America First

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

America First refere-se a uma política externa nos Estados Unidos que enfatiza o nacionalismo americano, o nacionalismo econômico[1][2] e o unilateralismo, na rejeição de políticas internacionalistas. Fazia parte da política oficial da administração do presidente Donald Trump.[3][4][5][6] No seu auge, o America First conseguiu fazer uma marcha de 800 mil pessoas em Chicago em 1940.[7]

Embora o termo "America First" tenha surgido pela primeira vez no século XX, as raízes das políticas America First pode ser atribuída a Thomas Jefferson, que promoveu o Lei de Embargo de 1807, e mais tarde a Non-Intercourse Act (1809) e sob James Madison, contra Grã-Bretanha e França. O objetivo isolacionista dos atos era resistir ao embarque forçado dos americanos para servir em navios de guerra estrangeiros.

A abordagem isolacionista novamente ganhou destaque no período entre guerras (1918–1939) e foi defendida pelo America First Committee, um grupo de pressão não intervencionista contra a entrada dos Estados Unidos na Segunda Guerra Mundial.[8]

Origens[editar | editar código-fonte]

"America First" tem sido usado como slogan por políticos democratas e republicanos de extrema-direita.[9] Na eclosão da Primeira Guerra Mundial, o presidente Woodrow Wilson usou o lema para definir sua versão de neutralidade, assim como o jornalista William Randolph Hearst.[10] O motto foi escolhido na eleição do Presidente Harding durante a eleições de 1920 dos EUA.[11]

O lema também foi escolhido pelo presidente Harding durante as eleições de 1920.[12] Em períodos posteriores, o slogan foi usado por Pat Buchanan, que elogiou o não intervencionista WW2 America First Committee e disse "as realizações dessa organização são monumentais".[13] A chamada "política de Buchanan para uma política externa da América Primeiro foi comparada com o Comitê América Primeiro".[14] Durante a eleição presidencial de 2008, o candidato republicano John McCain usou o similar "Country First" como um de seus slogans.[15] O America First é declaradamente anticomunista[16] e teve participação da Skull and Bones.[17]

Sob Governo Trump e repercussão[editar | editar código-fonte]

O governo Trump está mais preocupado em controlar sua esfera de influência do que se expandir sem controle segundo o The Duran.[18] Trump abraçou pela primeira vez o slogan em resposta a uma sugestão e comparação histórica por David E. Sanger durante uma entrevista do New York Times em março de 2016.[19][20] Nos últimos meses, sem referenciar o uso anterior de Pat Buchanan ou a AFC, Trump disse que "'America First' será o principal e principal tema" de sua administração durante sua campanha para o presidente, e defendeu posições nacionalistas e antiintervencionistas;[21] e após a sua eleição para a presidência, a America First tornou-se a doutrina oficial de política externa da administração Trump.[3] Foi um tema do discurso inaugural de Trump, e uma pesquisa do Politico / Morning Consult divulgada em 25 de janeiro de 2017 afirmou que 65% dos americanos responderam positivamente à mensagem inaugural do presidente Trump, "America First", com 39% vendo o discurso como ruim.[22] Em 2017, a administração propôs um orçamento federal para 2018, com Make America Great Again e America First em seu título, com o segundo referenciando seus aumentos para gastos militares, de segurança interna e veteranos, cortes em gastos que vão para países estrangeiros, e Objetivo de 10 anos de alcançar um orçamento equilibrado.[23]

O slogan tem sido criticado por alguns por levar comparações ao primeiro comitê americano;[24] apesar de Trump não se declarar isolacionista e dizer que gosta desta expressão.[25] Um número de estudiosos (como Deborah Dash Moore), comentaristas (como Bill Kristol) e organizações judaicas (incluindo a ADL e JCPA) criticaram o uso de Trump do slogan por causa de sua associação histórica com o nativismo e anti-semitismo.[26] De fato, aspectos de sua política externa, como o que diz respeito à União Européia, sugerem que ele está disposto a usar táticas intervencionistas onde ele acha que isso apóia seus interesses. Exemplos incluem a construção de alianças com conservadores de extrema direita na Alemanha para minar o governo e, por extensão, a UE,[27][28]

Segundo Joseph Stiglitz[29][30] o American First é um socialismo para ricos que dominação esse discurso nacionalista ianque e segundo o Financial Times, o American First influencipou o Brexit para uma guinada mais elitista dele sob a Theresa May[31] além de estimular o nacionalismo mexicano.[32] O Alfred Emanuel Smith afirmava que "apesar das diferenças, precisamos de uma frente de esquerda contra o fascismo no país".[33][34]

Na cultura popular[editar | editar código-fonte]

A política e seu fraseado tornaram-se assunto de sátira internacional através do concurso de vídeo Every Second Counts inspirado no comediante holandês Arjen Lubach e lançado pelo comediante alemão Jan Böhmermann após a posse de Trump.[35] Programas de televisão sátira de notícias inicialmente em toda a Europa, e mais tarde de todo o mundo, comicamente apelaram para Trump para reconhecer seus próprios países à luz do slogan nacionalista de Trump, com um narrador que emprega uma voz semelhante, padrões de fala e exageros aos do próprio Trump.[36][37] A versão inicial de Lubach, por exemplo, terminou notando que "Nós entendemos totalmente que será a América primeiro, mas podemos apenas dizer: Holanda em segundo lugar?"[38][39]

Referências

  1. M. Nicolas J. Firzli : 'Understanding Trumponomics', Revue Analyse Financière, 26 January 2017 – Supplement to Issue N°62
  2. Brian Katulis: "Democrats Need a Strong Alternative to Trump’s ‘Economic Nationalism’"
  3. a b «America First Foreign Policy». Whitehouse.gov. The White House. Consultado em 26 de janeiro de 2017 
  4. Shapiro, Ari (23 de janeiro de 2017). «As Trump Adopts 'America First' Policy, China's Global Role Could Change». National Public Radio. Consultado em 26 de janeiro de 2017 
  5. «The New Nationalism». The Economist. 19 de novembro de 2016. Consultado em 26 de janeiro de 2017 
  6. «Trump details 'America First' foreign plan». BBC World Service. 28 de abril de 2016. Consultado em 26 de janeiro de 2017 
  7. Wayne S. Cole, America First: The Battle against Intervention, 1940-41 (1953)
  8. Sarles, Ruth (2003). Kauffman, Bill (ed.). A Story of America First: The Men and Women Who Opposed U.S. Intervention in World War II. Greenwood Publishing Group. ISBN 978-0-275-97512-8
  9. Calamur, Krishnadev (21 de janeiro de 2017). «A Short History of 'America First'». The Atlantic (em inglês). Consultado em 21 de junho de 2021 
  10. Rauchway, Eric (6 de maio de 2016). «How 'America First' Got Its Nationalistic Edge». The Atlantic (em inglês). Consultado em 28 de agosto de 2018 
  11. Mikelbank, Peter (25 de março de 2018). «Sex Scandals and 'America First': Warren G. Harding Was Donald Trump 1.0». The Daily Beast (em inglês). Consultado em 28 de agosto de 2018 
  12. Mikelbank, Peter (25 de março de 2018). «Sex Scandals and 'America First': Warren G. Harding Was Donald Trump 1.0». The Daily Beast (em inglês). Consultado em 28 de agosto de 2018 
  13. Pat Buchanan (13 de outubro de 2004). «The Resurrection of 'America First!'». The American Cause. Consultado em 3 de fevereiro de 2008 
  14. Michael Cox and Martin Durham, "The Politics of Anger: The Extreme Right in the United States" (p. 287), in Paul Hainsworth, ed., The Politics of the Extreme Right: From the Margins to the Mainstream, London/New York: Pinter, 2000, ISBN 1855674599
  15. Ruyle, Megan (19 de outubro de 2011). «Obama not first to use 'country first' slogan». TheHill (em inglês). Consultado em 21 de junho de 2021 
  16. Noam Chomsky and Edward S. Herman, The Washington Connection and Third World Fascism (South End Press, 1979); Gabriel Kolko, Confronting the Third World: United States Foreign Policy 1945-1980 (Pantheon Books, 1988); and Audrey R. Kahin and George McTurnan Kahin, Subversion as Foreign Policy: The Secret Eisenhower and Dulles Debacle in Indonesia (The New Press, 1995).; Jonathan Kwitny, Endless Enemies: The Making of an Unfriendly World (1984), p.57
  17. Sutton, Antony C. America's Secret Establishment: An Introduction to the Order of Skull & Bones. Walterville, OR: Trine Day, 2003. ISBN:0-9720207-0-5.
  18. «The global Trumpquakes that are shaking the world». The Duran (em inglês). 5 de fevereiro de 2017. Consultado em 21 de junho de 2021 
  19. «The Long History Behind Donald Trump's 'America First' Foreign Policy». Time (em inglês). Consultado em 9 de novembro de 2018 
  20. «Transcript: Donald Trump Expounds on His Foreign Policy Views» (em inglês). Consultado em 9 de novembro de 2018 
  21. DelReal, Jose A. (27 de abril de 2016). «Trump, pivoting to the general election, hones 'America First' foreign policy vision». Washington Post. Consultado em 26 de janeiro de 2016 
    Haberman, Maggie; Sanger, David E.; Trump, Donald (26 de março de 2016). «Transcript: Donald Trump Expounds on His Foreign Policy Views». The New York Times. Consultado em 29 de janeiro de 2017 
  22. Sherman, Jake (25 de janeiro de 2017). «Poll: Voters liked Trump's 'America first' address». POLITICO. Consultado em 26 de janeiro de 2017 
    Savransky, Rebecca (25 de janeiro de 2017). «Majority of Americans approves of Trump's 'America First' message». The Hill. Consultado em 26 de janeiro de 2017 
  23. «Trump's budget proposal truly puts America first». The Hill. 24 de maio de 2017. Consultado em 13 de março de 2018. Arquivado do original em 13 de março de 2018 
  24. Elving, Ron (21 de janeiro de 2017). «Trump Vows Policy Vision Of 'America First,' Recalling Phrase's Controversial Past». NPR. Consultado em 27 de janeiro de 2017 
  25. Thomas, Louisa (24 de julho de 2016). «America First, for Charles Lindbergh and Donald Trump». The New Yorker. Consultado em 2 de fevereiro de 2017 
  26. Thomas, Louisa (24 de julho de 2016). «America First, for Charles Lindbergh and Donald Trump». The New Yorker. Consultado em 2 de fevereiro de 2017 
    Calamur, Krishnadev (21 de janeiro de 2017). «A Short History of 'America First'». The Atlantic. Consultado em 29 de janeiro de 2017 
    Nathan-Kazis, Josh (20 de janeiro de 2017). «Trump's 'America First' Leaves Jewish Groups Hesitant». The Forward. Consultado em 29 de janeiro de 2017 
  27. «Trump's Envoy to Germany Aims to Empower Europe's Far Right». Truthdig: Expert Reporting, Current News, Provocative Columnists (em inglês). Consultado em 21 de junho de 2021 
  28. «EU foreign policy chief tells Trump not to interfere in Europe's politics». the Guardian (em inglês). 10 de fevereiro de 2017. Consultado em 21 de junho de 2021 
  29. «America's socialism for the rich | Joseph Stiglitz». the Guardian (em inglês). 12 de junho de 2009. Consultado em 21 de junho de 2021 
  30. «Race, Gender, and Class Politics in the US Primaries». CounterPunch.org (em inglês). 23 de fevereiro de 2016. Consultado em 21 de junho de 2021 
  31. Phillip Stevens, “Britain is starting to imitate Greece”, Financial Times, 30/6/2016
  32. What new Mexican president Andres Manuel Lopez Obrador thinks about Donald Trump
  33. Eco, Umberto ur-Fascism The New York Review of Books issn 0028-7504 7/3/2018
  34. Ceplair, Larry (1987). Under the Shadow of War: Fascism, Anti-Fascism, and Marxists, 1918-1939. [S.l.]: Columbia University Press. ISBN 9780231065320 P. 190-192
  35. Camila Domonoske (6 de fevereiro de 2017). «If America's No. 1, Who's No. 2? European Nations Compete For The, Uh, Honor». NPR. Consultado em 7 de fevereiro de 2017 
  36. Hillary Busis (7 de fevereiro de 2017). «Meet the Men Trolling Trump in Those Viral European Videos». Vanity Fair. Consultado em 7 de fevereiro de 2017 
  37. Boyer, Lauren (25 de janeiro de 2017). «Dutch TV Show Trolls Donald Trump For 'America First' Message». U.S. News & World Report 
  38. «Click this page. It's Huge. Like Donalds hands. It's the funniest website in the world! Believe us!». Every Second Counts. Neo Magazin Royale. Consultado em 8 de fevereiro de 2017 
  39. Purdom, Clayton (6 de fevereiro de 2017). «Trump's "America first" slogan parodied as other countries vie to be second». AV Club