PHP

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Php)
PHP
Logo PHP
Paradigma
Surgido em 1995
Última versão 8.1.5 (14 de abril de 2022; há 7 meses[1])
Criado por Rasmus Lerdorf
Estilo de tipagem
  • dinâmica
  • fraca
  • gradual (desde a versão 7.0)
Influenciada por
Extensão do arquivo:
  • .php
  • .php3
  • .php4
  • .php5
  • .php7
  • .phps
  • .phtml
Página oficial www.php.net

PHP (um acrônimo recursivo para "PHP: Hypertext Preprocessor", originalmente Personal Home Page) é uma linguagem interpretada livre, usada originalmente apenas para o desenvolvimento de aplicações presentes e atuantes no lado do servidor, capazes de gerar conteúdo dinâmico na World Wide Web.[2] Figura entre as primeiras linguagens passíveis de inserção em documentos HTML, dispensando em muitos casos o uso de arquivos externos para eventuais processamentos de dados. O código é interpretado no lado do servidor pelo módulo PHP, que também gera a página web a ser visualizada no lado do cliente. A linguagem evoluiu, passou a oferecer funcionalidades em linha de comando, e além disso, ganhou características adicionais, que possibilitaram usos adicionais do PHP, não relacionados a web sites. É possível instalar o PHP na maioria dos sistemas operacionais, gratuitamente. Concorrente direto da tecnologia ASP pertencente à Microsoft, o PHP é utilizado em aplicações como o MediaWiki, Facebook, Drupal, Joomla!, WordPress, Magento e o Oscommerce.

Criado por Rasmus Lerdorf em 1995, o PHP tem a produção de sua implementação principal, referência formal da linguagem, mantida por uma organização chamada The PHP Group. O PHP é software livre, licenciado sob a PHP License, uma licença incompatível com a GNU General Public License (GPL) devido a restrições no uso do termo PHP.

História[editar | editar código-fonte]

A linguagem foi criada em 1994 e o código fonte do PHP só foi liberado em 1995, como um pacote de programas CGI criados por Rasmus Lerdorf, com o nome Personal Home Page Tools, para substituir um conjunto de scripts Perl que ele usava no desenvolvimento de sua página pessoal. Em 1997 foi lançado o novo pacote da linguagem com o nome de PHP/FI, trazendo a ferramenta Forms Interpreter, um interpretador de comandos SQL. Mais tarde, Zeev Suraski desenvolveu o analisador do PHP 3 que contava com o primeiro recurso de orientação a objetos, que dava poder de alcançar alguns pacotes, tinha herança e dava aos desenvolvedores somente a possibilidade de implementar propriedades e métodos.[3][4] Pouco depois, Zeev e Andi Gutmans, escreveram o PHP 4, abandonando por completo o PHP 3, dando mais poder à máquina da linguagem e maior número de recursos de orientação a objetos. O problema sério que apresentou o PHP 4 foi a criação de cópias de objetos, pois a linguagem ainda não trabalhava com apontadores ou handlers, como são as linguagens Java, Ruby e outras. O problema fora resolvido na versão 5 do PHP, que já trabalha com handlers. Caso se copie um objeto, na verdade copiaremos um apontador, pois, caso haja alguma mudança na versão original do objeto, todas as outras também sofrem a alteração, o que não acontecia na PHP 4.[5]

Trata-se de uma linguagem extremamente modularizada, o que a torna ideal para instalação e uso em servidores web. Diversos módulos são criados no repositório de extensões PECL (PHP Extension Community Library) e alguns destes módulos são introduzidos como padrão em novas versões da linguagem. É muito parecida, em tipos de dados, sintaxe e mesmo funções, com a linguagem C e com a C++. Pode ser, dependendo da configuração do servidor, embarcada no código HTML. Existem versões do PHP disponíveis para os seguintes sistemas operacionais: Windows, Linux, FreeBSD, Mac OS, OS/2, AS/400, Novell Netware, RISC OS, AIX, IRIX e Solaris.

Construir uma página dinâmica baseada em bases de dados é simples com PHP, (em parte, vale lembrar), este provê suporte a um grande número de bases de dados: Oracle, Sybase, PostgreSQL, InterBase, MySQL, SQLite, MSSQL, Firebird, etc., podendo abstrair o banco com a biblioteca ADOdb, entre outras. A Wikipédia funciona sobre um software inteiramente escrito em PHP, usando bases de dados MySQL: o MediaWiki.[5]

PHP tem suporte aos protocolos: IMAP, SNMP, NNTP, POP3, HTTP, LDAP, XML-RPC, SOAP. É possível abrir sockets e interagir com outros protocolos. E as bibliotecas de terceiros expandem ainda mais estas funcionalidades. Existem iniciativas para utilizar o PHP como linguagem de programação de sistemas fixos. A mais notável é a PHP-GTK. Trata-se de um conjunto do PHP com a biblioteca GTK, portada do C++, fazendo assim softwares inter-operacionais entre Windows e Linux. Na prática, essa extensão tem sido muito pouco utilizada para projetos reais.[5]

O acrônimo recursivo PHP representa um elefante, que é conhecido como o mascote da linguagem.

Licença[editar | editar código-fonte]

PHP é um software gratuito e de código aberto disponível sob a PHP License, que afirma:[6]

Produtos derivados deste software não devem ser chamado de PHP, nem pode conter "PHP" em seu nome, sem prévia permissão por escrito da group@php.net. Você pode indicar que o software funciona em conjunto com o PHP, dizendo "Foo para PHP", em vez de chamá-lo "PHP Foo" ou "phpfoo".

Esta restrição no uso do nome PHP torna-o incompatível com a GNU General Public License (GPL).[7]

PHP 6 e Unicode[editar | editar código-fonte]

PHP recebeu diversas críticas por não ter suporte nativo a Unicode.[8][9] Em 2005, um projeto liderado por Andrei Zmievski foi iniciado para trazer esse dito suporte ao PHP através da incorporação da biblioteca International Components for Unicode (ICU) para poder passar-se a usar a codificação UTF-16.[10] Uma vez que isso causaria grandes mudanças tanto no código fonte como para o usuário, foi planejado lançá-la na versão 6.0 em conjunto com outros importantes recursos, então em desenvolvimento, em vez da 5.5.[11]

Entretanto, devido a falta de desenvolvedores que entendessem as mudanças necessárias e problemas de desempenho decorrentes da conversão para UTF-16, que raramente é usado em um contexto web, levou a atrasos no projeto. Como resultado, o PHP 5.3 foi lançado em 2009, sem total suporte ao Unicode, mas contendo algumas das novidades que seriam lançadas no PHP 6.0. Em março de 2010, o projeto em sua forma atual foi oficialmente abandonado, e uma versão 5.4 do PHP foi feita ainda sem total suporte a Unicode, também contendo as novidades que seriam lançadas no PHP 6.0.[12] Esperanças iniciais eram de que um novo plano seria formado para ter a integração Unicode, mas a partir de 2014 nenhum foi adotado.

Durante os anos, antes do lançamento do PHP 5.3 e 5.4, alguns livros foram publicados com base no conjunto de recursos esperado de PHP 6.0, incluindo o suporte a Unicode e os recursos que depois foram trazidos para outros lançamentos. Há, portanto, algum debate sobre se uma nova versão principal do PHP, com ou sem suporte a Unicode, deve ser chamado de "PHP 6", ou se a nomenclatura deve ser ignorado para evitar confusão.

Histórico de versões[editar | editar código-fonte]

Versão Data de lançamento original Última versão Suportada até[13][14] Notas
Versão antiga, já não mantida: 1.0 8 de junho de 1995 ? ? Oficialmente chamado de "Personal Home Page Tools (PHP Tools)" (Ferramentas para página pessoal). Este foi o primeiro uso para o nome "PHP".
Versão antiga, já não mantida: 2.0 1 de novembro de 1997 ? ? Considerado pelo seu criador como a "mais rápida e simples ferramenta" para criar páginas dinâmicas para a Web.
Versão antiga, já não mantida: 3.0 6 de junho de 1998 3.0.18 20 de outubro de 2000 O desenvolvimento passou a ser feito por vários desenvolvedores em colaboração. Zeev Suraski e Andi Gutmans reescreveram toda a base do PHP nesta versão.
Versão antiga, já não mantida: 4.0 22 de maio de 2000 4.0.6 23 de junho de 2001 Foi adicionado um melhor sistema de análise sintática (parser) chamado de motor Zend (Zend engine).[15]
Versão antiga, já não mantida: 4.1 10 de dezembro de 2001 4.1.2 12 de março de 2002 Introduzidas as 'superglobais' ($_GET, $_POST, $_SESSION, etc.)[15]
Versão antiga, já não mantida: 4.2 22 de abril de 2002 4.2.3 6 de setembro de 2002 A register_globals passou agora a estar desativada por padrão. Dados recebidos via rede são mais inseridos no escopo de variável global, fechando possíveis brechas de segurança.[15]
Versão antiga, já não mantida: 4.3 27 de dezembro de 2002 4.3.11 31 de março de 2005 Introduziu sua interface de linha de comando (command-line interface - CLI), para complementar o CGI.[15][16]
Versão antiga, já não mantida: 4.4 11 de julho de 2005 4.4.9 7 de agosto de 2008 Adicionadas as páginas do manual para os scripts phpize e php-config.[15]
Versão antiga, já não mantida: 5.0 13 de julho de 2004 5.0.5 5 de setembro de 2005 Zend Engine II com um novo modelo de objeto.[17]
Versão antiga, já não mantida: 5.1 24 de novembro de 2005 5.1.6 24 de agosto de 2006 Melhorias na performance com a introdução de variáveis de compilação na reengenharia do motor PHP.[17] Adicionada biblioteca PHP Data Objects (PDO) como uma nova interface de acesso aos bancos de dados.[18][19]
Versão antiga, já não mantida: 5.2 2 de novembro de 2006 5.2.17 6 de janeiro de 2011 Habilitado por padrão o filtro de extensões. Suporte ao JSON nativo.[17][20]
Versão antiga, já não mantida: 5.3 30 de junho de 2009 5.3.29 14 de agosto de 2014 Suporte a espaço de nomes (namespace), vinculação de nomes (late static bindings), rótulos de salto de código (goto limitado), clausura nativa, arquivos PHP nativos (phar), coletor de lixo para referências circulares, suporte ao Windows melhorado, sqlite3, mysqlnd em substituição a libmysql como biblioteca de extensão de trabalho com MySQL, fileinfo em substituição ao mime_magic para um melhor suporte ao MIME, extensão de internacionalização, e descontinuidade da extensão ereg.[21]
Versão antiga, já não mantida: 5.4 1 de março de 2012 5.4.45 3 de setembro de 2015 Suporte à trait, suporte a uma versão mais curta na sintaxe de vetores. Items removidos: register_globals, safe_mode, allow_call_time_pass_reference, session_register(), session_unregister() and session_is_registered(). Servidor web embutido.[22]. Várias melhorias nas fucionalidades já existentes e na performance. Redução dos requerimentos de memória.[23]
Versão antiga, já não mantida: 5.5 20 de junho de 2013 5.5.38 21 de julho de 2016 Suporte para geradores, blocos finally para tratamento de exceções, OpCache (baseado em Zend Optimizer+) empacotado na distribuição oficial.[24]
Versão antiga, já não mantida: 5.6 28 de agosto de 2014 5.6.40 31 de dezembro de 2018 Expressões escalares constantes, funções variádicas, desempacotamento de argumento, novo operador de exponenciação, extensões da instrução use para funções e constantes, novo depurador phpdbg como um módulo SAPI e outras melhorias menores.[25]
6.x Não foi lançada Versão abandonada do PHP que planejava incluir suporte nativo ao Unicode.
Versão antiga, já não mantida: 7.0 3 de dezembro de 2015 7.0.33 10 de janeiro de 2019 Zend Engine 3 (melhorias de desempenho e suporte a inteiros de 64 bits no Windows), sintaxe de variável uniforme, processo de compilação baseado em árvore sintática abstrata, adicionado Closure::call(), consistência de deslocamento bit a bit entre plataformas, operador ?? (coalescência nula), sintaxe de escape de ponto de código Unicode, declarações de tipo de retorno, declarações de tipo escalar (inteiro, flutuante, string e boolean), operador de comparação de três vias "nave espacial" <=>, delegação de gerador, classes anônimas, API CSPRNG mais simples e disponível de maneira mais consistente, substituição de muitos "erros" internos restantes do PHP pelas exceções mais modernas e sintaxe abreviada para importar vários itens de um espaço de nomes.[26]
Versão antiga, já não mantida: 7.1 1 de dezembro de 2016 7.1.33 1 de dezembro de 2019 Tipo de retorno void, modificadores de visibilidade de constante de classe.[27]
Versão antiga, já não mantida: 7.2 30 de novembro de 2017 7.2.34 30 de novembro de 2020 Parâmetro de objeto e declaração de tipo de retorno, extensão Libsodium, substituição de método abstrato, ampliação de tipo de parâmetro.[28]
Versão antiga, já não mantida: 7.3 6 de dezembro de 2018 7.3.33 6 de dezembro de 2021 Sintaxe flexível Heredoc e Nowdoc, suporte para atribuição de referência e desconstrução de array com list(), suporte à PCRE2, função hrtime().[29]
Versão mais antiga, ainda mantida: 7.4 28 de novembro de 2019 7.4.28 28 de novembro de 2022 Propriedades tipadas 2.0, pré-carregamento, operador de atribuição de coalescência nula, openssl_random_pseudo_bytes melhorada, referências fracas, FFI - interface de função externa, extensão hash sempre disponível, registro de hash de senha, divisão de string multibyte, reflexão para referências, remoção de ext/wddx, novo mecanismo de serialização de objeto personalizado.[30]
Versão mais antiga, ainda mantida: 8.0 26 de novembro de 2020 8.0.16 26 de novembro de 2023 Compilação Just-In-Time (JIT), arrays começando com um índice negativo, semântica de linguagem mais rígida/sã (validação para métodos de traços abstratos), comparações de string para números mais sãs, strings numéricas mais sãs, TypeError em operadores aritméticos/bit-a-bit inválidos, reclassificação de vários erros de mecanismo, erros de tipo consistentes para funções internas, erro fatal para assinaturas de método incompatíveis), conversão de float para string independente de localidade, ajustes de sintaxe variável, atributos, argumentos nomeados, expressão de correspondência, promoção de propriedade do construtor, tipos em união, tipo misto, tipo de retorno static, operador nullsafe, non-capturing catches, expressão throw, extensão JSON está sempre disponível.[31]
Versão estável atual: 8.1 25 de novembro de 2021 8.1.5 25 de novembro de 2024 Notação literal de inteiro octal explícita, enumerações, propriedades somente leitura, sintaxe chamável de primeira classe, new em inicializadores, tipos de interseção puros, tipo de retorno never, restrições de classe final, fibers.[32]
Legenda:
Versão antiga
Versão mais antiga, ainda mantida
Versão mais recente
Versão de prévia mais recente
Lançamento futuro

Principais características[editar | editar código-fonte]

A linguagem PHP é uma linguagem de programação de domínio específico, ou seja, seu escopo se estende a um campo de atuação que é o desenvolvimento web, embora tenha variantes como o PHP-GTK. Seu propósito principal é de implementar soluções web velozes, simples e eficientes[33]. Características:

Exemplo 1 - Vetores e matrizes[editar | editar código-fonte]

Os vetores e matrizes em PHP, diferente do que ocorre em C/C++ e Pascal, são estruturas dinâmicas, o que pode facilitar muito o trabalho do programador.

Um exemplo:

<?php
  $vet01 = array();
  $vet01[] = "Sistemas operacionais";
  $vet01[] = "Compiladores";
  $vet01[] = "Bancos de dados";
  $vet02 = array(1, 2, 3, 4, 5);
  $vet03 = array( 0 => 0, 2 => 3, 10 => "item 10");
  $vet04 = ['valor 1', 'string 2', 3, 4.0, false];
  $vet05 = ["chave1" => 'valor 1', 2, 3, 4, array('item 1', 2 => 0.5)];
  for ($i = 0; $i < count($vet01); $i++) {
    echo $vet01[$i] . "<br />";
  }
?>

O exemplo acima demonstra cinco maneiras diferentes de declarar vetores, sendo que os índices não são obrigatórios, e se declarados não precisam ser apenas números ou mesmo sequenciais.

Os exemplos $vet04 e $vet05 mostram que é possível misturar tipos de dados dentro do vetor, sendo que no $vet05 mostra que em qualquer posição do vetor é possível declarar um outro vetor, resultando em uma matriz.

Exemplo 2 - Teste de Conexão[editar | editar código-fonte]

O exemplo abaixo testa se há conexão com o banco de dados.

<?php
// Conexão com o banco de dados
$host = "localhost";
$db   = "nome-database";
$user = "root";
$pass = "";
$con = mysql_connect($host,$user,$pass);
if(mysql_select_db($db, $con)){
  echo "conexao bem sucedida"; //Teste para garantir que há conexão
}
else {
  echo"conexao falhou";
}
?>

Exemplo 3 - Teste de Login[editar | editar código-fonte]

O exemplo abaixo testa se usuário está com login no banco de dados.

<?php
// função verifica se o login está feito
function checaLogin($login, $status){
      if(isset($login['login'])){
            if(!empty($login['login']) and ($status['status'] == false)) {
                $aviso = 'Você não está logado, faça o login para continuar';
                $status=false;
                echo $aviso;
                die();
            }
        } else {
             $status['status'] = true;
             $aviso = 'Você está logado';
             echo $aviso;
        }
    }
?>

Exemplo 4 - Função Dias da Semana[editar | editar código-fonte]

O exemplo abaixo conforme a data atual, obtém os dias da semana.

<?php
date_default_timezone_set("Brazil/São Paulo");
function diasemana($data) {
$d = explode('/', $data);
$anohoje = $d[2];
$meshoje = $d[1];
$diahoje = $d[0];
$diasemana = date("w", mktime(0,0,0,$meshoje,$diahoje,$anohoje) );
switch($diasemana)
{
case"0": $diasemana = "Domingo";       break;
case"1": $diasemana = "Segunda Feira"; break;
case"2": $diasemana = "Terça Feira";   break;
case"3": $diasemana = "Quarta Feira";  break;
case"4": $diasemana = "Quinta Feira";  break;
case"5": $diasemana = "Sexta Feira";   break;
case"6": $diasemana = "Sabado";        break;
}
return "$diasemana";
}
echo '<h1>' , diasemana('20/05/2017') ,  ' - Dia da Semana ' , '</h1>' ;
?>

PHP 5[editar | editar código-fonte]

Em junho de 2004 foi lançada a versão 5 do PHP, introduzindo um novo modelo de orientação a objeto, incluindo a reformulação dos construtores e adição de destrutores (ver exemplo contextualizado em anexo), visibilidade de acesso, abstração de objeto e interfaces de objetos.[36]

O tratamento de objetos do PHP foi completamente reescrito, permitindo um desempenho melhor e mais vantagens. Enquanto na versão anterior era preciso muito esforço para atender à orientação a objetos e aos padrões de projectos (alguns não eram possíveis), o PHP 5 veio para sanar essa deficiência. Ainda sofre nesse sentido, contudo, por problemas devido a ser uma linguagem de tipagem fraca.[36]

Indução de tipo[editar | editar código-fonte]

Nesse sentido, foi adicionada uma característica chamada de indução de tipo, de acordo com a qual podemos ter uma certa tipagem quando passamos objetos aos parâmetros de uma função (ou método), algo inconcebível na versão anterior. Ver exemplo contextualizado em anexo.[carece de fontes?]

Visibilidade[editar | editar código-fonte]

A visibilidade de uma propriedade ou método pode ser definida com os seguintes modificadores de acesso: public, protected ou private. Itens declarados como públicos podem ser acessados pelo objeto (instância da classe). Membros protegidos estão acessíveis às classes filhas (herdadas). A visibilidade privada limita a apenas a classe que define o atributo ou método. Ver exemplo contextualizado em anexo.[carece de fontes?]

Polimorfismo[editar | editar código-fonte]

Polimorfismo Paramétrico[editar | editar código-fonte]

No polimorfismo paramétrico, um mesmo objeto pode ser utilizado uniformemente como parâmetro em diferentes contextos sem necessidade de alterações. Um método que exibe polimorfismo paramétrico (também chamada de método genérico) permite que o tipo do seu argumento seja determinado por um parâmetro de tipo implícito ou explícito, executando uma mesma operação, independente do tipo do argumento. O PHP não requer (ou suporta) a definição de tipo explícita na declaração de variáveis: o tipo de uma variável é determinado pelo:[carece de fontes?]

  • contexto em que a variável é utilizada. Isto significa que, se você atribuir um valor string para a variável $var, $var se torna uma string
  • Se você então atribuir um valor inteiro para $var, ela se torna um inteiro. Por isso o PHP não adota este tipo de polimorfismo, pois não possui parâmetros genéricos

Polimorfismo por Inclusão[editar | editar código-fonte]

No polimorfismo por inclusão um objeto pode ser visto como pertencendo a diferentes classes que não precisam ser disjuntas. O PHP adota esse tipo de polimorfismo, pois é uma linguagem orientada a objeto que permite recursos de herança[37][38].

Polimorfismo por Coerção[editar | editar código-fonte]

O PHP também suporta o polimorfismo por coerção, no qual a linguagem dispõe de uma operação semântica para converter um argumento para um tipo esperado por uma função, em uma situação que de outra forma resultaria em um erro de tipo.[carece de fontes?]

Extensões[editar | editar código-fonte]

Extensões do PHP:

  • Funções de compressão de bzip2
  • Funções de conversão de Calendar
  • Funções de ClibPDF
  • Funções de crack
  • Família de funções ctype
  • Biblioteca de rotinas de cliente URL - CURL
  • Funções de pagamento Cybercash
  • Funções DBM
  • Camada de funções de abstração de banco de dados DBA
  • Funções de dBase
  • Funções dbx
  • Funções DOM XML
  • Funções .NET
  • Funções EXIF
  • Funções FrontBase
  • Funções de formato de dados de formulários (Forms Data Format) FDF.
  • Funções de filePro
  • Funções de FTP
  • Funções da biblioteca de imagens GD
  • Funções de Gettext
  • Funções de HyperWave
  • Conversão de tabela de caracteres ICONV
  • Funções de Informix
  • Funções de manuseio de IIS
  • Funções de IMAP POP3 e NNTP
  • Funções de Ingres II
  • Funções de InterBase
  • Funções de Java
  • Funções de LDAP
  • Funções de Multi-Byte String
  • Funções de Mcrypt Encryption
  • Funções de Mhash
  • Funções de Mimetype
  • Funções de Ming para Flash
  • Funções de mSQL
  • Funções de MSSQL
  • Funções de MySQL
  • Funções de MySQLi
  • Funções de Oracle 8
  • Funções de OpenSSL
  • Funções de Oracle
  • Funções de sobrecarga de objectos
  • Funções de PDF
  • Funções de PostgreSQL
  • Funções de impressora
  • Funções de memória compartilhada
  • Funções de get and walk de SNMP
  • Funções de SOAP
  • Funções de sockets
  • Funções de SQLite
  • Funções de Sybase
  • Funções de Tidy
  • Funções de Tokenizer
  • Funções de W32api
  • Funções de XML-RPC
  • Funções de XSLT
  • Funções do YAZ
  • Funções para Arquivos Zip
  • Funções de compressão de ZLib

Ver também[editar | editar código-fonte]

Wikilivros
O Wikilivros tem um livro chamado PHP

Referências

  1. «PHP 8.1.5 Released» (em inglês). php.net. 14 de abril de 2022. Consultado em 1 de maio de 2022 
  2. «Manual oficial do PHP - Prefácio». php.net. Consultado em 7 de fevereiro de 2011 
  3. PHP on Hormones de Rasmus Lerdorf
  4. slides for 'PHP on Hormones' talk por Lerdorf
  5. a b c «PHP 6». The PHP project. Consultado em 27 de março de 2010 
  6. «The PHP License, version 3.01». Consultado em 20 de maio de 2010 
  7. «GPL-Incompatible, Free Software Licenses». Various Licenses and Comments about Them. Free Software Foundation. Consultado em 3 de janeiro de 2011 
  8. «Types: Strings». PHP Manual. PHP.net. Consultado em 26 de março de 2014 
  9. «Details of the String Type». PHP Manual. PHP.net. Consultado em 22 de setembro de 2013 
  10. Andrei Zmievski (10 de agosto de 2005). «PHP Unicode support design document (mailing list post)». Consultado em 26 de março de 2014 
  11. «PHP 5.5 or 6.0». Consultado em 26 de março de 2014 
  12. Rasmus Lerdorf (26 de março de 2014). «PHP 6 (mailing list post)». Consultado em 7 de fevereiro de 2014 
  13. «Unsupported Branches» (em inglês). php.net. Consultado em 2 de fevereiro de 2022 
  14. «Supported Versions» (em inglês). php.net. Consultado em 2 de fevereiro de 2022 
  15. a b c d e «PHP: PHP 4 ChangeLog». The PHP Group. 3 de janeiro de 2008. Consultado em 22 de fevereiro de 2008 
  16. «PHP: Using PHP from the command line – Manual:». The PHP Group. Consultado em 11 de setembro de 2009 
  17. a b c «PHP: PHP 5 ChangeLog». The PHP Group. 8 de novembro de 2007. Consultado em 22 de fevereiro de 2008 
  18. «PHP manual: PDO». The PHP Group. 15 de novembro de 2011. Consultado em 15 de novembro de 2011 
  19. «PHP 5.1.0 Release Announcement» (em inglês). php.net. 24 de novembro de 2005. Consultado em 29 de novembro de 2021 
  20. «PHP 5.2.0 Release Announcement» (em inglês). php.net. 2 de novembro de 2006. Consultado em 29 de novembro de 2021 
  21. «PHP 5.3.0 Release Announcement» (em inglês). php.net. 30 de junho de 2009. Consultado em 29 de novembro de 2021 
  22. «Built-in web server». Consultado em 26 de março de 2012 
  23. «PHP 5.4.0 Release Announcement» (em inglês). php.net. 1 de março de 2012. Consultado em 29 de novembro de 2021 
  24. «PHP 5.5.0 Release Announcement» (em inglês). php.net. 20 de junho de 2013. Consultado em 29 de novembro de 2021 
  25. «PHP 5.6.0 Release Announcement» (em inglês). php.net. 28 de agosto de 2014. Consultado em 29 de novembro de 2021 
  26. «PHP 7.0.0 Release Announcement» (em inglês). php.net. 3 de dezembro de 2015. Consultado em 29 de novembro de 2021 
  27. «PHP 7.1.0 Release Announcement» (em inglês). php.net. 1 de dezembro de 2016. Consultado em 29 de novembro de 2021 
  28. «PHP 7.2.0 Release Announcement» (em inglês). php.net. 30 de novembro de 2017. Consultado em 29 de novembro de 2021 
  29. «PHP 7.3.0 Release Announcement» (em inglês). php.net. 6 de dezembro de 2018. Consultado em 29 de novembro de 2021 
  30. «PHP 7.4.0 Release Announcement» (em inglês). php.net. 28 de novembro de 2019. Consultado em 29 de novembro de 2021 
  31. «PHP 8.0.0 Release Announcement» (em inglês). php.net. 26 de novembro de 2020. Consultado em 26 de novembro de 2020 
  32. «PHP 8.1.0 Release Announcement» (em inglês). php.net. 25 de novembro de 2021. Consultado em 29 de novembro de 2021 
  33. «PHP Hypertext Preprocessor» 
  34. «Improving PHP Performance for Web Applications» 
  35. «PHP: maduro, robusto e próprio para a Internet» 
  36. a b «PHP 5.3 migration guide». The PHP project. Consultado em 3 de julho de 2009 
  37. «Classes and Objects» 
  38. «Object Inheritance» 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]