Leonor Silveira

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde novembro de 2015). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Leonor Silveira
Nome completo Leonor da Silveira Moreno e Lemos Gomes
Nascimento 28 de outubro de 1970 (47 anos)
Lisboa, Portugal Portugal
Nacionalidade Portuguesa
Ocupação Atriz
IMDb: (inglês)

Leonor da Silveira Moreno e Lemos Gomes ComM (Lisboa, 28 de outubro de 1970) é uma actriz de cinema portuguesa.

Família[editar | editar código-fonte]

É filha do Médico João José de Azevedo e Lemos Gomes e de sua mulher Maria Ana da Silveira Moreno (neta materna de Alberto da Silveira Moreno, trineto do 1.º Barão de Almeirim e 5.º neto do 1.º Barão de Sobral e da 4.ª Senhora de Sobral, e de sua mulher Ginette Goldstein, nascida em São Paulo, Judia Asquenaze), sendo também cunhada do pintor Eduardo Batarda e tia da sua filha, a actriz Beatriz Batarda, e irmã de Lourenço da Silveira Moreno e Lemos Gomes (casado com Maria José de Abreu Castelo-Branco Adão da Fonseca, nascida em Inglaterra a 14 de Outubro de 1977, de quem tem um filho, Pedro, e duas filhas, Marta e Rita Adão da Fonseca de Lemos Gomes).

Biografia[editar | editar código-fonte]

Estudou no Lycée Français Charles Lepierre e licenciou-se em Relações Internacionais, na Universidade Lusíada de Lisboa (1995).

Tornou-se actriz pela mão de Manoel de Oliveira, convertendo-se num verdadeiro ícone na cinematografia do mestre. Estreou-se ao lado de Luís Miguel Cintra em Os Canibais (1988), após o que participou, sucessivamente, em A Divina Comédia (1991), Viagem ao Princípio do Mundo (1997), Party (1996), O Convento (1995), Inquietude (1998), A Carta (1999), Palavra e Utopia (2000), O Princípio da Incerteza (2001) ou Um Filme Falado (2003). Serão, porventura, Vale Abraão (1993), adaptação feita por Agustina Bessa-Luís, do romance Madame Bovary de Flaubert, e Espelho Mágico (2006), a partir de A Alma dos Ricos, também de Agustina, as suas interpretações mais significativas.

Participou ainda em filmes de João Botelho, Joaquim Pinto, Luís Galvão Teles, Vicente Jorge Silva.

Desempenhou funções de assessoria no Ministério da Cultura, quando este era dirigido por Manuel Maria Carrilho (1997-2000) e, posteriormente, foi nomeada Vice-Presidente do ICAM - Instituto do Cinema, Audiovisual e Multimédia (ao qual pertence desde 2000), de 2005 a 2007, ano em que foi renomeado Instituto do Cinema e Audiovisual e em que foi nomeada subdirectora, tendo sido reconduzida em 2012.

Integrou ainda o júri de vários festivais de cinema, como o Festival Internacional de Curtas-Metragens de Vila do Conde (1997), o Festival Internacional de Cinema de São Paulo (Brasil) (2000) e o Festival Internacional de Cinema de Marraquexe (2003), Festival de Cinema de Cannes(2009), Festival de cinema de San Sebastien(2010)

Condecorações[editar | editar código-fonte]

Casamento e descendência[editar | editar código-fonte]

Divorciada ,tem um filho e uma filha:

  • João Maria de Lemos Gomes de Sousa Paz (2004)
  • Beatriz de Lemos Gomes de Sousa Paz (2007)

Filmografia[editar | editar código-fonte]

Cinema[editar | editar código-fonte]

Televisão[editar | editar código-fonte]

  • 2016: Terapia, como Catarina Magalhães, RTP

Referências

  1. «Cidadãos Nacionais Agraciados com Ordens Portuguesas». Resultado da busca de "Leonor Silveira". Presidência da República Portuguesa. Consultado em 23 de novembro de 2015. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]