João Filopono

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Este artigo é sobre o filósofo do século VI chamado de "João, o Gramático". Para o patriarca de Constantinopla do século IX também chamado assim, veja João VII Gramático.

João Filopono de Alexandria (em latim: Joannes Philoponus; c. 490 – c. 570[1] ) foi um filósofo neoplatônico cristão bizantino e patrístico grego que fez parte da Biblioteca de Alexandria no período conhecido como "pós-nissênico" da Escola Neoplatônica de Alexandria, no Egito. Nascido em "Filipo", (vila do no norte da Grécia) por volta de 490, foi aluno e professor na Academia de Alexandria considerado o mais importante físico de sua época por suas obras baseadas na Física de Aristóteles e suas pesquisas sobre o "impetus", sobre o astrolábio, sugeriu o princípio da inércia e afirmou que um corpo em queda livre não desenvolve velocidade proporcional ao seu peso. Foi também professor de gramatica pelo que também ficou conhecido como João, o Gramático (Joannes Grammaticus) Mas ficou mais conhecido por ter rejeitado diversas das teorias físicas defendidas por Aristóteles, uma exceção para os neoplatônicos da época. Teve forte influência sobre os filósofos e cientistas muçulmanos de sua época, como Al Fahabi, ibn Hunayn, e outros. No final de sua vida converteu-se ao cristianismo. Mas tornou-se mais influente depois de morto e, traduzido no século XIII para o latim, influenciou o pensamento de Tomás de Aquino. Faleceu por volta de 570 em Alexandria.

Escreveu diversas obras em grego que ficaram conhecidas por suas várias traduções do Latin e algumas traduzidas do árabe como:

  • De opificio mundi, (sobre o astrolábio)
  • De aeternitate mundi contra Proclum
  • In cathegoria
  • In Analítica priora
  • In Analitica posteriora
  • In primos quatuor Aristotelis de naturali auscultatione
  • In librum primum Metereorum
  • In libros tres De anima
  • In libros duos De Generatione et interitu
  • In libros XIV Metaphysicorum e 
  • In Physicorum libros.(comentarios à Fisica de Aristóteles)

Comentários à Física e Cosmologia de Aristóteles[editar | editar código-fonte]

Embora de espírito platônico, dedicou-se mais a Aristóteles que os demais cristãos de sua época. FIlopono é considerado o maior crítico de sua época das idéias aristotélicas, basicamente as leis aristotélicas do movimento e a impossibilidade do infinito, da eternidade e do vazio.

Seu trabalho científico considerado mais importante foi uma crítica em relação à doutrina aristotélica da "antiperistasis", isto é a noção de que no movimento de um projétil o ar a sua frente passa para trás e empurra o projétil para frente. Utilizou argumentos teóricos e experimentais para concluir que o meio só pode resistir ao movimento, nunca sustentá-lo. E enunciou que seria preciso admitir que alguma força motora incorpórea que era conferida pelo lançador ao projétil. E concluiu que tal movimento perduraria no vazio.

Com relação à queda dos corpos no ar, verificou experimentalmente que os tempos de queda não são proporcionais aos pesos,conforme anunciara Aristóteles, mas que são praticamente iguais. Atacou também a separação entre o mundo sublunar e o lunar[2]

Outros trabalhos[editar | editar código-fonte]

Como filósofo foi discípulo de Hamônio Hérmias. Fez a distinção entre o Criador e toda sua criação, mostrando que a visão do céu não era divina. Estes argumentos foram fundamentais para o futuro desenvolvimento da cosmologia.

Seu tratado sobre o astrolábio,De opificio mundi, tornou-se um clássico onde ficou evidente toda sua grande sapiência matemática, notadamente no comentário sobre a obra de Nicômano.

Ícone de esboço Este artigo sobre filosofia/um(a) filósofo(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.

Referências

  1. Károly Simonyi. A Cultural History of Physics. CRC Press; 2012. ISBN 978-1-56881-329-5. p. 612.
  2. Filopono de Alexandria e a controvérsia acerca da eternidade do mundo” in LEVY L.; ZINGANO, M. e PEREIRA, L. C. Metafísica, Lógica e outras coisas mais , Rio de Janeiro, [S.l.: s.n.] 2012.  |nome1= sem |sobrenome1= em Authors list (Ajuda)