Gemini V

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Gemini V
Gemini-5-logo.png
Informações da missão
Operadora NASA
Foguete Titan II GLV 62-12560
Espaçonave Gemini SC5
Astronautas Gordon Cooper
Pete Conrad
Base de lançamento Complexo 19,
Estação da Força Aérea
de Cabo Kennedy
Lançamento 21 de agosto de 1965
13h59min59s UTC
Cabo Kennedy, Flórida,
 Estados Unidos
Amerrissagem 29 de agosto de 1965
12h55min13s UTC
Oceano Atlântico
Órbitas 120
Duração 7 dias, 22 horas,
55 minutos, 14 segundos
Altitude orbital 330 quilômetros
Inclinação orbital 32,5 graus
Distância percorrida 5 242 682 quilômetros
Imagem da tripulação
Conrad e Cooper
Conrad e Cooper
Navegação
Gemini IV
Gemini VII

Gemini V foi o terceiro voo tripulado do Projeto Gemini, realizado em agosto de 1965, onde pela primeira vez foram usadas células combustíveis como energia para as naves Gemini, antes movidas à bateria. A missão também foi a primeira da história a registrar um eclipse lunar.

Tripulação[editar | editar código-fonte]

Principal[editar | editar código-fonte]

Posição Astronauta
Piloto Comandante L. Gordon Cooper Jr.
Piloto Charles "Pete" Conrad Jr.

Reserva[editar | editar código-fonte]

Posição Astronauta
Piloto Comandante Neil A. Armstrong
Piloto Elliot M. See Jr.

Missão[editar | editar código-fonte]

A Gemini V dobrou o tempo no espaço da missão anterior, durando oito dias, o tempo considerado necessário pelos técnicos e cientistas da NASA para uma viagem de ida e volta à Lua. Isto foi possível devido a novas células combustíveis, que geravam eletricidade suficiente na nave para voos mais demorados, uma invenção fundamental para as futuras missões Apollo. Foi a primeira missão Gemini a usar este tipo de força, pois as anteriores eram movidas por baterias.

Gordon Cooper e 'Pete' Conrad deveriam realizar os primeiros testes de encontro espacial com um dispositivo lançado no espaço por ela mesmo em órbita, missão abortada no vôo anterior pelas dificuldades encontradas em realizar este encontro com um estágio do foguete lançador da Gemini IV. Entretanto, também não pôde ser concretizado, com a nave fazendo um 'encontro fantasma' o espaço, colocando-se num determinado ponto em órbita sozinha.

As células combustíveis porém, não funcionaram a contento por toda a expedição, sendo necessário que algumas das experiências programadas fossem canceladas, mas mesmo assim a tripulação conseguiu tirar centenas de fotografias de alta definição da Terra para o Departamento de Defesa. Os problemas de energia também fizeram com que os astronautas nada tivessem a fazer a bordo além de orbitar a Terra em parte da missão, o que fez Conrad lamentar não ter levado um livro ao espaço. Os testes médicos realizados a bordo, entretanto, continuaram a mostrar a capacidade física de se fazer uma viagem à Lua.

Com esta missão, o astronauta Gordon Cooper, um veterano do Projeto Mercury, do qual fez o último vôo, tornou-se o primeiro humano a ir pela segunda vez à orbita terrestre.

A missão também ficou conhecida por registrar o primeiro eclipse lunar da história e o primeiro eclipse de qualquer tipo, sendo lunar ou solar. Também foi nessa missão onde foi tirada a primeira foto desse evento no espaço sideral, por uma câmera colorida de "Pete" Conrad. Como a nave passava pelo lado escuro da Terra que estava de noite, Conrad pegou um rolo colorido e começou a tirar fotos do eclipse, e apesar de a janela ser pequena o zoom da câmera capturou a imagem em alta qualidade.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]