Saltar para o conteúdo

El Jadida

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
 Nota: Este artigo é sobre a cidade atual. Para a antiga possessão portuguesa, veja Mazagão (Marrocos).
Marrocos El Jadida

الجديدةⵎⴰⵣⵉⵗⴻⵏ • Maziɣen

Mazagão • Mazagan

 
  Município  
A cidadela portuguesa de Mazagão, classificada como Património Mundial pela UNESCO
A cidadela portuguesa de Mazagão, classificada como Património Mundial pela UNESCO
A cidadela portuguesa de Mazagão, classificada como Património Mundial pela UNESCO
Localização
Localização do municipio, dentro da região.
Localização do municipio, dentro da região.
Localização do municipio, dentro da região.
El Jadida está localizado em: Marrocos
El Jadida
Localização de El Jadida em Marrocos
Coordenadas 33° 14' N 8° 30' O
País Marrocos
Região Casablanca-Settat
Região (1997-2015) Doukkala-Abda
Província El Jadida
Características geográficas
Área total 28 km²
População total (2014) [1] 194 934 hab.
Densidade 6 961,9 hab./km²
Outras informações
Soco semanal quarta-feira e domingo

El Jadida (em árabe: الجديدة; romaniz.: al-Djadīda ["a nova"]; em tifinague: ⵎⴰⵣⵉⵗⴻⵏ; romaniz.: Maziɣen) é uma cidade situada na costa atlântica de Marrocos, a 100 km a sudoeste de Casablanca, 135 km a nordeste de Safim e 200 km a norte de Marraquexe. É uma cidade industrial e portuária, além de estância balnear, frequentada sobretudo por marroquinos. Administrativamente constitui o município de El Jadida com uma área de 28 km²[2] e 194 934[1] habitantes em 2014. Faz parte da província homónima e da região de Casablanca-Settat.

História[editar | editar código-fonte]

Ocupação portuguesa[editar | editar código-fonte]

Os portugueses ocuparam El Jadida em 1502 a qual chamaram de Mazagão[3]. Aqui construiram um forte que com o tempo tornou-se um centro de comércio[3]. Aqui paravam os navios para se abastecerem nas rotas entre a Europa e o Oriente[3]. Em 1769 o Sultão Sidi Mohammed expulsou os Portugueses, que a fizeram explodir quando sairam[3]. Mazagão foi a última possessão de Portugal em Marrocos.

A Mazagão brasileira[editar | editar código-fonte]

Quando foi abandonada e arrasada pelos portugueses em 1769, o então primeiro-ministro Marquês de Pombal decidiu transferir os seus habitantes para a Amazônia, no Brasil, fundando a cidade de Nova Mazagão, no território do atual estado do Amapá.

Ocupação francesa[editar | editar código-fonte]

Durante o período colonial francês era conhecida como Mazagan.

Patrimônio histórico[editar | editar código-fonte]

A cidade é conhecida principalmente pela grande cidadela portuguesa — conhecida localmente como a Cité Portugaise, - a maior do seu género no Norte de África, talvez à exceção das fortificações de Ceuta, que está classificada pela UNESCO como Património Mundial desde 2004 e que foi eleita como uma das sete maravilhas de origem portuguesa no mundo em 2009.

Muralhas[editar | editar código-fonte]

As muralhas tinham originalmente cinco bastiões, mas apenas quatro foram reconstruidos depois de os Portugueses terem destruido a cidade quando se retiraram em 1769[3]. O caminho na muralha leva ao Bastion de L´Ange, que tem uma vista panorâmica sobre a cidade Antiga. O Bastion de St. Sébastien foi tribunal da Inquisição e prisão[3].

Medina[editar | editar código-fonte]

A rua principal leva à Porta do Mar, que dá acesso ao caminho da muralha[3]. Esta porta ligava a cidade ao mar[3]. A meio da rua principal fica a entrada para a Citerne Portugaise[3]. A mellah tem um ar deserto visto que a Comunidade Judaica emigrou para Israel nos anos 50[3].

Cisterna portuguesa[editar | editar código-fonte]

Inicialmente era um depósito de armas construido no estilo manuelino, foi convertido em cisterna depois de a cidade ter sido ampliada em 1541[3]. Era abastecida de água fresca para que a cidade nunca ficasse sem água na eventualidade de um cerco prolongado[3]. Foi redescoberta por acaso em 1916 quando um comerciante derrobou uma parede para aumentar a sua loja[3]. Foi utilizada nas filmagens do filme Otelo de Orson Wells em 1952[3].

Referências

  1. a b «Population Legale des Regions, Provinces, Prefectures, Municipalités, Arrondissements et Communes du Royaume d'Apres les Resultats du Recensement General de la Population et de l'Habitat de 2014» (em francês). Haut-Commissariat au Plan du Maroc. Centre National de Documentation. Consultado em 26 de março de 2022 
  2. «Morocco: Regions, Major Cities, Urban Communes & Urban Centers - Population Statistics, Maps, Charts, Weather and Web Information». www.citypopulation.de. Consultado em 8 de junho de 2022 
  3. a b c d e f g h i j k l m n Marrocos, Guia American Express. Porto: Dorling Kindersley-Civilização, Editores Lda. 2003. pp. 114–115. ISBN 989-550-057-2 
  • Le Guide Vert - Maroc (em francês). Paris: Michelin. 2003. p. 220-224. 460 páginas. ISBN 978-2-06-100708-2 
  • Ellingham, Mark; McVeigh, Shaun; Jacobs, Daniel; Brown, Hamish (2004). The Rough Guide to Morocco (em inglês) 7.ª ed. Nova Iorque, Londres, Deli: Rough Guide, Penguin Books. p. 382-386. 824 páginas. ISBN 9-781843-533139 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Commons Categoria no Commons
Wikivoyage Guia turístico no Wikivoyage


Ícone de esboço Este artigo sobre Geografia de Marrocos, integrado ao Projeto África é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.