Pandemia de COVID-19 na Colômbia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Ver artigo principal: Pandemia de COVID-19 na América
Pandemia de COVID-19 em 2020 na Colômbia
COVID-19 Outbreak Cases in Colombia.svg
Mapa da pandemia de COVID-19 na Colômbia
Doença COVID-19
Vírus SARS-CoV-2
Local Colômbia
Período 6 de março de 2020
(8 meses e 24 dias)
Estatísticas globais
Casos confirmados 1 182 697
Mortes 33 669
Casos que recuperaram 1 089 340

Este artigo documenta os impactos da pandemia de coronavírus 2019-2020 na Colômbia e pode não incluir todas as principais respostas e medidas contemporâneas.

Linha do tempo[editar | editar código-fonte]

Março[editar | editar código-fonte]

Em 6 de março, o Ministério da Saúde e Proteção Social confirmou o primeiro caso de coronavírus na Colômbia, uma paciente de 19 anos que viajou recentemente para Milão, na Itália.[1][2][3]

Em 9 de março, mais dois casos foram confirmados.[4]

Em 11 de março, mais seis casos foram confirmados, três em Medellín, dois em Bogotá e um em Cartagena. Mais tarde, no mesmo dia, mais três casos foram confirmados, elevando o total para 9.[5]

Em 12 de março, mais quatro casos foram confirmados, dois em Bogotá e dois em Neiva.[6] As autoridades declararam estado de emergência de saúde, suspendendo todos os eventos públicos envolvendo mais de 500 pessoas, bem como implementando medidas destinadas a impedir que os navios de cruzeiro atracassem em qualquer porto nacional.[7]

Em 13 de março, três novos casos foram relatados, um em Bogotá, um em Palmira e outro em Villavicencio. O presidente Iván Duque anunciou que, a partir de 16 de março, a entrada na Colômbia será restrita para visitantes que estiveram na Europa ou na Ásia nos últimos 14 dias. Cidadãos e residentes colombianos que estiveram na Europa ou na Ásia podem ser admitidos no país, mas devem passar por uma auto-quarentena de 14 dias como precaução.[8][9]

Além disso, Duque anunciou que a Colômbia encerraria todas as passagens de fronteira com a Venezuela a partir de 14 de março.[10] A Associated Press relatou que os especialistas estão preocupados que a crise dos refugiados venezuelanos possa aumentar a propagação do vírus.[11][12]

Na noite de 15 de março, o Ministério da Saúde anunciou 11 novos casos, elevando o total para 45. Desses 11, 6 estavam em Bogotá, 4 em Neiva e 1 na cidade de Facatativá. Além disso, o presidente Iván Duque, juntamente com os Ministérios da Saúde e Educação, anunciou a suspensão das aulas para todas as escolas e universidades públicas e privadas do país.[13]

Na manhã de 16 de março, nove novos casos foram relatados em Bogotá.[14] Mais tarde, no mesmo dia, três casos adicionais também foram relatados em Bogotá, elevando o total para 57. O presidente Iván Duque declarou que todas as fronteiras terrestres e marítimas serão fechadas em conjunto com os governos do Equador, Peru e Brasil.[15][16][17] Os departamentos de Córdoba, Meta e Santander emitiram toque de recolher para evitar a propagação do vírus.[18]

Na manhã de 17 de março, o Ministério da Saúde da Colômbia confirmou mais 8 casos.[19] Mais tarde, no mesmo dia, eles confirmaram outros 10 casos, elevando o total para 75.[20] O prefeito de Cartagena estendeu o toque de recolher, que antes era aplicado apenas ao centro turístico da cidade a partir das 22 horas. As 16:00, para toda a cidade a partir das 18:00 às 4:00 da manhã durante a semana e por 24 horas nos finais de semana.[21] A prefeita de Bogotá, Claudia López, anunciou uma broca de isolamento obrigatória para o fim de semana prolongado, de 20 a 23 de março.[22]

Em 17 de março, às 21:00, horário local, o presidente Iván Duque fez um pronunciamento aos colombianos e declarou o estado de emergência, anunciando que tomaria medidas econômicas anunciadas no dia seguinte. A primeira medida adotada para a proteção dos idosos é decretar o isolamento obrigatório das 7:00 da manhã de 20 de março a 31 de maio para todos os adultos acima de 70 anos de idade. Eles devem permanecer em suas residências, exceto para comprar alimentos ou acessar serviços financeiros ou de saúde. As entidades governamentais foram instruídas a facilitar o recebimento de pensões, remédios, assistência médica ou alimentos em casa.[23]

Na noite de 20 de março, o presidente Iván Duque anunciou uma quarentena nacional de 19 dias, começando em 24 de março à meia-noite e terminando em 12 de abril à meia-noite.[24][25][26][27]

Em 21 de março, o Ministério da Saúde confirmou a primeira morte por coronavírus na Colômbia, um homem de 58 anos que trabalhava como taxista em Cartagena, que morreu em 16 de março e teria transportado turistas italianos em seu táxi em 4 de março. Segundo as autoridades, a pessoa começou a apresentar sintomas dois dias depois. Inicialmente, a COVID-19 havia sido descartada como a causa de sua morte, pois havia testado negativo para o coronavírus, no entanto, sua irmã havia testado positivo para a doença. Após a morte do paciente, o Instituto Nacional de Saúde (INS) analisou dois testes dele, ambos negativos com um dos que foram tomados indevidamente, mas decidiu manter a investigação aberta devido ao estado da irmã. Eventualmente, o INS concluiu que o taxista era sua única fonte possível de contágio, atribuindo sua morte ao novo vírus, apesar das evidências de laboratório que afirmam o contrário.[27][28]

Na noite de 21 de março, cerca de 23 prisioneiros foram mortos e 83 ficaram feridos durante um motim na prisão de La Modelo, em Bogotá, que explodiu em meio a temores sobre a disseminação do coronavírus pela cadeia.[29][30][31] Prisioneiros em todo o país protestavam contra a superlotação nas prisões, bem como os maus serviços de saúde desde o surto da COVID-19.[32]

Em 22 de março, o Ministério da Saúde confirmou a segunda morte ligada ao vírus, uma mulher de Yumbo, de 70 anos, cuja filha havia retornado de Cuba em 2 de março e relatou ter tido contato com duas pessoas dos Estados Unidos, uma delas dos quais tiveram resultado positivo para coronavírus. Além disso, 21 novos casos foram relatados, elevando o total para 231.[33][34]

Em Córdoba, moradores que desrespeitarem as regras obrigatórias de isolamento social impostas pelo governo recebem o castigo por pelo menos meia hora em praça pública.[35][36][37]

Abril[editar | editar código-fonte]

Em 12 de abril, o país registrava 2.766 casos confirmados, 270 pacientes recuperados e 109 mortes.[38]

Em 15 de abril, o governo emitiu um decreto (que havia anunciado três semanas antes) para permitir que 5.000 prisioneiros voltassem para suas casas. O foco estava nos prisioneiros deficientes, doentes, com mais de 60 anos e mães (grávidas, amamentando ou com filhos menores de 3 anos), e que já haviam cumprido cerca da metade de sua breve sentença original.[39]

Em 20 de abril, o presidente Iván Duque, anunciou uma nova extensão do bloqueio nacional até 11 de maio, mas permitiu que os setores de construção e manufatura reabrissem a partir de 27 de abril, sob protocolos específicos. Os vôos comerciais domésticos e internacionais permaneceriam suspensos até o final de maio, assim como o transporte intermunicipal. Por outro lado, era necessário que o transporte público nas cidades operasse com uma capacidade máxima de 35%. Exercícios físicos feito de maneira individual também foi permitido.[40]

Maio[editar | editar código-fonte]

Até 4 de maio, 268 presos foram libertados sob o decreto de 15 de abril relacionado à crise da saúde. (Enquanto isso, milhares de outros prisioneiros foram libertados por mecanismos comuns, como o término de suas sentenças).[41][42]

Em 5 de maio, o Presidente Iván Duque anunciou uma nova extensão do bloqueio nacional por duas semanas, até 25 de maio à meia-noite. Ele também anunciou que, apesar do bloqueio, mais setores econômicos poderão reabrir sob protocolos rígidos a partir de 11 de maio: indústrias de automóveis, móveis e roupas, comércio atacadista e certos varejistas, como lavanderias, livrarias e artigos de papelaria. As crianças de 6 a 17 anos poderão sair três vezes por semana durante 30 minutos, sendo necessário que as crianças de 14 anos ou menos estejam acompanhadas por um adulto que não faz parte de um grupo de alto risco (com mais de 70 anos). Além disso, os municípios sem casos confirmados de COVID-19 também poderão começar a reabrir seus setores econômicos, em coordenação com prefeitos, governadores e governo nacional. Bares, restaurantes, clubes e grandes eventos ainda não podem reabrir.[43] Nesse mesmo dia, o país registrou seu recorde no número de casos de contaminação de COVID-19, atingindo 640 novos casos em apenas um dia.[44]

Novos casos por dia[editar | editar código-fonte]

  Novos casos por dia

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Colombia confirma su primer caso de COVID-19» 
  2. «Equador registra seis casos de coronavírus». 2 de março de 2020 
  3. «Coronavirus Update (Live): 353,905 Cases and 15,420 Deaths from COVID-19 Virus Outbreak - Worldometer» (em inglês) 
  4. Tiempo, Casa Editorial El (9 de março de 2020). «Hospitalizan a paciente con coronavirus de Buga» (em spanish) 
  5. FM, La (11 de março de 2020). «Confirman tres nuevos casos de coronavirus en Medellín» (em spanish) 
  6. «Coronavirus en Colombia» 
  7. «Colombia declares health emergency to tackle coronavirus». Reuters (em inglês). 12 de março de 2020 
  8. Tiempo, Casa Editorial El (13 de março de 2020). «Tres nuevos casos de coronavirus: Bogotá, Palmira y Villavicencio» (em spanish) 
  9. «Países da América do Sul decidem fechar fronteiras por conta do coronavírus». Estados de Minas. 16 de março de 2020. Consultado em 23 de março de 2020 
  10. Tiempo, Casa Editorial El (13 de março de 2020). «Duque ordena cerrar los pasos fronterizos con Venezuela» (em spanish) 
  11. «Venezuela, already in crisis, reports 1st coronavirus cases». 13 de março de 2020 
  12. «Mandetta: 'Preocupa' possível subnotificação do coronavírus na Venezuela» 
  13. «Latin America Announces Partial Lockdown Amid Coronavirus». Bloomberg.com (em inglês). 14 de março de 2020 
  14. Tiempo, Casa Editorial El (16 de março de 2020). «Suben los casos de coronavirus en Colombia: ya son 54» (em spanish) 
  15. Tiempo, Casa Editorial El (16 de março de 2020). «Duque ordena cerrar todas las fronteras terrestres y marítimas» (em spanish) 
  16. «Colômbia fecha fronteiras até 30 de maio por coronavírus». 17 de março de 2020 
  17. Tiempo, Casa Editorial El (16 de março de 2020). «Toque de queda y ley seca en el Meta por alerta de coronavirus» (em spanish) 
  18. Tiempo, Casa Editorial El (16 de março de 2020). «Toque de queda en Santander por coronavirus» (em spanish) 
  19. MinSaludCol (17 de março de 2020). «Confirmamos 8 nuevos casos de coronavirus en Colombia. Los diagnósticos se presentan en pacientes de Cartagena, Barranquilla, Bucaramanga, Cali y Bogotá. Con estos, el país llega a 65 casos de COVID-19pic.twitter.com/cil7gVEvQd» (em espanhol) 
  20. Tiempo, Casa Editorial El (17 de março de 2020). «Confirman 10 nuevos casos de covid-19 en Colombia: ya son 75 en total» (em spanish) 
  21. «Alcaldía decreta toque de queda en toda Cartagena» (em espanhol). 17 de março de 2020 
  22. Tiempo, Casa Editorial El (17 de março de 2020). «Bogotá se prepara para eventual aislamiento con simulacro de 4 días» (em spanish) 
  23. Tiempo, Casa Editorial El (17 de março de 2020). «Duque ordena aislamiento obligatorio a mayores de 70 años» (em spanish) 
  24. «Colombia to hold 19-day quarantine to fight coronavirus». Reuters (em inglês). 21 de março de 2020 
  25. «Colômbia em quarentena». 2020-22-03-039:32:2381  Verifique data em: |data= (ajuda)
  26. «Duque determina " quarentena total obrigatória" na Colômbia com ajuda econômica». 21 de março de 2020 
  27. a b «Colômbia confirma 1ª morte por coronavírus» 
  28. Tiempo, Casa Editorial El (21 de março de 2020). «Se confirma la primera muerte en Colombia por coronavirus» (em spanish) 
  29. «Colombia coronavirus: 23 killed in prison riot» 
  30. CNN, Amir Vera. «23 dead in prison riot in Colombia prompted by coronavirus fears, Ministry of Justice says» 
  31. «Coronavírus: ao menos 23 mortos em rebelião em presídio de Bogotá» 
  32. «At least 23 killed in Colombia prison unrest». BBC News (em inglês). 23 de março de 2020 
  33. FM, La (22 de março de 2020). «MinSalud confirma segunda muerte por coronavirus en Colombia» (em spanish) 
  34. «Colômbia confirma 1ª morte por coronavírus». G1. Consultado em 13 de abril de 2020 
  35. «Na Colômbia, cidadãos são presos pelos pés por desrespeito à quarentena». 8 de abril de 2020 
  36. Redação, Da (8 de abril de 2020). «Na Colômbia, quem burla a quarentena fica preso pelo pé no meio da rua» 
  37. «Coronavírus: Na Colômbia, quem fura a quarentena é preso pelo pé». 9 de abril de 2020 
  38. «Colombia Coronavirus: 2,776 Cases and 109 Deaths - Worldometer» (em inglês) 
  39. «Este es el decreto de Minjusticia para excarcelación de presos» (em spanish). El tiempo. 14 de abril de 2020. Consultado em 8 de maio de 2020 
  40. «Colombia extends coronavirus lockdown until May 11, but some sectors to reopen». Reuters (em inglês). 21 de abril de 2020 
  41. «Colômbia analisa conceder liberdade temporária a presos por causa da Covid-19». Jornal do Comércio. 6 de maio de 2020. Consultado em 8 de maio de 2020 
  42. «El hacinamiento carcelario se redujo 5,59 por ciento en abril» (em spanish). El Tiempo. 5 de maio de 2020. Consultado em 8 de maio de 2020 
  43. «Colombia extends COVID-19 lockdown to May 25, additional sectors to start re-opening». Reuters (em inglês). 6 de maio de 2020 
  44. «Colômbia bate recorde diário de casos de coronavírus». UOL. 6 de maio de 2020. Consultado em 8 de maio de 2020 
Ícone de esboço Este artigo sobre a pandemia de COVID-19 é um esboço relacionado ao Projeto Saúde. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.