Marrocos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Geografia de Marrocos)
Ir para: navegação, pesquisa
المملكة المغربية (Árabe)
ⵜⴰⴳⵍⴷⵉⵜ ⵏ ⵓⵎⵔⵔⵓⴽ (Berbere) [1]

Reino de Marrocos
Bandeira de Marrocos
Brasão de armas de Marrocos
Bandeira Brasão de armas
Lema: Allāh, al Waţan, al Malik
em (Deus, Nação, Rei)
Hino nacional: Hymne Chérifien
Gentílico: Marroquino(a)

Localização de Marrocos

Localização de Marrocos e do Sahara Ocidental
Capital Rabat
Cidade mais populosa Casablanca
Língua oficial Árabe [2]Berbere [3]
Governo Monarquia constitucional
 - Rei Maomé VI
 - Primeiro-ministro Saadeddine Othmani
Formação 789[4][5] 
 - Unificação da Dinastia Saadiana 1554 
 - Dinastia Alauita (presente) 1666 
 - Independência da França 2 de Março de 1956 
 - Independência da Espanha 7 de Abril de 1956 
Área  
 - Total 446 550 km² (57.º)
 - Água (%) 250
 Fronteira Argélia, Saara Ocidental e Espanha
População  
 - Estimativa para 2016 35 042 582 [6] [7] hab. (38.º)
 - Densidade 73.1/km2 hab./km² 
PIB (base PPC) Estimativa de 2014
 - Total US$ 241,677 bilhões *[8] 
 - Per capita US$ 7 356[8] 
PIB (nominal) Estimativa de 2014
 - Total US$ 103,824 bilhões *[8] 
 - Per capita US$ 3 160[8] 
IDH (2015) 0,647 (123.º) – médio[9]
Moeda Dirham marroquino (MAD)
Fuso horário (UTCWET+0)
 - Verão (DST) (UTCWEST+1)
Clima mediterrânico (no norte) e desértico
Cód. ISO MAR
Cód. Internet .ma
Cód. telef. +212
Website governamental www.maroc.ma

Mapa de Marrocos

:[♦] ^ O árabe e o amazigue (berbere) são as duas únicas línguas mencionadas na constituição como "oficiais do Estado", mas o francês é amplamente utilizado em textos oficiais do Governo e pela comunidade empresarial.[10]

Marrocos (em árabe: المغرب; transl.: al-Maġrib; em berbere: Amerruk / Murakuc; em francês: Maroc; AFI[ma.ʁɔk]), oficialmente Reino de Marrocos[11] (em árabe: المملكة المغربية; transl.: al-Mamlakah al-Maġribiyya; em tifinague: ⵜⴰⴳⵍⴷⵉⵜ ⵏ ⵓⵎⵔⵔⵓⴽ; transl.: Tageldit n Umerruk; em francês: Royaume du Maroc) é um país soberano localizado na região do Magrebe, no norte da África. Geograficamente, o Marrocos é caracterizado por um interior montanhoso acidentado, grandes extensões de deserto e um longo litoral ao longo do Oceano Atlântico e do Mar Mediterrâneo.

Marrocos tem uma população de mais de 33,8 milhões de pessoas e uma área de 446.550 quilômetros quadrados. Sua capital é Rabat e a maior cidade é Casablanca. Um poder regional historicamente proeminente, o Marrocos tem uma história da independência não compartilhada por seus vizinhos. Desde a fundação do primeiro Estado marroquino por Idris I em 789, o país foi governado por uma série de dinastias independentes, atingindo o seu zênite sob a dinastia Almorávida e Almóada, abrangendo partes da Península Ibérica e noroeste da África. As dinastias Merínida e Saadiana continuaram a luta contra a dominação estrangeira e o Marrocos continuou a ser o único país do Norte da África a evitar a ocupação pelo Império Otomano. A dinastia Alauita, a dinastia reinante atualmente, tomou o poder em 1666. Em 1912, Marrocos foi dividido em protetorados franceses e espanhóis, com uma zona internacional em Tânger, e recuperou a sua independência em 1956.

O Marrocos é uma monarquia constitucional com um parlamento eleito. O Rei do Marrocos tem vastos poderes executivos e legislativos, especialmente sobre os militares, a política externa e os assuntos religiosos. O poder executivo é exercido pelo governo, enquanto o poder legislativo é investido tanto no governo como nas duas câmaras do parlamento, a Assembleia de Representantes e a Assembleia de Conselheiros. O rei pode emitir decretos chamados dahirs que têm força de lei. Ele também pode dissolver o parlamento depois de consultar o primeiro-ministro e o presidente do Tribunal Constitucional.

A cultura marroquina é uma mistura de árabes, berberes nativos, Africano subsaariano e influências europeias. A religião predominante é o islã e as línguas oficiais são o árabe e tamazight. O dialeto marroquino, referido como Darija, e o francês também são falados também extensamente. O Marrocos é membro da Liga Árabe, da União para o Mediterrâneo e da União Africana. Tem a quinta maior economia do continente africano. O país reivindica o território do Saara Ocidental como suas províncias do sul. Em 1975, o país anexou o território, levando a uma guerra de guerrilha com as forças nativas até um cessar-fogo em 1991. Processos de paz até agora não conseguiram quebrar este impasse político.

História[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: História de Marrocos

Pré-história e Antiguidade[editar | editar código-fonte]

Ver também: Mauritânia romana
Ruínas da antiga cidade romana de Volubilis.

A área que compreende o Marrocos atual tem sido habitada desde o Paleolítico, em algum momento entre 190.000 e 90.000 a.C[12] Durante o Paleolítico Superior, o Magrebe era mais fértil do que é hoje, assemelhando-se a um savana mais do que a paisagem árida atual.[13] Cerca de 22 mil anos atrás, a cultura ateriana foi sucedido pela ibero-maurisiana, que compartilhava semelhanças com culturas ibéricas. Foram sugeridas semelhanças esqueléticas entre os enterros ibero-maurisianos dos "Mechta-Afalou" e os restos europeus de Cro-Magnon. A cultura ibero-maurisiana foi sucedida pela cultura do Vaso Campaniforme. Estudos de DNA mitocondrial descobriram uma estreita ligação entre os berberes e os lapões da Escandinávia. Isto sustenta as teorias de que a área de refúgio franco-cántabra do sudoeste da Europa era a fonte de expansões glaciais de caçadores-coletores que repovoaram o norte da Europa após a última era glacial.[14]

O Norte da África e Marrocos foram lentamente atraídos para o mundo mediterrâneo emergente pelos fenícios, que estabeleceram colônias comerciais e assentamentos no início do período clássico. Havia assentamentos fenícios consideráveis estavam em Chellah, Lixo e Essaouira,[15] que era uma colônia fenícia já no início do século VI a.C.[16]

O Marrocos tornou-se mais tarde um reino da civilização cartaginesa como parte de seu império. O primeiro Estado marroquino independente conhecido foi o reino berbere da Mauritânia sob o rei Baga. Este reino antigo (a não ser confundido com o país atual de Mauritânia) data de pelo menos a 225 a.C. A Mauritânia transformou-se um reino cliente do Império Romano em 33 a.C. O Imperador Cláudio anexou a Mauritânia diretamente como uma província romana em 44 d.C., sob um governador imperial (ou aprocurator Augusti, ou um legatus Augusti pro praetore). Durante a Crise do Terceiro Século, partes da Mauritânia foram reconquistadas por tribos berberes. O regime romano direto ficou confinado a algumas cidades costeiras (como Septum (Ceuta) na Mauritânia Tingitana e Cherchell na Mauritânia Cesariense) no final do século III.

Conquista islâmica e dinastias berberes[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Conquista muçulmana do Magrebe
Califado Almóada em sua extensão máxima.

A conquista muçulmana do Magrebe, que começou em meados do século VII, foi conseguida no início do século seguinte. Ela trouxe a língua árabe e o Islã para a área. Embora parte do maior Império Islâmico, Marrocos foi inicialmente organizado como uma província subsidiária de Ifriqiya, com os governadores locais nomeados pelo governador muçulmano em Cairuão.[17] As tribos indígenas berberes adotaram o Islã, mas mantiveram suas leis tradicionais. Eles também pagavam impostos e tributos à nova administração muçulmana.[18]

A partir do século XI em diante, uma série de poderosas dinastias berberes surgiram.[19][20][21] Sob a dinastia almorávida[22] e a dinastia almóada, o Marrocos dominou o Magrebe, grande parte da atual Espanha e Portugal, além da região do Mediterrâneo Ocidental. A partir do século XIII o país viu uma migração maciça de tribos árabes Banu Hilal. Nos séculos XIII e XVI os merínidas tomaram o poder no Marrocos e esforçaram-se para replicar os sucessos dos almóadas através de campanhas militares na Argélia e Espanha. Eles foram seguidos pelos oatácidas. No século XV, a Reconquista acabou com o regime muçulmano no centro e sul da Espanha e muitos muçulmanos e judeus fugiram para o Marrocos.[23]

Conquista portuguesa[editar | editar código-fonte]

Forte de Mazagão em El Jadida.

Em 1415, Portugal vira os olhos para a África e empreende a conquista de Ceuta e, no século seguinte, a maior parte do litoral marroquino estava nas mãos de portugueses e espanhóis. Ceuta continua sob soberania espanhola até hoje. Em 1472, os sultões de Fez perderam todos os seus territórios estratégicos e já não têm o controle do Estreito de Gibraltar. Os Portugueses apoderam-se de Tânger, em 1471, que quase dois séculos mais tarde (1661) cedem a Inglaterra como dote da rainha Catarina de Bragança a seu marido Carlos II de Inglaterra. Durante o governo português (1471-1661), Tânger é a capital do Algarve, em África, porque existem dois Algarves, a da Europa e a de África, tanto um como outro considerados territórios pessoais da Dinastia de Avis e depois da dinastia de Bragança (o rei de Portugal também tinha o título de Rei dos Algarves). Sob os reinados sucessivos de Afonso V, João II e Manuel I (período que marca o apogeu da expansão portuguesa) o Algarve africano abrange quase toda a costa atlântica de Marrocos, com a excepção de Rabat e Salé. Os Portugueses controlam a parte costeira que se estende desde Ceuta até Agadir (Fortaleza de Santa Cruz do Cabo de Gué), tendo como marcos as praças fortes de Alcácer-Ceguer, Tânger, Arzila, Azamor, Mazagão e Safim e do Castelo Real de Mogador. Estas possessões formam as fronteiras, e são usadas como paradas na rota do Brasil e do Estado Português da Índia. No entanto, a maioria de Marrocos português é conquistada pelos Saadianos em 1541. A última fronteira é a de Mazagão, recuperada pelos marroquinos em 1769. Os espanhóis, quanto a eles dominam parte da costa do Mediterrâneo com os presídios de Melilla e o Ilhote de Vélez de la Gomera, assim como a região de Tarfaya em frente das ilhas Canárias. Também conservam o controlo de Ceuta após a Restauração da Independência de Portugal em 1640. Os Wattássidas enfraquecidos, finalmente, cedem o poder a uma dinastia que reivindicava uma origem árabe Xerifiana, os Saadianos em 1554.[24]

Os esforços portugueses para controlar o comércio do Atlântico no século XV não afetaram grandemente o interior de Marrocos. Apesar de terem conseguido controlar algumas possessões na costa marroquina, eles não se aventuraram mais ao interior. Em outra nota e de acordo com Elizabeth Allo Isichei, "Em 1520, houve uma fome em Marrocos tão terrível que por muito tempo outros eventos foram datados por ele. Além disso, sugeriu-se que a população de Marrocos caiu de 5 para menos de 3 milhões entre os séculos XVI e XIX".[25]

Protetorados francês e espanhol[editar | editar código-fonte]

Morte do general espanhol Juan García y Margallo durante a Guerra de Margallo.

À medida que a Europa se industrializava, o Norte da África era cada vez mais apreciado pelo seu potencial de colonização. A França mostrou um forte interesse pelo Marrocos já em 1830, não só para proteger a fronteira do seu território argelino, mas também devido à posição estratégica de Marrocos em dois oceanos.[26] Em 1860, uma disputa sobre o enclave de Ceuta levou a Espanha a declarar guerra. Além de sair vitoriosa, a Espanha ganhou outro enclave e uma Ceuta ampliada. Em 1884, a Espanha criou um protectorado nas zonas costeiras de Marrocos.

Em 1904, a França e a Espanha esculpiram zonas de influência no Marrocos. O reconhecimento da esfera de influência da França pelo Reino Unido provocou uma forte reacção do Império Alemão; e uma crise surgiu em 1905. O assunto foi resolvido na Conferência de Algeciras em 1906. A Crise de Agadir de 1911 aumentou as tensões entre as potências europeias. O Tratado de Fez de 1912 tornou o Marrocos um protetorado francês e desencadeou os distúrbios de Fez no mesmo ano.[27] A Espanha continuou a operar o seu protectorado costeiro. Pelo mesmo tratado, a Espanha assumiu o papel de proteger sua soberania sobre as zonas do norte e sul do Saara.[28]

Dezenas de milhares de colonos entraram no Marrocos. Alguns compraram grandes quantidades da rica terra agrícola, outros organizaram a exploração e modernização de minas e portos. Grupos de interesse formados entre esses colonos continuamente pressionaram a França a aumentar seu controle sobre o Marrocos - um controle que também se tornou necessário pelas contínuas guerras entre tribos marroquinas, parte das quais tinham tomado partido com os franceses desde o início da conquista. O governador-geral, Marechal Hubert Lyautey, admirava sinceramente a cultura marroquina e conseguiu impor uma administração conjunta marroquino-francesa, ao mesmo tempo que criava um sistema escolar moderno. Várias divisões de soldados marroquinos (Goumiers ou tropas regulares e oficiais) serviram no exército francês tanto na Primeira Guerra Mundial como na Segunda Guerra Mundial, além do Exército Nacionalista na Guerra Civil Espanhola.[29] A instituição da escravidão foi abolida em 1925.[30]

Pós-independência[editar | editar código-fonte]

A seguir à Segunda Guerra Mundial, de acordo com a Carta do Atlântico (assinada em 1941 por Winston Churchill e Franklin Delano Roosevelt), as forças vivas de Marrocos exigiram o regresso do sultão Mohammed V e em 1955 a França, que já se encontrava a braços com insurreição na Argélia, concordou com a independência da sua colónia, que foi celebrada dia 2 de Março de 1956. A mudança do controle francês sobre Marrocos para as mãos do sultão e do partido independentista Istiqlal decorreu pacificamente. O exílio da França do sultão Mohammed V em 1953 para Madagascar e sua substituição pelo impopular Mohammed Ben Aarafa provocou uma oposição ativa aos protetorados franceses e espanhóis. A violência mais notável ocorreu em Oujda, onde os marroquinos atacaram franceses e outros residentes europeus nas ruas. A França permitiu que Mohammed V voltasse em 1955 e as negociações que levaram à independência marroquina, que começaram no ano seguinte.[31]

Em Agosto de 1957, Mohammed V transformou Marrocos num reino, passando a usar o título de rei. Quando, em 1959, o Istiqlal se dividiu em dois grupos: um abrangendo a maioria dos elementos do partido, conservador e obediente a Mohammed 'Allãl al-Fasi, apoiante do rei; outro, de carácter republicano e socialista, que adoptou o nome de (União Nacional das Forças Populares), Muhammed aproveitou a oportunidade para distanciar a figura do rei dos partidos, elevando-o a um papel arbitral. Tal manobra política contribuiu decisivamente para o fortalecimento da monarquia, como se verificou no referendo de 1962, já com Mulai Hassan, filho de Mohammed V (falecido em 1961), como rei Hassan II, em que foi aprovada uma constituição de cariz monárquico-constitucional. Um ano depois foram realizadas eleições parlamentares que levaram a conjuntura política a um beco sem saída. Tal facto permitiu a concentração de poderes em Hassan II, como ficou demonstrado na Constituição de 1970, que não sobreviveu a uma tentativa de golpe de Estado, em 1971. Sucedeu-lhe uma outra Constituição em 1972, que só foi implementada efectivamente após outra tentativa de golpe de Estado em Agosto desse ano.

Protesto em Casablanca por reformas políticas.

O ano de 1974 marcou o início de uma nova orientação da política de Hassan II, a partir do momento em que Marrocos declarou a sua pretensão sobre o Saara Espanhol, rico em minérios (sobretudo fosfato), pretensão essa que foi concretizada em Novembro de 1975, com o avanço da "Marcha Verde", constituída por 350 000 voluntários desarmados, sobre o Saara Ocidental, que evitou o conflito e conduziu à assinatura de um acordo em que eram satisfeitas as ambições de Marrocos. No entanto, muitos têm sido os obstáculos à política marroquina: primeiro, a luta da guerrilha Polisário (Frente Popular para a Libertação de Saguia el Hamra e do Rio do Ouro), apoiada pela Argélia e, mais tarde, também pela Líbia, que recusou, inclusive, os resultados de um referendo promovido por Hassan II em 1981; segundo, a condenação por parte das Nações Unidas; e, terceiro, a criação da República Árabe Saaráui Democrática em 1989, que tem obtido o reconhecimento de um número crescente de países.

Em 1994, o secretário-geral das Nações Unidas, Boutros Boutros-Ghali, propôs um aprofundamento das negociações com o objectivo de promover um processo de recenseamento eleitoral o mais completo possível, de modo a um futuro referendo ter uma legitimidade aceitável por ambas as partes. Por último, é de salientar o papel que Marrocos tem desempenhado no importante processo de paz na Palestina, através de um relacionamento equilibrado entre Hassan II e as partes beligerantes, a Organização de Libertação da Palestina (OLP) e Israel, que permitiu, nomeadamente, o estabelecimento de interesses económicos naqueles países.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Alto Atlas no centro do país.
Jbel Toubkal, o pico mais alto do país.
Paisagem de Erg Chebbi.
Imagem de satélite do território marroquino

Localizado no Magrebe, o reino de Marrocos é banhado pelo oceano Atlântico a oeste, e pelo mar Mediterrâneo a norte, e faz fronteira com a Argélia a leste, a sul e sudeste com a Mauritânia. Abrange uma área total de 446 550. A capital, Rabat, com uma população de 1 618 700 habitantes (2004), destacando-se também outras cidades, como Casablanca, a maior do país, com 3 741 200 habitantes, Tânger (629 800 habitantes) e Fez (1 019 300 habitantes).

O Marrocos caracteriza-se por ser um país montanhoso, destacando-se quatro grandes cadeias montanhosas: o Rife, com a orientação noroeste-sudeste, que faz, geologicamente, parte das cordilheiras do sul da península Ibérica, e que tem como ponto mais alto o monte Jbel Tidirhine com 2 456 m, o Médio Atlas, o Alto Atlas e o Anti-Atlas. As três últimas integram a Cordilheira do Atlas, que se estende desde a costa atlântica até até à Tunísia, atravessando a Argélia.

O Médio Atlas situa-se no centro-norte do país, imediatamente a sul do Rife, do qual está separado pela zona de planície conhecida como corredor de Taza. O Alto Atlas, a cadeia com as montanhas mais altas do país, onde se encontra o Jbel Toubkal (4 165 m), o pico mais alto do Norte de África, situa-se a sul do Médio Atlas. O Anti-Atlas é a cordilheira mais meridional e mais árida, que faz fronteira com o deserto do Saara. A região nordeste é ocupada pela bacia do rio Muluya, uma região de terras baixas, semiárida, criada pela erosão do rio. Mais a leste e a sudeste, encontram-se os altos planaltos, com cerca de 1 000 metros de altitude.

Clima[editar | editar código-fonte]

O clima mediterrâneo do país é semelhante ao do sul da Califórnia, com exuberantes florestas nas cadeias de montanhas do norte e centro do país, dando lugar a condições secas e desérticas no interior do sudeste. As planícies costeiras experimentam temperaturas notàvelmente moderadas mesmo no verão, devido ao efeito da Corrente das Canárias na sua costa atlântica.

Nas montanhas do Rif, Médio e Alto Atlas, existem vários tipos diferentes de climas: o mediterrâneo ao longo das planícies costeiras, dando lugar a um clima temperado úmido em áreas mais elevadas, com umidade suficiente para permitir o crescimento de diferentes espécies de carvalhos, tapetes de musgos, ximbros e abetos atlânticos, uma árvore coníferas endêmica do Marrocos. Nos vales, solos férteis e a alta precipitação permitem o crescimento de florestas espessas e exuberantes.

Sudeste das montanhas Atlas, perto das fronteiras argelinas, o clima torna-se muito seco, com verões longos e quentes. O calor extremo e os baixos níveis de umidade são especialmente pronunciados nas regiões de planície a leste da Cordilheira do Atlas, devido ao efeito de sombra da chuva do sistema de montanhas. As partes do sudeste da maior parte do Marrocos são muito quentes e incluem porções do deserto do Saara, onde vastas faixas de dunas de areia e planícies rochosas são pontilhadas com oásis férteis. Em contraste com a região do Saara no sul, as planícies costeiras são férteis nas regiões central e norte do país e constituem a espinha dorsal da agricultura do país, onde vivem 95% da população. A exposição directa ao Oceano Atlântico Norte, a proximidade com a Europa continental e as extensas montanhas Rif e Atlas são os fatores do clima bastante europeu na metade norte do país. Isso faz do Marrocos um país de contrastes. As áreas florestais cobrem cerca de 12% do país, enquanto as terras aráveis ​​representam 18%. Aproximadamente 5% da terra marroquina é irrigada para uso agrícola.

Biodiversidade[editar | editar código-fonte]

Marrocos tem uma vasta gama de biodiversidade. É parte da bacia mediterrânea, uma área com concentrações excepcionais de espécies endémicas que sofrem rápidas taxas de perda de habitat e, portanto, é considerada um ponto prioritário de conservação.[32] A avifauna é notavelmente variada[33] e inclui um total de 454 espécies, cinco das quais foram introduzidas por seres humanos e 156 são raramente vistas.[34]

O leão-do-atlas, caçado até a extinção, era uma subespécies nativas a Marrocos e é um símbolo nacional.[35] O último leão-do-atlas selvagem foi visto nas montanhas Atlas em 1922.[36] Os outros dois predadores primários do norte da África, o urso-do-atlas e o leopardo-do-atlas, estão agora extinto e criticamente ameaçado, respectivamente. As populações de crocodilo-do-oeste-africano persistiram no rio Drá até o século XX.[37]

O macaco-de-gibraltar, um primata endêmico de Marrocos e da Argélia, também está enfrentando a extinção devido à ao comércio ilegal, urbanização e expansão imobiliária que diminuem área florestada, o habitat do macaco.[38]

O comércio de animais e plantas para alimentação, animais de estimação, fins medicinais, lembranças e objetos fotográficos é comum em todo o Marrocos, apesar de leis que tornam ilegal a maior parte destas práticas.[39][40] Este comércio não é regulado e causa reduções desconhecidas de populações selvagens de fauna marroquina nativa. Devido à proximidade do norte da Marrocos com a Europa, espécies como cactos, tartarugas, peles de mamíferos e aves de alto valor (falcões e abetardas) são colhidas em várias partes do país e exportadas em quantidades apreciáveis, com grandes volumes de enguias Ccolhidas - 60 toneladas exportadas para o Extremo Oriente no período de 2009 a 2011.[41]

Demografia[editar | editar código-fonte]

Grupos étnicos no Marrocos

A maioria dos marroquinos são de origem berbere, árabe ou gnaoua. Existe uma minoria significativa de africanos subsaarianos e europeus. Árabes e berberes juntos representam cerca de 99,1% da população marroquina.[35] Uma parcela considerável da população é identificada como haratin e gnaoua, descendentes negros ou mestiços de escravos, e mouriscos, muçulmanos europeus expulsos de Espanha e Portugal no século XVII.[42]

Os berberes são o povo nativo do país e ainda constituem a maior parte da população, embora tenham sido amplamente arabizados. O Marrocos é o lar de mais de 20.000 imigrantes da África Subsaariana.[43] A minoria judaica do Marrocos, que já foi proeminente, diminuiu significativamente desde seu pico de 265.000 em 1948, declinando ao redor 2.500 atualmente.[44]

A maioria dos residentes estrangeiros em Marrocos são franceses ou espanhóis. Alguns deles são descendentes de colonizadores, que trabalham principalmente para empresas multinacionais europeias, enquanto outros são casados ​​com marroquinos ou são aposentados. Antes da independência, o Marrocos era o lar de meio milhão de europeus.[45]

O país tem uma grande diáspora, a maioria da qual está localizada na França, que tem mais de um milhão de marroquinos até a terceira geração. Existem também grandes comunidades marroquinas na Espanha (cerca de 700.000 marroquinos),[46] nos Países Baixos (360.000) e na Bélgica (300.000).[47] Outras grandes comunidades podem ser encontradas na Itália, Canadá, Estados Unidos e Israel, onde se pensa que os judeus marroquinos constituem o segundo maior subgrupo étnico judeu.

Religião[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Religião em Marrocos

A afiliação religiosa no país foi estimada pelo Pew Research Center em 2010 como 99% muçulmana, com todos os grupos restantes representando menos de 1% da população.[48] Os sunitas formam a maioria em 67%, sendo que os muçulmanos não-denominacionais são o segundo maior grupo de muçulmanos em 30%.[49] Existem cerca de 3.000 a 8.000 muçulmanos xiitas, a maioria deles residentes estrangeiros do Líbano ou do Iraque, mas também alguns cidadãos convertidos. Seguidores de várias ordens muçulmanas sufistas em todo o Magrebe e África Ocidental empreendem peregrinações anuais conjuntas ao país.

Os cristãos são estimados em 1% (~ 380.000) da população marroquina.[35] A comunidade cristã, predominantemente católica romana e protestante, consiste em aproximadamente 5.000 membros praticantes, embora alguns protestantes e clero católico estimar o número a ser tão elevado como 25.000. A maioria dos cristãos residentes estrangeiros residem nas áreas urbanas de Casablanca, Tânger e Rabat. Vários líderes cristãos locais estimaram que entre 2005 e 2010 existiam 5.000 cidadãos convertidos ao cristianismo (principalmente berberes) que frequentam regularmente igrejas e vivem predominantemente no sul.[50] Alguns líderes cristãos locais estimam que pode haver até 8.000 cidadãos cristãos em todo o país, mas muitos não se reúnem regularmente devido ao medo da vigilância do governo e da perseguição social.[51] O número de marroquinos que se converteram ao cristianismo (a maioria deles adoradores secretos) é estimado entre 8.000-40.000.[52][53]

As estimativas mais recentes colocam o tamanho da comunidade judaica de Casablanca em cerca de 2.500 pessoas[54] e as comunidades judaicas de Rabat e Marraquexe em cerca de 100 membros cada. O restante da população judaica está dispersa por todo o país. Esta população é na sua maioria idosa, com um número decrescente de jovens.[51] A comunidade bahá'í, localizada em áreas urbanas, tem de 350 a 400 membros.[51]

Idiomas[editar | editar código-fonte]

Placa em francês em árabe.

As línguas oficiais do Marrocos são o árabe e berbere.[55][56] O grupo distintivo de dialetos árabes marroquinos é referido como Darija. Aproximadamente 89,8%[57] de toda a população pode se comunicar em algum grau em árabe marroquino. A língua berbere é falada em três dialetos (Tarifit, Tashelhit e Tamazight).[58] Em 2008, Frédéric Deroche estimou que havia 12 milhões de falantes de berbere, representando cerca de 40% da população.[59] O censo populacional de 2004 relatou que 28,1% da população falava berebere.[57]

O francês é amplamente utilizado em instituições governamentais, mídia, grandes empresas, comércio internacional com países francófonos e, muitas vezes, na diplomacia internacional. O francês é ensinado como uma língua obrigatória em todas as escolas. Em 2010, havia 10.366.000 francófonos no Marrocos, ou cerca de 32% da população.[60] De acordo com o censo de 2004, 2,19 milhões de marroquinos falavam uma língua estrangeira que não fosse o francês.[57] O inglês, embora muito atrás do francês em termos de número de falantes, é a primeira língua estrangeira de escolha, uma vez que o francês é obrigatório, entre os jovens educados e profissionais.

Cerca de 5 milhões de marroquinos falam espanhol, que é falado especialmente nas regiões do norte,[61] visto que a Espanha ocupou esses regiões no passado. Os marroquinos em regiões anteriormente controladas pela Espanha assistem à televisão espanhola e têm interações em espanhol diariamente.[62] Depois que Marrocos declarou a independência em 1956, o francês e o árabe transformaram-se as línguas principais da administração e de instrução, fazendo com que o papel do espanhol perdesse força.[62]

Cidades mais populosas[editar | editar código-fonte]

Governo[editar | editar código-fonte]

Sistema político[editar | editar código-fonte]

Marrocos é uma monarquia constitucional, com um parlamento eleito democraticamente. Porém, o rei é igualmente o chefe do governo. A aliança de forças políticas que patrocinaram a independência manteve-se no poder até 1958, quando o Istiqlal assumiu o Governo. Pouco depois, o partido dividiu-se em duas fações. A ala esquerda, excluída da administração central, venceu as eleições legislativas realizadas em 1960, tornando-se importante força de oposição ao Governo conservador então no poder. Em 1961, com a morte do Rei Mohammed V, subiu ao trono seu filho, Moulay Hassan, que passou a governar com o nome de Hassan II.[carece de fontes?]

A sucessão decorreu de modo pacífico, já que as forças de oposição não tinham poder suficiente para contestar a monarquia. Além de Chefe de Estado, o Rei do Marrocos também exerce a função de “Líder dos Fiéis” e defensor do islamismo, o que lhe confere alto grau de legitimidade junto à massa da população. Em 1963, Hassan II fez aprovar, em plebiscito, uma nova Constituição, ampliando os poderes da monarquia. Os partidos de oposição boicotaram o pleito e, acusados de conspirar contra a Casa Real, passaram a ser duramente reprimidos. [carece de fontes?]

Com o falecimento do Rei Hassan II, em 23 de julho de 1999, o príncipe herdeiro Sidi Mohammed ascendeu ao trono como Mohammed VI. Em seu primeiro “Discurso do Trono”, o novo soberano insistiu no seu interesse pela sorte das camadas mais pobres da população e afirmou que impulsionaria medidas em favor dos excluídos. Reafirmou sua adesão ao regime da monarquia constitucional, ao pluralismo político, ao liberalismo econômico, assim como aos direitos humanos e à proteção dos direitos individuais e coletivos. Mencionou, também, sua particular preocupação com a necessidade de melhorar e expandir o ensino público, fator primordial para a redução do desemprego.[carece de fontes?]Mohammed VI assumiu a chefia de Estado em condições mais favoráveis do que Hassan II. As estruturas políticas do país haviam evoluído, desde 1961, no sentido de institucionalizar métodos democráticos, com consequente redução de riscos de extremismo, tanto de cunho político quanto religioso. Esse desenvolvimento permitiu ao Marrocos angariar simpatias e respeitabilidade no exterior. No entanto, a difícil coexistência entre aspirações islâmicas, políticas socialistas e a manutenção da autoridade real levou o soberano a empreender uma reforma ministerial em setembro de 2000, conservando Youssoufi como primeiro-ministro, aglutinando pastas para reduzir o número de ministérios de 41 para 33, mantendo os postos-chave sob controle real e ampliando espaço para as vozes mais críticas dentro do governo. Na sequência das eleições legislativas de 2002, Driss Jettou, ministro do interior, foi nomeado primeiro-ministro.[carece de fontes?]

Eleições e poder legislativo[editar | editar código-fonte]

Fachada principal do parlamento marroquino

Os sucessivos governos marroquinos foram dominados pela coligação de partidos de direita Wifaq – integrada pela Union Constitutionelle (UC), pelo Mouvement Populaire (MP) e pelo Parti National Démocratique (PND) – e pelos partidos de centro Rassemblement National des Indépendants (RNI), Mouvement Démocratique et Social (MDS) e Mouvement National Populaire (MNP). Nas eleições parlamentares de 1997, essa coligação de centro-direita conquistou 197 dos 325 assentos da Câmara baixa (60%) e 166 das 270 cadeiras da Câmara alta (61%). A oposição se aglutina em torno da coligação Koutla, integrada pelos partidos de esquerda Union des Forces Populaires (USFP), Parti Istiqlal (PI), Parti du Progrès et du Socialisme (PPS) e Organisation pour l’Action démocratique et populaire (OADP). O movimento islâmico, por sua vez, se faz representar pelo Mouvement Populaire Constitutionnel Démocratique (MPCD), de tendência moderada, e por outros partidos de menor expressão. O fundamentalismo islâmico, presente sobretudo no meio universitário através da União Nacional dos Estudantes do Marrocos (UNEM), tem sido duramente combatido. O Governo tem estimulado a reemergência de movimentos estudantis socialistas (procurando, com isso, minimizar a influência do islamismo radical no meio universitário), bem como a participação de partidos islâmicos moderados no debate político nacional.[carece de fontes?]

Em setembro de 1996, realizou-se referendo para a reformulação institucional do país, tendo por objetivo a criação de um ordenamento político mais representativo e a descentralização do poder, que se traduziu na criação da Câmara dos Conselheiros (Senado), na extensão dos mandatos legislativos e na introdução de um sistema eleitoral colegiado para o Senado (dos 270 conselheiros, 162 são eleitos por líderes das comunidades locais, 81 por líderes das regiões administrativas e 27 pelos sindicatos). O novo modelo institucional prevê maior participação no governo dos partidos de oposição, mas as pastas mais importantes, como Negócios Estrangeiros, Interior e Fazenda, seriam reservadas aos homens de confiança do monarca. Ao proceder a essas mudanças, o Governo pretendia dotar o Estado marroquino de uma estrutura de poder mais moderna, menos centrada na figura do monarca e, em última análise, mais democrática.[carece de fontes?]

Nas eleições legislativas de 1997, o partido de esquerda Union Socialiste des Forces Populaires (USFP) obteve 57 assentos na Câmara Baixa. Seu Secretário-Geral, Abderrahmane Youssoufi, foi nomeado Primeiro-Ministro em fevereiro de 1998. Youssoufi formou um governo de coalizão, apoiado por sete dos principais partidos de oposição, inclusive o Istiqlal. No entanto, os principais ministérios continuavam nas mãos de homens ligados ao Rei Hassan, como Driss Basri, o poderoso Ministro do Interior. Além disso, a Câmara dos Conselheiros permanecia dominada por elementos fiéis ao monarca. Em seus primeiros dezoito meses no cargo, Youssoufi logrou obter resultados positivos. Internamente, despertou a consciência da sociedade marroquina para a necessidade de reformas, particularmente aquelas destinadas a combater a pobreza e o desemprego, e a aprimorar a administração pública. No exterior, era muito estimado, sobretudo na França de Lionel Jospin, com quem compartilhava a mesma conceção de socialismo.[carece de fontes?]

Forças armadas[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Forças Armadas do Marrocos

O serviço militar obrigatório no Marrocos foi suspenso oficialmente desde setembro de 2006 e a obrigação de reserva de Marrocos dura até os 50 anos. As forças armadas são as Forças Armadas Reais - incluindo o Exército (o maior ramo), a Marinha, a Força Aérea, a Guarda, a Gendarmería Real e as Forças Auxiliares. A segurança interna é geralmente eficaz e atos de violência política são raros (com uma exceção, os atentados de Casablanca em 2003, que mataram 45 pessoas).[64]

A ONU mantém uma pequena força de observação no Saara Ocidental, onde um grande número de tropas do Marrocos estão estacionadas. O grupo Frente Polisário mantém uma milícia ativa de cerca de 5.000 combatentes no Saara Ocidental e se envolveu em guerras intermitentes com as forças marroquinas desde a década de 1970.

As forças armadas marroquinas são uma das maiores e mais bem armadas da região, embora sua eficiência seja questionada. O rei é o seu comandante em chefe que delega as tarefas administrativas ao seu ministro da defesa. Atualmente eles contam com 195 000 soldados em suas fileiras.[65]

Relações internacionais[editar | editar código-fonte]

O Marrocos reivindica soberania sobre os enclaves espanhóis de Ceuta e Melilla.

O Marrocos é membro das Nações Unidas e pertence à Liga Árabe, à União do Magrebe Árabe (UMA), à Organização para a Cooperação Islâmica (OCI), ao Movimento dos Países Não Alinhados e à Comunidade dos Estados do Sahel-Saara (CEN_SAD). Os relacionamentos de Marrocos variam grandemente entre os Estados africanos, árabes e ocidentais. O Marrocos tem fortes laços com o Ocidente, a fim de obter benefícios econômicos e políticos.[66] A França e a Espanha continuam a ser os principais parceiros comerciais, bem como os principais credores e investidores estrangeiros no país. Do total de investimentos estrangeiros no Marrocos, a União Europeia investe aproximadamente 73,5%, enquanto que o mundo árabe investe apenas 19,3%. Muitos países das regiões do Golfo Pérsico e do Magrebe estão cada vez mais envolvidos em projetos de desenvolvimento de larga escala no Marrocos.[67]

O Marrocos foi o único Estado africano a não ser membro da União Africana devido à sua retirada unilateral, em 12 de novembro de 1984, após a admissão da República Árabe Saaraui Democrática em 1982 pela organização sem a organização de um referendo de autodeterminação no território disputado do Saara Ocidental. O Marrocos voltou à UA em 30 de janeiro de 2017.[68][69]

Uma disputa com a Espanha em 2002 sobre a pequena ilha de Perejil reavivou a questão da soberania de Melilla e Ceuta. Estes pequenos enclaves na costa mediterrânica são cercados pelo Marrocos e são administrados pela Espanha há séculos. O Marrocos recebeu o estatuto de aliado importante extra-OTAN pelo governo dos Estados Unidos. O país foi o primeiro no mundo a reconhecer a soberania dos Estados Unidos (em 1777) e está incluído na Política Europeia de Vizinhança (PEV) da União Europeia, que visa aproximar a UE e os seus vizinhos.

Estatuto do Saara Ocidental[editar | editar código-fonte]

Protesto em Bilbao pela independência do Saara Ocidental.

Quando, em 1975, a Espanha abandonou a sua antiga colônia, deixou para trás um país sem quaisquer infra-estruturas, com uma população completamente analfabeta e desprovida de tudo. O vazio criado pela Espanha foi aproveitado pela Mauritânia (que assenhora-se de 1/3 do território) e por Marrocos (que fica com o restante) que, invocando direitos históricos, invadiram o território. O governo no exílio do Saara Ocidental tem o nome de República Árabe Saaraui Democrática (RASD). Foi proclamado pela Frente Polisário em 27 de Fevereiro de 1976. O primeiro governo da RASD formou-se em 4 de Março desse ano. Os saaráuis haviam fundado a Frente Polisário, que iria expulsar do sul o pequeno exército da Mauritânia, forçando o país a abdicar seus direitos sobre o território em 1979. Frente a frente ficariam, nas areias do deserto, os guerrilheiros da Frente Polisário e as forças marroquinas de Hassan II. O exército marroquino retirou-se para uma zona restrita do deserto, mais próxima da sua fronteira e constituindo o chamado "triângulo de segurança", que compreende as duas únicas cidades costeiras e a zona dos fosfatos. Aí a engenharia militar construiu um imenso muro de concreto armado, por trás do qual os soldados marroquinos vivem entrincheirados, protegendo a extração do minério. Desde então, a guerra, vista do lado da Frente Polisário, resume-se a uma série de ataques esporádicos à zona dos fosfatos tentando interromper o seu escoamento. Em 1987, uma missão da ONU visitou a região para averiguar a possibilidade da realização de um referendo sobre o futuro do território. Uma iniciativa difícil, dado que grande parte da população é nómada. Marrocos e a Frente Polisário selam um cessar-fogo em 1988. Um plebiscito é marcado para 1992, mas não acontece porque não há acordo sobre quem tem direito a votar: o Marrocos quer que seja toda a população residente no Saara Ocidental, mas a Frente Polisário só aceita que sejam os habitantes contados no censo de 1974. Isso impediria o voto dos marroquinos emigrados para a região em disputa depois de 1974. Até 1993 foi impossível realizar o referendo.

Colonizada pela Espanha de 1884 a 1975, como Saara espanhol, o território foi listado nas Nações Unidas como um processo de descolonização incompleto desde a década de 60, tornando-o no último grande território a continuar a ser uma colónia eficazmente. [70] O conflito é em grande parte entre o Reino de Marrocos e da Argélia - organização nacionalista apoiada pela Frente Polisário (Frente Popular para a Libertação de Saguia el-Hamra e Rio de Oro), que em Fevereiro de 1976 foi formalmente proclamada a República Democrática Árabe (Sadr), agora basicamente administrada por um governo no exílio em Tindouf, na Argélia.

Os países a verde representam as nações que suportam as intenções independentistas do Saara Ocidental e o direito à autodeterminação do povo da região disputada

Após os acordos de Madrid, o território era dividido entre Marrocos e Mauritânia, em Novembro de 1975, com Marrocos a ficar com dois terços do norte. Mauritânia, sob pressão dos guerrilheiros do Polisário, abandonou todas as reivindicações para a sua porção em Agosto de 1979, com Marrocos a possuir a maioria do território. Uma porção é administrado pela SADR. A República Democrática Árabe sentou-se como membro da Organização da Unidade Africana em 1984, e foi membro fundador da União Africana. As atividades da Guerrilha continuaram até as Nações Unidas imporem um cessar-fogo, implementado a 6 de Setembro de 1991, através da missão MINURSO. A missão de patrulhas atuou na linha de separação entre os dois territórios. [71]

Em 2001, a África do Sul torna-se o sexagésimo país a reconhecer a independência do Saara Ocidental. O Marrocos protesta. Marrocos e a Frente Polisário reiniciaram conversações em Agosto de 2007 na cidade nova-iorquina de Manhasset, com o patrocínio da ONU, para debater o estatuto do território. A política do Saara Ocidental tem lugar num quadro de uma área reivindicada por ambos os sarauis da República Árabe Saaraui Democrática e o Reino de Marrocos, que controla a maioria do território. Em 2003, o enviado especial da ONU para o território, James Baker, apresentou o Plano Baker, conhecido como Baker II, que teria dado o Saara Ocidental, imediata autonomia à Autoridade do Saara Ocidental durante um período transitório de cinco anos para se preparar para um referendo, oferecendo aos habitantes do território a possibilidade de escolher entre a independência, a autonomia no seio do Reino de Marrocos, ou a completa integração com Marrocos. Polisário aceitou o plano, mas Marrocos rejeitou-a. Anteriormente, em 2001, Baker tinha apresentado o seu quadro de pessoal, chamado Baker I, onde a disputa seria finalmente resolvida através de uma autonomia dentro da soberania marroquina, mas a Argélia e a Frente Polisário recusaram. A Argélia tinha proposto a divisão do território de vez.[72]

Subdivisões[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Subdivisões de Marrocos

A administração territorial de Marrocos está organizada de forma descentralizada e desconcentrada num sistema complexo. Segundo a reforma administrativa de 1997, que determinou a descentralização da administração de Marrocos, o país está dividido segundo três níveis administrativos: 16 regiões económicas, designadas wilayas (ver também a secção "Wilayas"), cada uma dirigida por um váli (wali ou governador) e por um conselho regional representativo das chamadas "forças vivas" da região. Segundo o artigo 101º da Constituição de Marrocos, estas regiões têm o estatuto de coletividade local. O váli da região é também o governador da província em que reside. Também há 62 províncias e 13 prefeituras (estas últimas são o equivalente urbano das primeiras), dirigidas por um váli. As comunas são 1 503, 221 urbanas e 1 282 rurais, sendo que estão agrupadas em caïdats e estes em círculos (cercles ou distritos). Em algumas áreas metropolitanas, há ainda subdivisões de 4º nível, os arrondissements (bairros, freguesias ou distritos urbanos).

Regiões[editar | editar código-fonte]

Regiões de Marrocos, com as Regiões do Saara Ocidental assinaladas a castanho escuro
Nº no
mapa
Nome Capital População Ano pop.
1 Chaouia-Ouardigha Settat 1 744 738 2010
2 Doukkala-Abda Safim 4 284 039 2010
7 El Aiune–Bojador–Saguia el Hamra [‡] El Aiune 256 152 2004
3 Fez-Boulemane Fez 1 573 055 2004
4 Gharb-Chrarda-Beni Hssen Kenitra 1 859 540 2004
5 Grande Casablanca Casablanca 3 897 748 2009
6 Guelmim-Es Semara [‡] Guelmim 462 410 2004
8 Marrakech-Tensift-Al Haouz Marrakech 3 102 652 2004
9 Meknès-Tafilalet Meknès 2 119 000 2006
10 A Oriental Oujda 1 918 094 2004
11 Oued Ed-Dahab-Lagouira [‡] Dakhla 99 367 2004
12 Rabat-Salé-Zemmour-Zaer Rabat 3 123 595 2004
13 Souss-Massa-Drâa Agadir 3 113 653 2004
14 Tadla-Azilal Beni Mellal 1 450 519 2004
15 Tânger-Tetuão Tânger 2 470 372 2006
16 Taza-Al Hoceima-Taounate Al Hoceima 1 807 113 2004
[‡] ^ As regiões assinaladas com ‡ fazem parte, total ou parcialmente do Saara Ocidental, um território onde a legitimidade da administração marroquina não é reconhecida por muitos países nem pelas Organização das Nações Unidas.

Economia[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Economia de Marrocos
Exportações do Marrocos.
Porto de Agadir.

Marrocos pertence ao grupo de países emergentes, com um sistema econômico misto. Desde 1993 o governo seguiu uma política de privatização das empresas públicas, bem como da liberalização de muitos setores. A economia do país é uma das melhores da África, graças ao tratado de comércio e exportação que o país fez com os Estados Unidos e a com a União Europeia. Marrocos é o maior exportador mundial de fosfato e equipamentos petrolíferos. Possui terras áridas em quase todo o território. O rei Mohammed VI lançou vários projetos de modernização econômica. A partir deles, o país começou a apresentar um crescimento grande do PIB - 4,4% em 2001, 7,5% em 2005, 9.3% em 2006. O país possui também grandes reservas de petróleo no deserto do Saara.

Mesmo tendo nos últimos anos seguido uma política de diversificação econômica, a agricultura, que só representa 17,1% do PIB emprega ao 44% da população ativa. Em 2009 mesmo com a crise econômica que afetou parte do mundo, o país conseguiu um crescimento de 5,0%[73] graças em parte ao grande protecionismo ao sistema bancário marroquino e aos bons resultados no setor agrícola.

O país está se esforçando para manter um alto Índice de Desenvolvimento Humano e estabilidade na economia. Em 2010 o país teve um PIB per capita de US$ 4 900[35]. Juntando com o PIB do Saara Ocidental, o resultado é US$ 5 555.[74][75]

Os déficits comercial e orçamentário do Marrocos cresceram durante 2010, e a redução da despesa do governo e a adaptação a um crescimento econômico reduzido da Europa - onde está seu principal mercado - serão os desafios do país em 2011. Para o longo prazo, um dos principais desafios é melhorar a educação e criar oportunidades de emprego para os jovens, além de reduzir as desigualdades entre ricos e pobres e combater a corrupção[35]. As principais produções das indústrias transformadoras são os produtos alimentares, os têxteis, os artigos de couro e os adubos. O turismo constitui uma importante fonte de receitas. Os principais parceiros comerciais de Marrocos são: Portugal, França, Espanha, Estados Unidos e Alemanha.

Turismo[editar | editar código-fonte]

O turismo é um dos setores mais importantes da economia marroquina. Ele é bem desenvolvido com uma forte indústria turística focada no litoral, cultura e história do país. Marrocos atraiu mais de 10 milhões de turistas em 2013. O turismo é o segundo maior rendimento cambial em Marrocos após a indústria de fosfato. O governo marroquino está a investir fortemente no desenvolvimento do setor. Em 2010 o governo lançou a sua "Visão 2020", que pretende tornar Marrocos um dos 20 principais destinos turísticos do mundo e dobrar o número anual de chegadas internacionais para 20 milhões até 2020.[76]

O turismo está cada vez mais focado na cultura marroquina, como as antigas cidades. A moderna indústria turística capitaliza os antigos sítios romanos e islâmicos locais, bem como a sua paisagem e a sua história cultural. 60% dos turistas de Marrocos visitam por sua cultura e herança histórica e cultural. Agadir é um importante resort costeiro e uma base para passeios para as montanhas do Atlas. Outros resorts no norte de Marrocos também são muito populares.[77]

Casablanca é o principal porto de cruzeiros do Marrocos e tem o melhor mercado desenvolvido para turistas. Marraquexe, no centro de Marrocos, é um destino turístico importante, mas é mais popular entre os turistas para excursões de um e dois dias que fornecem um sabor da cultura local. O jardim botânico Majorelle na cidade é uma atração turística popular. Foi comprado pelo designer de moda Yves Saint-Laurent e Pierre Bergé em 1980. A sua presença na cidade ajudou a aumentar o perfil da cidade como um destino turístico.[78]

Em 2006, a atividade turística nas montanhas do Atlas e Rif foi a que cresceu mais rápido no país. Estes locais têm excelentes oportunidades de caminhada e trekking de final de março a meados de novembro. O governo está investindo em circuitos de trekking. Eles também estão desenvolvendo o turismo no deserto, em concorrência com a Tunísia.[79]

Infraestrutura[editar | editar código-fonte]

Educação[editar | editar código-fonte]

A educação em Marrocos é gratuita e obrigatória através da escola primária. A taxa de alfabetização estimada em 2012 foi de 72%.[80] Em setembro de 2006, a UNESCO concedeu ao Marrocos, entre outros países, como Cuba, Paquistão, Índia e Turquia, o "Prémio UNESCO 2006 de Alfabetização".[81]

O Marrocos tem mais de quatro dezenas de universidades, institutos de ensino superior e politécnicos dispersos em centros urbanos em todo o país. Suas principais instituições incluem a Universidade Mohammed V em Rabat, a maior universidade do país, com filiais em Casablanca e Fez; o Instituto Agronómico e Veterinário Hassan II, em Rabat, que realiza pesquisas de liderança em ciências sociais, além de suas especialidades agrícolas; e a Universidade Al-Akhawayn em Ifrane, a primeira universidade de língua inglesa no Norte da África, inaugurada em 1995 com contribuições da Arábia Saudita e dos Estados Unidos.[82]

A Universidade al Quaraouiyine, fundada na cidade de Fez em 859 como uma madrasa, é considerada por algumas fontes, incluindo a UNESCO, a "mais antiga universidade do mundo". [129] O Marrocos tem também algumas das prestigiadas escolas de pós-graduação, incluindo: Escola Nacional Superior de Eletricidade e Mecânica (ENSEM), EMI, ISCAE, INSEA, Escola Nacional de Indústria Mineral, École Hassania des Travaux Publics, Les Escolas Nationales de commerce et de gestion, Escola Superior de Tecnologia de Casablanca.[83]

Energia e transportes[editar | editar código-fonte]

Painéis solares no Marrocos oriental.

Em 2008, cerca de 56% do fornecimento de electricidade no Marrocos vinha do carvão.[84] No entanto, como as previsões indicam que as necessidades de energia em Marrocos aumentarão 6% ao ano entre 2012 e 2050,[85] uma nova lei aprovada incentivando os marroquinos a procurar formas de diversificar o fornecimento de energia, incluindo mais recursos renováveis. O governo marroquino lançou um projeto para construir uma usina heliotérmica de energia solar[86] e também está estudando o uso do gás natural como fonte potencial de receita para o governo marroquino.[85] O país embarcou na construção de grandes fazendas de energia solar para diminuir a dependência de combustíveis fósseis e eventualmente exportar eletricidade para a Europa.[87]

Existem cerca de 56.986 km de estradas (nacionais, regionais e provinciais) no Marrocos.[88] Além de 1.416 km autoestradas.[89] A ligação ferroviária de alta velocidade de Tanger-Casablanca marca a primeira fase do plano diretor ferroviário de alta velocidade da ONCF, segundo o qual mais de 1.500 km de novas linhas ferroviárias serão construídas até 2035. O TGV terá capacidade para 500 passageiros e transportará 8 milhões de passageiros por ano. Os trabalhos sobre o projeto de trens de alta velocidade foram iniciados em setembro de 2011.[90] A construção de infra-estrutura e entrega de equipamentos ferroviários terminará em 2014 ea HSR estará operacional em dezembro de 2015.[91]

Cultura[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Cultura de Marrocos
Teto com estuque esculpido

No jantar marroquino, as mesas geralmente não ficam preparadas, pois os pratos são trazidos pouco a pouco. Uma empregada ou um membro mais jovem da família (sempre uma mulher) traz uma bacia de metal com sabão no meio, às vezes feito de esculturas artesanais, e água em volta. As mãos são lavadas e uma toalha é oferecida para secá-las. Os marroquinos têm o costume de beber chá com hortelã (atāy ou thé à la menthe; chá verde com hortelã-verde e açúcar) antes e depois da refeição. Agradecem a Deus dizendo bismillah. Eles comem primeiramente de um prato comunitário, com a mão direita, o polegar e os dois primeiros dedos. No fim das refeições, agradecem novamente dizendo all hamdu Lillah, que quer dizer: "graças a Deus" e repetem o ritual de lavar as mãos.

A cultura marroquina é também transposta para o artesanato. Dentro dos mercados e souks, os artesãos podem estar a trabalhar mesmo à sua frente: o couro, os metais, a joalharia e pode inclusive ir assistir ao tratamento dos curtumes. Faz parte da cultura marroquina negociar. O que quer que queira comprar, prepare-se para negociar. Sempre muito simpáticos, os comerciantes marroquinos começam a negociação sempre com valores elevados para manter a conversa. Vá apontando para um valor baixo e diga sempre que é muito caro o que oferecerem. Claro que tem de ser correto na negociação e não vai estar a insistir num valor ridículo por uma peça que sabe que vale mais. Eles vão sempre pedir muito, tente chegar a um meio termo.

Os mouros foram responsáveis por um dos maiores tesouros do Marrocos: o zellige. É uma espécie de azulejo, um ladrilho com padrões geométricos que surgiu no século X se tornou ícone da arquitetura marroquina. O uso de formas geométricas foi uma forma encontrada pelos artistas islâmicos para evitar a representação de seres vivos, proibida pela religião. Os elementos da escrita cúfica também são usados como ornamentos.

Feriados[editar | editar código-fonte]

Data Nome em português Nome em árabe
1 de janeiro Ano Novo السنة الجديدة
2 de março Independência عيد الاستقلال
1 de maio Dia do Trabalhador عيد العمال
23 de maio Dia da Nação يوما للأمة
9 de julho Dia da Juventude يوم الشباب
13 de julho Coroação do rei Mohammed VI يوم تتويج الملك
30 de julho Festa do Trono L'Aïd el Arch الطرف على العرش
14 de agosto Dia da Lealdade أيام المعرض
20 de agosto Aniversário do Rei الذكرى السنوية للملك

Referências

  1. a, b et c Article 5 de la Constitution marocaine de 2011 [archive] : « L’arabe demeure la langue officielle de l’État. L’État œuvre à la protection et au développement de la langue arabe, ainsi qu’à la promotion de son utilisation. De même, l’amazighe constitue une langue officielle de l’État, en tant que patrimoine commun à tous les Marocains sans exception. ... L'État œuvre à la préservation du Hasani, en tant que partie intégrante de l'identité culturelle marocaine unie, ainsi qu'à la protection des parlers et des expressions culturelles pratiqués au Maroc »
  2. Government of Morocco. "Texte de la nouvelle constitution 2011" (PDF). maroc.ma. Archived from the original (PDF) on 29 de fevereiro de 2012. Retrieved 6 October 2011.
  3. Government of Morocco. "BO_5964-Bis_Ar.pdf" (PDF). Arquivado do original (PDF) em 16 de março de 2012.
  4. "tradition (...) reaches back to the origins of the modern Moroccan state in the ninth century Idrisid dynasty which founded the venerable city of. Fes", G Joffe, Morocco: Monarchy, legitimacy and succession, in : Third World Quarterly, 1988
  5. "The Idrisids, the founder dynasty of Fas and, ideally at least, of the modern Moroccan state (...)", Moroccan dynastic shurfa’‐hood in two historical contexts: idrisid cult and ‘Alawid power, in : The Journal of North African Studies Volume 6, Issue 2, 2001
  6. [xlsx] Haut-commissariat au Plan, Note sur les premiers résultats du recensement général de la population et de l’habitat 2016
  7. http://countrymeters.info/pt/Morocco
  8. a b c d Fundo Monetário Internacional (FMI), ed. (Outubro de 2014). «World Economic Outlook Database». Consultado em 29 de outubro de 2014 
  9. «Human Development Report 2016 – "Human Development for Everyone"» (PDF) (em inglês). Human Development Report (Human Development Report Office) - United Nations Development Programme. Consultado em 22 de março de 2017 
  10. "Le dénombrement des francophones" (PDF). Organisation internationale de la Francophonie.
  11. "Conventional long form: Kingdom of Morocco - Conventional short form: Morocco - Local long form: al-Mamlakah al-Maġribiyya - Local short form: al-Maġrib" - CIA World Factbook
  12. Field Projects – Jebel Irhoud . Department of Human Evolution. Max Planck Institute for Evolutionary Anthropology
  13. Rubella, D. (1984). «Environmentalism and Pi Paleolithic economies in the Maghreb (c. 20,000 to 5000 B.P.)». In: J.D. Clark & S.A. Brandt. From hunters to farmers the causes and consequences of food production in Africa. Berkeley: University of California Press. pp. 41–56. ISBN 0520045742 
  14. Achilli, A.; Rengo, C.; Battaglia, V.; Pala, M.; Olivieri, A.; Fornarino, S.; Magri, C.; Scozzari, R.; Babudri, N. (2005). «Saami and Berbers—An Unexpected Mitochondrial DNA Link». The American Journal of Human Genetics. 76 (5): 883–886. doi:10.1086/430073. PMC 1199377Acessível livremente. PMID 15791543 
  15. The Megalithic Portal and Megalith Map. «C. Michael Hogan, ''Mogador: Promontory Fort'', The Megalithic Portal, ed. Andy Burnham». Megalithic.co.uk. Consultado em 2 de junho de 2010 
  16. Moscati, Sabatino (2001) The Phoenicians, Tauris, ISBN 1-85043-533-2
  17. Abun-Nasr 1987, p.33
  18. Abun-Nasr 1987, pp. 33–34
  19. Ramirez-Faria, Carlos (2007). Concise Encyclopaedia of World History. [S.l.: s.n.] ISBN 978-81-269-0775-5 
  20. «Almoravides». Universalis Encyclopedia 
  21. «Marīnid dynasty». Encyclopædia Britannica 
  22. «The Maghrib under the Almoravids and the Almohads». Encyclopædia Britannica. Consultado em 1 de agosto de 2011 
  23. «Morocco – History». Encyclopædia Britannica. Consultado em 1 de agosto de 2011 
  24. Wattassides
  25. Allo Isichei, Elizabeth (1997). A history of African societies to 1870. Cambridge University Press. p. 264. ISBN 0-521-45599-5
  26. Pennell, C. R. (2000). Morocco since 1830: A History. New York: New York University Press. p. 40. ISBN 0814766773 
  27. Hirschberg, H. Z (1981). A history of the Jews in North Africa: From the Ottoman conquests to the present time / edited by Eliezer Bashan and Robert Attal. [S.l.]: BRILL. p. 318. ISBN 90-04-06295-5 
  28. Furlong, Charles Wellington (1911). «The French Conquest Of Morocco: The Real Meaning Of The International Trouble». The World's Work: A History of Our Time. XXII: 14988–14999 
  29. "Morocco tackles painful role in Spain's past," Reuters 14 de janeiro de 2009.
  30. Immigration and Refugee Board of Canada, Morocco: Date of the abolishment of slavery in Morocco; whether descendants of ex-slaves are singled out in any way; and fate of the Palace household and grounds staff when King Mohamed V was in exile, 13 de agosto de 1999, MAR32476.E
  31. "Morocco (Page 9 of 9)". Microsoft Encarta Online Encyclopedia 2009. 1 de novembro de 2009.
  32. Myers, Norman; Mittermeier, Russell A.; Mittermeier, Cristina G.; da Fonseca, Gustavo A. B.; Kent, Jennifer (24 de fevereiro de 2000). «Biodiversity hotspots for conservation priorities». Nature (em inglês). 403 (6772): 853–858. doi:10.1038/35002501. ISSN 0028-0836 
  33. «Profile on Morocco». African Conservation Foundation. Consultado em 10 de maio de 2007. Cópia arquivada em 2 de março de 2004 
  34. Bergier, P.; Thévenot, M. (2006). «Liste des oiseaux du Maroc» (PDF). Go-South Bull. 3: 51–83 
  35. a b c d e The World Factbook Consultado em 12.mar.2011
  36. Nowell K, Jackson P, ed. (1996). «Panthera Leo». Wild Cats: Status Survey and Conservation Action Plan (PDF). Gland, Switzerland: IUCN/SSC Cat Specialist Group. pp. 17–21. ISBN 2-8317-0045-0 
  37. "Crocodiles in the Sahara Desert: An Update of Distribution, Habitats and Population Status for Conservation Planning in Mauritania". PLOS ONE. 25 de fevereiro de 2011.
  38. Nijman, Vincent; Bergin, Daniel; Lavieren, Els van (1 de julho de 2015). «Barbary macaques exploited as photo-props in Marrakesh's punishment square». ResearchGate. Jul–Sep 
  39. Bergin, Daniel; Nijman, Vincent (21 de dezembro de 2015). «Potential benefits of impending Moroccan wildlife trade laws, a case study in carnivore skins». Biodiversity and Conservation. 25 (1): 199–201. doi:10.1007/s10531-015-1042-1. ISSN 0960-3115 
  40. Bergin, Daniel; Nijman, Vincent (1 de novembro de 2014). «Open, Unregulated Trade in Wildlife in Morocco's Markets». ResearchGate. 26 (2) 
  41. Nijman, Vincent; Bergin, Daniel; Lavieren, Els van (1 de setembro de 2016). «Conservation in an ever-globalizing world: wildlife trade in, from, and through Morocco, a gateway to Europe». ResearchGate 
  42. «Haratin (social class)». Britannica Online Encyclopedia 
  43. "At Europe's Door: Black African Migrants Trapped In Hellish Limbo in Morocco". International Business Times. 12 de setembro de 2013
  44. «The Jews of Morocco». Jewishvirtuallibrary.org. Consultado em 1 de agosto de 2011 
  45. De Azevedo, Raimondo Cagiano (1994) Migration and development co-operation.. Council of Europe. p. 25. ISBN 92-871-2611-9.
  46. «Población extranjera por sexo, país de nacionalidad y edad (hasta 85 y más).». Avance del Padrón a 1 de enero de 2009. Datos provisionales. Spain: Instituto Nacional de Estadística. 2009. Consultado em 13 de junho de 2009 
  47. «Morocco: From Emigration Country to Africa's Migration Passage to Europe». Migrationinformation.org. Consultado em 1 de agosto de 2011 
  48. «Religious Composition by Country» (PDF). Global Religious Landscape. Pew Forum. Consultado em 9 de julho de 2013 
  49. Pew Forum on Religious & Public life. 9 de agostos 2012. Retrieved 29 October 2013.
  50. United Nations High Commissioner for Refugees. «Refworld – Morocco: General situation of Muslims who converted to Christianity, and specifically those who converted to Catholicism; their treatment by Islamists and the authorities, including state protection (2008–2011)». Refworld 
  51. a b c «International Religious Freedom Report for 2011 – Morocco». Bureau of Democracy, Human Rights, and Labor 
  52. «Christian Converts in Morocco Fear Fatwa Calling for Their Execution» 
  53. «'House-Churches' and Silent Masses —The Converted Christians of Morocco Are Praying in Secret – VICE News» 
  54. Sergio DellaPergola, World Jewish population, 2012, p. 62.
  55. Government of Morocco. «Texte de la nouvelle constitution 2011» (PDF). maroc.ma. Consultado em 6 de outubro de 2011. Cópia arquivada (PDF) em 29 de fevereiro de 2012 
  56. Government of Morocco. «BO_5964-Bis_Ar.pdf» (PDF). Cópia arquivada (PDF) em 16 de março de 2012 
  57. a b c Site institutionnel du Haut-Commissariat au Plan du Royaume du Maroc. Hcp.ma. Acessado em 23 de julho de 2011.
  58. "Berber" Microsoft Encarta Online Encyclopedia 2006. 1 de novembro de 2009.
  59. Deroche, Frédéric (2008). Les peuples autochtones et leur relation originale à la terre: un questionnement pour l'ordre mondial. [S.l.]: L'Harmattan. p. 14. ISBN 978-2-296-05585-8 
  60. «Le dénombrement des francophones» (PDF). Organisation internationale de la Francophonie 
  61. Leyre Gil Perdomingo and Jaime Otero Roth, Enseñanza y uso de la lengua española en el Sáhara Occidental, in : Analysis of the Real Instituto Elcano nº 116 (2008) [1]
  62. a b Rouchdy, p. 71. ISBN 0700713794, 9780700713790.
  63. 2014 Morocco Population Census
  64. Migdalovitz, Carol (3 de fevereiro de 2010). Morocco: Current Issues, Congressional Research Service.
  65. "Morocco Military Strength". Página acessada em 30 de março de 2015.
  66. «Encyclopedia of the Nations: Morocco Foreign Policy». Consultado em 23 de outubro de 2009 
  67. «GCC Countries Invest Heavily in Morocco». Consultado em 23 de outubro de 2009 
  68. «Morocco rejoins African Union». Worldbulletin. 30 de janeiro de 2017. Consultado em 31 de janeiro de 2017 
  69. «Morocco to rejoin African Union despite Western Sahara dispute». bbc.com. Consultado em 31 de janeiro de 2017 
  70. UN map of Non-Self Governing Territories
  71. (mapas: [2], [3], [4])
  72. http://daccessdds.un.org/doc/UNDOC/GEN/N02/255/42/IMG/N0225542.pdf?OpenElement
  73. http://www.imf.org/external/country/MAR/index.htm
  74. http://www.arturbruno.com.br/images/conteudo/file/MarrocosSaaraOcidental.pdf
  75. http://www.brasilexport.gov.br/sites/default/files/publicacoes/comoExportar/GNSaaraOcidental.pdf
  76. «Morocco sets the goal of attracting 20 million tourists by 2020». India's leading B2B travel news website 
  77. The Middle East and North Africa 2003. [S.l.]: Europa Publications, Routledge. 2002. p. 863. ISBN 1-85743-132-4 
  78. Reuters (11 de junho de 2008). «Yves Saint Laurent's Ashes Scattered In Marrakesh». The New York Times. Consultado em 14 de junho de 2008 
  79. Shackley, Myra (2006). Atlas of Travel And Tourism Development. [S.l.]: Butterworth-Heinemann. pp. 43–44. ISBN 0-7506-6348-0 
  80. Baisse du taux d'analphabétisme au Maroc à 28%. Lavieeco.com (6 de setembro de 2013). Acessado em 17 de abril de 2015.
  81. «2006 UNESCO Literacy Prize winners announced». UNESCO 
  82. «CCIS Ifrane Morocco Summer Study Abroad Program». Ccisabroad.org. 1 de abril de 2010. Consultado em 2 de junho de 2010 
  83. The Guinness Book Of Records, 1998, p. 242, ISBN 0-553-57895-2.
  84. «Morocco – electricity production from coal sources». Consultado em 18 de maio de 2011 
  85. a b «Natural Gas to Fuel Morocco. Nuqudy.com (2012-04-12)» 
  86. «Ain Beni Mathar, Morocco Solar Thermal Power Station Project». Consultado em 18 de maio de 2011. Arquivado do original em 6 de abril de 2011 
  87. Sschemm, Paul (6 de junho de 2012). «Solar-powered plane lands in Morocco». Associated Press 
  88. «Le Secteur Routier» (PDF). mtpnet.gov.ma. Consultado em 2 de junho de 2010. Cópia arquivada (PDF) em 22 de julho de 2011 
  89. (em francês) Les Autoroutes du Maroc. Adm.co.ma. 26 de julho de 2011.
  90. RFI. «Maroc : inauguration des travaux du premier TGV d'Afrique en présence de Nicolas Sarkozy». Radio France Internationale. Consultado em 16 de outubro de 2011 
  91. «Morocco to Launch High Speed Train». Consultado em 2 de junho de 2010 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Marrocos