Chapada do Araripe

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde fevereiro de 2014). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Chapada do Araripe
Vista da Chapada do Araripe a partir do seu sopé no Crato, no Ceará
Localização
Localização Ceará
Pernambuco
Piauí
País  Brasil
Localidades mais próximas Exu-PE e Crato-CE
Características
Altitude máxima 1004[1] m
Comprimento Sentido (L-O) 178 km
Largura Sentido (N-S) 58 km
Era geológica Pré-Cambriano

A Chapada do Araripe é uma formação do relevo e sítio arqueológico localizado na divisa dos estados do Ceará, Piauí e Pernambuco, no Brasil.[2] A chapada abriga uma floresta nacional (1946), uma área de proteção ambiental (1997) e um geoparque (2006).[3]

Etimologia[editar | editar código-fonte]

"Araripe" deriva do tupi antigo ararype, que significa "no rio das araras" (arara, arara + 'y, rio + pe, em).[4]

Características[editar | editar código-fonte]

Existem dois tipos principais de solo: latossolo e sedimentar. O primeiro, oriundo do período cretáceo, é rico em fósseis. Uma equipe do Museu Nacional da Universidade Federal do Rio de Janeiro já pesquisou o sítio paleontológico e descobriu diversas espécies de dinossauros, tais como Santanaraptor placidus, Angaturama limai, Irritator e Mirischia asymmetrica. Já a bacia sedimentar se caracteriza por formar aquíferos, existindo várias fontes de água espalhadas por toda a área da chapada.

A fauna local é composta por diversas espécies de répteis, insetos e mamíferos. Já foram catalogadas 290 espécies de aves presentes no livro [5]. Destaca-se o soldadinho-do-araripe, ave que corre risco de extinção e que é encontrada somente na região da floresta do Araripe.

A vegetação predominante é de cerradão. Existem faixas de transição que apresentam traços de mata atlântica, cerrado e caatinga

Interferência antrópica[editar | editar código-fonte]

Muitas cidades ocupam áreas da chapada, provocando forte impacto no ambiente. Parte considerável da mata original foi desmatada ou destruída por queimadas. O forte potencial econômico da chapada é bastante explorado por indústrias que, muitas vezes, não tomam o cuidado de zelar pelo desenvolvimento sustentável. As principais riquezas exploradas são as minas de gesso e calcário, além do extrativismo vegetal, que explora principalmente pequi, carnaúba, mandioca e frutas.

Imagens[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. sinageo.org.br. «MAPEAMENTO DE UNIDADES GEOMORFOLÓGICAS DO ARARIPE» (PDF). 9º SINAGEO - Simpósio Nacional de Geomorfologia. 
  2. Rosiane Limaverde. «OS REGISTROS RUPESTRES DA CHAPADA DO ARARIPE, CEARÁ, BRASIL» (PDF). Fundação Casa Grande-Memorial do Homem Kariri. 
  3. Amancio Calland Sales Costa; Francisco Idalécio de Freitas; Maria Helena Hessel. «ESTUDOS TÉCNICOS CIENTÍFICOS - GEOTOPES DO GEOPARK ARARIPE» (PDF). 
  4. NAVARRO, E. A. Dicionário de tupi antigo: a língua indígena clássica do Brasil. São Paulo. Global. 2013. p. 545.
  5. Aves da Chapada do Araripe

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre Geografia do Brasil é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.