Numeração romana

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Números romanos)
Ir para: navegação, pesquisa
Wiki letter w.svg
Por favor melhore este artigo, expandindo-o. Mais informação pode ser encontrada nos artigos correspondentes noutras línguas e também na página de discussão.
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde fevereiro de 2014). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Decimal Romana
1 l
2 II
3 III
4 IV
5 V
6 VI
7 VII
8 VIII
9 IX
10 X
19 XIX
20 XX
30 XXX
40 XL
50 L
60 LX
70 LXX
80 LXXX
90 XC
100 C
200 CC
300 CCC
400 CD
500 D
600 DC
700 DCC
800 DCCC
900 CM
1000 M
2000 MM
3000 MMM
4000 IV
5000 V
6000 VI
7000 VII
8000 VIII
9000 IX
10000 X
100000 C
500000 D
1000000 M

O sistema de numeração romana (algarismos romanos ou números romanos) desenvolveu-se na Roma Antiga e utilizou-se em todo o Império dele. Ele é composto por sete letras maiúsculas do alfabeto latino: I, V, X, L, C, D e M..

Números inteiros[editar | editar código-fonte]

Alguns valores inteiros são representados por letras romanas específicas. São eles:

Número romano Nome Valor
I unus 1 (um)
V quinque 5 (cinco)
X decem 10 (dez)
L quinquaginta 50 (cinquenta)
C centum 100 (cem)
D quingenti 500 (quinhentos)
M mille 1,000 (mil)

Para representar outros números, são escritos alguns algarismos, começando-se do algarismo de maior valor e seguindo a seguinte regra:

  • Algarismos de menor ou igual valor à direita são somados ao algarismo de maior valor;
  • Algarismos de menor valor à esquerda são subtraídos do algarismo de maior valor.

Assim, XI representa 10 + 1 = 11, enquanto XC representa 100-10 = 90. Há ainda a regra adicional de que um algarismo não pode ser repetido lado a lado por mais de três vezes. Assim, para representar 300, podemos usar CCC; para representar 400, entretanto, precisamos escrever CD.

Para cifras elevadas, utiliza-se um travessão por cima da letra, que representa sua multiplicação por 1000. Assim, C corresponde ao valor 100.000 (100 x 1.000) e M corresponde ao valor 1.000.000 (1.000 x 1.000).

Formas alternativas[editar | editar código-fonte]

Mostrador de relógio com numerais romanos em Bad Salzdetfurth, Alemanha

A formas padrão hoje conhecidas para a numeração romana refletem o uso moderno e não são nem foram universais. O uso na Roma Antiga era bem variado e isso continuou inconsistente até hoje.[1]

As inscrições Romanas, principalmente em contextos oficiais, davam preferência a formas aditivas como IIII (4) e VIIII (9) em lugar ou até em uso alternativo em lugar de formas subtrativas como IV e IX. Ambos métodos, aditivos e substrativos, aprecem em documentos da era do Império Romano, mesmo de formas diferentes em alguns documentos. Também se viam "Substrativos duplicados", tais como XIIX ou mesmo IIXX em lugar de XVIII. Por vezes V e L não eram usados, mas se viam formas como IIIIII e XXXXX em lugar de VI e LX.[2] [3]

Inscrições no Admiralty Arch, Londres. O número é 1910, para o qual o mais usual seria MCMX

Tal variação e inconsistência continuou até o período medieval e tempos modernos, até mesmo se tornar convencional. Há mostradores de relógios usam numerais romanos para mostrar “IIII” para quatro horas, mas “IX” para nove horas, uma prática usual em relógios mais antigos como o da Catedral de Wells.[4] [5] [6] No entanto, isto está longe de ser universal : por exemplo, o relógio do Palácio de Westminster em Londres (o "Big Ben ").

Similamente, no início do século XX, havia diferentes representações para 900 (comumente CM). Por exemplo, 1910 é representado no Admiralty Arch, London,como MDCCCCX em lugar de MCMX, enquanto que na entrada norte do Saint Louis Art Museum, 1903 é escrita como MDCDIII e não MCMIII.[7]

História[editar | editar código-fonte]

Pré-romanos e Roma antiga[editar | editar código-fonte]

Embora os numerais romanos tenha chegado a ser representados por letras do alfabeto latino, foram antes símbolos independentes. Os Etruscos, antecessores dos romanos na península, usavam diversos símbolos diferentes, dentre os quais, por exemplo, ⋔ e ⊕. Usavam também os atuais símbolos V, X, L, C, e M. Desses todos somente I e X eram letras de seu alfabeto.

Hipóteses sobre a origem da numeração romana[editar | editar código-fonte]

Marcas de contagem[editar | editar código-fonte]

Por essa hipótese, a prévia numeração Etrusco-Romana em verdade se derivaria dos entalhes (traços retilíneos) das marcas de contagem em varetas, as quais continuaram a ser usadas por pastores Italianos e Dálmatas até o século XIX. Observe-se que os quatro primeiros símbolos da numeração Romana, I, V, X, L são formados por traços retos, podendo até o C ser feito por três traços.[8] Assim, I não descende da letra I mas de um traço transversal entalhado numa vareta. A cada cinco entalhes vinha um corte duplo (um V) e a cada dez entalhes havia um corte em cruz (como um X). Havia entalhes duplos como, por exemplo, ⋀, ⋁, ⋋, ⋌, etc.). Isso produziu um sistema parcialmente posicional: O número Oito numa vara de contagem era representado por 8 entalhes retos, sendo IIIIΛIII ou oito traços (sem o Λ) lado a lado. Isso pode ser simplificado para ΛIII (ou VIII), uma vez que o Λ implica quatro traços antes dele. Assim, dezoito seria o oitavo entalhe depois do primeiro dez, o qual seria abreviado como X, assim sendo XΛIII. De modo similar, o número quatro numa vara era um entalhe reto antes do Λ (V), sendo escrito como IIII ou IΛ (IV). O sistema não era nem aditivo nem subtrativo nessa concepção, mas Ordinal. Com os traços sendo representados por escrita, tem-se a fácil identificação com as letras romanas I, V e X.

As quantias V ou X sobre a vara implicariam num entalhe adicional, foi o caso de 50 escrito de forma variada como N, И, K, Ψ, U, U, ⋔, etc., mas possivelmente o uso mais frequente foi o “pé de galinha” (ᗐ) com um “I” sobre um “V” . Essa forma do 50 foi “achatada” para ⊥ (um T invertido) ao tempo de Augusto, simplificando-se logo para L. De modo similar, 100 já foi simbolizado de várias formas com traços Ж, ⋉, ⋈, H, ou qualquer outro dos símbolos para 50 com um traço adicional. A forma Ж (X mais I) veio a predominar. Ezsa já foi também escrita como >I< ou mesmo ƆIC, essa última abreviada como Ɔ ou C, com C vindo a dominar como uma letra do latim "centum".

As centenas para V ou X eram marcadas com algo adicional. Desse modo 500 seria formado por um Ɔ sobreposto a um ⋌ ou ⊢, se tornando um Ð ou um D, já ao tempo de Augusto, com influência da letra D, mais tarde identificado com essa letra. Numa origem alternativa, "mil" era (I ou mesmo CIƆ ou CꟾƆ); daí, a metade de mil, quinhentos, ficou sendo a metade direita do símbolo, ou seja I) ou IƆ ou ꟾƆ, o que pode ter sido convertido para D. <cite book | first1 = Isaac | last1 = Asimov | title = Asimov On Numbers | publisher = Pocket Books, a division of Simon & Schuster, Inc | origyear = 1966| year = 1977 | page = 9 }}</ref> This at least was the etymology given to it later on.

O número 1000 era um X dentro de um quadrado ou um círculo (Ⓧ ou ⊕), que durante a era de Augusto foi parcialmente identificado como a letra grega Φ (phi). Com o tempo, esse símbolo foi mudado para Ψ e também ↀ. Esse último depois evoluiu para ∞, depois ⋈ e finalmente para M, sob influência do Latim “mil”.

Sinais com as mãos[editar | editar código-fonte]

Alfred Hooper sugeriu uma alternativa para a origem da numeração romanda para pequenas quantidades. Hooper defende que os dígitos têm relação com a mão e seus dedos usadas para contagem. Por exemplo, os números I, II, III, IIII correspondem aos números de dedos mostrados para alguém. V representa a mão aberta com quatro dedos juntos e o polegar separado. Os números de 6 a 10 são representadas pelas duas mãos como se segue (mão esquerda, mão direitas): 6 (V, I), 7(V,II), 8(V,III), 9(V,IIII), 10(V,V) e o X resulta tanto pelo cruzamento dos polegares, ou pelas duas mãos juntas em cruz.

Símbolos "metade"[editar | editar código-fonte]

Uma terceira hipótese sobre a origem das derivações diz que as quantias básicas eram I, X, C e Φ (ou ⊕) e que as quantidades intermediárias se derivaram pela tomada de metade desses. A metade de X é V, a metade de C é L e a metade de Φ/⊕ é D.[9] .

Zero[editar | editar código-fonte]

Os romanos desconheciam o zero, introduzido posteriormente pelos árabes, de forma que não existia nenhuma forma de representação deste valor pelo fato de terem apenas como base o início do numeral o 1.

Idade Média e Renascimento[editar | editar código-fonte]

Numerais em documentos e inscrições da Idade Média por vezes incluíram alguns símbolos adicionais que hoje são chamados "numerais romanos medievais". Usaram-se outras letras, tais como para substituir as letras padrão (tais como "A" para "V" ou "Q" para "D"), enquanto outros são abreviações para numerais compostos ("O" para "XI", our "F" para "XL"). Mês mo que alguns dicionários de hoje os apresentem, eles não são mais usados.[10]

Num.|número abrev.|abreviação Notas e etimologia
5 A Parece um V de cabeça para baixo. Também era usado para 500.
6 Ϛ VI ou do numeral grego para 6, stigma (|Ϛ).[11]
7 S, |Z Presumida abreviação de septem, Latim para 7.
11 O Presumida abreviação de onze, Francês para 11.
40 F Presumida abreviação do Inglês forty.
70 S Pode servir para 7, mesma origem.
80 R
90 N Presumida abreviação de nonaginta, Latim para 90. N é usado também para "nada" (nullus).
150 Y Possivelmente derivado de minúsculo de Y.
151 K Pouco usado, origem desconhecida; usado por vezes para 250.[12]
160 T Possivelmente de origem grega tetra, como 4 × 40 = 160.
200 H Pode ser usado para 2 (ver também, símbolo para dupondius). Uma barra entre dois I's.
250 E
300 B
400 P, |G
500 Q Redundante com D – abreviação de quingenti, Latim para 500.
2000 Z

Cronogramas, mensagens com números codificado, foram populares durante o Renascimento. O cronograma pode ser uma frase contendo as letras I, V, X, L, C, D, M. Juntando-se as letras, o leitor obtém o número, geralmente um particular ano.

IIII e IV[editar | editar código-fonte]

No caso do número "quatro" (IV no modo mais comum), existe uma forma mais arcaica, grafada como "IIII"[13] [14] . Seu uso é relativamente usual em relógios que exibem as horas em algarismos romanos - cujo uso em relógios podem ter diversas causas, desde estética, até religiosa.

Valores especiais[editar | editar código-fonte]

Zero[editar | editar código-fonte]

O número 0 (zero) não tinha uma representação própria em números romanos, mas a palavra nulla (nenhum em latim) foi usada na Idade Média para, por exemplo, o cálculo da Páscoa em lugar do Zero. Dionysius Exiguus ficou conhecido por usar nulla junto com numerais romanos no ano 525.[15] [16] Por volta de 725, Bede ou algum de seus colegas usou a letra N, a inicial de nulla, numa tabela de epactas escrita em numerais romanos.[17]

Frações[editar | editar código-fonte]

Moeda triens, de 1/3 ou 4/12 de um as (latim). Notar os 4 pontos •••• indicando seu valor
Moeda semis, de 1/2 ou 6/12 of de um as (latim). Notar o S indicando seu valor

Mesmo que os ramanos usassem um sistema decimal para números inteiros, refletindo seu sistema de contagem, eles usavam o sistema duodecimal (base 12) para números fracionários racionais, devido à ótima divisibilidade do número 12, que permite frações inteiras 1/3 e 1/4 , não possíveis na base 10. Nas moedas, muitas das quais tinham valores em frações duodecimais da unidade As, era usado um sistema notacional baseado em metades e dozeavos. Um ponto (•) indicava uncia (onça), "duodécimo", que foi a origem de palavras do inglês como inch e ounce; pomtos eram repetidos para frações até 5/15. Seis dozeavos (metade) foram abreviados para S de semis "metade". Pontos Uncia foram adicionados ao S para as frações de sete a onze, como os traços adicionados ao “V” para números inteiros de seis até nove.[18]

Cada fração desde 1/12 até 12/12 (um) tinha um nome nos tempos do Império Romano, os quais correspondiam ao nome das moedas relacionadas:

Fração Número Romano Nome (nominativo e genitivo) Significado
1/12 uncia, unciae "onça"
2/12 = 1/6 •• ou : Sextans (moeda), sextantis "sexto"
3/12 = 1/4 ••• ou quadrans, quadrantis "quarto
4/12 = 1/3 •••• ou :: triens, trientis "terço"
5/12 ••••• ou :•: Quincunx (moeda), quincuncis "Cinco-onças" (quinque unciaequincunx)
6/12 = 1/2 S semis, semissis "meio"
7/12 S• septunx, septuncis "Sete-onças" (septem unciaeseptunx)
8/12 = 2/3 S•• ou S: bes, bessis "duplo" ( "duplo terço")
9/12 = 3/4 S••• ur S:• dodrans, dodrantis
or nonuncium, nonuncii
"menos um quarto" (de-quadransdodrans)
ou "nove-onças" (nona uncianonuncium)
10/12 = 5/6 S•••• ou S:: dextans, dextantis
ou
decunx, decuncis
"Menos um sexto" (de-sextansdextans)
ou "dez onças" (decem unciaedecunx)
11/12 S••••• ou S:•: deunx, deuncis "menos uma onça" (de-unciadeunx)
12/12 = 1 I As (moeda), assis "unidade"

O arranjo dos pontos era variável e não necessariamente linear. Cinco pontos posicionados como na face 5 de um dado arem chamados de quincunx.

Outras notações fracionais romanas foram:

  • 1/8 sescuncia, sescunciae – prefixo numeral sesqui- + uncia (1½ uncias), representado pela sequência dos símbolos de semuncia e uncia.
  • 1/24 semuncia, semunciae - semi- + uncia (½ uncia), representado por diversos glifos varáveis derivados da forma da letra grega Sigma (Σ), uma variante semelhante ao símbolo da libra (£) sem linha horizontal e outra parecendo o Ye ucraniano (Є).
  • 1/36 binae sextulae, binarum sextularum ("dois sextulas") ou [[duella, duellae, representada por uma sequência de dois “esses” reversos (ƧƧ).
  • 1/48 sicilicus, sicilici, representada por um C reverso (Ɔ).
  • 1/72 sextula, sextulae (1/6 de uma uncia), representado por um S reverso.
  • 1/144 = 12−2 dimidia sextula, dimidiae sextulae ("metade de sextula"), representado por um S reverso cortado por um traço horizontal.
  • 1/288 scripulum, scripuli - representado pelo hoje símbolo farmacêutico britânico “escrópulo” (℈)
  • 1/1728 = 12−3 siliqua, siliquae, representado por um símbolo que parece com “aspas” de fechamento (tipografia).

Números grandes[editar | editar código-fonte]

Vários sistemas foram desenvolvidos para expressar números grandes que não seriam expressos de forma conveniente somente com os sete símbolos literais da numeração romana..

Apostrophus[editar | editar código-fonte]

Página de manual do século XVI mostrando uma mistura "apostrophus" e "vínculus". Observar em especial as formas para 10.000

Um desses sistema era o do apostrophuso,[19] (um C invertido), pelo qual 500 (normalmente escrito como "D") era representado como |Ɔ, enquanto que 1. Era escrito C|Ɔ em lugar de "M".[20] Por esse sistema de “encaixotar” números para formar milhares (os Cs e Ɔs funcionavam como o equivalentes romanos para parênteses, com origem na numeração etrusca. Os números romanos tradicionais D e M usados para representar 500 e 1.000 vieram provavelmente de |Ɔ e C|Ɔ, respectivamente.

"1630" expresso no Westerkerk de Amsterdã com notação Apóstrofo

.

Nesse sistema um |Ɔ adicional expressava 500; um |ƆƆ, 5.000 E um |ƆƆƆ, 50.000.Exemplos:

Número base   C|Ɔ = 1.000 CC|ƆƆ = 10.000 CCC|ƆƆƆ = 100.000
com |Ɔ |Ɔ = 500 C|Ɔ|Ɔ = 1.500 CC|ƆƆ|Ɔ = 10.500 CCC|ƆƆƆ|Ɔ = 100.500
com |ƆƆ |ƆƆ = 5.000   CC|ƆƆ|ƆƆ = 15.000 CCC|ƆƆƆ|ƆƆ = 150.000
com |ƆƆƆ |ƆƆƆ = 50.000     CCC|ƆƆƆ|ƆƆƆ = 150.000

Por vezes C|Ɔ foi reduzido a ↀ para 1.000. John Wallis acredita que desse símbolo tenha surgido o moderno símbolo para infinito (∞) e se diz que isso ocorreu porque 1.000 era uma genérica hipérbole para números muito grandes. Do mesmo modo, |ƆƆ (5.000) foi reduzido para ↁ; CC|ƆƆ (10.000) para ↂ; |ƆƆƆ (50.000) para unicodeↇ; e CC|ƆƆƆ (100.000) para unicodeↈ.[8] [[File:Roman numerals Bungus 1584-1585.png|thumb|Página de manual do século XVI, mostrando apostrophus e vínculum usados em números (ver em especial 10.000).

Vinculum[editar | editar código-fonte]

Outro sistema para representar números maiores é o vinculum, pelo qual números romanos convencionais são multiplicados por 1.000 ao ter um traço horizontal sobre os mesmos. [8] Linhas adicionais verticais antes e depois do numeral são usadas para adicionais multiplicações para 100 milhares ou um milhão.

Wikilivros
O wikilivro Latim tem uma página intitulada Numerais

Referências

  1. Adams, Cecil (February 23, 1990). «The Straight Dope». The Straight Dope. 
  2. Joyce Maire Reynolds and Anthony J. S. Spawforth, numbers, Roman entry in Oxford Classical Dictionary, 3rd edition, ed Simon Hornblower and Anthony Spawforth (Oxford University Press, 1996) ISBN 0-19-866172-X
  3. Kennedy, Benjamin Hall (1923). The Revised Latin Primer (London: Longmans, Green & Co). 
  4. W.I. Milham, Time & Timekeepers (New York: Macmillan, 1947) p. 196
  5. Pickover, Clifford A. (2003), Wonders of Numbers: Adventures in Mathematics, Mind, and Meaning, Oxford University Press, p. 282, ISBN 9780195348002, https://books.google.com/books?id=52N0JJBspM0C&pg=PA282 .
  6. Adams, Cecil; Zotti, Ed (1988), More of the straight dope, Ballantine Books, p. 154, ISBN 9780345351456 .
  7. «Gallery: Museum's North Entrance (1910)». Saint Louis Art Museum. Consultado em 10 January 2014. «The inscription over the North Entrance to the Museum reads: "Dedicated to Art and Free to All • Predefinição:Rn". These Roman numerals translate to 1903, indicating that the engraving was part of the original building designed for the 1904 World's Fair 
  8. a b c Ifrah, Georges (2000). The Universal History of Numbers: From Prehistory to the Invention of the Computer John Wiley & Sons [S.l.] 
  9. Keyser, Paul (1988). «The Origin of the Latin Numerals 1 to 1000». American Journal of Archaeology [S.l.: s.n.] 92: 529–546. 
  10. Capelli, A. Dictionary of Latin Abbreviations. 1912.
  11. Perry, David J. [http://std.dkuug.dk/jtc1/sc2/wg2/docs/N3218.pdf Proposal to Add Additional Ancient Roman Characters to UCS.
  12. Bang, Jørgen. Fremmedordbog, Berlingske Ordbøger, 1962 (Danish)
  13. http://mundoestranho.abril.com.br/cultura/pergunta_287932.shtml acessado em 14/05/2010
  14. FAQ: Roman IIII vs. IV on Clock Dials, coleção de textos extraídos de discussões, inclusive com citação a um livro de 1947
  15. Faith Wallis, trans. Bede: The Reckoning of Time (725), Liverpool: Liverpool Univ. Pr., 2004. ISBN 0-85323-693-3.
  16. Byrhtferth's Enchiridion (1016). Edited by Peter S. Baker and Michael Lapidge. Early English Text Society 1995. ISBN 978-0-19-722416-8.
  17. C. W. Jones, ed., Opera Didascalica, vol. 123C in Corpus Christianorum, Series Latina.
  18. Maher, David W.; Makowski, John F., "[http://dmaher.org/Publications/romanarithmetic.pdf Literary Evidence for Roman Arithmetic with Fractions", Classical Philology 96 (2011): 376–399.
  19. {{cite web|title=Merriam-Webster Unabridged Dictionary|url=http://www.merriam-webster.com/dictionary/apostrophus
  20. Erro de citação: Tag <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs chamadas asimov_on_numbers

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Numeração romana