Kotlin

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Kotlin
Kotlin Logo
Paradigma orientada a objetos, estruturada, imperativa compilada, concorrente, funcional
Surgido em 2010; há 9 anos[1]
Última versão 1.3.41 (3 de julho de 2019; há 38 dias[2])
Criado por JetBrains
Estilo de tipagem: Estática, forte, inferida
Influenciada por C#, Groovy, Java, JavaScript, Scala[1]
Plataforma x86-64, ARM e AArch64, MIPS e MIPS64, Java, JavaScript (como código fonte), WebAssembly[3]
Sistema operacional Linux, Windows, macOS, Android, iOS[3]
Licença: Apache 2.0
Extensão do arquivo: .kt, .kts
Página oficial kotlinlang.org

Kotlin é uma Linguagem de programação multiplataforma que compila para a Máquina virtual Java e que também pode ser traduzida para JavaScript e compilada para código nativo. É desenvolvida pela JetBrains, seu nome é baseado na ilha de Kotlin onde se situa a cidade russa de Kronstadt, próximo à São Petersburgo.[4]

A versão da JVM (Java Virtual Machine) de sua biblioteca padrão depende da Java Class Library, mas a inferência de tipos permite que sua sintaxe seja mais concisa. O Kotlin tem como alvo principal a JVM, mas também compila para JavaScript ou código nativo (via LLVM).

Apesar de a sintaxe de Kotlin diferir da de Java, Kotlin é projetada para ter uma interoperabilidade total com codigo Java.

Foi considerada pelo público a 2ª linguagem "mais amada", de acordo com uma pesquisa conduzida pelo site Stack Overflow em 2018.[5]

Kotlin é patrocinado pela JetBrains e Google através da Fundação Kotlin.

Kotlin é oficialmente suportado pela Google para desenvolvimento móvel no Android. Desde o lançamento do Android Studio 3.0 em outubro de 2017, o Kotlin é incluído como uma alternativa ao compilador Java padrão. O compilador Kotlin do Android permite que o usuário escolha entre o código de bytes compatível com Java 6 ou Java 8.

História[editar | editar código-fonte]

Em julho de 2011 a JetBrains revelou o Projeto Kotlin, no qual já estava trabalhando há um ano.[6] Dmitry Jemerov disse que a maioria das linguagens não possuiam as características que eles da JetBrains estavam procurando, com exceção da linguagem Scala, no entanto, Dmitry Jemerov citou que o tempo de compilação lenta do Scala era uma deficiência óbvia.[6] Um dos objetivos declarados da Kotlin é compilar tão rápido quanto Java. Em Fevereiro de 2012, a JetBrains abriu o projeto Kotlin sob a Licença Apache de Código aberto.[7] A Jetbrains disse acreditar que a sua nova linguagem irá dirigir as vendas da IntelliJ IDEA.[8]

Kotlin v1.0 foi lançada em 15 de fevereiro de 2016.[9] Este é considerado o primeiro lançamento oficialmente estável e a JetBrains comprometeu-se com a compatibilidade com versões anteriores a partir de esta versão.

No Google I/O 2017, o Google anunciou suporte oficial para o Kotlin no Android.[10]

Filosofia[editar | editar código-fonte]

O líder de desenvolvimento, Andrey Breslav disse que Kotlin é projetada para ser uma linguagem orientada a objeto de força industrial, e que Kotlin deve ser uma linguagem melhor do que Java, mas ainda ser totalmente interoperável com código Java, permitindo que as empresas possam fazer uma migração gradual de Java para Kotlin.[11]

Design[editar | editar código-fonte]

Os ponto-e-vírgulas são opcionais como um terminador de instrução; na maioria dos casos, uma nova linha é suficiente para o compilador deduzir que a instrução terminou.

Declarações de variáveis ​​do Kotlin e listas de parâmetros têm o tipo de dados vindo depois do nome da variável (e com um separador de dois-pontos), semelhante ao Pascal.

Variáveis ​​no Kotlin podem ser imutáveis, declaradas com a palavra-chave val, ou mutáveis, declaradas com a palavra-chave var.

Os membros da classe são públicos por padrão e as próprias classes são finais por padrão, o que significa que a criação de uma classe derivada é desativada, a menos que a classe base seja declarada com a palavra-chave aberta.

Além das classes e métodos (chamadas de funções-membro em Kotlin) de programação orientada a objetos, Kotlin também suporta programação procedural com o uso de funções.

As funções e construtores da linguagem suportam argumentos padrão, listas de argumentos de tamanho variável, argumentos nomeados e sobrecarga por assinatura única.

Aplicações[editar | editar código-fonte]

Uma das aplicações óbvias do Kotlin é o desenvolvimento do Android. A plataforma ficou "presa" no Java 7 por um tempo (com alguns recursos de linguagem contemporâneos acessíveis através do uso de Retrolambda ou da Jack Toolchain) e Kotlin introduz muitos aprimoramentos para programadores como segurança de ponteiro nulo, funções de extensão e notação infixa.

Acompanhado de compatibilidade total com Java e bom suporte a IDE (Android Studio), ele visa melhorar a legibilidade do código, oferecer uma maneira mais fácil de estender as classes do Android SDK e acelerar o desenvolvimento.

O Kotlin foi anunciado como uma linguagem de desenvolvimento oficial para Android no Google I/O 2017. Ele se tornou a terceira linguagem totalmente suportada para Android, além de Java e C++.

Uso Por Outros Desenvolvedores[editar | editar código-fonte]

De acordo com o site da Kotlin, Prezi está usando o Kotlin no backend. DripStat fez um writeup de sua experiência com Kotlin.

De acordo com o blog da JetBrains, o Kotlin é usado pela Amazon Web Services, pelo Coursera, pela Netflix, pelo Uber, pelo Trello, pelo Basecamp e outros.

Segundo o Google, o Kotlin já foi adotado por vários grandes desenvolvedores - Expedia, Flipboard, Pinterest, Square e outros - em seus aplicativos de produção para Android.

Referências

  1. a b «FAQ - Kotlin Programming Language». kotlinlang.org (em inglês). Consultado em 13 de março de 2018 
  2. https://github.com/JetBrains/kotlin/releases/latest
  3. a b «Kotlin/Native». kotlinlang.org (em inglês). Consultado em 13 de março de 2018 
  4. Heiss, Janice (abril de 2013). «The Advent of Kotlin: A Conversation with JetBrains' Andrey Breslav». oracle.com. Oracle Technology Network. Consultado em 2 de fevereiro de 2014 
  5. «Stack Overflow Developer Survey 2018». Stack Overflow. Consultado em 16 de abril de 2018 
  6. a b Krill, Paul (22 de julho de 2011). «JetBrains readies JVM language Kotlin». InfoWorld. Consultado em 2 de fevereiro de 2014 
  7. Waters, John (22 de fevereiro de 2012). «Kotlin Goes Open Source». ADTmag.com/. 1105 Enterprise Computing Group. Consultado em 2 de fevereiro de 2014 
  8. «Why JetBrains needs Kotlin». we expect Kotlin to drive the sales of IntelliJ IDEA 
  9. «Kotlin 1.0 Released: Pragmatic Language for JVM and Android». Kotlin Blog (em inglês). 15 de fevereiro de 2016 
  10. «Kotlin on Android. Now official». Kotlin Blog (em inglês). 17 de maio de 2017 
  11. «JVM Languages Report extended interview with Kotlin creator Andrey Breslav». zeroturnaround.com. 22 de abril de 2013. Consultado em 2 de fevereiro de 2014 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Ícone de esboço Este artigo sobre Informática é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.