Discussão:Isabel II do Reino Unido

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Cscr-former.svg Isabel II do Reino Unido foi anteriormente um candidato a artigo destacado. Para ver por que a nomeação falhou, veja as ligações abaixo, nos marcos alcançados. Para nomeações mais antigas, pode não haver arquivo.
17 de fevereiro de 2014 Candidato a artigo destacado Não promovido

Sucessão[editar código-fonte]

"Pois acham que não entregará a Charles o reinado"

Creio que é totalmente não-enciclopédico colocar boatos na Wikipedia. Dizer que "acham" que a Rainha não vai "entregar" (parece que o Reino Unido é um saco de batatas) o reinado para Charles parece notícia de rodapé de alguma revista para adolescentes. Charles, Príncipe de Gales, é o herdeiro oficial do Trono. Se Elizabeth II vai ou não passar a Coroa para ele não é um assunto de competência dos editores aqui. Em vista desse disparate, resolvi colocar "Sucedida por: ---"

Pietro S.22:48, 4 Fevereiro 2006 (UTC)~

Nomes[editar código-fonte]

Nós, brasileiros, somos por demais subservientes e metidos a sabichões. O nome é Isabel, e pronto. Agora, querem mudar a história e refazer a tradução de todos os nomes de monarcas, apenas por conta de um erro consagrado pela mídia? O real motivo da "fubazisse" nos nomes nacionais é justamente a presença desses nomes anglo saxões na mídia.

Acho desnecessário e fútil traduzir nomes neste artigo. As pessoas que se interessam pela Família Real Britânica ou pelo artigo de uma rainha britânica já devem ter, no mínimo, um inglês idôneo para saber que "Elizabeth" é "Isabel" (alguns interpretam como Elisabete).Convenhamos: a wikipédia não é um dicionário inglês-português! Alguns sugeriram até usar "HAROLDO" ao invés de "Henry" (que é, na verdade, HENRIQUE) no artigo do Príncipe Harry de Gales OP4 (UTC)~

A Wkipédia não é só ricos cultivados é para todos e nem toda a gente sabe que Elizabeth em português é Isabel. As pessoas vão pensar que é Elisabete.

Concordo. Fora que eu nunca escutei ninguém se referir a ela como Rainha Isabel II. Príncipe Carlos ??????????? Por favor, alguém tem que mudar isso e deixar os nomes originais. Príncipe Guilherme para o príncipe William ?? Príncipe Henrique ?? Vou mudar. 65.34.26.230 20:19, 5 Março 2007 (UTC)

Em Portugal ninguém chama à rainha do Reino Unido Elizabeth II.Toda a gente (incluindo a mida) chamam-lhe Isabel II. E muita gente nem sequer sabe que o seu verdadeiro nome é Elizabeth.

Creio que não se trata de uma questão cultural e sim de que o nome dela é Elizabeth. Me parece ser incorreto uma enciclopédia trazer um nome próprio traduzido. Deveríamos fazer como nos filmes que possuem títulos diferentes em português no Brasil e em Portugal, as primeiras linhas do artigo informam os títulos nos dois países, mas o nome do artigo levando "Elizabeth". Espero que a questão se resolva da maneira correta. Abraços. --Albzt (discussão) 02h47min de 29 de janeiro de 2017 (UTC)
Discordo completamente. Membros de famílias reais têm seus nomes traduzidos há séculos. Não mudem nada sem o necessário consenso! Dantadd 20:44, 5 Março 2007 (UTC)
É extremamente deselegante e desagradável traduzir nomes próprios. Pedro Taam (discussão) 02h57min de 30 de Março de 2008 (UTC)

Concordo. É deselegante, desagradável e - diria até - pueril. Além de desnecessário. Elizabeth II é "Elizabeth II", como ela própria se chama.

Traduzir: norma?[editar código-fonte]

Traduzir nomes de membros de famílias reais é, por acaso, uma norma na wikipédia, Dantadd? Onde está escrito? Quero saber. Eu considero o fato que encontramos nas enciclopédias que temos nas estantes de nossas casas monarcas com os nomes traduzidos para a língua portuguesa; porém, na minha opinião, essas traduções servem apenas para facilitar o estudo para alunos de escolas, não acham? Acho que a maioria deles irá se referir a Elizabeth I da Inglaterra como Isabel I da Inglaterra ou, ainda, como Elisabete I da Inglaterra. E, visto que a história da Inglaterra se aprende nas sextas ou sétimas séries (depende das escolas), as crianças de doze/treze anos preferem escrever assim: tudo traduzido. Carlos X da Suécia, gosto de ver traduzido, porque não gostaria de ler Karl X Gustav (o nome verdadeiro dele). Não falo sueco. Eu concordo, por isso, com a tradução de nomes dos "antigos" da realeza inglesa, como por exemplo Henrique VIII, porque ninguém falará Henry VIII da Inglaterra.

Agora, quanto aos "modernos" das realezas, sou contra. É muito estranho ouvir Príncipe Guilherme de Gales; eu só li uma vez num site de internet. Em revistas, em enciclopédias mais atualizadas, na televisão, é William! Sou contra também por causa da possibilidade do wikipedista escrever a tradução errada... ("Henry", em inglês, não é HAROLDO) Andei olhando também o artigo Grace Kelly, a princesa de Mônaco. Pelo que sei, "Grace", em inglês, significa "GRAÇA". Ninguém fala "Graça Kelly". Repetindo o que eu falei lá em cima, ao criar a discussão: Quem se interessa pela família real britânica atual, já deve ter, no mínimo, um inglês idôneo para saber "Elizabeth' em inglês é "Isabel" em português. O que eu proponho é o seguinte: mudar o nome do artigo para "Elizabeth II do Reino Unido" e, para satisfazer alguns, salientar entre parênteses que seu nome completo, Elizabeth Alexandra Mary, é "Isabel Alexandra Maria". Algo parecido foi feito no artigo D. Pedro II do Brasil na wikipedia em inglês: http://en.wikipedia.org/wiki/Peter_II_of_Brazil É "Pedro II of Brazil", e não "Peter II of Brazil". Sem querer ser preconceituoso, mas ficar traduzindo sempre os nomes é, meio que, "mania" de português. Brasileiro não faz isso. OP4, 5 de Março de 2007, 19:06 (UTC)

Eu não disse que minha opinião era norma. De regra os nomes se traduzem, mas há exceções é claro. Podemos abrir um tópico e discutir até chegar a um consenso, mas sem mudanças precipitadas feitas por apenas uma pessoa. Quanto à mania de português, devemos entender que aqui temos de contentar a gregos e troianos da melhor forma possível. Dantadd 17:24, 6 Março 2007 (UTC)

Concordo com a idéia de abrir um tópico e discutir até chegar a um consenso final. Talvez seria mais sensato se o debate envolvesse também outros artigos, tais como os dos outros membros da realeza (William, Harry, etc), não somente o de Elizabeth II. Só espero que os outros wikipedistas também participem o mais rápido possível...OP4, 6 de Março de 2007, 17:30.

Faça o seguinte: crie uma subpágina no seu domínio de usuário e esboce umas diretrizes sobre o tema. Lá discutiremos preliminarmente e depois passamos para o domínio de discussões. Dantadd 20:54, 6 Março 2007 (UTC)
Concordo. Vamos discutir sobre isso. --Nandogm 21:47, 6 Março 2007 (UTC)

Talvez seja mais fácil fazer o que este artigo diz: *http://pt.wikipedia.org/wiki/Wikipedia:Media%C3%A7%C3%A3o_informal O problema é que sou bastante inexperiente com estas coisas, pois sou novo. Agradeceria se você fizesse os ditos procedimentos. OP4, 15:14, 8 de Abril de 2007.

Posso concordar que as crianças da sexta e sétima séries possam gostar de usar nomes traduzidos para a sua melhor compreensão, entretanto não podemos esquecer que os nomes que são originados em outras línguas não apresentam tradução, devendo os mesmos serem utilizados dessa forma sob pena de termos traduções errôneas. Não podemos esquecer que para pronunciar esse nomes não precisamos apresentar a sua língua de origem e sim termos boa vontade para termos cultura e não apresentar desculpas que temos o domínio dessa língua para escondermos a nossa ignorância. Obrigado o comentário precedente não foi assinado por 201.89.186.104 (discussão • contrib.) Dantadd 00:44, 28 Maio 2007 (UTC)

Interessante: e Jesus, Napoleão, Luís XV, Abraão, Moisés, Maomé, Buda, Martinho Lutero, Henrique VIII etc. etc. etc.? Monarcas não são "pessoas normais" e a tradução em geral se aplica. Enfim, seu arrazoado carece completamente de sentido. Dantadd 00:44, 28 Maio 2007 (UTC)
Imagino que o concenso seja o seguinte: traduzir o nome dos monarcas (inclusos papas), como tradicionalmente se faz em nosso idioma, e deixar no original os nomes de títulos aristocráticos menores (príncipes, duques, marqueses, condes, viscondes, barões, etc.) no original. Pois senão, haverá claras incoerências e falta de padrão. Afinal, o que abona Carlos X da Suécia ou Papa Leão XIII e ao mesmo tempo desabona Isabel I ou II da Inglaterra? O hábito do que se vê na mídia não é suficientemente válido para sobrepujar uma prática consagrada na nossa língua e que permanece até hoje. Há que se ter coerência; ademais, não sei o que incomoda tanto em ver no título um nome que está correto e abonado pela língua -- pior seria estar algo errado. Temos que ter por hábito despir-nos de certos preconceitos e utilizar aquilo que é tido como regra. Sobre "evitar que se cometam erros de tradução" é bobagem, pois sempre estamos sujeitos ao erro e basta identificá-lo e corrigí-lo; uma rápida pesquisa e posterior conversa geralmente é o suficiente. --Tonyjeff ¿Uíqui-o-quê? 13h05min de 6 de Junho de 2007 (UTC)
Ademais, há que se lembrar que, para o caso dos monarcas (reis, imperadores, etc.) o nome se torna um título, passível de tradução. Um título se traduz, como por exemplo king ou baron. A lógica do nome se tornar um título é mais ou menos parecida com a do Papa. Tanto o é que temos, por exemplo, uma mesma pessoa com dois "nomes-títulos" diferentes: Pedro I do Brasil é o mesmo Pedro IV de Portugal; Jaime VI da Escócia é o mesmo Jaime I do Reino Unido. --Tonyjeff ¿Uíqui-o-quê? 13h32min de 6 de Junho de 2007 (UTC)
Concordo com a proposta de concenso do Tonyjeff. Alguém que se refira ao Príncipe Carlos corre o risco (pelo menos no Brasil, desconheço em Portugal) de não ser entendido. Ninguém - mídia, livros, professores, - exceto talvez claro o Dantadd, utiliza o nome traduzido. A título de exemplo: uma busca no google (método muito utilizado na wikipédia para se verificar a "relevância" de um verbete) em páginas de língua portuguesa, pelo nome "Príncipe William" contabiliza 162.000 ocorrências contra 539 de "Príncipe Guilherme". Uma busca global por "Guilherme Artur Filipe Luís" registra 7 ocorrências contra de 15.600 de "William Arthur Philip Louis". Sem dúvida alguma, devemos ter cuidado com mudanças precipitadas feitas por apenas uma pessoa, principalmente quando estas são contrárias ao uso corrente do idioma. Charley (discussão) 04h19min de 28 de Novembro de 2007 (UTC)
Charley, você não entendeu a questão. Ninguém está dizendo qual seja o uso ou não no Brasil. A questão é que o artigo foi iniciado por um português e, portanto, foi intitulado seguindo o uso em Portugal. Discussão terminada. Explica-se no primeiro parágrafo o nome em português e o nome original, assim nossos conterrâneos brasileiros, doidos por copiar "coisas legais" do exterior (imprensa em primeiro lugar), ficam satisfeitos. Dantadd¿Por qué no te callas? 13h24min de 28 de Novembro de 2007 (UTC)
Sim, o Dantadd está correto. A página foi criada por um português, e lá Isabel II e Carlos de Gales são extremamente comuns. Temos que aprender a conviver com as diferenças, as variantes apenas enriquecem nossa WP. Ademais, após uma segunda análise, extenderia os nomes traduzíveis aos príncipes, pois a lógica de "nome-título" é a mesma da usada para monarcas e papas. Cumprimentos a todos. --Tonyjeff ¿Uíqui-o-quê? 23h43min de 24 de Dezembro de 2007 (UTC)
Não concordo em termos que colocar o nome no verbete de Isabel...mas vendo pela coleção de comentários sobre o assunto, minha opinião nada serve para acrescentar na finalização desse assunto. Proponho então a dita mediação (já sugerida acima) assim, finalizamos vez por todas essa questão. Uma das formas também de resolver é colocar duas entradas para "Rainha Isabel", ou seja ao ser digitado Rainha Elizabeth fosse mostrado a Rainha Isabel...a pessoa inteligente logo veria que se trata da mesma pessoa...ter os dois nomes não diverge mas acrescenta o conhecimento do idioma...eu por exemplo fiquei soh fui descobrir quem era o tal de Carlos (Charles no Brasil) quando li a introdução toda e conclui que seria impossível ter uma Isabel rainha do Reino Unido cujo filho é Carlos príncipe de Gales...coincidência demais...Se me permitirem fiz uma alteração no início para maior entendimento. --Alvaro Junior (discussão) 00h03min de 21 de Fevereiro de 2008 (UTC)
Verifiquei que a desimbiguação já está funcionando para esse caso mas, mesmo assim inseri ele na mediação informal.--Alvaro Junior (discussão) 00h39min de 21 de Fevereiro de 2008 (UTC)

Acabei de ver o caso na mediação informal, vou levar para a esplanada porque creio não ser algo específico daqui :

Uma pessoa, se for conhecida pelo nome traduzido em um dos países lusófonos, deve ter o nome traduzido ou o nome original ?

Colocarei a proposta de tradução de Tonyjeff "traduzir o nome dos monarcas (inclusos papas), como tradicionalmente se faz em nosso idioma, e deixar no original os nomes de títulos aristocráticos menores (príncipes, duques, marqueses, condes, viscondes, barões, etc.) no original."

Ver continuação em Wikipedia:Esplanada/propostas#Tradução de nomes ?=> Rjclaudio msg 01h32min de 2 de Março de 2008 (UTC)

Nomes[editar código-fonte]

Não sou cadastrado, mas concordo com a proposição de manter nomes de batismo históricos traduzidos, e nomes contemporâneos no idioma original, a não ser que seja uma questão de título -- Por exemplo, chamamos o papa de "Bento XVI" (no lugar de Benedictus XVI), mas também falamos "Joseph Ratzinger", e não "José Ratzíngro", ou o que o valha.

Proponho isso primeiro pela nossa própria conjuntura, de informações que circulam muito rápido e cheias de influências de todos os idiomas (tanto é que brasileiros e portugueses opinam aqui em tempo real). É ilógico manter, nesse caso, tendências ultrapassadas.

E também porque, ao que me parece, esses nomes todos eram latinizados no passado, e daí vinham as traduções para todas as línguas nacionais, dessa matriz latina.

Sou a favor do exemplo da Wikipédia anglófona. o comentário precedente não foi assinado por 189.25.74.192 (discussão • contrib.) 01h36min de 14 de Junho de 2008

Mediação[editar código-fonte]

Pois bem povo... Li e reli as políticas de nomes, vi histórico e tudo o mais... o artigo foi criado com a grafia de portugual, a segunda edição do artigo (1º com conteúdo real) manteve o nome português. O único registro de movimento do artigo data de 25 de Novembro de 2007 e foi feita pelo user que motivou essa discussão. Foi revertido algumas horas depois pelo Dantadd e desde então o artigo não sofreu mais movimentos.

Como Isabel é o nome usado em Portugual para a monarca britânica... o artigo deve obedecer a opção do 1º editor. O que deve ser feito é apenas colocar a obs do nome dela em pt-BR no começo do artigo (e de preferência iqualar os nomes dela... deixar só com ama grafia no artigo inteiro). Boas contribuições. Béria Lima Msg 02h16min de 26 de Agosto de 2008 (UTC)

Se não me engano este artigo foi editado mais de uma vez, mas provavelmente todo o histórico foi eliminado pelo usuario dantadd. A edição a que você se refere foi feita por mim, com uma consulta anterior para ver se havia alguma objeção. No entanto minha participação na discussão foi apagada pelo usuário dantadd, que reverteu minhas alterações com comentários grosseiros e insultuosos. O que aliás me motivou a desitir de contribuir com a Wikipedia, pois percebi que certos usuários (administradores, se não engano) têm poderes exagerados, inclusive podendo apagar o histórico das discussões, algo que considero totalmente, absolutamente inaceitável. Com relação ao artigo e à Wikipedia, cheguei à conclusão que é um erro manter uma única Wikipedia lusófona: o melhor para nós brasileiros seria criar uma Wikipedia pt_BR. A oportunidade para conflitos numa Wikipedia lusófona unificada é muito grande, não vale a pena o esforço.--Hjxkyw (discussão) 16h09min de 6 de Setembro de 2008 (UTC)
Por favor leia Wikipedia:Temas recorrentes/Cisão da Wikipédia lusófona Béria Lima Msg 05h01min de 14 de Setembro de 2008 (UTC)

Nomes 2[editar código-fonte]

Eu adicionei a predefinição: {{{1}}} (português europeu) ou {{{2}}} (português brasileiro) pois é ridiculo que os leitores que não tem o conhecimento de que o nome da monarca britânica Elizabeth II e não Isabel II que é com este nome que ela é conhecida em todo o Brasil que é um país continental, diferente de Portugal! E aqui na Wikipédia infelismente na maioria das vezes se da preferência a esse país pequeno da Europa Portugal, por isso deve-se colocar e manter esta predefinição: {{{1}}} (português europeu) ou {{{2}}} (português brasileiro) neste artigo; não é por causa desta atual reforma ortografica que vai se mudar a forma que nós brasileros falamos, o que mudou foi a escrita! e não a diferênça das pronuncias e dos nomes do Português que se fala no Brasil, e o Português de espreções e pronuncias pobres que não evoluem como o de Europeu (de Portugal) e dos demais países de lingua portuguesa que não evoluiram a sua lingüística diferentes do meu Brasil.
--Eduardo Mendes (discussão) 01h51min de 10 de março de 2009 (UTC)


Eu apoio e voto a favor da proposta da separação das linguas Portuguesas: {{{1}}} (português europeu) ou {{{2}}} (português brasileiro) no Wikipédia:[1]!
--Eduardo Mendes (discussão) 02h06min de 10 de março de 2009 (UTC)

Discordo. No Brasil também dizem Isabel II. A predefinição não se aplica neste caso. E acho de mau tom falar nesses termos de Portugal, pois aqui deve se ter respeito por todos os países, para além de que E aqui na Wikipédia infelismente na maioria das vezes se da preferência a esse país pequeno da Europa Portugal, por isso deve-se colocar e manter esta predefinição: {{{1}}} (português europeu) ou {{{2}}} (português brasileiro) neste artigo não é justificação para se colocar a predefinição! Sou português e tenho muito respeito pelo Brasil, por isso, também gosto que haja respeito pelo meu. E aconselho vivamente a ter aulas de português. Pcjrm (discussão) 20h16min de 10 de março de 2009 (UTC)
Idem. Primeiro, porque a proposta acima em nada acrescenta. Se for informado o nome da monarca em português, como manda a tradição, e seu nome original na sequência, como já estava, fica muito bem entendido de quem se trata. Daí pra frente, como cada um prefere tratar a pessoa, é de cunho pessoal. Por mim, removeria até o "Elizabeth" na caixa à direita. Segundo, o verbete foi originalmente assim criado e desrespeito é ignorar o fato de que há variantes da língua – devemos aprender a conviver com as diferenças. Quanto ao "país pequeno", devo dizer que o comentário foi menor ainda, "infelismente" [sic], e dispensa considerações. Por sinal, dá até vergonha observar o apuro ortográfico acima – não é questão de "AO", é questão de escola primária. --tony :: jeff ¿ 00h51min de 11 de março de 2009 (UTC)

Em Portugal, e penso que nos restantes países da Europa e na generalidade do Mundo, é costume, desde há séculos, traduzir os nomes dos membros das famílias reais para a língua local, em especial do próprio monarca. Assim, por exemplo, o rei D. João II de Portugal é conhecido em Espanha como Juan II, em França como Jean II e no Reino Unido como John II. Há poucas excepções, sendo talvez a mais flagrante o rei Juan Carlos de Espanha (e ao contrário de todos os seus antecessores). Confesso que nunca percebi por que razão utilizam os nomes não traduzidos no Brasil, mas em boa verdade isso também não interessa nada. O artigo deve permanecer com a designação de "Isabel II" e com a referência ao nome original de "Elizabeth II".ND (discussão) 23h52min de 23 de abril de 2009 (UTC)

Arrisco dizer que é a influência da mídia, mesmo porque isso se demonstra mais comum nos nomes de monarcas atuais (como Juan Carlos), aliada, no Brasil, a uma falta de tradição monárquica. Esse lapso, que não julgo o mérito de ser positivo ou negativo, influencia noutros temas, como a heráldica civil. Cumprimentos. --tony :: jeff ¿ 11h17min de 27 de abril de 2009 (UTC)

Apesar de afastado por algum tempo dessa discussão, retorno a perguntar e gostaria de algum letrado me esclarecesse como é feita a TRADUÇÃO de Elizabeth para Isabel. Consultando o dicionário falado acima encontrei que Isabel vem do Francês e nao tem nenhuma relação com Elizabeth ( O francês assim como o português tem a mesma origem - Latina - e o termo Elisabeth vem do anglo-saxão. E o mais importante do meu ponto de vista NOMES PRÓPRIOS NÃO TEM TRADUÇÃO, justamente para evitar a tradução de Henry para Haroldo. Desta forma sigo esperando que algum letrado no vernaculo me esclarece isso. Jefferson Pires o comentário precedente deveria ter sido assinado por 189.58.196.4 (discussão • contrib.) tony :: jeff ¿ 01h36min de 28 de março de 2010 (UTC)

  1. Isabel/Elisabete/Elizabeth vêm do hebraico Elisheva (אֱלִישֶׁבַע), transliterado para o grego Elisabet (Ελισάβετ). Em nenhum caso o nome vem do latim ou do anglo-saxão.
  2. Apesar de sua gritaria, nomes se traduzem, sim. Essa falácia de que nome não se traduz vem do puro desconhecimento de uma ciência linguística chamada onomástica.
  3. A tradução de Henry é Henrique, não "Haroldo" (Harold).
  4. O verbete foi iniciado por um falante da variante europeia da língua portuguesa, na qual "Isabel" é mais comum para a monarca e, por isso, deve ser respeitada.

--tony :: jeff ¿ 01h36min de 28 de março de 2010 (UTC)

Referências[editar código-fonte]

Indiquei a necessidade de referências em diversas afirmações sobre a vida da monarca. Acho importante até porque muito do que lá é dito tem um certo tom de fofoca ou de opinião pessoal. O verbete como um todo já apresenta diversas referências, então são apenas algumas a mais para aprimorá-lo. Boas edições. --tony :: jeff ¿ 11h17min de 27 de abril de 2009 (UTC)

Nome, mais uma vez[editar código-fonte]

- Mudei o "Além de Charles, tiveram mais três filhos" para "Carlos", porque no primeiro parágrafo do verbete está Carlos. Se a mudança aqui for revertida, é importante mudar no primeiro parágrafo também. O que não é aceitável é termos dois nomes diferentes, em um mesmo verbete, para a mesma pessoa.

Menos importante na discussão "Charles vs. Carlos" é manter a coerência do início ao fim do verbete (e do início ao fim da Wikipedia, aliás).

- Coloquei o "era" em "era o segundo filho mais velho" porque faltava verbo na frase...

Dúvida: - A frase "Esse senso é apontado como a principal razão para não abdicar" está totalmente desprovida de sentido. Por que ela abdicaria? Não seria mais adequado remover a frase?

Nunof (discussão) 18h46min de 23 de setembro de 2009 (UTC)

Parece que Tony Blair seria então António Blair. No Brasil, a referida Isabel é desconhecida. A tradução nunca foi usada para a monarca em questão. o comentário precedente deveria ter sido assinado por 187.64.35.218 (discussão • contrib.)

A tradição dita que devem ser traduzidos apenas nomes de monarcas e da realeza. Em Portugal, a referida é conhecida, o que anula seu argumento regionalista. --tony :: jeff ¿ 01h37min de 28 de março de 2010 (UTC)

Poliglotismo[editar código-fonte]

Havia no início da página uma afirmação de que Sua Majestade seria fluente em mais de onze idiomas: procurei em toda a internet e não encontrei referências. O How to learn any language em seu fórum sobre poliglotas creditava a Rainha como fluente somente em Francês. Outras fontes também conferem. Então retirei a sentença do artigo. Usuário:Gorgoll

Nome, mais uma vez (2)[editar código-fonte]

O artigo parece ter sido totalmente reescrito em ptbr pelo editor GhutoB, e no entanto, a forma "Isabel" ainda é a mais usada em todo o texto. Alguém tem alguma sugestão sobre o que fazer? RafaAzevedo disc 16h54min de 29 de dezembro de 2010 (UTC)

Manter o Isabel (que soa horrivelmente no Brasil) e acrescentar Elizabeth para o PT-BR. --Paulino Michelazzo (discussão) 19h36min de 4 de janeiro de 2012 (UTC)

Imagem[editar código-fonte]

Há uma troca constante da imagem princiapl do artigo na infobox. Sempre duas que volta e emia são colocadas, e eu não vejo nenhum problema nelas, mas como pode haver certa desavença, creio que o melhor é ser discutido aqui. Por fim, sou a favor da foto com a soberana de frente.+Príncipe Willy 03h29min de 18 de junho de 2012 (UTC)

Alterações incorretas[editar código-fonte]

Não é correto citar apenas "Isabel II" (horrível aos ouvidos brasileiros), além do mais traduziram o nome completo da monarca. Já desfiz as edições, acrescentando tanto "Isabel II" como "Elizabeth II", mas continuam insistindo. PKdbz

Quando a parte de "horrível aos ouvidos brasileiros" isso é muito subjetivo. Sou brasileiro e acho muito mais horrível "Elizabeth" do que "Isabel". Porém, concordo plenamente que deve sim ser feita a menção ao nome original, dado que também é usado.--Rena (discussão) 20h12min de 30 de junho de 2014 (UTC)

Eu não queria ser professora primária no Brasil de forma alguma. Todos os livros didáticos usados nas escolas e bibliotecas do Brasil inteiro, constam princesa Isabel brasileira descendente de portugueses e rainha Elizabeth II como rainha do Reino Unido. Pois bem, a coitada vai ter que explicar a seus alunos porque nos livros está como Elizabeth e na internet apenas na Wikipédia está como Isabel II se não é portuguesa e nem descendente de português. Fica a dica para pensar. JMGM (discussão) 05h16min de 7 de maio de 2015 (UTC)

Há algum motivo em especial para você ficar colocando lenha na fogueira ou sua agenda desocupou e você veio passar o tempo?--Rena (discussão) 05h29min de 7 de maio de 2015 (UTC)
Desculpe, vi de passagem e não resisti em dar essa dica para os que se dizem brasileiros, e que não fazem a menor ideia do reflexo que isso pode causar no ensino primário do Brasil. JMGM (discussão) 05h34min de 7 de maio de 2015 (UTC)
O ensino primário não vai ficar pior do que está por alguém preferir escrever Isabel II do Reino Unido em vez de Elizabeth, ainda mais se levarmos em conta que os alunos, na generalidade, saem dos colégios semi-analfabetos, ou seja, é muito mais fácil aprenderem Isabel do que Elizabeth. Você deveria conformar-se com isso e tocar a vida. Não importa quanto você tente, eu e muitos outros não vamos seguir a cartilha do "bom brasileiro" que tudo retém, tudo copia, mas nada critica, nada ajusta. Alias essa paranoia é muito mais brasileiro que qualquer coisa, pois bem me recordo de certa ocasião quanto vários intercambistas chineses chegaram a USP. Todos eles adotaram as traduções de seus nomes em português por saberem o quão difícil seria para nós pronunciarmos seus nomes. E, por ironia do destino, uma das chinesas chamava-se Jurema.--Rena (discussão) 05h42min de 7 de maio de 2015 (UTC)
Olha que interessante uma Jurema chinesa e aí explicaram para ela o significado da palavra brasileiríssima? Sabe qual é o problema, eu penso e analiso, não vou pela cabeça de quem quer que seja, até professores eu contesto se conseguir prova de que estão errados. Não são as faculdades que vão ter problemas, mas todo o ensino primário no Brasil inteiro por causa de decisões aleatórias de ensino no ensino superior. O que vale para a criança é o que está escrito nos livros impressos segundo orientação do governo através do Ministério da Educação, nenhum livro é distribuído nas escolas sem essa aprovação. Bom, quem sou eu pra ensinar a missa pros vigários? JMGM (discussão) 06h11min de 7 de maio de 2015 (UTC)
Uma razoável parcela das escolas da rede pública, estadual ao menos, aboliram faz tempo os livros didáticos, sendo empregado atualmente as porcas cartilhas do governo que nem sequer lidam com o tema em questão. Além disso, não importa o que somente "está escrito nos livros impressos segundo orientação do governo através do Ministério da Educação". Cabe ao professor ter discernimento e explorar mais do que o livro permite, dando um panorama maior ao seu aluno sobre seja qual tema for. Se for para ficar preso no que está no livro então é melhor ler em casa e nem ir pra escola.--Rena (discussão) 06h16min de 7 de maio de 2015 (UTC)

Olha, o que a Jurema disse acima é [Muito] válido ao meu ver: coitados dos professores, vão ter de explicar esse Isabel ai para os alunos rsrs. É uma questão bastante interessante essa. Imagine só um aluno brasileiro do primário [que obviamente não entende bulhufas de transliteração de nomes] pesquisar no google: "Rainha Elizabeth II" [que é o que todo brasileiro normal das ideias faria]. Dai ele vê os resultados e: ... [loading] "opa ... o que é esse Isabel II na Wikipédia? Esses caras são loucos" rs. Pobres professores e pobre Wiki que vai ser criticada de todos os lados: "Isso não existe, esses caras são loucos?" [não tem como evitar isso rs]. Nessa eu te entendo Jurema. --Zoldyick (Discussão) 06h26min de 7 de maio de 2015 (UTC) (conflito)

Em países como Estados Unidos, isso já acontece, por medida de segurança e por os país acharem que as escolas são incompetentes para educar seus filhos. Mas nesse caso a diferença que existe com o Brasil é astronômica, primeiro que os país não têm formação e educação suficiente pra ensinar os filhos, muitos não tem nem escolaridade suficiente para ajudar nas lições de casa. Explica pra mãe semi-analfabeta que no livro está escrito Elizabeth mas que a professora disse que o nome correto é Isabel. hehe JMGM (discussão) 06h30min de 7 de maio de 2015 (UTC)
Pois é rapaz. E vaja só, no final das contas adivinhem só pessoal pra quem isso pode [e vai] pegar muito mal: pra nós a Wikipédia. É aquela velha história pessoal para nós, os brasileiros, de que "a Wikipédia não é de confiança, é uma bosta, o nome da rainha é Elizabeth e esses caras ainda escrevem errados e rárárá". Essa velha história de sempre. Nosso circulo vicioso de criticas infindáveis. Motivos? A linda educação lusófona. As pessoas podem até usar a Wikipédia como site de pesquisa, principalmente a mulekada aqui da minha vila, mas esses mesmos estão longes de confiar na Wiki, muito longe. Com esse atigo da Elizabeth/Isabel II vão dizer: "nossa gente que site de burro, o nome dala é Elizabeth, todo mundo sabe disso". Sim pois um brasileiro que é normal [e não um gênio da Wikipédia] se quer sabe o que é transliteração de nomes rs. Perolas da vida... --Zoldyick (Discussão) 06h50min de 7 de maio de 2015 (UTC)

Lá no início o Rjclaudio colocou um link Wikipedia:Esplanada/propostas#Tradução de nomes?[2] que nem Cristo acha onde está essa discussão. Será que teria alguém com mais prática do que eu para encontrar essa discussão e corrigir os links desta página? JMGM (discussão) 07h15min de 7 de maio de 2015 (UTC)

@JMGM: aqui. !Silent (discussão) 03h11min de 28 de maio de 2015 (UTC)
!Silent Obrigado pela ajuda, era essa que eu queria ver o que foi discutido. E como pode ser constatado, vários editores dizendo que no Brasil o nome traduzido não é usado para os monarcas modernos, tanto em livros como na mídia em geral. JMGM (discussão) 04h17min de 28 de maio de 2015 (UTC)