Mona Lisa Smile

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de O Sorriso de Mona Lisa)
Ir para: navegação, pesquisa
Mona Lisa Smile
O Sorriso de Mona Lisa (PT/BR)
 Estados Unidos
2003 •  cor •  114 min 
Direção Mike Newell
Produção Fredward Johanson
Roteiro Lawrence Konner
Mark Rosenthal
Elenco Julia Roberts
Kirsten Dunst
Julia Stiles
Maggie Gyllenhaal
Ginnifer Goodwin
Dominic West
Gênero drama romântico
Lançamento Estados Unidos 19 de dezembro de 2003
Brasil 23 de janeiro de 2004[1]
Idioma Inglês
Página no IMDb (em inglês)

Mona Lisa Smile (no Brasil, O sorriso da Mona Lisa) é um filme americano de 2003 produzido pelo Revolution Studios e Columbia Pictures, dirigido por Mike Newell e escrito por Lawrence Konner e Mark Rosenthal. O título é uma referência à Mona Lisa, uma pintura famosa de Leonardo da Vinci.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Recria a atmosfera e os costumes do início da década de 1950. Conta a história de uma professora de arte que, educada na liberal Universidade de Berkeley, na Califórnia, enfrenta uma escola feminina, tradicionalista – Wellesley College, onde as melhores e mais brilhantes jovens mulheres dos Estados Unidos recebem uma dispendiosa educação para se transformarem em cultas esposas e responsáveis mães. No filme, a professora irá tentar abrir a mente de suas alunas para um pensamento liberal, enfrentando a administração da escola e as próprias garotas. O maior desafio para essa professora será fazer com que suas alunas assumam sua identidade cultural como ser social e histórico. Esse filme nos traz a visão mais ampla de novos conhecimentos.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Curiosidades[editar | editar código-fonte]

  • Julia Roberts, no filme, estimula as alunas a estudarem arte moderna, levando-as a um depósito em Boston para olharem um quadro de Jackson Pollock. Na realidade, porém, Wellesley foi uma das únicas instituições a permitir que as alunas estudassem arte moderna, começando com um curso no final dos anos 20, ministrado por Alfred Barr Jr., que mais tarde fundou o Museu de Arte Moderna.
  • O filme é considerado o equivalente feminino de Dead Poets Society.

Referências

  1. «Anos 50 retornam com discurso feminista». Folha de S.Paulo. 23 de janeiro de 2004. Consultado em 13 de fevereiro de 2018 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]