Eugene Cernan

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Gnome globe current event.svg
Este artigo é sobre uma pessoa que morreu recentemente.
Algumas informações relativas às circunstâncias da morte podem mudar a qualquer instante.

Editado pela última vez em 21 de janeiro de 2017.

Eugene Cernan

Eugene Cernan
Astronauta da NASA
Nacionalidade Povo dos Estados Unidos norte-americano
Nascimento 14 de março de 1934
Chicago, Illinois
Morte 16 de janeiro de 2017 (82 anos)
Houston, Texas
Tempo no espaço 23d 14h 15m
Seleção 1963
Missões Gemini IX, Apollo 10, Apollo 17
Insígnia da missão Ge09Patch orig.png Apollo-10-LOGO.png Apollo 17-insignia.png

Eugene Andrew Cernan (Chicago, 14 de março de 1934 - Houston, 16 de janeiro de 2017) foi um astronauta norte-americano, filho de mãe tcheca e pai eslovaco, que esteve no espaço por três vezes, na última delas como comandante da Apollo 17, a última das missões do Programa Apollo a pousar na Lua.

Morreu em 16 de janeiro de 2017, aos 82 anos.[1]

Cernan foi o 11º astronauta a pisar em solo lunar e seu co-piloto e geólogo Harrison Schmitt o 12º e último de todos os que exploraram o satélite, já que, como comandante, ele era o primeiro a descer da nave. Entretanto, Cernan exibe até hoje o título — que é o nome do livro com as memórias de suas viagens espaciais — de O Último Homem na Lua — já que, também por ser o comandante, foi o último a reentrar no Módulo Lunar Apollo para a viagem de volta, sendo suas as últimas pegadas humanas feitas na superfície lunar em 1972. Cernan também ficou conhecido por afirmar que a muralha da China é a única construção feita pelo homem que é visível da Lua. Tal afirmação foi desmentida em 2003 pelo astronauta chinês Yang Liwei, que disse ter ficado decepcionado ao descobrir que não é possível ver a grande muralha da China do espaço.[2][3]

Integrante dos programas Gemini e Apollo, Gene Cernan viajou para a Lua em duas ocasiões diferentes, a primeira apenas sobrevoando o satélite na Apollo 10 e a segunda comandando a Apollo 17, pousando na região de Taurus-Littrow.[4] Nesta missão, ele e Harrison Schmitt passaram três períodos em atividades extraveiculares na superfície, cobrindo um total de 22 horas fora do módulo lunar Challenger, em comparação com as duas horas dos pioneiros Neil Armstrong e Edwin Aldrin, três anos antes. Também quebraram os recordes de quantidade de material geológico trazido de volta e dirigiram mais de 35 km com o jipe lunar pela superfície de Taurus- Littrow.

Quando Cernan se preparava para subir a escada do módulo Challenger, de volta para casa, ele disse as palavras que se tornaram as últimas de um ser humano na face da Lua:[4]

Referências

  1. «Eugene Cernan, último astronauta a pisar na Lua, morre aos 82 anos». G1. 16 de janeiro de 2017. Consultado em 16 de janeiro de 2017 
  2. Redação (25 de fevereiro de 2011/atualizado em 31 de outubro de 2016). «Mito: A muralha da China pode ser vista do espaço». Super Interessante. Consultado em 16 de janeiro de 2017 
  3. Hvistendahl, Mara (21 de fevereiro de 2008). «Is China's Great Wall Visible from Space?» (em inglês). Scientific American. Consultado em 17 de janeiro de 2017 
  4. a b Howell, Elizabeth (16 de janeiro de 2017). «Eugene Cernan: Last Man on the Moon». Space.com. Consultado em 16 de janeiro de 2017 

Ver também[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Eugene Cernan
Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Eugene Cernan