Crise do Mar Vermelho

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

A Crise do Mar Vermelho[1][2] iniciou-se em 19 de outubro de 2023 quando o movimento Houthi do Iêmen iniciou uma série de ataques, visando o sul de Israel e navios no Mar Vermelho que alegava estarem vinculados a Israel.[3][4][5] No entanto, os navios não destinados a Israel foram principalmente visados e os ataques foram descritos como “indiscriminados”.[6]

Durante a Guerra Israel-Hamas, o movimento iemenita Houthi, alinhado com o Hamas, lançou ataques contra Israel. Eles empregaram mísseis e veículos aéreos não tripulados, alguns dos quais foram interceptados por Israel sobre o Mar Vermelho usando o sistema de defesa antimísseis Arrow (outro míssil foi interceptado no espaço, tornando-o o primeiro caso de guerra espacial na história, de acordo com autoridades israelenses); outros ficaram aquém dos seus alvos ou foram interceptados pela Marinha dos Estados Unidos, pela Marinha Francesa e pela Força Aérea Israelense.[7]

O porta-voz militar dos houthis, Yahya Saree, anunciou que qualquer navio destinado a Israel era um “alvo legítimo” e que não pararia até que a Faixa de Gaza fosse abastecida com alimentos e medicamentos. Também dispararam contra navios mercantes de vários países no Mar Vermelho, ao largo da costa do Iêmen, no estreito de Bab-el-Mandeb, um ponto de estrangulamento da economia global.

Isto resultou em centenas de navios de carga e petroleiros sendo redirecionados ao redor do extremo sul da África para evitar os ataques no Mar Vermelho,[8] precipitando a Operação Guardião da Prosperidade liderada pelos Estados Unidos e o envio de várias outras forças na região, incluindo as marinhas da França, Itália, Índia e Paquistão.

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

Áreas controladas pelo movimento Houthi em setembro de 2023, coloridas em verde.

O movimento houthi é uma organização militante xiita que controla o norte do Iêmen e é apoiada e financiada pelo Irã.[9] Os Houthis foram acusados, especialmente pelos governos dos Estados Unidos e do Reino Unido, de agir como procuradores iranianos.[10][a] Em agosto de 2018, um documento das Nações Unidas revelou que o movimento também é apoiado e financiado pela Coreia do Norte através da Síria após uma reunião entre um membro houthi e um oficial do governo norte-coreano.[12][13][14] O slogan do movimento é "Deus é o Maior, Morte à América, Morte a Israel, Maldição sobre os Judeus, Vitória do Islã."[15]

Após a eclosão da Guerra Israel-Hamas, grupos militantes apoiados pelo Irã em todo o Oriente Médio, incluindo os Houthis, manifestaram apoio aos palestinos e ameaçaram atacar Israel. O líder houthi, Abdul-Malik al-Houthi, alertou os Estados Unidos contra a intervenção, ameaçando retaliação com drones e mísseis.[16] Para pôr fim aos ataques no Mar Vermelho, os Houthis exigiram um cessar-fogo em Gaza e o fim do bloqueio israelense à Faixa de Gaza.[17][18]

Eventos[editar | editar código-fonte]

Outubro de 2023[editar | editar código-fonte]

Em 19 de outubro de 2023, autoridades estadunidenses disseram que o destróier USS Carney da Marinha dos Estados Unidos abateu três mísseis de cruzeiro de ataque terrestre e vários drones em direção a Israel lançados pelos Houthis no Iêmen. Esta foi a primeira ação dos militares estadunidenses para defender Israel desde o início da guerra.[16] Mais tarde foi relatado que o navio abateu quatro mísseis de cruzeiro e 15 drones.[19] Outro míssil teria sido interceptado pela Arábia Saudita.[20]

Em 27 de outubro de 2023, duas loitering munition foram disparadas na direção norte do sul do Mar Vermelho. De acordo com oficiais das Forças de Defesa de Israel, o seu alvo era Israel, mas não cruzaram a fronteira do Egito. Dos dois drones, um caiu e atingiu um prédio adjacente a um hospital em Taba (Egito), ferindo seis; o outro foi abatido perto de uma usina elétrica perto da cidade de Nuweiba, no Egito.[21][22][23] Mais tarde, um oficial houthi fez uma postagem de texto no Twitter depois que o drone caiu em Taba, mencionando a cidade israelense vizinha de Eilat.[24]

Em 31 de outubro, foi acionado um alerta em Eilat, no kibutz de Eilot e na área do parque industrial de Shahorit sobre a penetração de aeronaves hostis provenientes do Mar Vermelho. A aeronave foi interceptada com sucesso no Mar Vermelho. O sistema Arrow interceptou um míssil balístico e a Força Aérea interceptou vários mísseis de cruzeiro disparados do Mar Vermelho em direção a Eilat. Os Houthis assumiram a responsabilidade pelos lançamentos.[25] Um míssil de cruzeiro foi abatido por um jato F-35i Adir.[26] A derrubada do míssil pelo Arrow marca a primeira vez que ele foi usado na Guerra Israel-Hamas.[27] De acordo com autoridades israelenses, a interceptação ocorreu acima da atmosfera da Terra, sobre o deserto de Negev, tornando-a o primeiro caso de guerra espacial na história.[28]

Novembro de 2023[editar | editar código-fonte]

Em 1 de novembro, às 0h45, as Forças de Defesa de Israel interceptaram uma ameaça aérea disparada do Iêmen e identificada ao sul de Eilat.[29] Um drone estadunidense MQ-9 Reaper foi abatido na costa iemenita pelas defesas aéreas houthis em 8 de novembro; o Pentágono disse anteriormente que drones MQ-9 sobrevoavam Gaza na função de coleta de informações para ajudar nos esforços de recuperação de reféns.[30] Em 9 de novembro, os Houthis dispararam um míssil em direção à cidade de Eilat.[31] O míssil foi interceptado por um míssil Arrow 3, marcando a primeira vez que foi usado em uma interceptação.[32]

Em 14 de Novembro, os Houthis dispararam numerosos mísseis, um dos quais apontado para a cidade de Eilat. O míssil foi interceptado por um míssil Arrow de acordo com autoridades israelenses.[33] No dia seguinte, autoridades estadunidenses disseram que o USS Thomas Hudner abateu um drone, disparado do Iêmen, que se dirigia para lá.[34] Em 22 de novembro, os Houthis dispararam um míssil de cruzeiro apontado para a cidade de Eilat. Autoridades israelenses disseram que o míssil foi abatido com sucesso por um F-35.[35] Em 23 de novembro de 2023, autoridades estadunidenses disseram que o destróier USS Thomas Hudner havia abatido vários drones de ataque lançados do Iêmen.[36]

Em 29 de novembro de 2023, autoridades estadunidenses disseram que o contratorpedeiro USS Carney da Marinha dos Estados Unidos abateu um drone Houthi KAS-04 quando o contratorpedeiro se aproximava do Estreito de Bab-el-Mandeb.[37] Em 30 de novembro de 2023, a mídia saudita informou que um ataque aéreo israelense causou uma explosão em um depósito de armas dos houthis em Sana'a, capital do Iêmen. As autoridades houthis negaram o relato, afirmando que um posto de gasolina foi atingido. Um membro do gabinete político dos Houthis, Hezam al-Asad, disse que a explosão foi causada pelos restos de uma bomba que sobrou da guerra civil iemenita.[38]

Dezembro de 2023[editar | editar código-fonte]

Em 6 de dezembro de 2023, o movimento houthi lançou vários mísseis balísticos contra postos militares israelenses em Eilat. No mesmo dia, o USS Mason abateu um drone lançado do Iêmen. Não houve indicações claras do seu alvo.[39]

Em 10 de dezembro de 2023, a fragata Languedoc da Marinha Francesa, operando no Mar Vermelho, interceptou dois drones lançados de Hodeida, um porto controlado pelos Houthis.[40] A Marinha dos Estados Unidos supostamente abateu 14 drones em 16 de dezembro de 2023,[41] enquanto as Forças de Defesa Aérea Egípcias interceptaram um objeto voando perto de Dahab.[42]

Em 18 de dezembro de 2023, a Marinha Indiana estacionou o destróier INS Kolkata no Golfo de Áden para segurança marítima. O contratorpedeiro INS Kochi já foi implantado na região para combater os piratas somalis, embora o governo da Índia permaneça em silêncio sobre o seu envolvimento na Operação Guardião da Prosperidade.

Em 26 de dezembro de 2023, os Houthis afirmaram ter realizado ataques com drones em Eilat e outras partes de Israel.[43] Os Estados Unidos abateram 12 drones e cinco mísseis disparados por eles e as Forças de Defesa de Israel disseram que também abateram um projetil lançado do Iêmen, visando Israel, sobre o Mar Vermelho, ao largo da costa da Península do Sinai.[44] Em 26 de dezembro, a Marinha Indiana implantou os contratorpedeiros INS Mormugao e Visakhapatnam no Mar Arábico, depois que um navio mercante afiliado a Israel foi atingido na costa indiana. A Marinha estava investigando a natureza do ataque ao navio MV Chem Pluto, que atracou em Mumbai e os relatos iniciais apontaram para um ataque de drone. O Pentágono declarou que um drone lançado do Irã atingiu o MV Chem Pluto no Oceano Índico. O Ministério das Relações Exteriores do Irã negou as acusações dos Estados Unidos e chamou-as de “infundadas”. A tripulação do navio incluía 21 indianos e um cidadão vietnamita.[45][46][47]

Janeiro de 2024[editar | editar código-fonte]

Mapa dos ataques aéreos.

Em 4 de janeiro de 2024, poucas horas após uma advertência, os Houthis lançaram um veículo de superfície não tripulado em direção à Marinha dos Estados Unidos e a navios comerciais, mas detonou a bem mais de 1 milha náutica (1,9 km) dos navios.[48]

Em 7 de Janeiro, o movimento Houthi declarou que os ataques retaliatórios contra a Marinha dos Estados Unidos continuariam, a menos que os Estados Unidos entregassem os militares da Marinha que mataram os dez tripulantes do barco de ataque houthi para que fossem julgados no Iêmen.[49]

Em 10 de Janeiro, um ataque em grande escala foi iniciado pelos Houthis contra o USS Dwight D. Eisenhower, o USS Gravely, o USS Laboon, o USS Mason e o HMS Diamond, no qual foram lançados pelo menos 21 veículos aéreos não tripulados e mísseis.[50]

Em 11 de janeiro, os United States Navy SEALs invadiram um navio ao largo da costa da Somália que estava destinado aos militantes houthis. Componentes de mísseis de fabricação iraniana e outras armas, incluindo peças de defesa aérea, foram apreendidos do navio. O navio foi então afundado e sua tripulação de 14 pessoas foi detida. Durante a incursão, um SEAL foi empurrado para a água por ondas altas e um de seus companheiros pulou atrás dele, fazendo com que ambos desaparecessem.[51][52] Ambos os SEALs foram declarados mortos pelos militares estadunidenses depois que uma busca de 10 dias não conseguiu localizá-los.[53]

Em 12 de janeiro, os Estados Unidos e o Reino Unido conduziram ataques aéreos contra mais de uma dezena de alvos houthis no Iêmen com o apoio de vários outros países,[54][55] poucas horas depois de o líder do grupo ter prometido que qualquer ataque estadunidense às suas forças "não ficaria sem uma resposta".[56] Foi a primeira vez que alvos houthis no Iêmen foram visados desde o início da Crise do Mar Vermelho.[57] Mais de 150 munições e mísseis Tomahawk atingiram 28 locais nas áreas controladas pelos houthis. Os Houthis disseram que cinco dos seus combatentes foram mortos e outros seis ficaram feridos[58] Um dia depois, os Estados Unidos realizaram outro ataque a um local de radar dos houthi em Sanaa.[59] Em 14 de janeiro, ataques aéreos estadunidenses e britânicos foram relatados em Hodeida, e aviões espiões foram avistados perto da área. Os relatos também sugeriram que Israel estava envolvido nos ataques.[60][61] Os Estados Unidos negaram no mesmo dia.[62]

Em 14 de janeiro, os Houthis dispararam um míssil de cruzeiro antinavio de Hodeida na direção do USS Laboon. O míssil foi abatido por um avião de combate antes que pudesse causar danos.[63]

Em 16 de janeiro, os Estados Unidos abateu quatro mísseis balísticos anti-navio dos houthis enquanto se preparavam para alvejar navios no Mar Vermelho.[64] No dia seguinte, uma quarta rodada de ataques estadunidenses atingiu 14 mísseis em áreas controladas pelos Houthis.[65][66]

Impacto[editar | editar código-fonte]

Os ataques dos Houthis impactaram o transporte marítimo para Israel e o comércio local, tendo o transporte comercial para o Porto de Eilat cessado quase completamente. Em vez disso, navios comerciais vindos da Ásia para Israel, bem como alguns navios comerciais não destinados a Israel, começaram a contornar pela África, o que torna a viagem cerca de três semanas mais longa e aumenta as despesas.[67] Até 21 de dezembro, mais de 100 navios porta-contentores foram redirecionados para contornar África, cada um acrescentando cerca de 6.000 milhas náuticas à distância da viagem.[68]

Outro impacto foi o aumento dos custos de seguro para navios comerciais que atravessam o Mar Vermelho; os navios israelenses tiveram um aumento de 250% e outros não conseguiram obter nenhum seguro.[69]

Embora os israelenses enfrentem atrasos na cadeia de abastecimento e aumentos de preços, os efeitos na economia egípcia são mais graves, uma vez que o transporte marítimo através do Canal de Suez contribui com quase $ 9,4 bilhões de dólares para a economia egípcia, que está a sofrer uma crise da dívida agravada pelas perturbações comerciais com Israel devido à guerra em Gaza.[70][71]

As principais companhias marítimas suspenderam o tráfego de navios através do Mar Vermelho devido aos ataques, incluindo MSC,[72] Maersk,[73] CMA CGM,[74] COSCO,[75] Hapag-Lloyd,[76] e Evergreen Marine Corporation.[77] Em 18 de dezembro, a multinacional britânica de petróleo e gás BP também suspendeu todos os embarques através do Mar Vermelho.[77] A Maersk, que detém cerca de 14,8% da participação de mercado no mercado global de transporte marítimo de contêineres,[78] anunciou em 25 de dezembro de 2023 que retomaria as operações em breve como resultado da Operação Guardião da Prosperidade.[79] Em 30 de dezembro, a Maersk retomou as operações no Mar Vermelho, mas as interrompeu novamente após os ataques à Maersk Guangzhou. Em 12 de janeiro, a Tesla disse que suspenderia a maior parte da produção da sua fábrica em Grünheide, a sua única na Europa, por duas semanas a partir de 29 de janeiro, devido a problemas na cadeia de abastecimento causados pelos ataques dos houthis.[80][81] A Volvo Cars também disse que interromperia a produção de sua fábrica em Ghent por três dias a partir da semana seguinte.[82] A Shell plc anunciou a suspensão do "trânsito" através do Mar Vermelho.[83]

Em 21 de dezembro, o executivo-chefe do Porto de Eilat disse que o porto sofreu uma queda de 85% na atividade desde os ataques iemenitas aos navios no Mar Vermelho.[84] Muitos navios seguiram uma rota mais segura, contornando a África e o Cabo da Boa Esperança,[78] embora esta rota implique dez dias extras, gaste mais combustível e exija mais tempo da tripulação.[85] A suspensão de um grande volume de comércio através do Mar Vermelho levou a uma diminuição na utilização do Canal de Suez e foi, portanto, um golpe para a economia egípcia.[78]

O Catar suspendeu navios-tanque de gás natural liquefeito através do Estreito de Bab al-Mandeb depois que ataques aéreos liderados pelos estadunidenses contra alvos houthis no Iêmen aumentaram os riscos no estreito. Considerando que o Catar é o segundo maior fornecedor da Europa, a suspensão a longo prazo das exportações suscitou preocupações à medida que a temporada de inverno começa na Europa.[86]

Em 16 de janeiro, a multinacional britânica de petróleo e gás Shell suspendeu todos os carregamentos do Mar Vermelho indefinidamente devido a ataques a navios comerciais.[87] Alguns navios que viajavam através do Mar Vermelho começaram a escrever "Sem contato com Israel" em seu sistema de identificação automática para evitar a intervenção dos Houthis.[88]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas[editar | editar código-fonte]

  1. Tanto o Irã quanto o movimento Houthi negam que o Irã esteja envolvido ou apoie os Houthis.[11]

Referências

  1. What is the Red Sea crisis, and what does it mean for global trade?
  2. Red Sea crisis boosts shipping costs, delays – and inflation worries
  3. «US Navy helicopters fire at Yemen's Houthi rebels and kill several in latest Red Sea shipping attack». Associated Press. 31 de dezembro de 2023. Cópia arquivada em 10 de janeiro de 2024 
  4. Partington, Richard (3 de janeiro de 2024). «What is the Red Sea crisis, and what does it mean for global trade?». The Guardian. Cópia arquivada em 8 de janeiro de 2024 
  5. LaRocco, Lori Ann (3 de janeiro de 2024). «Red Sea crisis boosts shipping costs, delays – and inflation worries». CNBC. Cópia arquivada em 8 de janeiro de 2024 
  6. Diakun, Bridget; Raanan, Tomer (15 de dezembro de 2023). «Houthis target tenth ship in Red Sea as attacks turn increasingly indiscriminate». Lloyd's List. Cópia arquivada em 12 de janeiro de 2024 
  7. Michaelis, Tamar (10 de dezembro de 2023). «Israel ready to act against Houthi rebels if international community fails to, national security adviser says». CNN. Cópia arquivada em 22 de dezembro de 2023 
  8. BBC. Red Sea crisis: What it takes to reroute the world's biggest cargo ships on a 4,000 mile detour
  9. Bayoumy, Yara; Ghobari, Mohammed (15 de dezembro de 2014). «Iranian support seen crucial for Yemen's Houthis». Reuters (em inglês). Cópia arquivada em 20 de fevereiro de 2023 
  10. «Iran warns proxy groups like the Houthis could expand operations against Israel». The Times of Israel (em inglês). 1 de novembro de 2023. Cópia arquivada em 1 de novembro de 2023 
  11. «Who are Yemen's Houthis? Iran-allied group threatens Red Sea shipping» (News article). Reuters. 14 de dezembro de 2023. Cópia arquivada em 11 de janeiro de 2024 
  12. «North Korea has not stopped nuclear, missile program: confidential U.N. report». Reuters. 3 de agosto de 2018. Cópia arquivada em 6 de dezembro de 2018 
  13. «North Korea is hiding nukes and selling weapons, alleges confidential UN report». CNN. 5 de fevereiro de 2019. Cópia arquivada em 1 de junho de 2022. The summary also accuses North Korea of violating a UN arms embargo and supplying small arms, light weapons and other military equipment to Libya, Sudan, and Houthi rebels in Yemen, through foreign intermediaries. 
  14. «Secret UN report reveals North Korea attempts to supply Houthis with weapons». Al-Arabiya. 4 de agosto de 2018. Cópia arquivada em 4 de agosto de 2018. The report said that experts were investigating efforts by the North Korean Ministry of Military Equipment and Korea Mining Development Trading Corporation (KOMID) to supply conventional arms and ballistic missiles to Yemen's Houthi group. 
  15. Fabian, Emanuel (31 de outubro de 2023). «In first, Arrow downs Eilat-bound missile from 'Red Sea area'; Houthis claim attack». The Times of Israel. Cópia arquivada em 31 de outubro de 2023 
  16. a b Copp, Tara; Baldor, Lolita (19 de outubro de 2023). «US military shoots down missiles and drones as it faces growing threats in volatile Middle East». Associated Press. Cópia arquivada em 19 de outubro de 2023 
  17. «Yemen's Houthis say Red Sea attacks do not threaten peace with Riyadh». Reuters. 11 de janeiro de 2024 
  18. «By bombing Yemen, the west risks repeating its own mistakes». The Guardian. 12 de janeiro de 2024 
  19. Liebermann, Oren (20 de outubro de 2023). «Incident involving US warship intercepting missiles near Yemen lasted 9 hours». CNN. Cópia arquivada em 30 de outubro de 2023 
  20. «IntelBrief: Houthi Involvement in Mideast War Hinders Prospects for a Yemen Settlement». The Soufan Center (em inglês). 8 de novembro de 2023. Cópia arquivada em 11 de novembro de 2023 
  21. Hassan, Ahmed Mohamed; Williams, Dan (27 de outubro de 2023). «Drone blasts hit two Egyptian Red Sea towns, Israel points to Houthi». Reuters (em inglês). Cópia arquivada em 27 de outubro de 2023 
  22. «Blasts hit two Egyptian Red Sea towns near Israel border, six injured». Al Jazeera English (em inglês). Cópia arquivada em 7 de novembro de 2023 
  23. Fabian, Emanuel (27 de outubro de 2023). «Missile that hit Egypt likely came from Yemen, IDF indicates; 2nd Sinai impact reported». The Times of Israel. Cópia arquivada em 31 de outubro de 2023 
  24. «Yemen's Houthi rebels appear to threaten Israel: 'Eilat'». The Times of Israel. 28 de outubro de 2023. Cópia arquivada em 30 de outubro de 2023 
  25. Nereim, Vivian; Al-Batati, Saeed (31 de outubro de 2023). «Yemen's Houthi militia claims to have launched an attack on Israel.». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Cópia arquivada em 1 de novembro de 2023 
  26. Malyasov, Dylan (2 de novembro de 2023). «Israel shoots down Houthi cruise missiles using F-35i Adir fighter jets». Defence Blog. Cópia arquivada em 2 de novembro de 2023 
  27. Fabian, Emanuel (1 de novembro de 2023). «In first, Arrow downs Eilat-bound missile from 'Red Sea area'; Houthis claim attack». The Times of Israel (em inglês). Cópia arquivada em 31 de outubro de 2023 
  28. Barber, Harriet (4 de novembro de 2023). «How Israel shot down a ballistic missile in space for the first time». The Telegraph (em inglês). ISSN 0307-1235. Cópia arquivada em 23 de novembro de 2023 
  29. «Houthis Claim Responsibility for Attack on Israel». Asharq Al-Awsat (em inglês). 1 de novembro de 2023. Cópia arquivada em 23 de dezembro de 2023 
  30. Watson, Eleanor (8 de novembro de 2023). «U.S. MQ-9 Drone shot down off the coast of Yemen». CBS News. Cópia arquivada em 8 de novembro de 2023 
  31. «Israel strikes Syria after drone hits southern Eilat city – Israeli military». Reuters (em inglês). 9 de novembro de 2023. Cópia arquivada em 10 de novembro de 2023 
  32. Fabian, Emanuel (9 de novembro de 2023). «Israel's Arrow 3 has made its 1st-ever interception, downing likely Yemen-fired missile». The Times of Israel. Cópia arquivada em 9 de novembro de 2023 
  33. «Yemen's Houthis say they fired ballistic missiles towards Israel». Al Jazeera English. 14 de novembro de 2023. Cópia arquivada em 14 de novembro de 2023 
  34. Watson, Eleanor; Martin, David (15 de novembro de 2023). «U.S. Navy warship shoots down drone fired from Yemen». CBS News. Cópia arquivada em 15 de novembro de 2023 
  35. Fabian, Emanuel (22 de novembro de 2023). «IDF says it shot down cruise missile — apparently fired by Houthis — over Red Sea». The Times of Israel. Cópia arquivada em 23 de novembro de 2023 
  36. Irwin, Lauren (23 de novembro de 2023). «US warship shoots down multiple 'attack drones' in Red Sea». The Hill. Cópia arquivada em 23 de novembro de 2023 
  37. Baldor, Lolita (29 de novembro de 2023). «US Navy warship shoots down a drone launched by Houthis from Yemen». Associated Press. Cópia arquivada em 29 de novembro de 2023 
  38. «Israeli strike behind blast at Houthi weapons depot in Yemen's capital — report». The Times of Israel. 1 de dezembro de 2023. Cópia arquivada em 2 de dezembro de 2023 
  39. «Yemen's Houthis say they launched ballistic missiles at Israel». Reuters (em inglês). 6 de dezembro de 2023. Cópia arquivada em 6 de dezembro de 2023 
  40. «French naval ship in Red Sea intercepts 2 drones launched from Houthi-held Yemen port». The Times of Israel. Agence France-Presse. 10 de dezembro de 2023. Cópia arquivada em 12 de dezembro de 2023 
  41. «US, UK forces down 15 drones over Red Sea as Houthis vow to keep up attacks on Israel». The Times of Israel. 16 de dezembro de 2023. Cópia arquivada em 16 de dezembro de 2023 
  42. «Egypt forces intercept, down flying object off Dahab coast». Ahram Online. 16 de dezembro de 2023 
  43. «Houthis say they carried out drone attack on Israeli port of Eilat». Al Jazeera (em inglês). Cópia arquivada em 26 de dezembro de 2023 
  44. «US shoots down 12 Houthi attack drones, 5 missiles; Israeli jet downs Eilat-bound UAV». The Times of Israel. 26 de dezembro de 2023. Cópia arquivada em 26 de dezembro de 2023 
  45. Marinha indiana implantará navios contratorpedeiros de mísseis guiados após ataque em sua costa; Reuters; [1]
  46. Irã nega alegação dos EUA de que tenha visado petroleiro perto da Índia; Reuters; [2]
  47. Pentágono diz que 'ataque' de drone iraniano atingiu petroleiro químico perto; Reuters; [3]
  48. Copp, Tara (4 de janeiro de 2024). «Houthis launch sea drone to attack ships hours after US, allies issue 'final warning'». Associated Press. Yahoo News. Associated Press. Cópia arquivada em 4 de janeiro de 2024 
  49. «Houthi Leader: Ships Should Renounce Israel or Risk Attack». The Maritime Executive (em inglês). Cópia arquivada em 8 de janeiro de 2024 
  50. «US and UK hint at military action after largest Houthi attack in Red Sea». 10 de janeiro de 2024 – via BBC 
  51. «US military seizes Iranian missile parts bound for Houthi rebels in raid where 2 SEALs went missing». Associated Press (em inglês). 16 de janeiro de 2024. Cópia arquivada em 16 de janeiro de 2024 
  52. Britzky, Haley (16 de janeiro de 2024). «US officials say Iranian-made weapons intended for Houthis were seized in raid». CNN (em inglês) 
  53. «Two US Navy Seals declared dead after raid to seize Iranian weapons bound for Houthis». The Guardian (em inglês). 22 de janeiro de 2024. ISSN 0261-3077. Consultado em 22 de janeiro de 2024 
  54. Liebermann, Oren; Britzky, Haley; Bertrand, Natasha; Liptak, Kevin; Marquardt, Alex; Lee, MJ; Hansler, Jennifer (11 de janeiro de 2024). «US and UK carry out strikes against Iran-backed Houthis in Yemen». CNN (em inglês) 
  55. «US-UK coalition strike Iran-backed Houthi targets in Yemen after spate of ship attacks in Red Sea». Fox News. 11 de janeiro de 2024 
  56. «Any US attack on Yemen's Houthis will 'not go without response'». Al Jazeera (em inglês) 
  57. «US, UK Strike Back at Several Houthi Sites in Yemen». Voice of America (em inglês). 11 de janeiro de 2024 
  58. «US military strikes another Houthi-controlled site after warning ships to avoid parts of Red Sea». ABC News (em inglês). Cópia arquivada em 13 de janeiro de 2024 
  59. «US military strikes another Houthi-controlled site after warning ships to avoid parts of Red Sea». Associated Press (em inglês). 12 de janeiro de 2024 
  60. «Houthis report fresh US-British airstrikes on Yemen's Hodeida». Al Arabiya. 14 de janeiro de 2024. Cópia arquivada em 14 de janeiro de 2024 
  61. «US attack reported on Yemeni Red Sea port city amid Houthi threat». The Jerusalem Post (em inglês). 14 de janeiro de 2024 
  62. «US denies Houthi reports of fresh strikes in Yemen». Agence France-Presse. Al-Monitor. 14 de janeiro de 2024 
  63. «Yemen Houthi rebels fire missile at US warship in Red Sea in first attack after American-led strikes». Associated Press (em inglês). 15 de janeiro de 2024 
  64. «Exclusive: US targets Houthi anti-ship missiles in new strike on Yemen, officials say». Reuters. 16 de janeiro de 2024 
  65. Watson, Eleanor (17 de janeiro de 2024). «U.S. launches fourth round of strikes in a week against Houthi targets in Yemen». CBS News (em inglês) 
  66. «US military launches another barrage of missiles against Houthi sites in Yemen». Associated Press (em inglês). 18 de janeiro de 2024 
  67. Ravid, Barak (15 de dezembro de 2023). «U.S. warns Houthis to stop attacks in Red Sea». Axios. Cópia arquivada em 15 de dezembro de 2023 
  68. Jolly, Jasper (20 de dezembro de 2023). «More than 100 container ships rerouted from Suez canal to avoid Houthi attacks». The Guardian. Cópia arquivada em 21 de dezembro de 2023 
  69. Bonell, Courtney; McHugh, David (14 de dezembro de 2023). «How are Houthi seizures in the vital Red Sea shipping lane impacting global trade?». The Times of Israel. Cópia arquivada em 14 de dezembro de 2023 
  70. «The $9.4 billion dilemma: Egypt will need to act against Houthis to protect Suez Canal». ctech (em inglês). 18 de dezembro de 2023. Cópia arquivada em 19 de dezembro de 2023 
  71. «Egypt could be big casualty of Houthi attacks on Israel». Globes (em inglês). 5 de dezembro de 2023. Cópia arquivada em 19 de dezembro de 2023 
  72. LaRocco, Lori Ann (16 de dezembro de 2023). «MSC, the world's largest shipping carrier, joins shipping giants Hapag-Lloyd and Maersk in Red Sea travel pause amid attacks». CNBC. Cópia arquivada em 16 de dezembro de 2023 
  73. «Maersk to pause all container ship traffic through the Red Sea». Reuters. 15 de dezembro de 2023 
  74. «More shipping giants suspend passage via Red Sea after attacks». Al Monitor. 16 de dezembro de 2023. Cópia arquivada em 16 de dezembro de 2023 
  75. «Chinese Shipping Giant COSCO Halts Red Sea Transit Amid Attacks». Caixin Global (em inglês). 19 de dezembro de 2023. Cópia arquivada em 22 de dezembro de 2023 
  76. «Shipping firms suspend Red Sea traffic after Yemen rebel strikes». The Japan Times. 16 de dezembro de 2023. Cópia arquivada em 16 de dezembro de 2023 
  77. a b Jones, Lora (18 de dezembro de 2023). «BP pauses all Red Sea shipments after rebel attacks». BBC. Cópia arquivada em 18 de dezembro de 2023 
  78. a b c Wintour, Patrick (17 de dezembro de 2023). «US to announce expanded protection force for Red Sea shipping». The Guardian. Cópia arquivada em 9 de janeiro de 2024 
  79. «Shipping giant Maersk prepares to resume operations in Red Sea». CNBC. Reuters. 24 de dezembro de 2023. Cópia arquivada em 24 de dezembro de 2023 
  80. Cooban, Anna (12 de janeiro de 2024). «Tesla to pause German production over Red Sea disruption». CNN (em inglês) 
  81. Capoot, Ashley; Kolodny, Lora (12 de janeiro de 2024). «Tesla stock down on Red Sea delays, rising labor costs and price cuts». CNBC (em inglês) 
  82. «Volvo Cars pauses production in Belgium due to Red Sea attacks». Reuters. 12 de janeiro de 2024 
  83. «Shell halts Red Sea shipments over attack fears: report». Agence France-Press. 16 de janeiro de 2024 
  84. Rabinovitch, Ari (21 de dezembro de 2023). «Israel's Eilat Port sees 85% drop in activity amid Red Sea Houthi attacks». Reuters 
  85. Gronholt-pedersen, Jacob (5 de janeiro de 2024). «Maersk warns of major disruption as it diverts ships away from Red Sea». Reuters 
  86. Stapczynski, Stephen (15 de janeiro de 2024). «Qatar Pauses Gas Shipments Via Red Sea After US Airstrikes». Bloomberg 
  87. Wallace, Danielle (16 de janeiro de 2024). «Shell suspends all Red Sea shipments indefinitely amid Houthi attacks from Yemen: report». Fox Business 
  88. «'No contact Israel': New way ships try to avoid Red Sea trouble». Al Jazeera