Ilyushin Il-38

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Il-38
Avião
Ilyushin Il-38SD da Marinha Indiana em 2007.
Descrição
Tipo / Missão Aeronave de Guerra antissubmarino e patrulha marítima
País de origem  União Soviética
Fabricante Ilyushin
Período de produção 1967-1972
Quantidade produzida 58
Desenvolvido de Ilyushin Il-18
Primeiro voo em 20 de julho de 1971 (48 anos)
Tripulação 7-8
Especificações
Dimensões
Comprimento 40,185 m (132 ft)
Envergadura 37,4 m (123 ft)
Altura 10,17 m (33,4 ft)
Área das asas 140  (1 510 ft²)
Alongamento 10
Peso(s)
Peso vazio 35 500 kg (78 300 lb)
Peso máx. de decolagem 66 000 kg (146 000 lb)
Propulsão
Motor(es) 4 × Ivchencko/Progress AI-20M turboélice
Potência (por motor) 4 225 hp (3 150 kW)
Performance
Velocidade máxima 645 km/h (348 kn)
Alcance (MTOW) 7 500 km (4 660 mi)
Autonomia 13 h(s)
Teto máximo 11 000 m (36 100 ft)
Razão de subida 5.33 m/s
Aviônica
Tipo(s) de radar(es) Berkut
Armamentos
Bombas 9 000 kg, podendo incluir minas, torpedos e bombas
Notas
Referência[1]

O Ilyushin Il-38 "Dolphin"[1] (Designação OTAN: May) é uma aeronave de patrulha marítima e de Guerra antissubmarino, projetada na União Soviética. Esta aeronave foi um desenvolvimento da aeronave turboélice de transporte Ilyushin Il-18.

Projeto e desenvolvimento[editar | editar código-fonte]

O Il-38 é uma adaptação do turboélice quadrimotor Ilyushin Il-18 para uso como aeronave de patrulha marítima para a Marinha Soviética. Ela possui defesas contra mísseis balísticos lançados por submarinos americanos. O Comitê Central do Partido Comunista e o Conselho de Ministros emitiram uma diretiva conjunta em 18 de Junho de 1960, solicitando que um protótipo estivesse pronto para testes no segundo trimestre de 1962. A fuselagem, asa, cauda e naceles dos motores eram as mesmas do Il-18 e tinha a mesma motorização e cabine de comando. Um protótipo aerodinâmico do Il-38 voou pela primeira vez em 28 de Setembro de 1961,[2] com a primeira aeronave de produção seguindo em Setembro de 1967. A produção continuou até 1972, quando o mais longo e mais versátil Tupolev Tu-142 derivado do bombardeiro estratégico Tupolev Tu-95 entrou em serviço.[3]

Sua estrutura é baseada no Il-18, com as asas sendo movidas 3 m (9.84 ft) para frente.[4] Diferente do Il-18, apenas a fuselagem dianteira do Il-38 era pressurizada. A cauda continha um detector de anomalia magnética, enquanto a fuselagem dianteira possuía um radar de busca Berkut ("Golden Eagle") (chamado de "Wet Eye" pela OTAN) em um radome. Possui duas baias internas para armas, uma a frente da asa com bóias sonares e outra atrás da asa para armas.[2]

Algumas fontes ocidentais dizem que 58 foram produzidos;[3] o comandante do esquadrão de Guerra antissubmarino na base aérea de Ostrov afirmou que a Aviação Naval Soviética recebeu 35 aeronaves,[1] das quais cerca de trinta permanecem em serviço.[5] Cinco foram repassadas à Índia em 1977 e 1983.[1] No meio dos anos 1990 parece que o avião comercial Tu-204/Tu-214 venceu uma competição contra o anfíbio Beriev A-40/Be-42 para substituir os Il-38 em serviço na Rússia,[1] mas falta de fundos afundaram o projeto. Mais recentemente, uma versão do A-40 parece estar sob desenvolvimento para substituir o Il-38.

A Índia recebeu três Il-38 ex-soviéticos em 1977, com mais dois chegando em 1983. As modificações indianas incluíram pilones na fuselagem para carregar o Míssil antinavio Sea Eagle.[6] Os Il-38 da Marinha Indiana foram enviados de volta para a Rússia para atualizações. Eles irão incorporar a nova suíte de aviônicos Sea Dragon, com um novo radar, uma torre FLIR sob o nariz e um sistema SIGINT em uma estrutura montada na fuselagem dianteira.[5] Três aeronaves modificadas, designadas Il-38 SD, foram entregues à Marinha Indiana.[7] Existem relatos de esforços para adicionar a capacidade de disparar os mísseis de cruzeiro Indo-Russos Brahmos a partir desta aeronave. Mockups foram exibidos com o Brahmos sob os pilones das asas em aeronaves da Marinha Indiana.

Histórico operacional[editar | editar código-fonte]

Um protótipo foi perdido no início dos anos 1970 quando foi forçado a amerrisar.[1]

O Il-38 foi operado por unidades em frotas no Norte, Pacífico e Báltico soviéticos. Em março de 1968 um esquadrão de Il-38s foi enviado para Cairo, no Egito, operado por tripulações soviéticas mas em marcas egípicias, até serem retirados em 1972. Os Il-38 continuaram a servir sobre o mar durante a Guerra Fria, voando de Aden no Iêmen do Sul, Asmara que era na Etiópia, Líbia e Síria. Dois Il-38 foram atacados no solo durante um ataque de comando e pelo menos um foi destruído pelos soldados da Frente de Libertação do Povo Eritreu em 1984 em Asmara.[3] Após o fim da Guerra Fria e a dissolução da União Soviética, os Il-38 permanecem em serviço nas frotas do Ártico e Pacífico da Marinha Russa.[5]

O tipo fez sua primeira visita à base da OTAN em 1995, em Jacksonville.[1] Sua primeira aparição em um show aéreo no ocidente foi em 1996 na Royal International Air Tattoo no Reino Unido.[1]

Um acidente trágico de colisão no ar ocorreu no dia 1 de Outubro de 2002, durante celebrações de jubileu de prata do esquadrão indiano. O IN302 e o IN304, que estavam voando paralelos um ao outro, tiveram uma colisão no ar sobre o aeroporto de Dabolim, em Goa. Todos os doze tripulantes (seis em cada aeronave) foram mortos e ambas aeronaves destruídas.[8]

No dia 7 de Dezembro de 2010, dois Il-38 da Marinha russa apareceram no Mar do Japão próximo à Península de Noto, interrompendo exercícios militares do Japão e Estados Unidos. Os exercícios foram temporariamente suspensos devido à preocupação dos Il-38 estarem em missões de vigilância sobre as atividades navais do Estados Unidos e Japão.

Versões[editar | editar código-fonte]

Um Ilyushin IL-38 sem registro, posteriormente entregue à Marinha da Índia em 1983 e sendo o primeiro Il-38 a ser modernizado para o padrão SD.
Il-38
Aeronave de produção
Il-38M
Versão modificada com uma sonda receptora como parte de um sistema de reabastecimento em voo. Não entrou em serviço
Il-38MZ
Uma versão modificada para aeronave-tanque do Il-38. Não entrou em serviço
Il-38N
Versão melhorada, por vezes referida como Il-38SD devido ao sistema de busca Sea Dragon. A versão para a marinha russa é equipada com o sistema Novella.[9] O Il-38N é capaz de obter alvos aéreos em alcances de até 90 quilômetros e seguir objetos na superfície dentro de um raio de 320 km. 8 aeronaves foram entregues para a marinha russa.[10] Aeronaves modernizadas anti-submarino entraram em serviço na frota russa do Pacífico.[11]

Operadores[editar | editar código-fonte]

Il-38 da Marinha Indiana na INS Hansa em Goa, com um Tupolev Tu-142 ao fundo.
 Índia
 Rússia
 União Soviética

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. a b c d e f g h Borst, Marco P.J. (1996). «Ilyushin IL-38 May- the Russian Orion» (pdf). Lockheed. Airborne Log: 8–9 
  2. a b Lake 2005, p.31.
  3. a b c Lake 2005, p.32.
  4. Gordon 2004, p.92.
  5. a b c Lake 2005, p.36.
  6. Lake 2005, pp.32-33.
  7. http://lenta.ru/news/2010/02/19/il38sd/
  8. India navy planes collide in mid-air
  9. http://lenta.ru/news/2012/03/05/il38n/
  10. http://bmpd.livejournal.com/2341327.html
  11. http://sputniknews.com/military/20150923/1027429782.html#ixzz3mvps17Pn