Antineutrino do elétron

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
antineutrino do elétron
Composição: Partícula elementar
Família: Férmion
Grupo: Lépton
Geração:
Interação: interação fraca, gravidade
Símbolo(s): ν
e
Antipartícula: neutrino do elétron (ν
e
)
Teorizada: Wolfgang Pauli (1930)
Descoberta: Clyde Cowan, Frederick Reines (1956)
Carga elétrica: 0e
Spin: - 12
Número leptônico: LH: ?, RH: ?
Número bariônico: LH: ?, RH: ?

Antineutrino de elétron (ν
e
) é uma partícula elementar subatômicas, é antipartícula do neutrino de elétron. Eles são produzidos naturalmente numa das duas variações possíveis do decaimento beta, o beta negativo, no qual um nêutron torna-se um próton, como demonstrado abaixo:

Teoria e descoberta[editar | editar código-fonte]

Decaimento beta.

Na década de 1930, Wolfgang Pauli propôs existência de partículas, hoje conhecidas com neutrinos e antineutrinos, para explicar algumas anomalias aparentes. Observou-se que os decaimentos beta violariam a a conservação de energia e momentum; A teoria de Wolfgang envolvendo uma partícula de massa e energia ínfima e quase indetectável envolvida nestes processos respeitaria esses dois princípios.

Em 1956, uma equipe de pesquisa estado unidense, liderada por Frederick Reines, reportou a descoberta do antineutrino de elétron. Em seus experimentos, os antineutrinos emitidos em um reator nuclear foram postos para reagirem com prótons para produzir nêutrons e pósitrons[1]. Descrito abaixo:

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências