Carlos Emanuel I de Saboia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde abril de 2014).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Carlos Emanuel I, Duque de Saboia

Carlos IV, futuro Carlos Manuel I, alcunhado de O Grande nasceu no (Castelo de Rivoli, 12 de janeiro de 156226 de julho de 1630) foi um duque de Saboia e príncipe do Piemonte, rei titular de Chipre e de Jerusalém.

Duque da Saboia em 1580, foi Príncipe do Piemonte, Conde de Aosta, Moriana, Asti e Nice, Rei titular de Chipre e de Jerusalém em 1580, foi ainda marquês de Saluzzo, de 1588 a 1630.

Vida e morte[editar | editar código-fonte]

Casou em Saragoça em 11 de março de 1585 com a Infanta Catarina Micaela de Espanha, Áustria ou Habsburgo (nascida em 10 de outubro de 1567 e morta em 6 de novembro de 1597), filha de Filipe II de Espanha e de Isabel de Valois.

Adquiriu o marquesado de Saluces ou Saluzzo em 1588 e grande parte de Montferrat ou Monferrato. Interveio na Provença, de acordo com a Santa Liga (1589-1593). Zeloso contra o Protestantismo, tomou (como dois sucessores) medidas contra o crescimento dos Waldensianos. Trocou os direitos da França sobre o marquesado de Saluces contra os territórios de Bresse, Bugey e Gex, pelo Tratado de Lyon em 1601. Suas tentativas contra Genebra fracassaram, e se voltou para a Espanha, arranjando entre ambos a sucessão de Mântua, o que lhe deu o Montferrat em 1628 - mas Luís XIII de França lhe impôs neutralidade ao invadir o passo de Susa em 1629.

Quando morreu, seus Estados estavam devastados pela luta entre franceses e espanhóis. Sempre teve três objetivos principais: para recuperar os territórios perdidos, conquistar Gênova, Saluzzo (1558) e Monferrato.

História[editar | editar código-fonte]

Uma diplomacia irrequieta, embora astuta, prejudicou muitas realizações econômicas e políticas das décadas passadas. Oscilou sempre entre aliar-se a Espanha ou a França e a longo prazo teve sucesso muito relativo. Enviou em 1590 expedição à Provença no interesse da Liga Catolica, mas pela paz de 1593 (quando o rei Henrique de Navarra foi reconhecido Rei da França como Henrique IV) terminaram suas ambições.

Na guerra seguinte entre Espanha e França, ficou do lado espanhol. Pela Paz de Lyons 1601 abandonou os territórios alem do Ródano, embora Saluzzo lhe tenha sido confirmado, dando em troca Bresse, Bugey, Gex e Pinerolo. Tentou capturar Gênova por surpresa, traição e ajuda espanhola em 1602, mas falhou.

Quando morreu em 1612 Francisco Gonzaga, Duque de Mântua, senhor de Monteferrato, tentou outra vez a sorte - aliando contra ele venezianos, a Toscana, o Imperador e a Espanha, que o obrigaram a largar a conquista… A paz de 1618 devolveu-lhe mais ou menos o status quo ante.

Em 1628 aliado à Espanha contra a França, que invadiu o ducado. Lutou desesperadamente, mas adoeceu em Savigliano e morreu.

L'Escalade[editar | editar código-fonte]

Em 12 de dezembro de 1602, no final de uma luta épica, a cidade de Genebra emancipou-se de seu suserano feudal, o duque de Saboia, e se tornou independente. No século anterior, Genebra se tinha transformado em república e tornado protestante, acolhendo com ardor o reformador Calvino. O duque de Saboia decidiu dar fim à rebelião, e nesta data de 12 de dezembro seu exército de mercenários se aproximou da cidade. O senhor de Albigny queria aproveitar da noite mais longa do ano para tomá-la. Soldados de elite, com escalas envelopadas em panos, alçam-se pelas muralhas. Mas de sua janela uma mulher os vê, toma uma panela e derrama sua sopa fervente sobre os assaltantes. A alerta dado, os intrusos rumam para as portas para dar entrada ao exército dos saboiardos. Um guarda se lança sobre a corda que retem a porta e faz com que caia sobre eles. A cidade está salva. Os sobreviventes do assalto serão enforcados no dia seguinte, entre demonstrações de alegria, na planície. Henrique IV, sabendo da notícia, enviará calorosas felicitações aos genebrinos.

O ataque que ficará conhecido como "a Escalada", é hoje em dia festejado devidamente, e os habitantes vestem-se em trajes de época, com tamborins e fogos, diante da catedral, comendo chocolate em panelas batidas contra as mesas das casas aos gritos de «Assim pereçam os inimigos da República!», é a grande festa da L'Escalade a cada 12 de Dezembro.

Mais do que uma derrota militar, é mais uma derrota de prestígio o revês da Escalada, que aliás está na origem do tratado de Saint-Julien. O desejo de derrotar Genebra chega ao ponto de um século mais tarde a Saboia vai criar a Província de Carouge.

Posteridade[editar | editar código-fonte]

Deixou dez filhos legítimos e numerosos bastardos.

  1. Filipe Emanuel (Turim, 2 de abril de 1585 ou 1586-9 de fevereiro de 1605 Madri). Príncipe do Piemonte.
  2. Vítor Amadeu I de Saboia (Turim 8 de maio de 1587-7 de outubro de 1637 Verceil), apelidado O Leão de Susa. Duque de Saboia, Duque de Aosta, Príncipe de Acaia, da Moreia, Marquês de Turim, Conde do Piemonte, de Belley, de Vienne, do Bugey, de Moriana, de Chablais, etc. Rei titular de Chipre e Jerusalém 1630 a 1637.
  3. Margarisa (Turim 28 de abril de 1589-26 de junho de 1655 Miranda) Vice-Rainha de Portugal de 1635 a 1640. Casou em Turim em 19 de fevereiro de 1608 com Francisco II Gonzaga (7 de maio de 1586-22 de agosto de 1612), Duque de Mântua. A mãe desejava vê-la casada com o primo, Luís XIV.
  4. Isabel (Turim 2 de março de 1591-22 de agosto de 1626 Modena). Casada em 22 de fevereiro de 1608 com Afonso III d'Este (1591-1644) Duque de Módena.
  5. Emanuel Felisberto (1588-4 de agosto de 1624 Palermo) Vice-Rei da Sicília de 1622-1624).
  6. Maurício (10 de janeiro de 1593-4 de outubro de 1657 Turim), Bispo de Vercelli, Cardeal (1607), Príncipe de Oneglia em 1641, Marquês de Berzezio. Em 1642, sendo há 30 anos cardeal, abandonou a religião e casou com sua sobrinha Luísa ou Ludovica Cristina (28 de julho de 1629-14 de maio de 1662) filha de Vítor Amadeu I de Saboia, seu irmão.
  7. Tomás Francisco (Turim, 22 de dezembro de 1596-22 de janeiro de 1656 Turim), Primeiro Príncipe de Carignan em 1620. Conde de Soissons em 1641. Casou em Paris em 14 de abril de 1625 com Maria de Bourbon-Soissons (Paris 3 de maio de 1606-3 de junho de 1692 Paris), condessa de Soissons, de Drex, de Clermont, filha de Carlos de Bourbon, Conde de Soissons. Tiveram sete filhos, ver na dinastia Bourbon-Condé.
  8. Maria Apolônia (1594-13 de julho de 1656 Roma), freira em Roma. Tornou-se politicamente forte em Turim após a morte do irmão.
  9. Francisca Catarina (Turim, 29 de setembro de 1595-26 de setembro de 1640 Biella) freira em Biella, chamada Beatriz.
  10. Joana nascida e morta em Turim em 6 de setembro de 1597).

Bastardos:

  1. com Luisa de Duing: Emanuel (1600-outubro de 1652) Marquês di Andorno e Valle, Governador de Asti e Biella.
  2. com Argentina Provana: Felix (1604-18 de dezembro de 1643) Marquês di Baldissero d'Alba em 1629.
  3. com Margarida de Roussilon (1599-1640) Marquesa de Rive: Maurício, morto em 1645.
  4. com a mesma outro filho, nascido em 1620-morto em 1695) Marquês di Riva em 1634, general da cavalaria da Sabóia.
  5. idem, Antônio (morto em novembro de 1688) abade em Altacomba, San Benigno e Aulpes.
  6. idem, Margarida (morta em 5 de setembro de 1659 em Turim); casada em 1645 com Francesco Filippo d'Este, Marquês di Lanzo (morto em 1652)
  7. com Virginia Pallavicino: Carlos Humberto, Marquês de Mulazzano, conde de Gonzole em 24 de dezembro de 1627, Governador de Mondovi em 1649, Governador de Biella 1654, Senhor de Palazzo em 1643, nascido em março de 1601-13 de janeiro de 1663 Biella); casado em 14 de agosto de 1643 com Claudia Ferrero-Fieschi (1621-1677 Turim). Com posteridade.
  8. idem, Sílvio, morto em 8 de dezembro de 1645).
  9. idem, Vitichindo, morto em maio de 1668 em Ceva), sacerdote.
  10. idem, Ana Catarina Meraviglia (morta em outubro de 1660).
  11. com Anna Felizita Cusa: Ludovico Cusani, morto em Lyon em 23 de abril de 1654 Lyon).

Ascendência[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]


Precedido por
Emanuel Felisberto
Duque de Sabóia
Príncipe do Piemonte

1580 - 1630
Armoiries Savoie 1630.png
Sucedido por
Vítor Amadeu I de Saboia