Pandemia de COVID-19 na Líbia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Ver artigo principal: Pandemia de COVID-19 na África
Pandemia de COVID-19 na Líbia
Mapa dos distritos da Líbia com casos confirmados (em 3 de julho de 2020)
Doença COVID-19
Vírus SARS-CoV-2
Origem Wuhan, Hubei, China
Local Líbia
Período 24 de março de 2020
(4 meses e 17 dias)
Início 24 de março de 2020
Fim ........
Estatísticas globais
Casos confirmados 3 837
Casos prováveis 53 611 (testados)
Mortes 83
Casos que recuperaram 623
Página Governamental (em árabe)
Atualizado em 18h03min, domingo, 9 de agosto de 2020 (UTC)

Este artigo documenta os impactos da pandemia de COVID-19 de 2020 na Líbia e pode não incluir todas as principais respostas e medidas contemporâneas.

A Líbia é considerada especialmente vulnerável à epidemia devido à Guerra Civil , que levou a uma terrível situação humanitária[1] e à destruição da infraestrutura de saúde do país.[2]

Casos[editar | editar código-fonte]

Evolução da pandemia de COVID-19 na Líbia ()
     Mortos      Recuperados      Casos positivos
Data
# de casos
# de mortes
24-03-2020
1(n.a.)
1(=)
28-03-2020
3(+200%)
29-03-2020
8(+167%)
30-03-2020
31-03-2020
10(n.a.)
01-04-2020
10(=)
02-04-2020
11(+10%) 1(n.a.)
03-04-2020
17(+55%) 1(=)
04-04-2020
18(+5,9%) 1(=)
05-04-2020
18(=) 1(=)
06-04-2020
19(+5,6%) 1(=)
07-04-2020
20(+5,3%) 1(=)
08-04-2020
21(+5%) 1(=)
09-04-2020
24(+14%) 1(=)
10-04-2020
24(=) 1(=)
11-04-2020
25(+4,2%) 1(=)
12-04-2020
25(=) 1(=)
13-04-2020
26(+4%) 1(=)
14-04-2020
35(+35%) 1(=)
15-04-2020
48(+37%) 1(=)
16-04-2020
49(+2,1%) 1(=)
49(=) 1(=)
19-04-2020
51(+4,1%) 1(=)
20-04-2020
51(=) 1(=)
21-04-2020
59(+16%) 1(=)
22-04-2020
60(+1,7%) 1(=)
23-04-2020
60(=) 2(+100%)
24-04-2020
61(+1,7%) 2(=)
61(=) 2(=)
30-04-2020
61(=) 3(+50%)
01-05-2020
63(+3,3%) 3(=)
02-05-2020
63(=) 3(=)
03-05-2020
63(=) 3(=)
04-05-2020
63(=) 3(=)
05-05-2020
63(=) 3(=)
06-05-2020
64(+1,6%) 3(=)
64(=) 3(=)
11-05-2020
64(=) 3(=)
64(=) 3(=)
16-05-2020
65(+1,6%) 3(=)
17-05-2020
65(=) 3(=)
18-05-2020
65(=) 3(=)
19-05-2020
68(+4,6%) 3(=)
20-05-2020
69(+1,5%) 3(=)
21-05-2020
71(+2,9%) 3(=)
22-05-2020
72(+1,4%) 3(=)
23-05-2020
75(+4,2%) 3(=)
24-05-2020
75(=) 3(=)
25-05-2020
75(=) 3(=)
26-05-2020
77(+2,7%) 3(=)
27-05-2020
99(+29%) 4(+33%)
28-05-2020
105(+6,1%) 5(+25%)
29-05-2020
118(+12%) 5(=)
30-05-2020
130(+10%) 5(=)
31-05-2020
156(+20%) 5(=)
01-06-2020
168(+7,7%) 5(=)
02-06-2020
182(+8,3%) 5(=)
03-06-2020
196(+7,7%) 5(=)
04-06-2020
209(+6,6%) 5(=)
05-06-2020
239(+14%) 5(=)
06-06-2020
256(+7,1%) 5(=)
07-06-2020
256(=) 5(=)
08-06-2020
332(+30%) 5(=)
09-06-2020
359(+8,1%) 5(=)
10-06-2020
378(+5,3%) 5(=)
11-06-2020
393(+4%) 5(=)
12-06-2020
409(+4,1%) 6(+20%)
13-06-2020
418(+2,2%) 8(+33%)
14-06-2020
454(+8,6%) 10(+25%)
15-06-2020
467(+2,9%) 10(=)
16-06-2020
484(+3,6%) 10(=)
17-06-2020
500(+3,3%) 10(=)
18-06-2020
510(+2%) 10(=)
19-06-2020
520(+2%) 10(=)
20-06-2020
544(+4,6%) 10(=)
21-06-2020
571(+5%) 10(=)
22-06-2020
595(+4,2%) 10(=)
23-06-2020
639(+7,4%) 17(+70%)
24-06-2020
670(+4,9%) 18(+5,9%)
25-06-2020
698(+4,2%) 18(=)
26-06-2020
713(+2,1%) 18(=)
27-06-2020
727(+2%) 18(=)
28-06-2020
762(+4,8%) 21(+17%)
29-06-2020
802(+5,2%) 23(+9,5%)
30-06-2020
824(+2,7%) 24(+4,3%)
01-07-2020
874(+6,1%) 25(+4,2%)
02-07-2020
891(+1,9%) 26(+4%)
03-07-2020
918(+3%) 27(+3,8%)
04-07-2020
989(+7,7%) 27(=)
05-07-2020
1.046(+5,8%) 32(+19%)
06-07-2020
1.117(+6,8%) 34(+6,2%)
07-07-2020
1.182(+5,8%) 35(+2,9%)
08-07-2020
1.268(+7,3%) 36(+2,9%)
09-07-2020
1.342(+5,8%) 38(+5,6%)
10-07-2020
1.342(=) 38(=)
11-07-2020
1.389(+3,5%) 38(=)
12-07-2020
1.433(+3,2%) 39(+2,6%)
13-07-2020
1.512(+5,5%) 40(+2,6%)
14-07-2020
1.563(+3,4%) 42(+5%)
15-07-2020
1.589(+1,7%) 43(+2,4%)
16-07-2020
1.652(+4%) 46(+7%)

Fontes:


Cronologia[editar | editar código-fonte]

Março de 2020[editar | editar código-fonte]

Início de março[editar | editar código-fonte]

Antes da pandemia de coronavírus, o sistema de saúde da Líbia já estava à beira do colapso, dado o caos que prevalece no país desde 2011. [4] As fações em guerra na Guerra Civil desconsideraram pedidos recorrentes das Nações Unidas para um cessar-fogo durante a pandemia. [2][5]

O Governo do Acordo Nacional (GNA), reconhecido internacionalmente, com sede em Trípoli, e o governo rival de Khalifa Haftar, com sede no leste da Líbia, tomaram medidas para controlar a propagação do COVID-19, através do encerramento de escolas, mercados e alguns negócios. [4] As forças de Haftar tentaram tomar Trípoli numa ofensiva iniciada em abril de 2019 . Centenas de pessoas foram mortas e milhares foram deslocadas nos combates.

24 de março[editar | editar código-fonte]

A Líbia confirmou a seu primeiro caso de COVID-19,[1] um homem de 73 anos de idade, que havia regressado ao país no início de Março de uma viagem à Arábia Saudita.[4]

30 de março[editar | editar código-fonte]

O GNA anunciou a libertação de 466 detidos em Trípoli, como parte de um esforço para impedir a propagação do vírus nas prisões. [4]

Abril de 2020[editar | editar código-fonte]

2 de abril[editar | editar código-fonte]

A Líbia confirmou a sua primeira morte pelo COVID-19. Era uma mulher argelina de 85 anos.

5 de abril[editar | editar código-fonte]

Mahmoud Jibril, de 68 anos, que chefiou o Conselho Nacional de Transição interino em 2011, morreu de COVID-19 no Cairo, Egito, tendo sido internado no hospital em 21 de março. [6]

6 de abril[editar | editar código-fonte]

Em 6 de abril, as forças sob o comando de Khalifa Haftar lançaram um ataque com foguete Grad [7] contra o Hospital Geral Al Khadra, um dos maiores hospitais de Trípoli, ferindo seis profissionais de saúde e danificando substancialmente o hospital, [2] onde 300 pacientes, incluindo dois COVID-19, estavam a ser tratados. Foi a terceira vez que as forças de Haftar atacaram instalações médicas durante o cerco intensificado a Trípoli. O Escritório das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários condenou o ataque como uma violação "terrível" e "clara do direito internacional humanitário" (...) É inaceitável no momento em que os profissionais de saúde e de saúde são vitais na nossa luta contra uma pandemia". O escritório declarou que "essa escalada sem sentido deve parar para que as autoridades de saúde e as agências de ajuda possam responder ao COVID-19 e continuar a alcançar pessoas que precisam de assistência humanitária urgente". [5]

7 de abril[editar | editar código-fonte]

A Líbia confirma 20 casos de COVID-19, principalmente no oeste. [7] Novos ataques com foguetes contra o hospital continuaram.

15 de abril[editar | editar código-fonte]

O Governo do Acordo Nacional impôs um toque de recolher de 24 horas por um período de 10 dias a partir de 17 de abril.[8]

Junho de 2020[editar | editar código-fonte]

Os casos duplicaram durante um período de duas semanas em junho, enquanto o conflito aumentava. Com unidades de saúde a serem usadas como alvo, o que dificultou a resposta das equipas médicas.[9]

26 de junho[editar | editar código-fonte]

O governo apoiado pela ONU estendeu o toque de recolher das 20h às 18h por mais duas semanas, com o aumento de 713 casos confirmados.[10]

Fim do mês[editar | editar código-fonte]

Houve 668 novos casos em junho, elevando o número total de casos confirmados para 824. O número de mortes aumentou de 19 para 24. O número de pacientes recuperados cresceu de 157 para 209, deixando 591 casos ativos no final do mês.[11] Simulações baseadas em modelo indicam que, desde o início de junho, o intervalo de confiança de 95% para o número de reprodução variável no tempo R t tem oscilado em torno de 1,5. [12]

Julho de 2020[editar | editar código-fonte]

Houve 2 797 novos casos em julho, elevando o número total de casos confirmados para 3 621. O número de mortes aumentou de 50 para 74. O número de pacientes recuperados aumentou de 409 para 618, deixando 2.929 casos ativos no final do mês.[13]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b «Libya confirms first coronavirus case amid fear over readiness». Reuters 
  2. a b c UN condemns rocket attack on Tripoli hospital, Al Jazeera (7 de abril de 2020).
  3. «Total de Casos de Coronavirus na Líbia» 
  4. a b c d Libya frees more than 450 prisoners to stem spread of coronavirus, Al Jazeera (30 de março de 2020).
  5. a b Statement by the Humanitarian Coordinator for Libya, Yacoub El Hillo, following today's attack on Al Khadra General Hospital in Tripoli, United Nations Office for the Coordination of Humanitarian Affairs (6 de abril de 2020).
  6. Former Libya Prime Minister Mahmoud Jibril dies from coronavirus, Al Jazeera (5 de abril de 2020).
  7. a b Eastern Libyan Forces Attack Tripoli Hospital for Second Day, Associated Press (7 de abril de 2020).
  8. «Libya's internationally recognized government imposes 24-hour curfew for 10 days from April 17». Reuters (em inglês). 15 de abril de 2020 
  9. APO Group on behalf of International Rescue Committee (13 de junho de 2020). «CORONAVIRUS: LIBYA COVID-19 CASES DOUBLE IN 14 DAYS AS VIOLENCE INCREASES, EXACERBATING EXISTING THREATS FACING VULNERABLE POPULATIONS». Ventures Africa (em inglês). Consultado em 16 de julho de 2020 
  10. «Libya's COVID-19 infections jump by 15 to 713». MENAFN. 27 de junho de 2020. Consultado em 16 de julho de 2020 
  11. «Coronavirus disease (COVID-19) situation report 163» (PDF). World Health Organization. 1 de julho de 2020. p. 11. Consultado em 9 de agosto de 2020 
  12. Future scenarios of the healthcare burden of COVID-19 in low- or middle-income countries, MRC Centre for Global Infectious Disease Analysis no Imperial College London.
  13. «Coronavirus disease (COVID-19) situation report 194» (PDF). World Health Organization. 1 de agosto de 2020. p. 9. Consultado em 9 de agosto de 2020