Ecléa Bosi

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa


Ecléa Bosi
Nascimento 14/10/1936
São Paulo, SP
Morte 10 de julho de 2017 (81 anos)
São Paulo, SP
Nacionalidade brasileira
Ocupação psicóloga social, professora, pesquisadora e escritora

Ecléa Bosi (São Paulo, 14 de Outubro de 1936 - São Paulo, 10 de julho de 2017) foi uma psicóloga e escritora brasileira.[1]

Foi professora emérita e titular do Departamento de Psicologia Social e do Trabalho no Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo, graduou-se em 1966 na USP e fez mestrado (1970) e doutorado (1971) em Psicologia Social na mesma universidade.[2][3]

Em 2008, Marilena Chauí publicou um artigo[4] em sua homenagem. Em 2009, recebeu o Prêmio Internacional Ars Latina pelo conjunto de sua obra.[5] Em 2011, recebeu o prêmio Averroes[6] e também recebeu o Troféu Loba Romana junto de João Grandino Rodas, em homenagem à contribuição da comunidade italiana no Brasil.[7]

Dentre suas obras importantes estão "Memória e sociedade", "Cultura de massa e cultura popular", "Leituras de operárias", "Velhos amigos, O tempo vivo da memória e a antologia de Simone Weil. Traduziu autores importantes como Leopardi, Ungaretti, Garcia Lorca, Rosalía de Castro.[8] Em 2003, publicou na revista de Estudos Avançados o artigo Memória da cidade: lembranças paulistanas.[9] Em 1994, através de uma de suas iniciativas, a Universidade de São Paulo passou a acolher maiores de 60 anos em cursos regulares no programa Universidade Aberta à Terceira Idade[10][11]

“Os projetos do indivíduo transcendem o intervalo físico de sua existência: ele nunca morre tendo explicitado todas as suas possibilidades. Antes, morre na véspera: e alguém deve realizar suas possibilidades que ficaram latentes, para que se complete o desenho de sua vida”[12]

Referências