Lars von Trier

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Lars von Trier
Lars von Trier no Festival de Cannes em 2000
Nome completo Lars Trier
Nascimento 30 de abril de 1956 (61 anos)
Kongens Lyngby, Copenhague
Nacionalidade Dinamarca dinamarquês
Ocupação Diretor
Roteirista
Produtor de cinema
Cônjuge Cæcilia Holbek (m. 1987–95; 2 filhos)[1]
Bente Frøge (m. 1997–presente; 2 filhos)
César
Melhor Filme Estrangeiro
1980 – Breaking the Waves
Festival de Cannes
Palma de Ouro
1984 – The Element of Crime
1991 – Europa
1996 – Breaking the Waves
2000 – Dancer in the Dark
IMDb: (inglês)

Lars von Trier (Copenhague, 30 de abril de 1956) é um cineasta e roteirista dinamarquês; vencedor de diversos prêmios europeus de cinema. A partícula "von" foi adotada por Lars von Trier durante o período em que esteve na Danish Film School. O motivo para sua inclusão no apelido foi a alcunha que os seus amigos da época lhe deram.

Lars estreou em direção cinematográfica com Befrielsesbilleder (1982), mas passou ser reconhecido no seu oitavo título como diretor, o drama romântico filme Breaking the Waves (1996). Anos depois realizou a comédia Idiolterne (1998), que recebeu críticas favoráveis pela crítica e público, e Dancer in the Dark (2000), que foi muito bem recebido pela crítica, que inclusive foi indicado a vários prêmios importantes, como o Oscar, Globo de Ouro e Independent Spirit Awards e vencedor da Palma de Ouro pelo filme. Uma trilogia foi planejada por Trier, que começou por Dogville (2003), foi procedido por Manderlay (2005) e não se obtém nenhuma notícia possível de um terceiro filme da trilogia. Três anos depois de sua comédia The Boss of It All (2006), o cineasta dirigiu e escreveu o roteiro para uma trilogia intitulada "Trilogia da Depressão", com os filmes Antichrist (2009), Melancholia (2011) e Nymphomaniac (2013), todos foram bem recebidos pela crítica e pelo público.

Início da vida[editar | editar código-fonte]

Trier nasceu em Kongens Lyngby, norte de Copenhagen, filho de Inger Høst e Fritz Michael Hartmann. Recebeu seu sobrenome do marido de Høst, Ulf Trier, que considerou seu pai biológico até 1989[2]. O diretor mais tarde se tornaria famoso por sua honestidade aos jornalistas sobre sua família complexa e educação, bem como o impacto que teve sobre sua identidade, crenças e processo artístico.

Trier estudou teoria de cinema na Universidade de Copenhaga e direção de cinema na Escola Nacional de Cinema da Dinamarca. Aos 25 anos, ganhou dois prêmios de melhor filme escola no Festival Internacional de Escolas de Cinema de Munique[3] para os filmes Nocturne e Last Detail. Adotou a partícula nobiliárquica alemã "von" ao seu nome (possivelmente como uma homenagem satírica aos igualmente auto-inventados títulos de diretores Erich von Stroheim e Josef von Sternberg), e viu o seu filme de graduação Images of Liberation lançado como um recurso teatral.[4]

Controvérsia no festival de Cannes[editar | editar código-fonte]

Conhecido por ser provocador nas entrevistas, os comentários de von Trier durante a coletiva de imprensa antes da estreia de Melancholia no festival de Cannes causaram uma controvérsia significativa na mídia, levando o festival a declará-lo como "persona non grata" e bani-lo do festival por um ano.[5][6] O filme, contudo, não foi excluído da competição daquele ano. Minutos antes do final da entrevista, um jornalista perguntou a von Trier sobre sua origem alemã e a estética nazista em resposta à descrição do gênero do filme feita pelo diretor como "romance alemão". O diretor – que foi criado judeu e descobriu apenas na vida adulta que seu pai biológico era um alemão não-judeu – pareceu ofendido pela conotação e respondeu discutindo sua identidade alemã. Ele brincou que, já que não era mais judeu, agora "entendia" e simpatizava com Hitler, que ele não é contra os judeus, exceto por Israel, que é "um pé no saco" e que é nazista.[7] Esses comentários provocaram uma agitação na mídia que apresentou o incidente como um escândalo antisemita.[8] O diretor divulgou uma desculpa formal imediatamente após a polêmica coletiva de imprensa e se desculpava em todas as entrevistas que ele concedia nas semanas após o incidente, admitindo que não estava sóbrio e dizendo que não precisava explicar que não era nazista.[7]

Filmografia[editar | editar código-fonte]

Curta-metragem[editar | editar código-fonte]

Ano Filme Creditado como
Diretor Roteirista
1967 Turen til Squashland Sim Sim
1968 Nat, skat Sim Sim
1969 Et skakspil Sim Sim
1969 En røvsyg oplevelse Sim Sim
1970 Hvorfor flygte fra det du ved du ikke kan flygte fra? Fordi du er en kujon Sim Sim
1971 En blomst Sim Sim
1978 Orchidégartneren Sim Sim
1979 Menthe - la bienheureuse Sim Sim
1980/1 Nocturne Sim Sim
1996 Den sidste detalje Sim
2003 Dogville: The Pilot Sim Sim
2011 Selma Jezková Sim

Longas-metragens[editar | editar código-fonte]

Ano Filme Creditado como
Diretor Roteirista
1982 Befrielsesbilleder Sim Sim
1984 The Element of Crime Sim Sim
1987 Epidemic Sim Sim
1988 Medea Sim Sim
1991 Europa Sim Sim
1994 Lærerværelset Sim Sim
1996 Marathon Sim
1994 Riget I Sim Sim
1996 Breaking the Waves Sim Sim
1997 Riget II Sim Sim
1998 Idioterne Sim Sim
2000 D-dag Lise Sim Sim
2000 D-dag Sim Sim
2000 Dancer in the Dark Sim Sim
2001 D-dag - Den færdige film Sim Sim
2003 Dogville Sim Sim
2003 Five Obstructions Sim Sim
2004 Dear Wendy Sim Sim
2004 Kingdom Hospital Sim
2005 Manderlay Sim Sim
2006 Boss of it All Sim Sim
2007 Cada Um com Seu Cinema Sim
2007 The Early Years Sim
2009 Antichrist Sim Sim
2011 Melancholia Sim Sim
2013 Nymphomaniac: Vol. I Sim Sim
2013 Nymphomaniac: Vol. II Sim Sim
2018 The House That Jack Built Sim Sim

Prêmios e Indicações[editar | editar código-fonte]

  • Recebeu uma indicação ao Oscar de Melhor Canção Original, por I've Seen It All (2001).
  • Recebeu uma indicação ao Bodil Awards de Melhor Filme Dinamarquês, por Idiolterne (1999).
  • Recebeu uma indicação ao Bodil Awards de Melhor Filme Dinamarquês, por Dancer in the Dark (2001).
  • Recebeu uma indicação ao Bodil Awards de Melhor Filme Dinamarquês, por Manderlay (2006).
  • Recebeu uma indicação ao Bodil Awards de Melhor Filme Dinamarquês, por Nymphomaniac (2014).
  • Recebeu uma indicação ao César de Melhor Filme Estrangeiro, por Dancer in the Dark (2001).
  • Recebeu uma indicação ao César de Melhor Filme da União Europeia, por Dogville (2004).
  • Recebeu uma indicação ao César de Melhor Filme Estrangeiro, por Melancholia (2012).
  • Recebeu uma indicação ao Globo de Ouro de Melhor Canção Original, por I've Seen It All.
  • Recebeu uma indicação ao Indepedent Spirit Award de Melhor Filme Estrangeiro, por Breaking the Waves (1996).
  • Recebeu uma indicação ao Indepedent Spirit Award de Melhor Filme Internacional, por Melancholia (2012).
  • Recebeu uma indicação ao Satelite Award de Melhor Diretor, por Breaking the Waves (1997).
  • Ganhou o Bodil Awards de Melhor Filme Dinamarquês, por The Element of Crime (1985).
  • Ganhou o Bodil Awards de Melhor Filme Dinamarquês, por Europa (1992).
  • Ganhou o Bodil Awards de Melhor Filme Dinamarquês, por Riget (1995).
  • Ganhou o Bodil Awards de Melhor Filme Dinamarquês, por Breaking the Waves (1997).
  • Ganhou o Bodil Awards de Melhor Filme Dinamarquês, por Dogville (2004).
  • Ganhou o Bodil Awards de Melhor Filme Dinamarquês, por Antichrist (2010).
  • Ganhou o Bodil Awards de Melhor Filme Dinamarquês, por Melancholia (2012).
  • Ganhou o César de Melhor Filme Estrangeiro, por Breaking the Waves (1997).
  • Ganhou o Independent Spirit Award de Melhor Filme Estrangeiro, por Dancer in the Dark (2000).
  • Ganhou o Satelite Award de Melhor Filme Estrangeiro, por Breaking the Waves (1997).
  • Ganhou o Satelite Award de Melhor Canção Original, por I've Seen It All.

Referências

  1. Lumholdt, Jan (2003). Lars von Trier: interviews (em inglês). [S.l.]: Univ. Press of Mississippi. p. 22–23. ISBN 978-1-57806-532-5 
  2. «Carl Th. Dreyer - From Dreyer to von Trier» (em dinamarquês) 
  3. Lumholdt, Jan (1 de janeiro de 2003). Lars Von Trier: Interviews (em inglês). [S.l.]: Univ. Press of Mississippi. ISBN 9781578065325 
  4. «Befrielsesbilleder» (em dinamarquês). Nationalfilmografien 
  5. «Von Trier 'persona non grata' at Cannes after Nazi row» (em inglês). BBC. 19 de maio de 2011 
  6. Bhushan, Nyay (22 de novembro de 2013). «Lars von Trier's Sex Epic 'Nymphomaniac' Can't Compete at Cannes, Says Thierry Fremaux» (em inglês). The Hollywood Report 
  7. a b de Almeida, Carlos Helí (18 de maio de 2011). «Declaração nazista de Lars Von Trier choca o Festival de Cannes». Veja 
  8. Berrin, Danielle (18 de maio de 2011). «Lars Von Trier at Cannes: Anti-Semitic spew or strange, stupid gaffe? UPDATED» (em inglês). Jewish Journal 

Ver também[editar | editar código-fonte]