Antropoceno

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Antropoceno é um termo usado por alguns cientistas para descrever o período mais recente na história do Planeta Terra. Ainda não há data de início precisa e oficialmente apontada, mas muitos consideram que começa no final do Século XVIII, quando as atividades humanas começaram a ter um impacto global significativo no clima da Terra e no funcionamento dos seus ecossistemas. Esta data coincide com a invenção do Motor a vapor por James Watt em 1784. Outros cientistas consideram que o Antropoceno começa mais cedo, como por exemplo no advento da agricultura.

Etimologia[editar | editar código-fonte]

Paul Crutzen, vencedor do Nobel de Química de 1995, foi um dos cientistas que popularizou o conceito de "Antropoceno".
A agricultura é uma das atividades humanas que impactam significativamente no ambiente. Na foto, um campo de cevada em the Palouse, Estados Unidos.

O termo Antropoceno é uma combinação das raízes das palavras em grego anthropo- (ἄνθρωπος[1] ) que significa "humano" e -ceno que significa "novo". Todas as épocas da Era Cenozóica terminam em -ceno.

O biólogo Eugene F. Stoermer originalmente cunhou o termo,[2] mas foi o químico vencedor do Prêmio Nobel Paul Crutzen que independentemente o reinventou e popularizou. Stoermer escreveu, "eu comecei a usar o termo 'antropoceno' na década de 1980, mas nunca formalizei até ser contatado pelo Paul".[3] Crutzen explicou, "Eu estava numa conferência onde alguém disse alguma coisa sobre o Holoceno. De repente, eu pensei que isso estava errado. O mundo mudou demais. Então eu disse: 'Não, nós estamos no Antropoceno'. Eu criei a palavra no calor do momento. Todos se chocaram. Mas ela parece ter ficado."[4] O termo foi usado pela primeira vez em uma publicação em 2000 por Crtuzen e Stoermer em um informativo do Programa Internacional da Geosfera-Biosfera.[5]

Ainda em 1873, o geólogo italiano Antonio Stoppani reconheceu o aumento do poder e do efeito da humanidade nos sistemas da Terra e se referiu a uma 'era antropozoica'.[6] Um termo similar, Homogenoceno (do grego antigo: homo-, mesmo, geno-, tipo, kainos-, e -ceno, novo [período]), foi usado pela primeira vez por Michael Samways em seu primeiro artigo editorial no Journal of Insect Conservation (1999) intitulado, "Translocating fauna to foreign lands: here comes the Homogenocene".[7] Samways utilizou o termo para definir nossa época geológica atual, na qual a biodiversidade está diminuindo e os ecossistemas ao redor do globo se tornaram mais similares uns aos outros. O termo foi usado por John L. Curnutt em 2000 em Ecology, em uma pequena lista intitulada, "A Guide to the Homogenocene."[8] Andrew Revkin cunhou o termo Antroceno em seu livro Global Warming: Understanding the Forecast (1992),[9] no qual escreve, "nós estamos entrando em uma era que pode um dia ser referida como, poderia dizer, o Antroceno. No final das contas, é uma era geológica de nossa própria autoria." O nome evoluiu para "Antropoceno", que geralmente é considerado como um termo técnico mais apropriado.[10]

Efeitos da atividade humana[editar | editar código-fonte]

Biodiversidade[editar | editar código-fonte]

Extinção de espécies (em milhares por ano).

Muitas espécies foram extintas devido ao impacto humano. A maioria dos especialistas concorda que as atividades humanas têm acelerado a taxa de extinção de espécies. A taxa exata é controversa, sendo muitas vezes situada entre 100 a 1000 vezes a taxa considerada normal[11] . Em 2010, um estudo publicado na Nature descobriu que o fitoplâncton declinou substancialmente nos oceanos do mundo ao longo do século passado. Desde 1950, biomassa de algas diminuiu cerca de 40%, provavelmente em resposta ao aquecimento do oceano, sendo que o declínio ganhou ritmo nos últimos anos. Alguns autores postulam que sem impactos humanos a biodiversidade do planeta continuaria a crescer a um ritmo exponencial.

Na edição aberta de 13 de julho de 2012 do New York Times, o ecologista Roger Bradbury previu o fim da biodiversidade marinha, dizendo que os recifes de coral estão condenados, "Os recifes de coral serão os primeiros, mas certamente não o último grande ecossistema, a sucumbir ao Antropoceno"[12] . Este artigo rapidamente gerou muita discussão entre os ambientalistas e foi refutada no site da The Nature Conservancy, defendendo sua posição de proteger os recifes de coral, apesar de impactos humanos continuaram causando quedas de recife[13] .

Composição da atmosfera[editar | editar código-fonte]

Concentração de dióxido de carbono atmosférico (em ppm).

Suspeita-se que o é o aumento do teor de dióxido de carbono atmosférico (CO2) atmosférico seja resultante das atividades humanas. Durante os ciclos glaciais-interglaciais dos últimos milhões de anos, os processos naturais têm variado CO2 em cerca de 100 ppm (a partir de 180 ppm a 280 ppm). A partir de 2013, as emissões líquidas antrópicas de CO2 aumentaram sua concentração atmosférica por uma quantidade comparável de 280 ppm (Holoceno ou "equilíbrio" pré-industrial) para aproximadamente 397 ppm[14] . A maior parte deste aumento é devido à queima de combustíveis fósseis, como o carvão, petróleo e gás, embora frações menores sejam o resultado da produção de cimento e as mudanças de uso do solo (por exemplo, desmatamento).

Mudanças do clima[editar | editar código-fonte]

Já somos mais de 7 bilhões de seres humanos vivendo e consumindo os recursos da Terra. A queima continuada de combustíveis fósseis, como o petróleo e o carvão, tem sido responsável por um dos impactos mais sensíveis do Antropoceno: o aquecimento global. O clima está mudando. As geleiras e as calotas polares estão derretendo, o nível do mar aumentando, e começam a ocorrer grandes alterações no regime de chuvas e nos processos biológicos.

Alteração dos rios[editar | editar código-fonte]

No Antropoceno, o curso dos grandes rios do planeta e o seu padrão de sedimentação foram amplamente alterados. Barragens, usinas e canais mudaram de forma radical estes caminhos de água. Estamos cada vez mais sujeitos a secas e inundações. A disponibilidade de água potável atual e futura também está em risco, devido ao desperdício, à falta de manutenção nas tubulações e a poluição de fontes, rios, lagos e aquíferos. As grandes metrópoles são as primeiras a sofrer com a crise crônica de água. Em todo o mundo, apenas 4% dos esgotos domésticos são adequadamente tratados, e a maior parte da água utilizada nas residências e nas indústrias é despejada nos rios sem qualquer tipo de tratamento.    

Elementos traços[editar | editar código-fonte]

Geleira do pico do monte Fremont.

Em termos de oligoelementos, há assinaturas distintas deixadas pelas sociedades modernas. Por exemplo, na geleira do monte Fremont, em Wyoming, há uma camada de cloro presente nos núcleos de gelo que remonta aos programas de testes de armas atômicas da década de 1960, bem como uma camada de mercúrio associado às usinas termoelétricas a carvão dos anos 1980.

Limite temporal do antropoceno[editar | editar código-fonte]

Teoria do "Antropoceno Precoce"[editar | editar código-fonte]

A revolução industrial é apontada por alguns como o início do antropoceno. Na imagem, a pintura A fundição de ferro em blocos, de Herman Heyenbrock (1890).

Embora suspeite-se que grande parte da mudança ambiental seja uma conseqüência direta da Revolução Industrial, William Ruddiman propõe que o Antropoceno começou aproximadamente 8.000 anos atrás, com o desenvolvimento da agricultura e das culturas sedentárias. Neste ponto, os seres humanos foram dispersos em todos os continentes (exceto a Antártica), e a Revolução Neolítica estava em andamento. Durante este período, os seres humanos desenvolveram a agricultura e pecuária para complementar ou substituir o sistema de subsistência do tipo caçador-coletor. Tais inovações foram seguidos por uma onda de extinções, começando com grandes mamíferos e aves terrestres. Esta onda foi impulsionada tanto pela atividade direta dos seres humanos (por exemplo, de caça) e as consequências indiretas da mudança no uso da terra para a agricultura.

Este período (de 10.000 anos até o presente) é normalmente referido como o Holoceno ppelos geólogos. Durante maior parte da Holoceno, as populações humanas foi relativamente baixa e as suas atividades muito discretas quando comparadas à dos últimos séculos. No entanto, muitos dos processos que estão alterando o ambiente da Terra já estavam ocorrendo durante este período. No que diz respeito a melhor data de partida para Antropoceno muitas propostas têm sido criadas. Do passado ao presente, alguns autores consideram o Antropoceno e o Holoceno como o mesmo intervalo de tempo geológico[15] [16] outros defendem que o Antropoceno seria apenas o período mais recente[17] Na verdade, discutindo a hipótese de início de Antropoceno, William Ruddiman alega que o Antropoceno, conforme definido pelo impacto humano significativo nas emissões de gases de efeito estufa, não começou na era industrial, mas há 8.000 anos, como antigos agricultores derrubando florestas para o cultivo.[18] [19] [20] O trabalho de Ruddiman, por sua vez, foi contestado pelo facto de que a comparação com a interglaciação anterior (cerca de 400.000 anos atrás) sugere que 16.000 mais anos devem decorrer antes que a atual interglaciação do Holoceno chegue ao fim, e que, portanto, a hipótese antropogênica precoce é inválida. Ruddiman argumenta, para refutar isso, que isso resulta de um alinhamento inválido de recente máxima insolação com insolações mínimas do passado, entre outras irregularidades, o que invalida a crítica. Além disso, o argumento de que "alguma coisa" é necessária para explicar as diferenças no Holoceno é desafiado por pesquisas recentes que mostram que todos os períodos interglaciais são diferentes.[21]

Contudo, considerando que há 8.000 anos o planeta sustentada alguns milhões de pessoas e ainda assim era fundamentalmente intocado,[22] é uma constatação que serve como base para a afirmação de que uma data para o termo "Antropoceno Precoce" não leva em conta os impactos humanas mais substanciais na Terra.

Revolução industrial[editar | editar código-fonte]

Crutzen propôs a Revolução Industrial como o início do Antropoceno.[6] Embora seja evidente que a Revolução Industrial marcou o início de um impacto humano global sem precedentes no planeta,[23] grande parte da paisagem da terra já havia sido profundamente modificada pelas atividades humanas. [24] A datagem do início do um período Antropoceno, por conseguinte, deve ser atribuído ao momento em que a humanidade une-se as outras forças ambientais a moldar o planeta. Fazer isso é difícil, talvez seja mesmo irrealista para identificar um ano zero de uma era Antropoceno. Na verdade, o impacto humano sobre a Terra tem crescido progressivamente, com algumas desacelerações substanciais. Lovelock propõe que o Antropoceno começou com a primeira aplicação do motor a vapor de Newcomen, em 1712. Até então, o maior nível de energia disponível ao longo da história humana havia sido limitada a 1 kW por metro quadrado, a partir do sol.

Antiguidade[editar | editar código-fonte]

Um ponto de partida plausível para o Antropoceno poderia ser há cerca de 2.000 anos, o que coincide aproximadamente com o início da fase final do Holoceno, a fase climática do Subatlântico.[25]

Neste momento, o Império Romano abrangia grande parte da Europa, Oriente Médio e Norte da África. Na China, as dinastias clássicas estavam florescendo. Os Reinos Médios da Índia já tinha a maior economia do mundo antigo e medieval. O reinos Napata/Meroítico se estendia pelos atuais Sudão e Etiópia. Os Olmecas controlavam a região central do México e da Guatemala, e os povos pré-incaicos Chavín se estendia por grandes áreas do norte do Peru. Embora muitas vezes afastados uns dos outros e misturados com os ecossistemas de tamponamento, as áreas diretamente afetadas por essas civilizações e outros eram grandes. Além disso, algumas atividades, como a mineração, implicavam numa forma muito mais generalizada de perturbação das condições naturais.[26]

Marcador[editar | editar código-fonte]

Terraplanagem feita na tentativa de restaurar a praia em Biloxi (Mississippi) que foi danificada pelo furacão Katrina em 2005.

Um marcador que represente algum impacto substancial dos seres humanos sobre o ambiente como um todo, em escala comparável àquelas associadas a perturbações significativas do passado geológico, é necessário, em lugar das pequenas alterações na composição da atmosfera.[27] [28]

Um candidato útil para este fim é a pedosfera, que pode reter a informações histórias climática e geoquímica com características que duram séculos ou milênios.[29] A atividade humana está agora firmemente estabelecida como o sexto fator de formação do solo.[30] Ela afeta pedogênese, quer diretamente, através de, por exemplo, terraplanagem, abertura de valas e construção de aterro para diversos fins, o enriquecimento de matéria orgânica de adições de esterco ou outros resíduos, o empobrecimento de matéria orgânica devido ao cultivo continuado, a compactação de sobrepastoreio ou, indiretamente, por arraste ou erosão, ou acúmulo de poluentes. Solos antropogênicos são aqueles muito afetados pelas atividades humanas, como a aragem repetida, a adição de fertilizantes, a contaminação, a impermeabilização, ou enriquecimento com artefatos (na Base de Dados Mundial de Referência recursos do solo são classificados como Antrosol e Technosol). Eles são repositórios recalcitrantes de artefatos e propriedades que testemunham o domínio do impacto humano e, portanto, parecem ser um marcador confiável do Antropoceno. Alguns solos antropogênicos deve ser, portanto, vistos como estratos por geólogos (Global Boundary Stratotype Section and Point), que são locais onde há sucessões estratos com claras evidências de um evento mundial, incluindo a aparência de fósseis distintos.[25]

A Grande Aceleração[editar | editar código-fonte]

Em estudo publicado por Will Steffen, professor da Universidade Nacional da Austrália e do Centro sobre Resiliência de Estocolmo, na Suécia, era esperado que fossem encontradas evidências de grandes alterações desde 1750. contudo, um forte aumento aumento nos indicadores só ocorreu a partir de 1950. Segundo ele, essas alterações seriam evidência que entramos em uma nova época geológica, em que o sistema econômico global é o principal motor por trás das mudanças que a Terra vem sofrendo. "É difícil superestimar a escala e velocidade destas alterações. No tempo de uma única vida a Humanidade se tornou uma força geológica em escala planetária".[2]

Desafios para o futuro[editar | editar código-fonte]

Ao longo da história, a humanidade enfrentou desafios perante o ambiente em níveis locais e regionais. Atualmente, pesquisa-se evidências de base para responder a desafios em âmbito global. Novas iniciativas de pesquisa buscam evidências de que a ciência pode responder aos desafios futuros do Antropoceno por meio da sustentabilidade. À medida que o conceito e a consciência sobre o Antropoceno se torna conhecido no debate público, espera-se que uma mudança no sistema mundial seja possibilitada a fim de manter a viabilidade das sociedades humanas e mesmo da espécie humana para o futuro.

Na cultura[editar | editar código-fonte]

O conceito de Antropoceno também tem recebido uma abordagem das humanidades como filosofia, literatura e arte. No mundo escolarizado, ele tem sido sujeito de cada vez mais atenção da mídia especializada,[31] conferências,[32] [33] e relatos de disciplinas.[34] O Antropoceno, a escala de tempo que o acompanha, e suas implicações ecológicas levantam questões sobre o fim da civilização,[35] memória e arquivos,[36] a extensão e os métodos da investigação humanística,[37] e as respostas emocionais ao "fim da natureza".[38]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Leituras adicionais[editar | editar código-fonte]

  • Steffen, W.; Grinevald, J.; Crutzen, P.; McNeill, J. (2011). The Anthropocene: conceptual and historical perspectives. Philosophical Transactions of the Royal Society A.
  • Pfister, C., “The 1950s Syndrome and the Transition from a Slow-going to a Rapid Loss of Global Sustainability in Frank Uekoetter, Ed., The Turning Points of Environmental History, Pittsbhurg, 2010
  • McNeill, John, “Global Environmental History in the Age of Fossil Fuels” in Mapping the World.webarchive, 2008.
  • Morais, João, O antropoceno: os desafios da Mudança Global, Revista Lusófona de Humanidades e Tecnologias, n. 11, 2008
  • Steffen, Will; Crutzen, Paul e McNeill, John, “The Anthropocene: Are Humans Now Overwhelming the Great Forces of Nature”, Ambio, 36 (8), 2007.
  • Steffen, Will; Grinevald, Jacques; Crutzen, Paul e McNeill, John, The Anthropocene: conceptual and historical perspectives, Philosophical Transactions of the Royal Society, 369, 2011.
  • Tickell, C. Societal Responses to the Anthropocene”, Philosophical Transactions of the Royal Society, 369, 2011.
  • Zalasiewicz,J. et al, “Are we now living in the Anthropocene?”, GSA Today, n. 18-2, 2008.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Greek Word Study Tool. Visitado em 2014-09-09.
  2. a b Baima, Cesar A aurora do ‘Antropoceno’, a era dos humanos Jornal O Globo Online, 16/01/2015
  3. Steffen, Will. (2011). "The Anthropocene: conceptual and historical perspectives". Phil. Trans. R. Soc. A 369: 843.
  4. Pearce, Fred. With Speed and Violence: Why Scientists fear tipping points in Climate Change. [Malaysia?]: Beacon Press, 2007. p. 21. ISBN 0-8070-8576-6
  5. Crutzen, P. J., and E. F. Stoermer. (2000). "The 'Anthropocene'". Global Change Newsletter 41: 17–18.
  6. a b Crutzen, P. J.. (2002). "Geology of mankind". Nature 415 (6867): 23. DOI:10.1038/415023a. PMID 11780095. Bibcode2002Natur.415...23C.
  7. Samways M. (June 1999). "Translocating fauna to foreign lands: here comes the Homogenocene". Journal of Insect Conservation 3 (2): 65–6. DOI:10.1023/A:1017267807870.
  8. Curnutt J. L.. (June 2000). "Book Review: A Guide to the Homogenocene". Ecology 81 (6): 1756–7. DOI:[1756:AGTTH2.0.CO;2 10.1890/0012-9658(2000)081[1756:AGTTH]2.0.CO;2]. ISSN 0012-9658.
  9. Revkin, Andrew C.. Global Warming: Understanding the Forecast. [S.l.]: Abbeville Press, Incorporated, 1992. ISBN 1558593136
  10. Revkin, A.. The "Anthrocene" era of a human-shaped Earth. [S.l.: s.n.], 1992.
  11. "Anthropocene: Have humans created a new geological age?", BBC News, 10 May 2011.
  12. Bradbury, Roger. "A World Without Coral Reefs", The New York Times, 13 July 2012. Página visitada em 22 July 2012.
  13. Wear, Stephanie (20 July 2012). Coral Reefs: The Living Dead, Or A Comeback Kid? nature.org. Visitado em 22 July 2012.
  14. Recent Global CO2, Earth System Research Laboratory, NOAA
  15. Smith, B.D., and Zeder, M.A.. (2013). "The onset of the Anthropocene". Anthropocene 4: 8–13. DOI:10.1016/j.ancene.2013.05.001.
  16. Certini, G. and Scalenghe, R.. (2014). "Is the Anthropocene really worthy of a formal geologic definition?". The Anthropocene Review. DOI:10.1177/2053019614563840.
  17. Ruddiman, WF.. (2013). "The Anthropocene". The Annual Review of Earth and Planetary Sciences 41: 45–68. DOI:10.1146/annurev-earth-050212-123944.
  18. Mason, Betsy. (2003). "Man has been changing climate for 8,000 years". Nature. DOI:10.1038/news031208-7.
  19. Adler, Robert (2003-12-11). Early farmers warmed Earth's climate New Scientist. Visitado em 2008-02-04.
  20. Ruddiman, William F.. (2003). "The anthropogenic greenhouse era began thousands of years ago". Climatic Change 61 (3): 261–293. DOI:10.1023/B:CLIM.0000004577.17928.fa.
  21. Interglacial diversity, Nature Geoscience 2, 751 - 755 (2009)
  22. Boyle, J. F., Gaillard, M.-J., Kaplan, J. O. and Dearing, J. A.. (2011). "Modelling prehistoric land use and carbon budgets: A critical review". The Holocene. DOI:10.1177/0959683610386984.
  23. Douglas, I., Hodgson, R. and Lawson, N.. (2002). "Industry, environment and health through 200 years in Manchester". Ecological Economics 41 (2): 235–55. DOI:10.1016/S0921-8009(02)00029-0.
  24. Kirch, P. V.. (2005). "The Holocene record". Annual Review of Environment and Resources 30 (1): 409–40. DOI:10.1146/annurev.energy.29.102403.140700.
  25. a b Certini, G. and Scalenghe, R.. (2011). "Anthropogenic soils are the golden spikes for the Anthropocene". The Holocene 21 (8): 1269–74. DOI:10.1177/0959683611408454.
  26. Hong, S., Candelone, J-P., Patterson, C. C. and Boutron C. F.. (1994). "Greenland ice evidence of hemispheric lead pollution two millennia ago by Greek and Roman civilizations". Science 265 (5180): 1841–1843. DOI:10.1126/science.265.5180.1841. PMID 17797222. Bibcode1994Sci...265.1841H.
  27. Zalasiewicz, J., Williams, M., Steffen, W. and Crutzen, P. J.. (2010). "Response to "The Anthropocene forces us to reconsider adaptationist models of human-environment interactions"". Environmental Science Technology 44 (16): 6008. DOI:10.1021/es102062w. Bibcode2010EnST...44.6008Z.
  28. Zalasiewicz, J. et al.. (2011). "Stratigraphy of the Anthropocene". Philosophical Transactions of the Royal Society A 369 (1938): 1036–55. DOI:10.1098/rsta.2010.0315. Bibcode2011RSPTA.369.1036Z.
  29. Richter, D. deB.. (2007). "Humanity’s transformation of Earth’s soil: pedology’s new frontier". Soil Science 172 (12): 957–67. DOI:10.1097/ss.0b013e3181586bb7.
  30. Amundson, R. and Jenny, H.. (1991). "The place of humans in the state factor theory of ecosystems and their soils". Soil Science 151 (1): 99–109. DOI:10.1097/00010694-199101000-00012.
  31. Timothy Clark (ed.). (01-12-2012). "Special Issue: Deconstruction in the Anthropocene". Oxford Literary Review 34 (2).
  32. Humanities Research Centre, Australian National University (13-06-2012). "Anthropocene Humanities: The 2012 Annual Meeting of the Consortium of Humanities Centers and Institutes". Título do livro não fornecido. Página visitada em 2014-07-21. 
  33. Rachel Carson Center for Environment and Society at LMU-Munich; Alexander von Humboldt Transatlantic Network in the Environmental Humanities (14-06-2013). "Culture and the Anthropocene". Título do livro não fornecido. Página visitada em 21-07-2014. 
  34. Wenzel, Jennifer. State of the Discipline Report: Ideas of the Decade. [S.l.]: American Comparative Literature Association, 2014-03-14. Página visitada em 2014-07-21.
  35. Scranton, Roy. "Learning How to Die in the Anthropocene", New York Times: Opinionator, 10-11-2013. Página visitada em 17-07-2014.
  36. Colebrook, Claire (27-01-2014). The Anthropocene and the Archive The Memory Network: Exchanges. Visitado em 21-07-2014.
  37. Nowviskie, Bethany (10-07-2014). digital humanities in the anthropocene nowviskie.org. Visitado em 10-07-2014.
  38. Ronda, Margaret. (10-06-2013). "Mourning and Melancholia in the Anthropocene". Post45.