenses em 24 de julho de 2009. O filme recebeu críticas e opiniões mistas, porém, quase sempre, o desempenho de Isabelle Fuhrman como Esther, a órfã, foi aclamado.

História[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

Kate e John Coleman (interpretados por Vera Farmiga e Peter Sarsgaard) estão buscando novos rumos em seu casamento depois de sua terceira filha nasceu morta. A perda é particularmente afetada em Kate, que também está se recuperando, aos poucos, do alcoolismo. Após ser aconselhada pela psicóloga Drª. Browning (interpretada por Margo Martindale), o casal decide adotar uma criança russa de 9 anos de idade chamada Esther (interpretada por Isabelle Fuhrman), por um orfanato religioso local. Antes de adotá-la, a madre superiora, Irmã Abigail (interpretada por CCH Pounder), disse ao casal que ela tinha sido adotada antes, na Rússiae que seus pais adotivos tinham morrido no incêndio, e que Esther havia escapado por pouco, mas não sabia como que ela falava fluentemente a língua inglesa. Enquanto a filha surda do casal, Max (interpretada por Aryana Engineer) acolhe bem imediatamente a irmã, o filho do casal, Daniel (Jimmy Bennett), não dá muita importância.

Quando Esther tem seu primeiro dia de aula no colégio, é alvo de bullying devido à maneira que se veste e se comporta. Durante a briga, exibe involuntariamente uma bíblia, na qual mostrava-se fotos de homens adultos. Isso faz com que a brincadeira de mal-gosto seja ainda maior, e, com um grito estridente, Esther assusta todos os alunos ao seu redor. Kate sabe do ocorrido, porém, não dá muita importância e pede com que Esther se abra mais com a família.

Na mesma noite, quando Esther ia dormir, vê os pais adotivos tendo uma relação sexual e deixa Kate irritada. Ela repreende a filha e tenta explicar-lhe o que ela e John estavam fazendo. Esther, então, disse que já sabia o que era e dá a resposta de uma palavra de baixo calão, deixando Kate assustada. Ela começa à desconfiar da inocência da menina e fica preocupada com a influência que ela poderia dar à Max.

Quando John leva Esther e Max para o parque, Esther vê seu pai adotivo dando em cima de sua vizinha e fica calada. Esther encara para a menina que a apelidava no colégio e a segue até ao escorregador e a empurra, fazendo com que a menina quebre o tornozelo. Sendo assim, a testemunha da história foi Max, que fica com medo.

No mesmo dia, Kate recebe um telefonema da Irmã Abigail perguntando como que Esther está se adaptando com a família, diz que nunca a viu fazendo nada de errado, mas que sempre a via, um acidente ocorria.

Esther também diz à mãe adotiva que seu pai estava dando em cima na vizinha, com que faz Kate e John terem uma briga relacional no quarto do casal, e Esther escuta tudo, de seu quarto.

Abigail, então, resolve visitar Kate e John em casa e explica-lhes, que, na escola russa onde estudava, tinha a fama de atrair problemas em outras crianças. Conta ainda, que, se informou melhor sobre o incêndio na casa da família de onde veio e descobre que esse havia sido dado como homicídio e que o culpado jamais foi encontrado. John não dá importância à conversa e Kate diz que Esther poderá precisar de acompanhamento psicológico, decisão aceita com indiferença por John.

Esther escuta ao longe a conversa e, chama Max para arquitetar um plano para matar a Irmã Abigail. Coloca-se na estrada mais próxima de casa e, atira Max para o meio da estrada quando o carro de Abigail passava, quando esta regressava de casa do casal para o lar. Abigail assusta-se e despista-se, porém sem atropelar Max. Quando esta sai do carro para ver se a criança tinha ficado ferida, Esther agride Abigail com um martelo. Esta fica inconsciente por um bocado. Esther e Max arrastam o corpo da Irmã para a beira da estrada. Esta acorda, sem noção de nada e, algo demente, arreganhando com força os flocos de neve no chão. Esther volta à martelar Abigail até matá-la, deixando o corpo na sargeta dizendo que mataria Max se contasse.

Daniel, então, vê Esther e Max saindo de sua casa na árvore. Daniel é ameaçado por Esther, dizendo-o cortar seu órgão íntimo com uma faca se ele contar à alguém o que havia visto.

No dia seguinte, a Irmã Judith (interpretada por Genelle Williams), uma noviça do lar da qual a Irmã Abigail era superiora, telefona à Kate perguntando se Abigail teria se encontrado com ela. Então, confirma e Judith tinha dito que ninguém sabia nada dela desde o dia anterior, e, no lar, estavam todos preocupados. Kate avisa as autoridades e elas encontram o corpo de Abigail já em decomposição no local onde foi morta por Esther.

Kate começa a acreditar também que Esther é perigosa e, a leva à Drª. Browning. Ela, após examinar Esther, chama Kate e John em privado. Enquanto ela descreve o que entendeu de Esther, ela fecha-se no banheiro do consultório, e começa aos pontapés e aos gritos, o síndrome do pânico.

No dia seguinte, Esther passa o dia com John e, ele a aconselha à fazer algo que agrade à Kate. Esther diz a Kate que tem uma surpresa para ela. Não é nada mais e nada menos do que flores arrancadas do canteiro, onde, por baixo das mesmas tinham sido depositadas os restos do bebê que Kate havia perdido.

Na manhã seguinte, Kate leva Daniel à escola, de carro. Leva também no carro, Max e Esther. Daniel esquece-se da mochila no carro e, a mãe a leva. Esther vê Kate de costas para o carro e, o destrava, fazendo que descesse a rua da escola, com Max lá dentro, completamente desgovernado. Porém, amortece em um monte de neve. Isto a pertuba bastante e, Kate toma consciência que a família esteja correndo perigo.

Kate, então, vasculha nos pertences de Esther, e descobre a tal bíblia, sendo escrita em uma ''língua estranha''. Porém, descobre um nome mais estranho, Saarne Institute na contracapa. Investiga na internet e, descobre que se trata de um suposto orfanato na Estónia, apenas pela imagem de um casarão, pois a descrição está toda na língua estoniana. Kate telefona, mas não consegue descobrir de que se trata o casarão, pois lhe atendem em estoniano. Ela, pede então, que alguém fale em inglês. Fala com um dos enfermeiros que, explica que não se trata de um orfanato, mas sim de um hospital psiquiátrico. Pergunta por Esther, mas não conhecem ninguém com tal nome.

Kate, então, envia a foto de Esther por e-mail para a instituição estoniana. Esther esbarra com Daniel na casa na árvore, que tem no jardim. Ela incendeia a casa, junto com o martelo que matou Abigail, para apagar todas as provas. Daniel tenta sair, mas, Esther tranca a porta da casa. Ainda tenta escapar mesmo assim, agarrando se de galho à galho da árvore, mas ele cede, e Daniel cai. Fere-se com gravidade e é hospitalizado. Ainda em casa, Esther tenta matá-lo com uma pedra na cabeça, mas, Max chega e empurra Esther.

No hospital, quando a família está na sala de espera, incluindo Esther, ela inventa uma desculpa para sair do pé deles e, vai para o quarto onde Daniel está. Max desconfia e pede para ir atrás. Max vê que Esther não está nos refrigerantes e corre para avisar a mãe. Daniel acaba sofrendo parada cardiorrespiratória, mas é socorrido à tempo.

Kate começa a gritar, dizendo que Esther tentou matar Daniel. Os enfermeiros não acreditam e, pensando tratar-se de demência, sedam Kate.

John está sozinho em casa com Esther e Max. Esther veste-se com um vestido preto da mãe adotiva e se maquia exageradamente e assim seduz John. Este mostra-se confuso e, diz que, sendo pai não pode ceder. Esther entra no seu quarto e, destrói tudo com uma força animal.

No entanto, Kate acorda com um telefonema e, ainda confusa dos sedativos. É do Dr. Värava (interpretado por Karel Roden), o diretor da instituição estoniana de onde Esther realmente veio. Värava explica que reconheceu a fotografia do e-mail e, que tal não era uma criança, mas sim uma mulher já adulta, de 33 anos, de nome Leena Klammer. Leena sofre de um distúrbio hormonal raro, o hipopituitarismo, que a impediu de se desenvolver fisicamente, mantendo sempre a aparência infantil. Relata também que estava há muitos anos internada no hospital e, era uma das doentes mais problemáticas, tendo de estar presa à cama para não fugir nem agredir ninguém. Mas, explica que Leena é altamente perigosa e, que já matou sete famílias antes, inventando sempre nomes falsos e, que desapareceu do hospital sem deixar rasto. Värava avisa Kate para tirar a família de casa o quanto antes e, para avisar as forças máximas policiais. Leena usava fitas nos pulsos e no pescoço para esconder suas cicatrizes, e também dentes postiços.

Kate sai do hospital e, dirige-se rapidamente para casa. No caminho liga para John, mas Esther/Leena corta todas as linhas telefônicas. Esfaqueia John até a morte. Kate encontra John morto. Max escondeu-se no meio das plantas do jardim. Esther/Leena persegue Max e Kate vai atrás. Esther/Leena tenta atirar em Max mas ela foge e Kate quebra o vidro do jardim, e cai com uma faca em Esther/Leena. A polícia chega e não encontra o corpo de Esther/Leena.

Max e Kate estão na floresta e Esther/Leena vai atrás que está com a faca. Kate e Esther/Leena caem no rio congelado. Esther/Leena fica em cima de Kate e tenta acertar a faca quase matando Kate mas Max chega e pega a arma e atira no lago salvando a vida da mãe. Mas Esther/Leena e Kate caem no lago. Kate leva facadas e consegue subir mais e manda Max ir para trás. Esther/Leena surge, mas Kate chuta o pescoço dela fazendo cair e morrer no lago.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Intérprete Personagem
Vera Farmiga Katherine (Kate) Coleman
Isabelle Fuhrman Esther Coleman / Leena Klammer
Peter Sarsgaard John Coleman
Aryana Engineer Maxine (Max) Coleman
Jimmy Bennett Danny (Daniel) Coleman
CCH Pounder Irmã Abigail Senore
Sophie Pattinson Amy Bratt Coleman
Lorry Ayers Joyce Anjel Dinoly Morgan
Margo Martindale Dr. Browning (Sibelly Browning)
Karel Roden Dr. Värava (Charlie Värava)
Rosemary Dunsmore Barbara Stwart Coleman
Andrew Shaver Dr. Mou Stones

[4]

Produção[editar | editar código-fonte]

O filme foi gravado no Canadá, nas cidades de Burlington, Toronto, Port Hope e Montreal.[3]

Lançamento[editar | editar código-fonte]

Bilheteria[editar | editar código-fonte]

O filme estreou em 4º lugar na bilheteria para sua semana de estreia, arrecadando 12 770 000 dólares no total, atrás de G-Force, Harry Potter and the Half-Blood Prince e The Ugly Truth. O filme arrecadou no total 78 337 373 dólares.[5]

Home media[editar | editar código-fonte]

Orphan foi lançado em DVD e Blu-ray em 27 de outubro de 2009 nos EUA pela Warner Home Video. Ele foi lançado em DVD e Blu-ray no Reino Unido em 27 de novembro pela Optimum Releasing. A home media incluem cenas alternativas e filmagens, e um final alternativo comercializado na capa do DVD. Os previews de abertura também contêm um PSA descrevendo a situação das crianças órfãs nos EUA e encorajando a adoção. Um DVD do filme é visto em uma cena de "This Means War".

Final alternativo[editar | editar código-fonte]

Em um final alternativo, depois de Kate salva Max de Esther e eles escapam, Esther é vista correndo para o quarto dela. Lá, ela é mostrada com um rosto coberto de cortes sangrentos enquanto ela re-aplica a maquiagem que faz seu olhar como Esther inocente novamente. Ela, então, coloca o vestido que ela usava para seu primeiro dia de aula e cumprimenta a polícia, que chegou depois de receber telefonema desesperado de Kate antes de chegar a casa, no topo da escada e apresentando-se, em seguida, ela é vista descendo as escadas para a multidão de polícia.

Recepção[editar | editar código-fonte]

Crítica[editar | editar código-fonte]

Orphan teve recepção mista por parte da crítica especializada. Com base em 25 avaliações profissionais, alcançou uma pontuação de 42% no Metacritic.

Em avaliações mistas, do Los Angeles Times, Glenn Whipp disse: "Com tempo de mais de duas horas, o filme oscila entre o horror psicológico e violento derramamento de sangue e como tal, provavelmente não vai satisfazer completamente os fãs em qualquer campo".

Do Portland Oregonian, M. E. Russell: "O filme enfofa as coisas boas com um bando de lixos medíocres dos convencionais suspenses. Leva muito tempo para começar, ele puxa alguns socos chave, o diálogo está profundamente desinteressante, confia demasiadamente e pesadamente em intermináveis ​​pulos, sustos e seu final é pura fórmula slasher".

Austin Chronicle, Marc Savlov: "Resumindo: Este Orphan é um pouco atmosférico e ocasionalmente vicioso, vai numa entrada acima da média para o gênero "peão fofinho do inferno" ao longo das duas e mais horas, mas nem de longe é tão terrivelmente exagerado como outros da sua laia (Devil Times Five, I'm talking to you)".

Variety, Todd McCarthy: "Lixo provocativamente agradável através da primeira hora, Orphan se torna lixo sério durante sua prolongada segunda parte".[6]

Com índice de 55%, o Rotten Tomatoes chegou ao consenso: "Enquanto ele tem momentos de humor negro e sustos necessários, Orphan não consegue construir uma premissa interessante e degenera em um estereotipado e desprezível horror / suspense".[7]

Roger Ebert, avaliou o filme com 3.5 de 4 estrelas, destacando: "Depois de ver 'Orphan', eu agora percebo que Damien de The Omen era uma criança modelo. (...) Rosemary teria ficado feliz em ter esse bebê. Aqui está um filme de horror descaradamente eficaz baseado no mais diabólico dos malfeitores do cinema, uma criança."[8]

Controvérsia[editar | editar código-fonte]

O conteúdo do filme, descrevendo uma adotada assassina, não foi bem recebida pela comunidade de adoção.[9] A controvérsia fez com que os cineastas mudassem uma fala em um dos seus trailers onde se a seguinte fala "Deve ser difícil amar uma criança adotada, tanto quanto o seu próprio". Ela foi trocada para, "Eu não acho que a mamãe gosta muito de mim".[10] Melissa Fay Greene do The Daily Beast comentou:

"O filme Orphan vem diretamente desse lugar não examinada na cultura popular. Passado sombrio da Esther inclui a Europa Oriental; ela parece normal e doce, mas rapidamente se torna violenta e cruel, especialmente para a mãe. Estes são clichês. Esta é a bagagem com que sela abandonadas, órfãs, ou crianças com deficiência dado um novo começo na vida familiar".[11]

Há uma mensagem de serviço pró-adoção no DVD, aconselhando os espectadores a considerar a adoção.

Prêmios e nomeações[editar | editar código-fonte]

Ano Prêmio Categoria Resultado
2009 Teen Choice Awards Choice Summer Movie: Drama Indicado
2010 Brussels International Festival of Fantasy Film International Feature Length Competition Golden Raven Venceu

Veja também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Orphan» (em inglês). The Numbers. Consultado em 18 de abril de 2015. 
  2. «Orphan - Orfã». SAPO. Consultado em 19 de julho de 2010. 
  3. a b Diane Garrett, Tatiana Siegel (29 de novembro de 2007). «Sarsgaard, Farmiga join 'Orphan'» (em inglês). Variety. Consultado em 20 de julho de 2011. 
  4. «Orphan». InterFilmes. Consultado em 19 de janeiro de 2014. 
  5. Orphan at the-numbers.com
  6. «Orphan» (em inglês). Metacritic. Consultado em 18 de abril de 2015. 
  7. «Orphan» (em inglês). Rotten Tomatoes. Consultado em 19 de janeiro de 2014. 
  8. Roger Ebert (22 de julho de 2009). «Orphan Movie Review & Film Summary (2009)» (em inglês). www.rogerebert.com. Consultado em 7 de novembro de 2016. 
  9. «Adoption groups angry with 'Orphan' stereotypes». The San Francisco Chronicle [S.l.: s.n.] 2009-07-17. 
  10. Fortune Care celebrates 26th year with bloodletting activity
  11. Greene, Melissa Fay. "The New Movie Parents Hate", The Daily Beast, 15 July 2009.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]