Airbnb

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo ou secção necessita de referências de fontes secundárias fiáveis publicadas por terceiros (desde fevereiro de 2016).
Por favor, melhore-o, incluindo referências mais apropriadas vindas de fontes fiáveis e independentes.
Fontes primárias, ou que possuem conflito de interesse geralmente não são suficientes para se escrever um artigo em uma enciclopédia.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
airbnb
Razão social Motor de busca de meios de hospedagem
Indústria Alojamento local
Fundação 2008
Fundador(es) Brian Chesky, Joe Gebbia e Nathan Blecharczyk
Sede São Francisco (Califórnia)  Estados Unidos
Área(s) servida(s) Mundo inteiro
Website oficial www.airbnb.pt
www.airbnb.com.br

Airbnb é um serviço online comunitário para as pessoas anunciarem, descobrirem e reservarem acomodações e meios de hospedagem.

Conceito[editar | editar código-fonte]

Airbnb permite aos indivíduos alugar o todo ou parte de sua própria casa, como uma forma de acomodação extra. O site fornece uma plataforma de busca e reservas entre a pessoa que oferece a acomodação e o turista que busca pela locação. Abrange mais de 500 mil anúncios em mais de 35.000 cidades e 192 países. Desde sua criação em Novembro de 2008 até Junho de 2012, mais de 10 milhões de reservas foram agendadas via Airbnb.[1]

Histórico[editar | editar código-fonte]

Airbnb foi fundada em Novembro de 2008 por Brian Chesky, Joe Gebbia e Nathan Blecharczyk em São Francisco, na Califórnia. O financiamento inicial foi obtido a partir da incubadora Y Combinator. Mais tarde Greylock Partners, Sequoia Capital e Ashton Kutcher também investiram na empresa.[2]

Polémica[editar | editar código-fonte]

Assim como o Uber, o Airbnb sofre resistência por setores contrários à chamada economia do compartilhamento[3]. Cidades como Barcelona, em Espanha, e Berlim, na Alemanha, proibiram o aplicativo, sob o argumento de que ele pode minar setores já estabelecidos da economia, como a rede hoteleira. O presidente da Câmara de Lisboa, Fernando Medina, em Portugal, foi em contramão, e estabeleceu políticas para flexibilizar o controle do aluguel e facilitar o Airbnb, como forma de incentivo ao turismo[4].

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. airbnb.pt: Airbnb: 10 Milhões de Reservas Efetuadas
  2. blog.airbnb.com: No, We’re Not Punking You – Ashton Joins the Airbnb Team!
  3. http://www.gazetadopovo.com.br/vida-e-cidadania/futuro-das-cidades/sobre-uber-e-outros-desafio-da-economia-compartilhada-e-regulamentacao-94gpp25r6bq7wrwdewk4tb1hg
  4. http://www.gazetadopovo.com.br/vida-e-cidadania/futuro-das-cidades/lisboa-vai-na-contramao-de-berlim-e-barcelona-e-se-abre-para-o-airbnb-9wm9sngsx34nxrecyxoqgxchu

Ligações externas[editar | editar código-fonte]