Neil Armstrong

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Neil Armstrong
Nome completo Neil Alden Armstrong
Nascimento 5 de agosto de 1930
Wapakoneta, Estados Unidos
Morte 25 de agosto de 2012 (82 anos)
Cincinnati, Estados Unidos
Nacionalidade Estados Unidos norte-americano
Progenitores Mãe: Viola Louise Engel
Pai: Stephen Koenig Armstrong
Cônjuge Janet Shearon (1956–1994)
Carol Knight (1994–2012)
Filho(s)
  • Eric
  • Karen
  • Mark
Alma mater Universidade Purdue
Universidade do Sul da Califórnia
Ocupação
Serviço militar
Serviço Marinha dos Estados Unidos
Anos de serviço 1949–1952
Patente Tenente (júnior)
Conflitos Guerra da Coreia
Condecorações Medalha do Ar (3)
Carreira espacial
Astronauta da Força Aérea/NASA
Tempo no espaço 8 dias, 14 horas, 12 minutos
Seleção Man In Space Soonest 1958
Dyna-Soar 1960
Grupo 2 da NASA 1962
Tempo de AEV 2 horas, 31 minutos
Missões
Insígnia da missão Ge08Patch orig.png Apollo11logo.jpg
Aposentadoria 1971
Prêmios
Assinatura
Neil Armstrong Signature.svg

Neil Alden Armstrong (Wapakoneta, 5 de agosto de 1930Cincinnati, 25 de agosto de 2012) foi um engenheiro aeroespacial e astronauta norte-americano que tornou-se o primeiro homem a pisar na Lua em 1969. Ele também foi um aviador naval, piloto de teste e professor. Armstrong estudou engenharia na universidade e tornou-se em 1949 um aspirante da Marinha dos Estados Unidos, no ano seguinte virando aviador. Ele lutou na Guerra da Coreia a partir do porta-aviões USS Essex. Sua aeronave foi atingida por fogo antiaéreo em setembro de 1951 durante uma missão de bombardeio, com Armstrong sendo forçado a ejetar. Ele completou seu bacharelado em engenharia depois da guerra e foi para a Estação de Voo de Alta-Velocidade na Base Aérea de Edwards como piloto de teste, voando diversas aeronaves da Série Centenária e sete vezes no North American X-15. Também participou dos programas espaciais da Força Aérea: Man in Space Soonest e X-20 Dyna-Soar.

Armstrong entrou para o Corpo de astronautas da NASA em seu segundo grupo, que foi selecionado em 1962. Fez seu primeiro voo espacial como comandante da Gemini VIII em março de 1966, tornando-se o primeiro astronauta civil da NASA a ir para o espaço. Ele realizou junto com o piloto David Scott o primeiro acoplamento bem sucedido entre duas naves espaciais na história, porém a missão precisou ser abortada depois de dez horas por Armstrong ter usado o combustível de seu controle de reentrada a fim de impedir um giro perigoso causado por um propulsor emperrado. Durante seus treinos na NASA para ser o comandante da Apollo 11, precisou ejetar do Veículo de Pesquisa de Alunissagem momentos antes de uma queda.

Ele e Buzz Aldrin, piloto do Módulo Lunar, realizaram em julho de 1969 a primeira alunissagem tripulada da história, passando duas horas fora da nave espacial enquanto Michael Collins permaneceu na órbita lunar dentro do Módulo de Comando e Serviço. Quando Armstrong pisou na superfície lunar, ele proferiu palavras que ficaram famosas: "É um pequeno passo para [um] homem, um salto gigante para a humanidade". Os três astronautas foram premiados com a Medalha Presidencial da Liberdade pelo presidente Richard Nixon. O presidente Jimmy Carter agraciou Armstrong em 1978 com a Medalha de Honra Espacial do Congresso, com ele e seus companheiros de missão recebendo a Medalha de Ouro do Congresso em 2011.

Armstrong aposentou-se da NASA em 1971 e foi lecionar no Departamento de Engenharia Aeroespacial da Universidade de Cincinnati, posição que manteve até 1979. Ele também serviu na comissão de investigação sobre o acidente da Apollo 13 em 1970 e na Comissão Rogers sobre o desastre do ônibus espacial Challenger em 1986. Também atuou como porta-voz de vários negócios e apareceu a partir de janeiro de 1979 em vários comerciais automobilísticos para a Chrysler. Apesar dessas aparições públicas, Armstrong ganhou a fama de recluso por sua insistência em manter certa discrição em sua vida particular. Ele morreu aos 82 anos de idade em 2012 por complicações de uma cirurgia de ponte de safena.

Infância

Neil Alden Armstrong nasceu no dia 5 de agosto de 1930 em uma fazenda perto da cidade de Wapakoneta, Ohio, Estados Unidos,[1] filho mais velho de Stephen Koenig Armstrong e Viola Louise Engel. Era de ascendência alemã e escocesa,[2][3] tendo também uma irmã chamada June e um irmão de nome Dean. Seu pai trabalhava como auditor para o governo estadual,[4] consequentemente a família mudou-se muitas vezes por todo o estado de Ohio, vivendo em dezesseis cidades diferentes pelos catorze anos seguintes.[5] O amor de Armstrong por voar cresceu no decorrer desse período, tendo começado bem cedo com apenas dois anos quando seu pai o levou para assistir a Corrida Aérea de Cleveland. Aos cinco ou seis anos ele voou de avião pela primeira vez em Warren quando seu pai lhe levou em um passeio dentro de um Ford Trimotor.[6][7]

A última mudança da família ocorreu em 1944, quando finalmente retornaram para Wapakoneta. Armstrong estudou no Colégio Blume e fez aulas de voo no aeródromo da cidade.[1] Ele ganhou um certificado de estudante de voo em seu aniversário de dezesseis anos, então realizou seu primeiro voo solo no mesmo mês, tudo antes de adquirir uma habilitação de motorista.[8] Fez parte dos Escoteiros e chegou a alcançar o nível mais alto de Águia Escoteira.[9] Quando adulto, foi reconhecido pelos Escoteiros da América com os prêmios de Águia Escoteira Distinta e Búfalo Prateado.[10][11] Enquanto viajava para a Lua no dia 18 de julho de 1969, Armstrong saudou e mandou uma mensagem aos escoteiros.[12] Dentre alguns dos itens pessoais que ele levou e trouxe de volta da Lua estava uma insígnia dos escoteiros.[13]

Armstrong, em 1947 aos dezessete anos, começou a estudar engenharia aeroespacial na Universidade Purdue. Foi a segunda pessoa de sua família a estudar em uma universidade. Ele também fora aceito no Instituto Tecnológico de Massachusetts, porém foi dissuadido de estudar lá por um tio ex-aluno, que lhe disse que não era necessário ir até Cambridge em Massachusetts para conseguir uma boa educação. Suas mensalidades foram pagas sob o Plano Holloway, em que os aplicantes comprometiam-se a dois anos de estudos, seguidos por dois anos de treino de voo, depois por um ano de serviço na Marinha dos Estados Unidos como aviadores e então a finalização dos estudos nos últimos dois anos para um bacharelato.[14] Ele não fez os cursos sobre ciência naval, e também não entrou no Corpo de Treinamento de Oficiais da Reserva Naval em Purdue.[15]

Serviço na marinha

Armstrong como alferes da marinha em 23 de maio de 1952.

A convocação de Armstrong para a marinha chegou em 26 de janeiro de 1949, exigindo que ele se apresentasse na Base Aeronaval de Pensacola na Flórida para treino de voo com a classe 5-49. Ele foi aprovado nos exames médicos e tornou-se um aspirante de marinha em 24 de fevereiro.[16] Os treinos foram realizados em um North American SNJ de treinamentos, que ele voou sozinho pela primeira vez em 9 de setembro de 1949. Fez seu primeiro pouso em um porta-aviões no dia 2 de março de 1950 no USS Cabot, feito este que considerou comparável a seu primeiro voo solo.[17] Ele foi então transferido Base Aérea de Corpus Christi no Texas para treinos no Grumman F8F Bearcat, culminando em um pouso no USS Wright. Armstrong foi informado em 16 de agosto por carta que fora totalmente qualificado como aviador naval. Sua mãe e irmã compareceram a sua cerimônia de formatura em 23 de agosto de 1950.[18]

Sua primeira designação oficial na marinha foi para o Esquadrão de Frota de Serviço Aéreo na Base Aeronaval de San Diego, Califórnia. Foi colocado em 27 de novembro de 1950 para o VF-51, um esquadrão a jato, tornando-se seu oficial mais jovem e realizando em 5 de janeiro de 1951 seu primeiro voo a jato a bordo de um Grumman F9F Panther. Foi promovido a alferes em 5 de junho e fez seu primeiro pouso a jato em um porta-aviões no USS Essex dois dias depois. O Essex partiu para a Coreia em 28 de junho, com a VF-51 a bordo a fim de atuar como caça-bombardeiro durante a Guerra da Coreia. O esquadrão voou na frente até a Base Aeronaval de Barbers Point no Havaí, onde fizeram um rápido treinamento como caça-bombardeiro antes de retornarem ao navio em julho.[19]

Dois F9F-2 Panthers voando na Coreia, com Armstrong pilotando o S-116 (esquerda).

Armstrong teve sua primeira ação na guerra em 29 de agosto de 1951, quando escoltou um avião de reconhecimento sobre Sŏngjin.[20] Cinco dias depois, em 3 de setembro, voou em uma missão de reconhecimento armado sobre instalações de transporte e armazenamento ao sul do vilarejo de Majon-ni, oeste de Wonsan. Ele fez uma corrida de bombardeamento em baixa altitude a 560 quilômetros por hora, porém seu F9F Panther foi atingido por fogo antiaéreo. Sua aeronave então colidiu com um poste a seis metros de altura enquanto tentava retomar o controle, algo que rasgou um metro da asa direita.[21] Ele conseguiu voar sua aeronave de volta para território amigo, porém ejetar era a única opção pela perda dos ailerons. Armstrong tinha a intenção de ejetar sobre a água e esperar resgate pelos helicópteros da marinha, entretanto o vento levou seu paraquedas de volta para a terra. Um carro dirigido por um colega da escola de voo o encontrou; não se sabe o que aconteceu com os destroços da aeronave.[22]

No total, Armstrong voou 78 missões na Coreia para um total de 121 horas no ar, um terço disso foi apenas em janeiro de 1952, com a última missão ocorrendo em 5 de março. Das 492 mortes que a marinha norte-americana sofreu na Guerra da Coreia, 27 foram do Essex. Armstrong recebeu a Medalha do Ar por vinte missões de combate, duas estrelas douradas pelas quarenta seguintes, a Medalha de Serviço Coreano e a Estrela de Combate,[23] a Medalha de Serviço de Defesa Nacional e a Medalha da Coreia das Nações Unidas. Sua comissão regular foi encerrada em 25 de fevereiro de 1952, com ele tornando-se um alferes da Reserva da Marinha dos Estados Unidos. Foi transferido em maio de 1952 para um esquadrão de transporte, o VR-32, logo depois de completar sua viagem de serviço no Essex. Armstrong foi dispensado do serviço ativo em 23 de agosto, porém permaneceu na reserva e foi promovido a tenente (júnior) em 9 de maio de 1953.[24] Ele continuou a voar como reservista, junto da VF-724 na Estação Aeronaval de Glenview em Illinois, em seguindo indo para a Califórnia, desta vez com a VF-773 na Base Aeronaval de Los Alamitos.[25] Permaneceu na reserva por oito anos, renunciando sua comissão em 21 de outubro de 1960.[24]

Universidade

Armstrong retornou para Purdue depois de seu serviço na marinha. Suas notas, que antes eram boas mas não excepcionais, melhoraram, aumentando sua nota média para um respeitável, mas não excepcional, 4,8 de 6,0. Ele entrou na fraternidade Phi Delta Theta e viveu dentro de sua república estudantil. Escreveu e co-dirigiu dois musicais como parte de uma revista de estudantes. O primeiro foi uma versão de Branca de Neve e os Sete Anões, co-dirigida por sua então namorada Joanne Alford da irmandade Alpha Chi Omega, com as músicas tiradas do filme da Walt Disney; o segundo musical foi The Land of Egelloc, com músicas de Gilbert e Sullivan porém com novas letras. Também foi presidente do Clube de Aviação de Purdue, voando as aeronaves do clube, uma Aeronca e dois Piper, que eram mantidos no vizinho Aeroporto Aretz em Lafayette, Indiana. Ele danificou o Aeronca em 1954 enquanto voava para Wapakoneta ao realizar um pouso forçado em uma fazenda, com o avião precisando ser rebocado de volta a Lafayette.[26] Armstrong tocou barítono na banda marcial de Purdue.[27] Foi feito um membro honorário da banda nacional da fraternidade Kappa Kappa Psi dez anos depois.[28] Ele se formou em janeiro de 1955 com um Bacharelato de Ciência em engenharia aeroespacial.[25] Completou cinco anos depois seu Mestrado em Ciências em engenharia aeroespacial pela Universidade do Sul da Califórnia.[29] Ele posteriormente receberia doutorados honorários de várias universidades.[30]

Armstrong conheceu Janet Elizabeth Shearon, que estava cursando economia doméstica, em uma festa da Alpha Chi Omega.[31] Segundo o casal, não houve um verdadeiro namoro e nenhum dos dois pode se lembrar das circunstâncias que levaram ao seu noivado. Eles casaram-se em 28 de janeiro de 1956 na Igreja Congressional de Wilmette, Illinois. Armstrong viveu no alojamento dos solteiros quando foi trabalhar na Base Aérea de Edwards, enquanto Janet viveu em Los Angeles. O casal se mudou para uma casa no Vale Antelope depois de um semestre. Ela terminou seus estudos, algo que arrependeria-se depois na vida. Eles tiveram três filhos: Eric, Karen e Mark.[32] Karen foi diagnosticada com um tumor maligno no meio do seu tronco cerebral; tratamento com raio-X retardou seu crescimento, porém sua saúde se deteriorou ao ponto que ela não conseguia mais andar ou falar. Karen morreu de pneumonia, relacionada com sua doença, em 28 de janeiro de 1962, aos dois anos de idade.[33]

Piloto de teste

Armstrong tornou-se um piloto de teste de pesquisas experimentais logo depois de se formar em Purdue. Ele se candidatou a Estação de Voo de Alta-Velocidade do Comitê Nacional para Aconselhamento sobre Aeronáutica (NACA), localizada na Base Aérea de Edwards. A NACA não tinha nenhuma vaga aberta naquele momento e repassou sua candidatura para o Laboratório Lewis de Propulsão de Voo em Cleveland, onde Armstrong fez seu primeiro voo de teste em 1 de março de 1955.[34] Seu tempo em Cleveland durou apenas dois meses até uma posição na Estação de Voo de Alta-Velocidade ficar disponível, com ele apresentando-se para trabalhar em 11 de julho de 1955.[35]

Armstrong em 1956 como piloto de teste da Estação de Voo de Alta-Velocidade.

Em seu primeiro dia, foi encarregado de pilotar aviões de perseguição durante os lançamentos de aeronaves experimentais de bombardeiros modificados. Ele também voou nesses bombardeiros modificados, e em uma dessas missões teve seu primeiro incidente na Base Edwards. Armstrong estava em 22 de março de 1956 voando em um Boeing B-29 Superfortress,[36] que deveria lançar um Douglas D-558-2 Skyrocket. Ele sentou no posto do piloto à direita enquanto à esquerda o comandante, Stan Butchart, pilotava a aeronave.[37] O motor número quatro parou de funcionar enquanto subiam para nove mil metros e a hélice passou a girar livremente. Butchart apertou o botão para fazer a hélice travar, porém descobriu que esta ação apenas diminuía a rotação antes dela voltar a crescer, podendo se desfazer caso girasse muito rápido. O Superfortress precisava manter uma velocidade de 338 quilômetros por hora a fim de soltar o Skyrocket e não podia pousar com a outra aeronave presa em sua barriga. Armstrong e Butchart abaixaram o nariz do Superfortress com o objetivo de ganharem velocidade e então soltaram o Skyrocket. A hélice se desintegrou no momento do lançamento e pedaços danificaram o motor número três e também acertaram o motor número dois. Os dois foram forçados a desligar o motor número três e também o motor número um, já que este estava criando torque. Eles fizeram uma descida longa e circular desde nove mil metros usando apenas o motor número 2, conseguindo pousar em segurança.[38]

Armstrong foi piloto de teste para os caças da Série Centenária, incluindo o North American F-100 Super Sabre, McDonnell F-101 Voodoo, Lockheed F-104 Starfighter, Republic F-105 Thunderchief e Convair F-106 Delta Dart. Também voou o Douglas DC-3, Lockheed T-33 Shooting Star, North American F-86 Sabre, McDonnell Douglas F-4 Phantom II, Douglas F5D Skylancer, Boeing B-29 Superfortress, Boeing B-47 Stratojet e Boeing KC-135 Stratotanker.[39] Ele voou em mais de duzentos modelos diferentes de aeronaves no decorrer de sua carreira.[29] Seu primeiro voo em uma avião a foguete foi em 15 de agosto de 1957 dentro do Bell X-1B, chegando a uma altitude de 18,3 quilômetros. O mau projetado trem de pouso dianteiro falhou, como já tinha acontecido várias vezes em voos anteriores. Armstrong também voou no North American X-15 sete vezes,[40] incluindo no primeiro voo do sistema Q-Ball, o primeiro voo da fuselagem X-15 número 3 e o primeiro voo do siste de controle de voo adaptativo MH-96.[41][42] Tornou-se um funcionário da Administração Nacional de Aeronáutica e Espaço (NASA) quando esta foi estabelecida em 1 de outubro de 1958, tendo absorvido a NACA.[43]

Ele se envolveu em vários incidentes que entraram no folclore da Edwards ou foram relatados nas memórias de colegas. Em 20 de abril de 1962, enquanto pilotava o X-15 pela sexta vez para testar o sistema de controle MH-96, Armstrong voou até uma altura de mais de 63 mil metros (o mais alto que chegou antes da Gemini). Ele segurou o nariz da aeronave por muito tempo durante a descida a fim de demonstrar o limitador de força g do MH-96, porém seu X-15 foi rebatido de volta a 43 mil metros. Acabou por passar do seu campo de pouso em Mach 3 a uma altura de trinta mil metros e foi parar 64 quilômetros ao sul da Edwards. Armstrong desceu o suficiente, virou em direção da área de pouso e pousou, por pouco não acertando as árvores de Josué no fim da pista. Foi o mais longo voo do X-15 tanto em tempo de duração e comprimento da pista terrestre.[44]

Armstrong com um X-15-1 depois de um voo de pesquisa em 1960.

Muitos dos pilotos de teste na Edwards elogiaram as habilidades de engenharia de Armstrong. Milton Thompson disse que ele era "o mais tecnicamente capaz dos primeiros pilotos do X-15". William H. Dana afirmou que Armstrong "tinha uma mente que absorvia coisas como uma esponja". Aqueles que voaram pela Força Aérea tinha opiniões diferentes, especialmente pessoas como Charles Yeager e William J. Knight, que não eram formados em engenharia. Knight falou que pilotos-engenheiros voavam de maneira que era "mais mecânica do que é voar", comentando que suas habilidades de voo não eram naturais.[45] Os sete voos de Armstrong no X-15 ocorreram entre 30 de novembro de 1960 e 26 de julho de 1962.[46] Sua velocidade máxima alcançada foi um Mach 5,74 (6420 quilômetros por hora) a bordo do X-15-1, tendo deixado o centro de pesquisa com mais de 2400 horas de voo.[47]

Armstrong teve seu único voo junto com Yeager em 24 de abril de 1962. Seu trabalho era voar um T-33 Shooting Star a fim de avaliar o Lago Seco do Rancho Smith em Nevada como possível local de pouso de emergência para o X-15. Yeager escreveu em sua autobiografia que sabia que o lago não era apropriado para pouso depois de chuvas recentes, porém Armstrong insistiu mesmo assim em voar. Enquanto tentavam apenas pousar sem parar, as rodas da aeronave atolaram e eles precisaram esperar por resgate. Segundo Armstrong, Yeager nunca tentou dissuadi-lo da missão e eles fizeram o primeiro pouso bem sucedido no lago. Então Yeager pediu para que ele fizesse de novo, desta vez mais devagar, e foi desta vez que atolaram, fazendo com que Yeager caísse na gargalhada.[48]

Armstrong se envolveu em 21 de maio no chamado "Caso Nellis". Ele foi enviado em um F-104 Starfighter para inspecionar o Lago Seco Delamar no sul de Nevada, mais uma vez para possíveis pousos de emergência. Armstrong novamente julgou mal sua altitude e não percebeu que seu trem de pouso ainda não tinha se estendido completamente. O trem de pouso começou a se retrair enquanto pousava, assim ele aplicou força total com o objetivo de abortar, porém o estabilizador vertical e a porta do trem de pouso tocaram no solo, danificando o rádio e vazando fluido hidráulico. Armstrong voou para a Base Aérea de Nellis, passou pela torre de controle e balançou suas asas, indicando uma aproximação sem rádio. A perda do fluido hidráulico fez o gancho traseiro se soltar, prendendo-se a uma corrente ancorada no chão e arrastando-a pela pista até parar. Demorou trinta minutos para que a pista fosse liberada e outra corrente fosse colocada no lugar. Armstrong telefonou a base de Edwards e pediu que alguém fosse buscá-lo. Thompson foi enviado na variante F-104B do Starfighter, a única aeronave de dois lugares disponível, porém ele nunca tinha voado nesse avião antes. Thompson conseguiu chegar em Nellis depois de muitas dificuldades, com ventos fortes dificultando o pouso e fazendo com que o pneu esquerdo estourasse. A pista foi fechada outra vez para que pudesse ser limpada, com Dana em seguida partindo para Nellis em um T-33 Shooting Star, porém quase saiu da pista no pouso na hora da chegada. O escritório de operações da base Nellis então decidiu evitar mais problemas, achando que seria melhor encontrar um transporte terrestre para os três pilotos voltarem para Edwards.[49]

Astronauta

Armstrong vestindo um traje espacial de treinamento da Gemini em 2 de março de 1964.

Armstrong foi selecionado em junho de 1958 para o programa Man in Space Soonest da Força Aérea dos Estados Unidos, porém a Agência de Projetos de Pesquisa Avançados cancelou seu financiamento logo em 1 de agosto, sendo suplantada em 5 de novembro pelo Programa Mercury, um projeto civil chefiado pela NASA. Ele não era elegível para se tornar um astronauta na época por ser um piloto de teste civil, já que a seleção estava restrita apenas a pilotos militares.[50][51] Foi escolhido em novembro de 1960 como parte de um grupo consultor de pilotos para o X-20 Dyna-Soar, um programa espacial militar sob desenvolvimento da Boeing para a Força Aérea, com ele sendo selecionado em 15 de março de 1962 como um de sete pilotos-engenheiros que voariam o X-20 Dyna-Soar quando o projeto saísse do papel.[52][53]

A NASA anunciou em abril de 1962 que estava aberta a novas candidaturas para um segundo grupo de astronautas para o Programa Gemini, uma nave espacial de dois lugares. Desta vez, a seleção estava aberta a pilotos de teste civis qualificados.[54] Armstrong visitou a Feira Mundial de Seattle em maio e compareceu a uma conferência sobre exploração espacial co-promovida pela NASA. Ele voltou de Seattle em 4 de junho e candidatou-se para tornar-se um astronauta. Sua candidatura chegou uma semana depois do prazo limite de 1 de junho, porém Dick Day, um especialista de simulação de voo com quem Armstrong tinha trabalhado na Edwards, viu a chegada atrasada da candidatura e a colocou antes de alguém percebesse na pilha junto com as que chegaram no prazo correto.[55] Armstrong, em junho na Base Aérea de Brooks, passou por exames médicos que muitos dos candidatos descreveram como dolorosos e em muitos momentos aparentemente sem sentido.[56]

Donald Slayton, supervisor dos astronautas norte-americanos e o Diretor de Operações de Tripulações de Voo da NASA, convocou Armstrong em 13 de setembro de 1962 e perguntou se ele estava interessado em juntar-se ao Corpo de Astronautas da NASA como parte daquilo que a imprensa estava chamando de "Os Novos Nove"; Armstrong respondeu sim sem hesitar. As seleções foram mantidas em segredo até três dias depois, porém os jornais já estavam relatando desde o início do ano que ele seria escolhido como o "primeiro astronauta civil".[57] Armstrong foi um de dois pilotos civis escolhidos pela NASA para o grupo;[58] o outro foi Elliot See, também um ex-aviador naval.[59] A NASA anunciou oficialmente em 17 de setembro a seleção de seu segundo grupo de astronautas durante uma conferência de imprensa. Comparado aos astronautas dos Sete da Mercury, o segundo grupo era mais jovem e com credenciais acadêmicas mais impressionantes.[56][60]

Programa Gemini

Gemini V

Armstrong e See foram anunciados em 8 de fevereiro de 1965 como a equipe reserva para a Gemini V, com o primeiro como comandante e o segundo como piloto, apoiando a tripulação primária composta por Gordon Cooper e Pete Conrad.[61] O propósito da missão era praticar um encontro espacial e desenvolver seus procedimentos e equipamentos para um voo de longa duração de sete dias. Estes seriam necessários para uma missão até a Lua. Com outros dois voos em preparação (Gemini III e Gemini IV), havia seis tripulações competindo por espaço, fazendo com que a Gemini V fosse adiada. A missão decolou em 21 de agosto.[62] Armstrong e See assistiram ao lançamento em Cabo Kennedy e então voaram para o Centro de Espaçonaves Tripuladas em Houston, Texas.[63] A missão foi um sucesso de forma geral, apesar de um problema as células de combustível que impediram o encontro. Cooper e Conrad assim praticaram um "encontro fantasma", realizando manobras de encontro sem um alvo.[64]

Gemini VIII

Ver artigo principal: Gemini VIII
Armstrong vestindo seu traje espacial para a Gemini VIII, 16 de março de 1966.

As tripulações para a Gemini VIII foram anunciadas em 20 de setembro de 1965. Sob o sistema de rotação, a equipe reserva de uma missão tornaria-se a principal três missões depois, porém Slayton colocou David Scott para ser o piloto da Gemini VIII.[65][66] Scott foi o primeiro membro do terceiro grupo de astronautas, cuja seleção fora anunciada em 18 de outubro de 1963, a receber uma designação como tripulação principal.[67] See foi colocado como o comandante da Gemini IX. Dessa forma, cada missão Gemini seria comandada por um membro do segundo grupo, com alguém do terceiro grupo como piloto. A tripulação reserva desta vez foi Conrad e Richard Gordon.[65][66] Armstrong tornou-se o primeiro civil norte-americano no espaço; Valentina Tereshkova da União Soviética tinha se tornado a primeira civil (e mulher) quase três anos antes em 16 de junho de 1963 no Vostok 6.[68] Ele foi o último de seu grupo a ir para o espaço, já que See morreu em um acidente aéreo em 28 de fevereiro de 1966 dentro de um Northrop T-38 Talon junto com seu colega de missão Charles Bassett. Eles foram substituídos pela tripulação reserva formada por Thomas Stafford e Eugene Cernan, enquanto Jim Lovell e Buzz Aldrin foram movidos de reservas da Gemini X para reservas da Gemini IX-A,[69] depois voando na Gemini XII.[70]

A Gemini VIII decolou em 16 de março de 1966. Ela seria a mais complexa de todas, com um encontro e acoplamento com o Veículo Alvo Agena não tripulado seguido por uma atividade extraveicular por Scott. No total, a missão teria 75 horas de duração e 55 órbitas ao redor da Terra. O Agena foi lançado às 10h 00min 00s,[71] enquanto o foguete Titan II GLV carregando Armstrong e Scott lançou às 11h41min02s.[72] Os dois conseguiram o primeiro acoplamento entre duas naves espaciais na história.[73] O contato com a tripulação foi intermitente pois não existiam estações de rastreamento cobrindo toda a órbita. A nave começou a rodar enquanto estava fora de contato com o solo e Armstrong tentou corrigir isso usando o Sistema de Atitude e Manobra de Órbita. A Gemini VIII foi desacoplada do Agena seguindo uma recomendação prévia do Controle da Missão, porém isto aumentou ainda mais o rolamento ao ponto que estava girando uma vez por segundo, indicando um problema com o controle de atitude da Gemini. Armstrong acionou o Sistema de Controle de Reentrada e desligou o Sistema de Atitude e Manobra. As regras da missão ditavam que a nave espacial deveriam reentrar na primeira oportunidade uma vez que esse sistema fosse acionado. Achou-se depois que um fio danificado fez com que um dos propulsores travasse na posição de ligado.[74]

O resgate da Gemini VIII. Armstrong está sentado na direita.

Houve algumas pessoas no Escritório dos Astronautas, incluindo Walter Cunningham, que acharam que Armstrong e Scott "tinham estragado sua primeira missão".[75] Houve especulações que Armstrong poderia ter salvo a missão caso tivesse ligado apenas um dos dois anéis do Sistema de Atitude e Manobra, economizando o outro. Estas críticas não tinham fundamento; nenhum procedimento de mal funcionamento tinha sido escrito e só era possível ligar os dois anéis do Sistema de Atitude e Manobra, não um ou outro.[76] O diretor de voo Gene Kranz escreveu: "a tripulação reagiu como foram treinados, e se reagiram errado é porque os treinamos errado". Os planejadores e controladores da NASA não tinham percebido que, quando duas naves estão acopladas, elas devem ser consideradas uma nave única. Kranz considerou isto a lição mais importante da missão.[77] Robert Gilruth, diretor do Centro de Espaçonaves Tripuladas, afirmou que talvez "tenhamos aprendido mais hoje do que originalmente estabelecemos para aprender".[74] Armstrong ficou decepcionado que a missão precisou ser abortada,[78] cancelando a maioria dos objetivos e tirando de Scott sua caminhada espacial. O Agena foi depois usado como alvo de acoplamento da Gemini X.[79] Os astronautas receberam a Medalha de Serviço Excepcional da NASA,[80] com a Força Aérea premiando Scott também com a Cruz de Voo Distinto.[81] Scott foi promovido a tenente-coronel e Armstrong recebeu um aumento de 678 dólares para um salário de 21.653 dólares anuais, fazendo dele o astronauta mais bem pago da NASA.[78]

Gemini XI

A última designação de Armstrong no Programa Gemini foi como comandante reserva da Gemini XI, anunciada dois dias depois do pouso da Gemini VIII. Ele nessa altura tinha grande conhecimento sobre os sistemas da nave, já tendo treinado para duas missões, e assim assumiu uma função de professor para o novato piloto reserva, William Anders.[82] O lançamento ocorreu em 12 de setembro de 1966,[83] com Conrad e Gordon a bordo, que realizaram com sucesso os objetivos da missão, enquanto Armstrong também atuou como comunicador com a capsula (CAPCOM).[84] O presidente Lyndon B. Johnson pediu a Armstrong e sua esposa após o voo que participassem de uma viagem de boa vontade de 24 dias pela América do Sul.[85] A viagem passou por onze países e junto também estavam Gordon, George Low, suas esposas e oficiais do governo. Armstrong conversou no Paraguai com dignitários em guarani, enquanto no Brasil ele falou sobre as façanhas do aviador Alberto Santos Dumont.[86]

Programa Apollo

Em 27 de janeiro de 1967, data do incêndio da Apollo 1, Armstrong, junto com Cooper, Gordon, Lovell e Scott Carpenter, estavam em Washington, D.C. para a assinatura do Tratado do Espaço Sideral das Nações Unidas. Os astronautas conversaram com os dignitários até 18h45min, quando Carpenter foi para o aeroporto e os outros retornaram para seu hotel, onde cada um encontrou uma mensagem instruindo-os a ligar para Centro de Espaçonaves Tripuladas. Eles descobriram sobre as mortes de Gus Grissom, Edward White e Roger Chaffee durante esses telefonemas. Armstrong e o resto do grupo passaram o restante da noite bebendo uísque e discutindo o que havia acontecido.[87]

Os dezoito astronautas restantes do Programa Apollo foram reunidos para uma conversa com Slayton em 5 de abril de 1967, mesmo dia que a investigação sobre o acidente da Apollo 1 emitiu seu relatório final. A primeira coisa que Slayton disse foi: "Os caras que vão voar as primeiras missões lunares são os caras nesta sala".[88] Segundo Cernan, um dos presentes, Armstrong não demonstrou reação alguma à fala. Para Armstrong não houve surpresa, já que todos ali eram veteranos da Gemini e eram as únicas pessoas capazes de voar as missões para a Lua. Slayton falou sobre as missões planejadas e nomeou Armstrong para a tripulação reserva da Apollo 9, que nesse momento esperava-se que fosse um teste de órbita média para a combinação do Módulo Lunar com o Módulo de Comando e Serviço.[89]

Armstrong cai de paraquedas logo depois de ejetar do Veículo de Pesquisa de Alunissagem em 6 de maio de 1968.

As tripulações foram anunciadas oficialmente em 20 de novembro de 1967.[90] Os companheiros de Armstrong seriam Lovell e Aldrin, a tripulação da Gemini XII. As tripulações principais e reservas da Apollo 8 e Apollo 9 foram invertidas após atrasos de projeto e produção do Módulo Lunar. Depois disso, seguindo o esquema de rotação das tripulações, Armstrong estava encaminhado para comandar a Apollo 11.[89] Houve uma última mudança: Michael Collins, o piloto do módulo de comando da Apollo 8, começou a ter alguns problemas nas pernas. Os médicos o diagnosticaram com um problema de crescimento ósseo entre a quinta e sexta vértebra, necessitando de cirurgia.[91] Lovell o substituiu na Apollo 8 e, ao se recuperar, Collins juntou-se à tripulação de Armstrong.[92]

Para que os astronautas ganhassem experiência de como o módulo lunar voaria em sua descida final, a NASA comissionou a Bell Aircraft a construir dois Veículos de Pesquisa de Alunissagem, depois complementados por três Veículos de Treinamento de Alunissagem. Eles simulavam a gravidade da Lua ao usar um turbofan para sustentar cinco sextos do peso da aeronave. Armstrong treinou no Veículo de Pesquisa de Alunissagem em 6 de maio de 1968, porém começou a perder os controles e o veículo iniciou um rolamento.[93] Ele conseguiu ejetar em segurança. Análises posteriores concluíram que seu paraquedas não teria aberto em tempo caso tivesse ejetado meio segundo depois. Seu único ferimento foi uma língua mordida, enquanto o Veículo de Pesquisa de Alunissagem foi completamente destruído.[94] Armstrong afirmou que, apesar de ter quase morrido, as alunissagens não teriam sido bem sucedidas sem os dois veículos de treinamento, já que deu aos comandantes experiência imprescindível sobre o comportamento de uma nave de alunissagem.[95]

A NASA também começou, depois da finalização da Apollo 10, e além dos dois veículos de treinamento, um treinamento de simulação de alunissagem. Armstrong e Aldrin trabalharam sob as instruções de treinarem para as maiores possibilidades que poderiam encontrar durante a alunissagem real.[96] Os dois só conseguiram ir em uma única expedição geológica de treinamento, nas montanhas do oeste do Texas. A imprensa descobriu isto e a área ficou lotada com carros e helicópteros, o que dificultou para os astronautas ouvirem o geólogo presente. Eles também receberam instruções de geólogos dentro da NASA.[97]

Apollo 11

Ver artigo principal: Apollo 11
A tripulação da Apollo 11 em julho de 1969: Armstrong, Collins e Aldrin.

Slayton ofereceu o posto de comandante da Apollo 11 a Armstrong em 23 de dezembro de 1968, enquanto a Apollo 8 estava orbitando a Lua.[98] Slayton lhe disse que, apesar da tripulação planejada incluir Aldrin como piloto do Módulo Lunar e Collins como piloto do Módulo de Comando, Aldrin poderia ser substituído por Lovell caso Armstrong desejasse. Este pensou por um dia e disse a Slayton que ficaria com Aldrin, já que não tinha dificuldades de trabalhar com ele e achava que Lovell merecia um comando próprio. Substituí-los faria de Lovell extra-oficialmente o membro menos graduado da tripulação, com Armstrong achando que não se podia justificar colocar o comandante da Gemini XII como o número 3 da Apollo 11.[99] A tripulação foi oficialmente anunciada em 9 de janeiro de 1969 como Armstrong, Collins e Aldrin, contando com Lovell, Anders e Fred Haise como reservas.[100]

Segundo Christopher C. Kraft, diretor de operações de voo, um encontro em março de 1969 entre ele, Slayton, Low e Gilruth determinou que Armstrong seria a primeira pessoa a pisar na Lua, em parte porque a diretoria da NASA o considerava alguém que não tinha um ego grande. Um conferência de imprensa em 14 de abril deu como justificativa o projeto da cabine do Módulo Lunar; a escotilha abria para dentro e para a direita, dificultando a saída para o Piloto do Módulo Lunar, que ficava no lado direito da nave. Os quatros na época da reunião não sabiam sobre a consideração da escotilha. O conhecimento sobre essa reunião só chegou ao público fora dos quatro homens quando Kraft escreveu seu livro em 2001.[101][102] Existiam métodos para contornar a questão da escotilha, porém não se sabe se isto foi levado em conta na época. Slayton também comentou que "seguindo apenas a base do protocolo, eu achei que o comandante deveria ser o primeiro cara a sair [...] Bob Gilruth aprovou minha decisão".[103]

Viagem

O foguete Saturno V lançou a Apollo 11 do Complexo de Lançamento 39 do Centro Espacial John F. Kennedy no dia 16 de julho de 1969 às 13h32min00s UTC (09h32min00s EDT do horátio local).[104] Janet, a esposa de Armstrong, e seus dois filhos assistiram a partir de um iate ancorado no rio Banana.[105] O coração de Armstrong chegou a 110 batimentos por minuto durante a decolagem.[106] Ele posteriormente comentou ter achado o primeiro estágio o mais barulhento, muito mais do que o Titan II GLV usado na Gemini VIII. O Módulo de Comando da Apollo era muito mais espaçoso quando comparado com a nave espacial da Gemini. Nenhum dos membros da tripulação da Apollo 11 sofreu de síndrome de adaptação ao espaço, algo que tinha acontecido com alguns astronautas das tripulações anteriores. Armstrong ficou especialmente feliz por isso, já que ele era propenso a sentir enjoo quando criança e também costumava sofrer de náusea depois de longos períodos de acrobacias aéreas.[107]

Armstrong dentro do Módulo Lunar em 21 de julho de 1969 logo depois da primeira caminhada na Lua.

O objetivo da Apollo 11 era alunissar em segurança, não necessariamente em um local específico. Armstrong percebeu, três minutos depois depois do começo da descida, que as crateras estavam passando dois segundos mais rápidas do que esperado, significando que o Módulo Lunar Eagle alunissaria quilômetros além da zona planejada.[108] Vários alarmes de erro do computador apareceram enquanto o radar de alunissagem do Eagle analisava a superfície. Eles foram o 1202 e depois o 1201, alarmes estes que Armstrong e Aldrin, apesar de suas horas de treino, não sabiam o que significavam. Eles foram informados por Charles Duke, o CAPCOM, que nenhum dos alarmes eram preocupantes; o 1202 e 1201 foram causados pelo sobrecarregamento do computador do Módulo Lunar. Aldrin depois descreveu que o sobrecarregamento ocorreu por sua escolha de deixar o radar de acoplamento funcionando durante o processo de alunissagem, assim o computador precisou processar dados de radar desnecessários e não tinha tempo de executar todas as tarefas, abandonando as de baixa prioridade. Aldrin afirmou que fez isso com o objetivo de facilitar um acoplamento com o Módulo de Comando caso fosse necessário um aborto da alunissagem, não tendo percebido que isso causaria um sobrecarregamento.[109]

Armstrong determinou enquanto aproximavam-se de uma área de pouso que o local parecia pouco seguro, assim assumiu o controle manual do Módulo Lunar e tentou encontrar uma área que parecesse mais segura, demorando mais do que o esperado e assim mais do que qualquer simulação feita.[110] O Controle da Missão começou a ficar preocupado que o Módulo Lunar estaria ficando sem combustível.[111] Aldrin e Armstrong, depois de alunissarem, acharam que tinham aproximadamente quarenta segundos restantes de propelente, incluindo os vinte segundos que precisavam ser salvos caso um aborto fosse necessário.[112] Armstrong em várias ocasiões tinha pousado o Veículo de Treinamento de Alunissagem com menos de quinze segundos de combustível e ele estava confiante que o Módulo Lunar poderia sobreviver a uma queda vertical de quinze metros se preciso. Análises pós-missão mostraram que a alunissagem ocorreu com 45 a 50 segundos restando de combustível para queima.[113]

A alunissagem ocorreu alguns segundos depois de 20h17min30s UTC em 20 de julho de 1969,[114] momento em que uma das sondas de 170 centímetros presas nas quatro pernas do Módulo Lunar entrou em contato com a superfície. Um painel acendeu dentro da cabine e Aldrin falou "Luz de contato", com Armstrong desligando o motor e informando "desligamento". O Módulo Lunar se ajeitou na superfície e Aldrin disse "Certo. Parada do motor", em seguida os dois realizaram as checagens de alguns itens pós-alunissagem. Duke confirmou a alunissagem dez segundos depois com "Nós te copiamos no solo, Eagle". Armstrong anunciou o pouso para o Controle da Missão dizendo "Houston, aqui é Base da Tranquilidade. O Eagle pousou". Os dois astronautas celebraram com um aperto de mão e tapas nas costas e depois voltaram para as checagens necessárias a fim de preparar o Módulo Lunar para decolagem da Lua caso ocorresse uma emergência nos primeiros momentos na superfície lunar.[114][115] Duke reconfirmou o pouso depois da confirmação de Armstrong e expressou a ansiedade dos controladores de voo: "Entendido, Tranquilidade. Nós te copiamos no solo. Vocês fizeram vários caras ficarem azuis. Estamos respirando novamente. Muito obrigado".[112] Os batimentos cardíacos de Armstrong ficaram entre 100 e 150 por minuto durante a alunissagem.[113]

Caminhada
Armstrong descendo do Módulo Lunar.

O plano de voo oficial da NASA ditava um período de descanso obrigatório para a tripulação antes de qualquer atividade extraveicular, porém Armstrong pediu para que a caminhada espacial da Apollo 11 fosse adiantada para mais cedo no período da tarde, horário de Houston. O Eagle foi despressurizado assim que os dois astronautas vestiram seus trajes espaciais e ficaram prontos para sair, a escotilha foi aberta e Armstrong desceu a escada externa.[116] No pé da escada, Armstrong informou que "Eu vou pisar fora do ML agora". Ele virou e colocou seu pé esquerdo na superfície lunar às 02h56min UTC de 21 de julho de 1969,[117] falando palavras que ficaram famosas: "É um pequeno passo para [um] homem, um salto gigante para a humanidade".[118]

Armstrong preparou seu epigrama por conta própria,[119] dizendo na conferência de imprensa pós-missão que escolheu as palavras "pouco antes de sair do ML".[120] Armstrong explicou em 1983 que "Eu sempre soube que havia uma boa chance de sermos capazes de voltar para a Terra, porém achei que as chances de um pouso bem sucedido na superfície da Lua eram praticamente iguais – cinquenta-cinquenta ... A maioria das pessoas não percebe o quão difícil foi a missão. Então para mim não parecia existir muito sentido em pensar em algo para dizer caso tivéssemos que abortar o pouso".[119] Dean Armstrong, seu irmão, afirmou em 2012 que Neil lhe tinha mostrado um rascunho da fala meses antes do lançamento.[121] Já o historiador Andrew Chaikin contestou que Armstrong alguma vez afirmou que tinha criado a fala espontaneamente durante a missão.[122]

Gravações da transmissão da Armstrong não proporcionam evidências para o uso do artigo indefinido "um" antes de "homem", porém a NASA e Armstrong afirmaram por anos que a estática obscureceu. Armstrong afirmou que nunca esqueceria de falar o "um", porém reconheceu que provavelmente não falou a palavra depois de ouvir a gravação várias vezes.[118] Posteriormente disse "espero que a história me conceda liberdade por ter perdido a sílaba e compreenda que certamente tinha-se a intenção, mesmo que não tenha sido dita – apesar de talvez realmente tenha sido".[123] Desde então houve argumentos e contra-argumentos sobre se análises acústicas das gravações revelam a presença de um "um" perdido.[118][124] Peter Shann Ford, um programador australiano, realizou uma análise digital do áudio e afirmou que Armstrong realmente disse "um homem", porém o "um" não foi ouvido pelas limitações da tecnologia de comunicação da época.[118][125][126] Ford e James R. Hansen, o biógrafo oficial de Armstrong, apresentaram essas descobertas ao astronauta e a representantes da NASA, que também realizou suas próprias análises do áudio.[127] Armstrong achou que a análise de Ford era "persuasiva".[128] Os linguistas David Beaver e Mark Liberman, por outro lado, foram céticos sobre as afirmações de Ford.[129] Um estudo de 2016 concluiu novamente que Armstrong incluiu o artigo.[130] A transcrição oficial da NASA mostra o "um" entre colchetes.[131] Quando Armstrong falou suas palavras, ela foi transmitida por diversas emissoras de rádio e televisão mundialmente. Estima-se que a audiência global do evento foi de 530 milhões de pessoas, de uma população mundial na época de aproximadamente 3,6 bilhões de pessoas.[132]

Armstrong trabalhando no Módulo Lunar em 21 de julho de 1969. Esta é uma de suas únicas fotografias na Lua.

Aldrin juntou-se a Armstrong vinte minutos depois, tornando-se o segundo homem a pisar na Lua. Os dois começaram suas tarefas para investigar o quão facilmente um humano poderia poderia operar na superfície lunar. Armstrong revelou uma placa comemorando o voo e plantou uma bandeira dos Estados Unidos. Ele queria que a bandeira fosse enrolada no mastro, porém foi decidido usar uma haste de metal a fim de segurá-la horizontalmente.[133] A haste não esticou totalmente e a bandeira acabou ficando com uma aparência levemente ondulada, como seu houvesse uma brisa.[134] Pouco depois o presidente Richard Nixon conversou por telefone com os dois astronautas. Nixon falou por quase um minuto e Armstrong respondeu por aproximadamente trinta segundos.[135] Os registros fotográficos da Apollo 11 mostram Armstrong em apenas cinco fotos. O tempo da missão foi estritamente planejado e a maioria das tarefas fotográficas foram realizadas por Armstrong com uma única câmera Hasselblad.[136]

Armstrong ajudou Aldrin a armar o Pacote Inicial de Experimentos Científicos da Apollo e em seguida foi caminhar pela o que é hoje conhecida como Cratera Ocidental, 59 metros ao oeste do Módulo Lunar; esta foi a maior distância viajada na missão. Sua última tarefa foi lembrar Aldrin de deixar um pequeno pacote de itens em homenagem aos cosmonautas soviéticos Iuri Gagarin e Vladimir Komarov, e também aos astronautas Grissom, White e Chaffee da Apollo 1.[137] O tempo total da atividade extraveicular foi de duas horas e meia; cada uma das cinco alunissagens seguintes tiveram períodos de atividade extraveicular cada vez maiores, culminando com as 22 horas passadas na superfície lunar pela tripulação da Apollo 17.[138] Armstrong anos depois explicou que a NASA limitou o tempo de caminhada porque não estavam seguros que os trajes espaciais iriam aguentar a temperatura extremamente alta da Lua.[139]

Retorno
Aldrin, Collins e Armstrong desfilando em 13 de agosto de 1969 em Nova Iorque durante uma celebração pela Apollo 11.

A escotilha foi fechada e selada depois de reentrarem no Módulo Lunar. Armstrong e Aldrin descobriram durante os preparados para a decolagem que, enquanto usavam seus trajes espaciais, tinham quebrado o interruptor da ignição para o motor de subida; eles usaram uma caneta para empurrar o disjuntor e ativar a sequência de lançamento.[140] O Eagle seguiu para a órbita lunar, onde acoplou-se de volta com o Columbia, o Módulo de Comando e Serviço, onde Collins tinha permanecido. Os três astronautas então retornaram para a Terra, caindo no Oceano Pacífico em 24 de julho e sendo resgatados pelo porta-aviões USS Hornet.[141]

Logo depois de suas voltas, os três astronautas passaram dezoito dias em quarentena a fim de garantir que não tinha contraído nenhuma infecção ou doença da Lua, em seguida viajando pelos Estados Unidos e ao redor do mundo como parte do tour "Grande Salto" de 45 dias. Armstrong depois participou de um espetáculo feito por Bob Hope, principalmente para as tropas na Guerra do Vietnã, como parte do United Service Organizations.[142] Ele viajou em maio de 1970 para a União Soviética com o objetivo de palestrar na 13º conferência anual do Comitê Internacional para Pesquisa Espacial; ele chegou em Leningrado via Polônia e viajou para Moscou, onde encontrou-se com o primeiro-ministro Alexei Kossygin. Armstrong tornou-se o primeiro ocidental a ver o supersônico Tupolev Tu-144 e recebeu uma visita guiada pelo Centro de Treinamento de Cosmonautas Iuri Gagarin, que ele descreveu como "um pouco vitoriano".[143] Ao final do dia ele foi surpreendido ao assistir um vídeo do lançamento da Soyuz 9, já que Armstrong não tinha noção de que a missão estava em andamento, mesmo com Tereshkova tendo sido sua anfitriã e o marido desta, Andrian Nikolaiev, ser um dos cosmonautas a bordo.[144]

Vida após Apollo

Professor

Armstrong e Collins no Brasil em 1969 condecorados com a Ordem Nacional do Cruzeiro do Sul.

Armstrong anunciou pouco depois da Apollo 11 que não planejava retornar ao espaço.[145] Foi nomeado Vice-Administrador Associado para aeronáutica no Escritório de Pesquisa e Tecnologia Avançada da ARPA; serviu nesse cargo por um ano e então renunciou dele e da NASA em 1971.[146] Ele aceitou um cargo de professor no Departamento de Engenharia Aeroespacial na Universidade de Cincinnati,[147] tendo escolhido esta em vez de outras universidades, incluindo sua alma mater, Purdue, porque Cincinnati tinha um departamento aeroespacial pequeno.[148] Armstrong esperava que os membros do quadro de professores não ficassem irritados por ele ter se tornado professor apenas com um mestrado.[149] Ele tinha começado seu mestrado enquanto ainda estava na Edwards anos antes, só completando-o depois da Apollo 11 ao apresentar um relatório sobre vários aspectos da Apollo, em vez de uma tese sobre a simulação de voo supersônico.[150]

Armstrong tinha em Cincinnati muito trabalho e ensinava aulas essenciais, tendo criado dois cursos de graduação na universidade: projeto de aeronaves e mecânicas de voo experimentais.[151] Era considerado um bom professor e severo nas notas. Suas atividades de pesquisa não envolviam seus trabalhos na NASA. Armstrong não queria passar a impressão de favoritismo, posteriormente arrependendo-se da decisão. Ele foi professor por oito anos e demitiu-se em 1980. A burocracia da universidade tinha aumentado quando ela deixou de ser uma instituição municipal independente para uma escola estadual. Armstrong não queria fazer parte do grupo de barganha coletivo dos professores, assim decidiu lecionar só por meio-período. Segundo o próprio, continuou com a mesma quantidade de trabalho mas metade do salário. Menos de dez por cento de sua renda em 1979 provinha de seu salário universitário. Os funcionários da faculdade não souberam o motivo de sua saída.[150]

Comissões da NASA

Armstrong participou em 1970 da investigação chefiada por Edgar Cortright do acidente e aborto de alunissagem da Apollo 13. Ele produziu uma cronologia detalhada de todo o voo. Um interruptor de termostato de 28 Volts no tanque de oxigênio foi supostamente substituído por uma versão de 65 Volts, o que levou a uma explosão. Cortright recomendou que o tanque fosse totalmente redesenhado, a um custo de quarenta milhões de dólares. Muitos gerentes da NASA, além do próprio Armstrong, eram contra a recomendação do redesenho dos tanques de combustível, já que o interruptor do termostato foi a fonte da explosão. Eles perderam a discussão e o tanque foi redesenhado.[152]

O presidente Ronald Reagan pediu em 1986 que Armstrong participasse da Comissão Rogers, que investigou o desastre do ônibus espacial Challenger. Armstrong foi nomeado vice-presidente da comissão, que foi chefiada por William P. Rogers. Ele ficou encarregado do lado operacional da comissão, realizando entrevistas particulares com contatos que tinha desenvolvido no decorrer dos anos com o objetivo de determinar a causa do acidente. Como vice, ajudou a manter o número de recomendações do comitê em apenas nove. Armstrong acreditava que a NASA não iria fazer coisa alguma caso houvesse muitas recomendações.[153]

Reagan também nomeou Armstrong para uma comissão de catorze membros a fim de desenvolver um plano para voos espaciais civis norte-americano para o século XXI. A comissão foi chefiada pelo doutor Thomas O. Paine, ex-administrador da NASA, com quem Armstrong tinha trabalhado no Programa Apollo. O grupo publicou um livro intitulado Pioneering the Space Frontier: The Report on the National Commission on Space. A comissão recomendou estabelecer uma base lunar permanente até 2006 e enviar humanos para Marte até 2015. Estas recomendações foram praticamente ignoradas, já que as consequências do desastre da Challenger tomaram prioridade.[154]

Outras atividades

Os astronautas da Apollo 11 com o presidente George W. Bush durante celebrações pelo 35º aniversário da missão em julho de 2004.

Armstrong atuou como porta-voz para vários negócios depois de deixar a NASA. A primeira companhia que o abordou com sucesso foi a Chrysler, para quem apareceu em comerciais a partir de janeiro de 1979. Ele achava que a empresa tinha uma boa divisão de engenharia e que estava em situação financeira ruim. Depois disso também foi porta-voz de diversas outras companhias, como a General Time Corporation e a Bankers Association of America.[155] Armstrong só trabalhou para empresas norte-americanas.[156]

Além disso, também fez parte da diretoria de várias companhias. A primeira foi a Gates Learjet, presidindo seu comitê técnico. Ele voou em seus jatos novos e experimentais, chegando até mesmo a estabelecer um novo recorde de altitude para jatos comerciais. Armstrong tonou-se parte da diretoria da Cincinnati Gas & Electric Company em 1973. A empresa estava interessada em energia nuclear e desejava aumentar sua competência técnica. Também serviu como diretor da Taft Broadcasting. Ele juntou-se em 1989 à diretoria da Thiokol logo depois do fim da Comissão Rogers; o ônibus espacial Challenger fora destruído por uma falha dos propulsores de combustível sólido produzidos por sua predecessora, a Morton-Thiokol. Armstrong tornou-se presidente da Cardwell International Ltd., companhia produtora de máquinas de perfuração, depois de deixar seu cargo de professor na Universidade de Cincinnati. Também trabalhou nas diretorias de empresas aeroespaciais, primeiro a United Airlines em 1978 e depois a Eaton Corporation em 1980. Foi pedido em 1989 que ele presidisse o concelho de diretores da AIL Systems, uma subsidiária da Eaton, mantendo-se no posto até aposentar-se em 2002.[157]

O aventureiro profissional Mike Dunn organizou em 1985 uma viagem para o Polo Norte a fim de levar consigo um grupo que ele chamou de "Grandes Exploradores". Este grupo incluía Armstrong, o alpinista sir Edmund Hillary, o filho deste Peter Hillary, o empresário e aviador Steve Fossett e o fotógrafo e alpinista Patrick Morrow. Eles chegaram no local em 6 de abril de 1985. Armstrong disse que estava curioso para ver como era o Polo Norte do chão, já que só o tinha visto da Lua.[158] Ele queria que a expedição ocorresse em particular e não informou a imprensa sobre a viagem.[159] Além disso, Armstrong também fez algumas aparições em programas de televisão, a primeira foi como apresentador da série documental sobre aviação First Flights with Neil Armstrong da A&E entre 1991 e 1993. Depois dublou em 2010 o personagem Dr. Jack Morrow em Quantum Quest: A Cassini Space Odyssey, uma animação educacional de aventura e ficção científica iniciada pela NASA.[160]

Reclusão

Armstrong manteve grande discrição no final de sua vida, algo que levou à crença popular de que era recluso.[161][162] Ele recusava a maioria dos pedidos de entrevistas e realizava pouquíssimas aparições públicas. Collins disse que, quando Armstrong mudou-se para uma fazenda de gado a fim de tornar-se professor universitário, foi como se ele tivesse "recuado para seu castelo e levantado a ponte levadiça". O próprio Armstrong achou isso divertido, comentando que "aqueles de nós que vivem no interior pensam que as pessoas que vivem dentro da capital são as que têm problemas". Chaikin afirmou que Armstrong manteve a discrição em sua vida pessoal mas não era recluso, salientando suas participações em entrevistas, comerciais para a Chrysler e aparições em programas de televisão.[163]

Ele costumava autografar tudo exceto selos. Armstrong descobriu por volta de 1993 que suas assinaturas estavam sendo vendidas na internet, a maioria das quais eram falsas, assim ele parou de autografar qualquer material.[162] Quaisquer pedidos enviados a ele recebiam como resposta uma carta formal dizendo que ele tinha parado com a prática.[164] Mesmo com isso sendo amplamente conhecido, o historiador Andrew Smith observou pessoas tentando pegar a assinatura de Armstrong durante em evento de aviação em 2002, com uma pessoa chegando a dizer "Se você enfiar algo perto o suficiente da cara dele, ele vai assinar".[165] Armstrong costumava escrever cartas parabenizando escoteiros por suas realizações, fazendo isso para todos os pedidos de congratulações. Chegou a receber 950 pedidos de cartas para escoteiros em 2003. Ele decidiu parar com a prática na década de 1990 por achar que as cartas deveriam ser escritas por pessoas que conheciam o escoteiro. Estas coisas contribuíram para a formação do mito de sua reclusão.[166]

Vida pessoal

A família de Armstrong o descreveu como um "herói americano relutante".[167][168][169] John Glenn, o primeiro norte-americano no espaço, comentou que "Ele não sentia que deveria ficar se empenhando. Era uma pessoa humilde, e foi desse modo que permaneceu depois de seu voo lunar, bem como antes".[170] Alguns ex-astronautas, como Glenn e Harrison Schmitt, procuraram carreiras políticas depois de deixarem a NASA, porém Armstrong nunca seguiu esse caminho, mesmo tendo sido abordado por ambos os partidos políticos dos Estados Unidos. Ele descreveu suas opiniões políticas como sendo a favor dos direitos estaduais e contra os Estados Unidos atuar como o "policial do mundo".[171]

Armstrong, quando candidatou-se em uma Igreja Metodista na década de 1950 para liderar um grupo de escoteiros, descreveu sua afiliação religiosa como "deísta".[172] Sua mãe depois disse que as opiniões religiosas do filho lhe causaram preocupação por ela ser mais religiosa.[173] Ele foi alvo de um trote na década de 1980 dizendo que havia convertido-se ao islamismo depois de aderir ao azan, convocação muçulmana a oração, enquanto caminhava na Lua. O cantor indonésio Suhaemi chegou a escrever uma canção chamada "Gema Suara Adzan di Bulan" ("O Ressoante Som do Chamado da Oração na Lua"), que descrevia a conversão de Armstorng; esta música foi muito discutida pela imprensa de Jacarta em 1983.[174] Histórias similares também apareceram no Egito e na Malásia. O Departamento de Estado dos Estados Unidos respondeu em março de 1983 ao enviar mensagens para embaixadas e consulados em países muçulmanos afirmando que Armstrong "não converteu-se ao islã". O trote ressurgiu ocasionalmente pelas décadas seguintes. Parte da confusão veio da similaridade entre os nomes da cidade em que morava, Lebanon, com o país Líbano, cuja população é de maioria muçulmana.[175]

Armstrong discursando em fevereiro de 2012 em celebração do 50º aniversário do voo espacial de John Glenn.

Armstrong visitou em 1972 o vilarejo de Langholm na Escócia, cidade ancestral do Clã Armstrong; ele foi feito o primeiro homem livre do burgh e alegremente declarou que a cidade era sua casa.[176] O Juiz de Paz local chegou a ler uma lei não revogada de quatrocentos anos exigindo que todo Armstrong encontrado na cidade fosse enforcado.[177]

Enquanto trabalhava em sua fazenda perto de Lebanon em novembro de 1978, Armstrong precisou pular para fora do caminhão de grãos em que estava. Entretanto, seu anel de casamento prendeu no volante e isso acabou arrancando a ponta de seu dedo anelar esquerdo. Ele conseguiu pegar o dedo e colocá-lo em gelo, com cirurgiões sendo capazes de reimplantarem no Hospital Judaico de Louisville, Kentucky.[178] Armstrong também sofreu um leve ataque cardíaco em fevereiro de 1991 enquanto esquiava com amigos em Aspen no Colorado, apenas um ano após a morte de seu pai e nove meses depois da morte de sua mãe.[179]

Armstrong e sua primeira esposa Janet se separaram em 1990 e divorciaram-se em 1994, depois de 38 anos de casamento.[180][181] Ele conheceu sua segunda esposa, Carol Held Knight, em 1992 durante um torneio de golfe, onde sentaram juntos em uma mesa de café da manhã. Ela pouco conversou com Armstrong, porém duas semanas depois recebeu uma ligação dele perguntando o que estava fazendo – Carol respondeu que estava cortando uma árvore, e meia hora depois ele apareceu para ajudá-la. Os dois se casaram em 12 de junho de 1994 em Ohio, realizando depois uma segunda cerimônia no Rancho San Ysidro na Califórnia. Eles foram viver em Indian Hill, Ohio.[182]

Armstrong resguardava o uso de seu nome, imagem e citação famosa. A MTV, ao estrear em 1981, queria usar sua fala como a identificação da emissora, substituindo a bandeira dos Estados Unidos pelo logo da MTV, porém ele recusou.[183] Armstrong processou a Hallmark Cards em 1994 depois da empresa ter usado sem permissão seu nome e gravação da fala "um pequeno passo" em um ornamento de natal. Um acordo foi alcançado no tribunal para um valor não revelado que Armstrong doou para Purdue.[184][185] Ele envolveu-se em maio de 2005 numa disputa legal com Mark Sizemore, seu cabeleireiro de mais de vinte anos. Sizemore vendeu os cabelos cortados de Armstrong, sem seu conhecimento, para um colecionar por três mil dólares.[186] Armstrong ameaçou Sizemore com uma ação legal a menos que seu cabelo fosse devolvido ou que o dinheiro recebido fosse doado para uma organização caridade de sua escolha. Sizemore não conseguiu reaver o cabelo e assim doou o dinheiro para a caridade.[187][188]

Morte

Fotografia de Armstrong quando criança durante seu serviço memorial em Indian Hill, 31 de agosto de 2012.

Armstrong realizou uma cirurgia de ponte de safena em 7 de agosto de 2012 a fim de desbloquear suas artérias coronárias.[189] Foi relatado que ele estava se recuperando bem,[190] porém desenvolveu complicações no hospital e morreu no dia 25 de agosto de 2012 em Cincinnati aos 82 anos de idade.[191][192] Armstrong foi descrito em uma declaração da Casa Branca como estando "entre os maiores heróis americanos – não apenas de seu tempo, mas de todos os tempos".[193][194] A declaração também afirmou que Armstrong tinha carregado as aspirações dos cidadãos dos Estados Unidos e que havia entregue "um momento de realização humana que nunca será esquecido".[195] Sua família também publicou uma declaração o descrevendo como:

Aldrin chamou Armstrong de "um verdadeiro herói americano e o melhor piloto que já conheci", expressando tristeza de que os três astronautas da Apollo 11 não poderão celebrar os cinquenta anos da alunissagem juntos em 2019.[197] Collins afirmou que "Ele era o melhor e sentirei muito sua falta".[198] Charles Bolden, administrador da NASA, disse que: "Enquanto existirem livros de história, Neil Armstorng será incluído neles, lembrado por realizar o primeiro pequeno passo da humanidade em um mundo além do nosso".[199]

O sepultamento no mar de Armstrong em 14 de setembro de 2012.

Um tributo a Armstrong foi realizado em 13 de setembro na Catedral Nacional de Washington, cujo Vitral do Espaço mostra a missão da Apollo 11 e que contém um rocha lunar dentro de um de seus painéis. Presentes estavam os colegas de Armstrong da Apollo 11, Collins e Aldrin; Scott, seu companheiro na Gemini VIII; Cernan, comandante da Apollo 17 e o último homem a caminhar na Lua; e o ex-senador e astronauta Glenn, o primeiro norte-americano a orbitar a Terra. Bolden fez uma elegia em que elogiou a "coragem, graça e humildade" de Armstrong. Cernan se lembrou da aproximação com pouco combustível da Apollo 11: "Quando o medidor diz vazio, todos sabemos que tem um galão ou dois ainda no tanque!" Diana Krall cantou a canção "Fly Me to the Moon". Collins liderou as orações. Scott relembrou a missão da Gemini VIII e falou, possivelmente pela primeira vez, sobre um incidente em que cola derramou em seus arreios e isso impediu que eles travassem corretamente minutos antes da escotilha precisar ser selada ou a missão seria abortada. Armstrong chamou Conrad para resolver o problema, o que fez, e a missão continuou sem precisar parar a contagem regressiva. "Isto ocorreu pois Neil Armstrong jogava para a equipe, ele sempre trabalhava em favor do time".[200] Os restos de Armstrong foram cremados no dia 14 de setembro e espalhados pelo Oceano Atlântico durante uma cerimônia de sepultamento no mar realizada a bordo do cruzador USS Philippine Sea.[201] Bandeiras foram hasteadas a meio-mastro no dia de seu funeral.[202]

Legado

A Medalha de Ouro do Congresso entregue em 2011 em homenagem a Glenn, Armstrong, Collins e Aldrin.

Armstrong recebeu vários prêmios e honrarias, incluindo a Medalha Presidencial da Liberdade do presidente Nixon,[203] a Medalha Geográfica Cullum da Sociedade Geográfica Americana[204] e o Troféu Collier da Associação Aeronáutica Nacional, todas em 1969.[205] Em 1970 recebeu a Medalha de Serviço Distinto da NASA[80] e o Troféu Memorial Dr. Robert H. Goddard do Clube Espacial Nacional,[206] no ano seguinte foi o Prêmio Sylvanus Thayer da Academia Militar dos Estados Unidos,[207] em 1978 foi premiado pelo presidente Jimmy Carter com a Medalha de Honra Espacial do Congresso,[80] em 2001 recebeu o Troféu Memorial Irmãos Wright da Associação Aeronáutica Nacional[208] e a Medalha de Ouro do Congresso em 2011.[209] Armstrong, Collins e Aldrin foram os recipientes em 1999 da Medalha de Ouro Langley do Instituto Smithsoniano.[210] Ele venceu em 18 de abril de 2006 o Prêmio Embaixador da Exploração da NASA.[211] A Fundação Espacial nomeou Armstrong em 2013 como recipiente do Prêmio Realização de Obra Espacial General General James E. Hil.[212] Ele entrou no Hall da Honra Aeroespacial, no Quadro de Honra da Aviação Nacional e no Hall da Fama dos Astronautas dos Estados Unidos.[213][214] Recebeu seu distintivo de Astronauta Naval em uma cerimônia a bordo do porta-aviões USS Dwight D. Eisenhower em 10 de março de 2010, contando também com a presença de Lovell e Cernan.[215]

A cratera lunar Armstrong, cinquenta quilômetros do local de alunissagem da Apollo 11, e o asteroide 6469 Armstrong foram nomeados em sua homenagem.[216][217] Há várias escolas e outras instituições de ensino nos Estados Unidos nomeadas em sua homenagem,[218] com muitos lugares ao redor do mundo possuindo ruas, edifícios, escolas ou outros nomeados como Armstrong ou Apollo.[219] Há também o Museu Aeroespacial Armstorng em sua cidade natal de Wapakoneta,[220] e um aeroporto perto de New Knoxville, onde ele realizou suas primeiras aulas de voo, nomeado em sua homenagem.[221] A Universidade Purdue nomeou em outubro de 2004 seu novo edifício de engenharia como o Hall de Engenharia Neil Armstrong;[222] o prédio foi dedicado em 27 de outubro de 2007 em uma cerimônia que teve a presença de Armstrong, Cernan e outros catorze astronautas saídos de Purdue.[223] O Centro de Pesquisa de Voo Hugh L. Dryden da NASA foi renomeado em 2014 para Centro de Pesquisa de Voo Neil A. Armstrong.[224]

Os astronautas da Apollo 11 com o presidente Barack Obama em julho de 2009, aniversário de 40 anos da missão.

A Marinha dos Estados Unidos anunciou em setembro de 2012 que chamaria seu novo navio de pesquisa oceânica como RV Neil Armstrong. A embarcação foi entregue a marinha em 23 de setembro de 2015. Ele é uma plataforma de pesquisa oceanográfica capaz de apoiar uma ampla gama de pesquisas diferentes e atividades realizadas por grupos acadêmicos.[225]

Sua única biografia autorizada, First Man: The Life of Neil A. Armstrong, foi publicada em 2005 pela editora Simon & Schuster. Armstrong durante anos recusou ofertas de autores como Stephen E. Ambrose e James A. Michener, porém finalmente concordou em trabalhar com James R. Hansen depois de ler uma das biografias deste.[226] Uma adaptação cinematográfica do livro intitulada First Man, estrelando Ryan Gosling como Armstrong e dirigida por Damien Chazelle, estreou em outubro de 2018.[227]

Uma pesquisa popular de 2010 da Fundação Espacial escolheu Armstrong como o herói espacial mais popular, levando em conta tanto pessoas reais quanto da ficcção,[228] enquanto a revista Flying o elegeu em 2013 como o número um em sua lista dos "51 Heróis da Aviação".[229] A imprensa frequentemente perguntava a Armstrong suas opiniões sobre o futuro dos voos espaciais. Ele disse em 2005 que uma missão tripulada a Marte seria muito mais fácil de se realizar do que o desafio lunar fora na década de 1960. Em 2010 fez uma rara crítica pública ao condenar a decisão do governo norte-americano de cancelar o foguete Ares I e o Programa Constellation.[230] Em uma carta aberta também assinada por Lovell e Cernan, eles falaram que "Para os Estados Unidos, a nação líder no espaço sideral por quase meio século, ficar sem uma carruagem de baixa órbita terrestre e sem nenhuma capacidade de exploração humana para ir além da órbita da Terra em um tempo intermediário para o futuro, destina nossa nação a tornar-se de uma estatura secundária e até mesmo terciária".[231]

Referências

  1. a b Hansen 2005, pp. 49–50
  2. Hansen 2005, p. 13, 20
  3. Chrisafis, Angelique (28 de maio de 2004). «Ulster Scots' Eagle fails to take off». The Guardian. Consultado em 9 de novembro de 2018 
  4. «Neil Armstrong grants rare interview to accountants organization». CBC News. 24 de maio de 2012. Consultado em 9 de novembro de 2018 
  5. Hansen 2005, p. 29
  6. «Biographies of Apollo 11 Astronauts». NASA. 1999. Consultado em 9 de novembro de 2018 
  7. Hansen 2005, p. 45
  8. Koestler-Grack 2010, p. 14
  9. Hansen 2012, p. 38
  10. Airgood, Glenn (16 de fevereiro de 1973). «1st Man on the Moon Gets National Eagle Award». The Morning Call. Allentown. p. 5 
  11. «Silver Buffalo Award Winners 1979-1970». Escoteiros da América. Consultado em 9 de novembro de 2018 
  12. «Apollo 11 - Day 3, part 2: Entering Eagle». NASA. Consultado em 9 de novembro de 2018. Cópia arquivada em 4 de janeiro de 2011 
  13. «World Scouting salutes Neil Armstrong». Organização Mundial do Movimento Escoteiro. Consultado em 9 de novembro de 2018. Cópia arquivada em 4 de setembro de 2015 
  14. Hansen 2005, pp. 55–56
  15. Hansen 2005, p. 58
  16. Hansen 2005, pp. 68–69
  17. Hansen 2005, p. 71
  18. Hansen 2005, pp. 76–79
  19. Hansen 2005, pp. 79–85
  20. Hansen 2005, p. 90
  21. Hansen 2005, pp. 92–93
  22. Hansen 2005, pp. 95–96
  23. Hansen 2005, p. 112
  24. a b «Ex-Lieutenant (junior grade) Neil Alden Armstrong, U.S. Naval Reserve, Transcript of Naval Service» (PDF). Marinha dos Estados Unidos. 27 de março de 1967. Consultado em 10 de novembro de 2018 
  25. a b Hansen 2005, p. 118
  26. Hansen 2005, pp. 61–62
  27. Sigurdson, Chris (25 de agosto de 2012). «Purdue mourns alumnus Neil Armstrong». Universidade Purdue. Consultado em 10 de novembro de 2018 
  28. Walker, Kate (25 de abril de 1997). «Purdue Bands launch $2 million fund-raising campaign». Universidade Purdue. Consultado em 10 de novembro de 2018 
  29. a b «Biographical Data: Neil A. Armstrong - NASA Astronaut (Deceased)». NASA. Agosto de 2012. Consultado em 10 de novembro de 2018 
  30. «Biography of Neil Armstrong». NASA. Centro de Pesquisa Glenn. 18 de dezembro de 2012. Consultado em 10 de novembro de 2018 
  31. Hansen 2005, p. 62
  32. Hansen 2005, pp. 124–128
  33. Hansen 2005, pp. 161–164
  34. Hansen 2005, pp. 119–120
  35. Hansen 2005, p. 130
  36. Hansen 2005, p. 134
  37. Creech, Gray (15 de julho de 2004). «From the Mojave to the Moon: Neil Armstrong's Early NASA Years». NASA. Consultado em 11 de novembro de 2018 
  38. Hansen 2005, pp. 134–136
  39. Hansen 2005, pp. 136–138
  40. Hansen 2005, p. 145
  41. Evans, Michelle (2013). «The X-15 Rocket Plane: Flying the First Wings Into Space – Flight Log» (PDF). Mach 25 Media. Consultado em 11 de novembro de 2018 
  42. Hansen 2005, p. 147
  43. «T. Keith Glennan». NASA. Consultado em 11 de novembro de 2018 
  44. Hansen 2005, pp. 178–184
  45. Hansen 2005, pp. 138–139
  46. Jenkins, Dennis R. (junho de 2000). «Hypersonics Before the Shuttle: A Concise History of the X-15 Research Airplane» (PDF). Washington, D.C.: NASA. Monographs in Aerospace History (18): 118–121. OCLC 421657636 
  47. Hansen 2005, p. 210
  48. Hansen 2005, pp. 184–189
  49. Hansen 2005, pp. 189–192
  50. Burgess 2013, pp. 17–18
  51. Reichhardt, Tony (setembro de 2000). «First Up?». Air & Space Magazine. Consultado em 11 de novembro de 2018 
  52. Hansen 2005, pp. 171–173
  53. Burgess 2013, pp. 19–21
  54. Burgess 2013, pp. 4–6
  55. Hansen 2005, pp. 193–195
  56. a b Burgess 2013, pp. 29–30
  57. Hansen 2005, pp. 201–202
  58. Burgess 2013, pp. 64–66
  59. «Biographical Data: Elliot M. See, Jr. - NASA Astronaut (Deceased)». NASA. Fevereiro de 1966. Consultado em 12 de novembro de 2018. Arquivado do original em 18 de setembro de 2018 
  60. Burgess 2013, p. 54
  61. Reichl 2016, p. 78
  62. Hacker & Grimwood 2010, pp. 255–256
  63. Hansen 2005, p. 239
  64. Hacker & Grimwood 2010, pp. 257–258
  65. a b Hansen 2005, p. 240
  66. a b Hacker & Grimwood 2010, pp. 523–529
  67. «14 New Astronauts Introduced at Press Conference» (PDF). Houston. Space News. 3 (1): 1. 30 de outubro de 1963. Consultado em 13 de novembro de 2018. Arquivado do original (PDF) em 22 de dezembro de 2016 
  68. «Valentina Vladimirovna Tereshkova». Governo Regional de Yaroslavl. Consultado em 13 de novembro de 2018 
  69. Hacker & Grimwood 2010, pp. 323–325
  70. Cunningham 2010, p. 258
  71. Hansen 2005, pp. 242–244
  72. Hacker & Grimwood 2010, p. 526
  73. Loff, Sarah (16 de março de 2016). «March 16, 1966: Gemini's First Docking of Two Spacecraft in Earth Orbit». NASA. Consultado em 13 de novembro de 2018 
  74. a b Merritt, Larry (março de 2006). «The abbreviated flight of Gemini 8». Boeing. Consultado em 13 de novembro de 2018. Cópia arquivada em 12 de agosto de 2011 
  75. Cunningham 2010, pp. 111–112
  76. Hansen 2005, pp. 270–271
  77. Kranz 2000, p. 174
  78. a b Hansen 2005, p. 274
  79. Hacker & Grimwood 2010, pp. 321–322
  80. a b c «Agency Awards Historical Recipient List» (PDF). NASA. Consultado em 14 de novembro de 2018 
  81. «David Randolph Scott». The Hall of Valor Project. Consultado em 14 de novembro de 2018 
  82. Hansen 2005, pp. 292–293
  83. «Gemini-XI (11)». NASA. Consultado em 14 de novembro de 2018. Cópia arquivada em 24 de janeiro de 2012 
  84. Hansen 2005, pp. 294–296
  85. Hansen 2005, pp. 296–297
  86. Hansen 2005, pp. 298–299
  87. Lovell & Kluger 2000, pp. 24–25
  88. Cernan & Davis 1999, p. 165
  89. a b Hansen 2005, pp. 312–313
  90. Brooks, Grimwood & Swenson 2009, p. 374
  91. Collins 2001, pp. 288–289
  92. Cunningham 2010, p. 109
  93. Hansen 2005, p. 330
  94. Kraft 2001, p. 312
  95. Hansen 2005, p. 334
  96. Chaikin 1994, p. 171
  97. Chaikin 1994, p. 179
  98. Nelson 2009, p. 17
  99. Hansen 2005, p. 338
  100. Collins 2001, pp. 312–313
  101. Kraft 2001, pp. 323–324
  102. Hansen 2005, pp. 365–373
  103. Cortright 1975, p. 160
  104. Orloff 2000, p. 92
  105. Hansen 2005, p. 2
  106. Hansen 2005, p. 410
  107. Hansen 2005, pp. 411–412
  108. Smith 2005, p. 11
  109. Hansen 2005, pp. 459–465
  110. Chaikin 1994, p. 199
  111. Chaikin 1994, p. 198
  112. a b Chaikin 1994, p. 200
  113. a b «Apollo 11 Mission Report» (PDF). Houston: NASA. Novembro de 1969. OCLC 8444918 
  114. a b Jones, Eric M. (1995). «The First Lunar Landing». Apollo 11 Surface Journal. NASA. Consultado em 15 de novembro de 2018 
  115. «Apollo 11 Spacecraft Commentary» (PDF). Centro de Espaçonaves Tripuladas. NASA. 1969. Consultado em 15 de novembro de 2018. Arquivado do original (PDF) em 17 de setembro de 2008 
  116. Cortright 1975, p. 215
  117. Harland 1999, p. 23
  118. a b c d Mikkelson, David (28 de julho de 2018). «Neil Armstrong's First Words on the Moon». Snope. Consultado em 15 de novembro de 2018 
  119. a b Plimpton, George (dezembro de 1983). «Neil Armstrong's Famous First Words». Esquire: 113–118 
  120. «The First Lunar Landing Part VI». NASA. Consultado em 16 de novembro de 2018 
  121. Gray, Richard (30 de dezembro de 2012). «Neil Armstrong's family reveal origins of 'one small step' line». The Daily Telegraph. Consultado em 16 de novembro de 2018 
  122. Chaikin, Andrew (4 de janeiro de 2013). «Neil Armstrong Didn't Lie About 'One Small Step' Moon Speech, Historian Says». Space.com. Consultado em 16 de novembro de 2018 
  123. Nickell 2008, p. 175
  124. Goddard, Jacqui (2 de outubro de 2006). «One small word is one giant sigh of relief for Armstrong». The Times. Consultado em 16 de novembro de 2018 
  125. Ford, Peter Shann (3 de outubro de 2006). «Electronic Evidence and Physiological Reasoning Identifying the Elusive Vowel "a" in Neil Armstrong's Statement on First Stepping onto the Lunar Surface». collectSpace. Consultado em 16 de novembro de 2018 
  126. «Software finds missing 'a' in Armstrong's moon quote». CNN. 1 de outubro de 2006. Consultado em 16 de novembro de 2018. Cópia arquivada em 4 de outubro de 2006 
  127. Smith, Veronica (2 de outubro de 2006). «Armstrong's Moon landing speech rewritten». Cosmos. Consultado em 16 de novembro de 2018. Cópia arquivada em 31 de agosto de 2007 
  128. Carreau, Mark (29 de setembro de 2006). «High-tech analysis may rewrite space history». Houston Chronicle. Consultado em 16 de novembro de 2018 
  129. Os artigos de Beaver e Liberman:
  130. Baese-Berk, M. M.; Dilley, L. C.; Schmidt, S.; Morrill, T. H.; Pitt, M. A. (2016). «Revisiting Neil Armstrongs Moon-Landing Quote: Implications for Speech Perception, Function Word Reduction, and Acoustic Ambiguity». PLoS ONE. 11 (9). PMID 27603209. doi:10.1371/journal.pone.0155975 
  131. Jones, Eric M. (1995). «One Small Step». Apollo 11 Surface Journal. Consultado em 16 de novembro de 2018 
  132. «Apollo 11 Mission Overview». NASA. Consultado em 16 de novembro de 2018 
  133. Chaikin 2007, p. 212
  134. Hansen 2012, pp. 503–504
  135. Hansen 2005, pp. 505–506
  136. Jones, Eric M. (1995). «AS11-40-5886». Apollo 11 Lunar Surface Journal. Consultado em 16 de novembro de 2018. Cópia arquivada em 28 de julho de 2011 
  137. Jones, Eric M. (1995). «EASEP Deployment and Closeout». Apollo 11 Lunar Surface Journal. Consultado em 16 de novembro de 2018 
  138. «Summary Data on Apollo Missions». NASA. Abril de 1975. Consultado em 16 de novembro de 2018 
  139. «Neil Armstrong Explains His Famous Apollo 11 Moonwalk». Space.com. 10 de dezembro de 2010. Consultado em 16 de novembro de 2018 
  140. Hansen 2005, pp. 489–490
  141. «Apollo 11 Command and Service Module (CSM)». NASA. Consultado em 16 de novembro de 2018. Cópia arquivada em 18 de setembro de 2012 
  142. Hansen 2005, p. 580
  143. Hansen 2005, p. 583
  144. Hansen 2005, pp. 582–584
  145. Riley, Christopher (10 de julho de 2009). «The moon walkers: Twelve men who have visited another world». The Guardian. Consultado em 17 de novembro de 2018 
  146. Hansen 2005, p. 584
  147. «Neil Armstrong Remembered». Universidade de Cincinnati. 2012. Consultado em 17 de novembro de 2018 
  148. Hansen 2012, p. 590
  149. Jones, Eric M. (1995). «Apollo 11 Crew Information». Apollo 11 Lunar Surface Journal. NASA. Consultado em 17 de novembro de 2018 
  150. a b Hansen 2005, pp. 590–594
  151. Hansen 2012, p. 592
  152. Hansen 2005, pp. 600–603
  153. Hansen 2005, pp. 610–616
  154. Hansen 2012, pp. 609–610
  155. Hansen 2005, p. 595
  156. Hansen 2005, p. 596
  157. Hansen 2005, pp. 596–598
  158. Bruhns, Sarah (27 de agosto de 2013). «When Neil Armstrong and Edmund Hillary Took a Trip to the North Pole». Atlas Obscura. Consultado em 20 de novembro de 2018 
  159. Hansen 2012, p. 609
  160. Hart, Hugh (9 de março de 2010). «NASA Footage Sets Scene for Quantum Quest Movie». Wired. Consultado em 20 de novembro de 2018 
  161. Seymour, Gene (28 de agosto de 2012). «Neil Armstrong, a hero who shunned fame». CNN. Consultado em 20 de novembro de 2018 
  162. a b Farhi, Paul (20 de julho de 2009). «Neil Armstrong Took One Small Step, Then Made a Giant Retreat Into Private Life». The Washington Post. Consultado em 20 de novembro de 2018 
  163. Chaikin 2007, pp. 568–570
  164. Hansen 2005, pp. 622–623
  165. Smith 2005, p. 134
  166. Hansen 2012, pp. 622–623
  167. «Neil Armstrong, first man on the Moon, dead at 82». The National. 26 de agosto de 2012. Consultado em 21 de novembro de 2018 
  168. Granath, Bob (30 de agosto de 2012). «Neil Armstrong Praised as a Reluctant American Hero». NASA. Consultado em 21 de novembro de 2018 
  169. Hampton, Olivia (25 de agosto de 2012). «Neil Armstrong a 'reluctant American hero': family». The Globe and Mail. Consultado em 21 de novembro de 2018 
  170. «Tributes paid to Neil Armstrong, the humblest of American heroes». The Daily Telegraph. 26 de agosto de 2012. Consultado em 21 de novembro de 2018 
  171. Hansen 2005, pp. 600–601
  172. Hansen 2005, p. 33
  173. Hansen 2005, p. 35
  174. Abramson 2004, p. 93
  175. Hansen 2005, pp. 630–631
  176. «Recalling Moon man's 'muckle' leap». BBC. 20 de julho de 2009. Consultado em 21 de novembro de 2018 
  177. Hansen 2005, p. 13
  178. Hansen 2005, p. 608
  179. Hansen 2005, pp. 639–640
  180. Stein, Ellin (15 de outubro de 2018). «What's Fact and What's Fiction in First Man». Slate. Consultado em 21 de novembro de 2018 
  181. Schorn, Daniel (3 de novembro de 2005). «Being The First Man On The Moon». CBS News. Consultado em 21 de novembro de 2018 
  182. Hansen 2005, pp. 643–645
  183. Anson, Robert Sam (novembro de 2000). «Birth of an MTV Nation». Vanity Fair. Consultado em 22 de novembro de 2018 
  184. Hansen 2005, p. 628
  185. «Neil Armstrong, Hallmark Settle». Chicago Tribune. 2 de dezembro de 1995. Consultado em 22 de novembro de 2018 
  186. «Armstrong, barber in fight over locks». Dayton Daily News. Consultado em 22 de novembro de 2018. Cópia arquivada em 6 de novembro de 2012 
  187. Hansen 2012, p. 628
  188. «Original Moonwalker: How Neil Armstrong kept his feet on the ground despite becoming the most famous man on Earth». The Independent. 2 de julho de 2009. Consultado em 22 de novembro de 2018 
  189. «Armstrong, first man on the moon, recovering from heart surgery». Reuters. 8 de agosto de 2012. Consultado em 22 de novembro de 2018 
  190. Maugh II, Thomas H. (9 de agosto de 2012). «Neil Armstrong recovering well after cardiac bypass surgery». Los Angeles Times. Consultado em 22 de novembro de 2018 
  191. Stone, Judy (3 de setembro de 2012). «Neil Armstrong s Death a Medical Perspective». Scientific American. Consultado em 22 de novembro de 2018 
  192. «Space legend Neil Armstrong dies». CNN. 11 de dezembro de 2012. Consultado em 22 de novembro de 2018 
  193. «President Obama's Statement on Neil Armstrong's Death». The Wall Street Journal. 25 de agosto de 2012. Consultado em 22 de novembro de 2018 
  194. Wilford, John Noble (25 de agosto de 2012). «Neil Armstrong, First Man on the Moon, Dies at 82». The New York Times. Consultado em 22 de novembro de 2018 
  195. «Statement by the President on the Passing of Neil Armstrong». Casa Branca. 25 de agosto de 2012. Consultado em 22 de novembro de 2018. Cópia arquivada em 26 de agosto de 2012 
  196. «Family Statement Regarding the Death of Neil Armstrong». NASA. 25 de agosto de 2012. Consultado em 22 de novembro de 2018 
  197. Aldrin, Buzz (25 de agosto de 2012). «Buzz Aldrin's Official Statement on the Passing of Neil Armstrong». Buzz Aldrin. Consultado em 22 de novembro de 2018 
  198. Collins, Michael (12 de setembro de 2012). «Michael Collins: The Neil Armstrong I knew — and flew with». The Washington Post. Consultado em 22 de novembro de 2018 
  199. «NASA Administrator Statement on Neil Armstrong's Death». NASA. 25 de agosto de 2012. Consultado em 22 de novembro de 2018 
  200. «Above the stars now». Al-Jazeera. 15 de setembro de 2012. Consultado em 22 de novembro de 2018 
  201. «Neil Armstrong Laid to Rest in Atlantic». NASA. 13 de setembro de 2012. Consultado em 22 de novembro de 2018 
  202. Jackson, David (27 de agosto de 2012). «Obama orders flags at half-staff for Neil Armstrong». USA Today. Consultado em 22 de novembro de 2018 
  203. Pearlman, Robert Z. (1 de maio de 2012). «John Glenn to Receive Presidential Medal of Freedom». Space.com. Consultado em 22 de novembro de 2018 
  204. «The Cullum Geographical Medal». Sociedade Geográfica Americana. Consultado em 22 de novembro de 2018. Cópia arquivada em 30 de junho de 2017 
  205. «Collier Trophy > Collier 1960-1969 Winners». Associação Aeronáutica Nacional. Consultado em 22 de novembro de 2018. Cópia arquivada em 27 de setembro de 2007 
  206. «Past Goddard Trophy Winners». Clube Espacial Nacional. Consultado em 22 de novembro de 2018. Cópia arquivada em 4 de março de 2012 
  207. «Sylvanus Thayer Award Recipients». Associação de Formandos de West Point. Consultado em 22 de novembro de 2018 
  208. «Wright Bros. 2000–2009 Recipients». Associação Aeronáutica Nacional. Consultado em 22 de novembro de 2018 
  209. «NASA Legends Awarded Congressional Gold Medal». NASA. Consultado em 22 de novembro de 2018 
  210. «Apollo 11 astronauts honored for 'astonishing' mission». CNN. 20 de julho de 1999. Consultado em 22 de novembro de 2018 
  211. «NASA Honors Neil Armstrong With Exploration Award». NASA. 18 de abril de 2006. Consultado em 22 de novembro de 2018 
  212. «Neil Armstrong and Sally Ride Are 2013 General James E. Hill Lifetime Space Achievement Award Honorees». Fundação Espacial. Consultado em 22 de novembro de 2018. Cópia arquivada em 10 de dezembro de 2012 
  213. «Honorees». Cidade de Lancaster. Consultado em 22 de novembro de 2018. Cópia arquivada em 19 de maio de 2011 
  214. «Neil A. Armstrong». Astronaut Scholarship Foundation. Consultado em 22 de novembro de 2018. Cópia arquivada em 1 de outubro de 2011 
  215. Kirk, Amy (10 de março de 2010). «Astronaut Legend Receives Naval Astronaut Wings Aboard 'Ike'». Marinha dos Estados Unidos. Consultado em 22 de novembro de 2018 
  216. «Armstrong». Gazetteer of Planetary Nomenclature. União Astronômica Internacional. Consultado em 23 de novembro de 2018 
  217. «Citation for (6469)». O Centro Internacional Astronômico de Planetas Menores. Consultado em 23 de novembro de 2018 
  218. «Search for Public Schools». Centro Nacional para Estatísticas de Educação. Consultado em 23 de novembro de 2018 
  219. «Ireland: What's in a name? Cold, hard cash». The Times. 22 de dezembro de 2002. Consultado em 23 de novembro de 2018. Cópia arquivada em 9 de junho de 2011 
  220. Knight, Andy (2000). «To the moon». Consultado em 23 de novembro de 2018. Cópia arquivada em 23 de dezembro de 2007 
  221. «Welcome to the Auglaize County Neil Armstrong Airport.». Auglaize County Neil Armstrong Airport. Consultado em 23 de novembro de 2018 
  222. Holsapple, Matt (16 de outubro de 2004). «Purdue launching Neil Armstrong Hall for engineering's future». Universidade Purdue. Consultado em 23 de novembro de 2018 
  223. Venere, Emil (27 de outubro de 2007). «Neil Armstrong Hall is new home to Purdue engineering». Universidade Purdue. Consultado em 23 de novembro de 2018 
  224. «An Act To redesignate the Dryden Flight Research Center as the Neil A. Armstrong Flight Research Center and the Western Aeronautical Test Range as the Hugh L. Dryden Aeronautical Test Range.» (PDF). Congresso dos Estados Unidos. 16 de janeiro de 2014. Consultado em 23 de novembro de 2018 
  225. «Navy Announces Research Vessel to be Named in Honor of Neil Armstrong». Marinha dos Estados Unidos. 24 de setembro de 2012. Consultado em 23 de novembro de 2018 
  226. McGauley, John (3 de outubro de 2005). «Discovering the man behind the 'First Man'». CollectSpace. Consultado em 23 de novembro de 2018 
  227. Stolworthy, Jacob (8 de março de 2017). «First Man: Damien Chazelle and Ryan Gosling's Neil Armstrong biopic gets awards season release date». The Independent. Consultado em 23 de novembro de 2018 
  228. «Space Foundation Survey Reveals Broad Range of Space Heroes». Fundação Espacial. 27 de outubro de 2010. Consultado em 23 de novembro de 2018. Arquivado do original em 15 de agosto de 2012 
  229. «51 Heroes of Aviation». Flying. 24 de julho de 2013. Consultado em 23 de novembro de 2018 
  230. Kaplan, Jeremy A. (14 de abril de 2010). «Star Wars: Neil Armstrong, Obama Spar Over NASA's Future». Fox News. Consultado em 23 de novembro de 2018 
  231. Armstrong, Neil; Lovell, Jim; Cernan, Eugene (13 de abril de 2010). «Armstrong: Obama NASA plan 'devastating'». NBC News. Consultado em 23 de novembro de 2018. Cópia arquivada em 3 de novembro de 2012 

Bibliografia

Ligações externas

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Wikiquote Citações no Wikiquote
Commons Categoria no Commons
Wikidata Base de dados no Wikidata