Ricardo Miledi

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ricardo Miledi
Nascimento 15 de setembro de 1927
Cidade do México
Morte 18 de dezembro de 2017
Irvine
Nacionalidade mexicano
Cidadania México, Estados Unidos
Alma mater
Ocupação neurocientista, médico
Prêmios Medalha Real (1998), Prêmio Ralph W. Gerard (2010)
Campo(s) neurociência

Ricardo Miledi (México, D.F., 15 de setembro de 192718 de dezembro de 2017) foi um neurocientista mexicano, professor da Universidade da Califórnia e laureado por vários prémios internacionais.

Miledi graduou-se em medicina pela Universidade Nacional Autónoma do México e, mesmo antes de graduar-se, em 1955 começou a trabalhar no Instituto Nacional de Cardiologia. O seu trabalho científico, que continuou na Austrália, Reino Unido, Itália e Estados Unidos da América, está relacionado com os mecanismos de transmissão dos impulsos nervosos entre as sinapses e com os músculos, assim como com a forma como as drogas e outras substâncias tóxicas afetam essa transmissão[1].

Desde 1980 é membro da Real Sociedade de Londres e, em 1986, da Academia de Artes e Ciências dos Estados Unidos. Em 1992 foi-lhe atribuído o doutorado honoris causa pela Universidade do País Basco; desde 1995 é membro honorário da Academia Nacional de Medicina do México. Em 1998, recebe a Medalha Real (da Real Sociedade)[2] e, em 1999, o Prémio Príncipe das Astúrias de Investigação Científica e Técnica.

No ano 2000, a equipa de investigação do Dr. Miledi recebeu um financiamento para estudar o funcionamento dos “neuroléticos atípicos”, que tinham recentemente passado a ser usados no tratamento da esquizofrenia, para testar a sua eficiência no tratamento do tabagismo[3].

Em 2007, Miledi recebe o Doutoramento Honoris Causa pela Universidade Nacional Autónoma do México.

Referências


Precedido por
Geoffrey Eglinton, John Maynard Smith e Donald Hill Perkins
Medalha Real
1998
com Edwin Southern e Donald Charlton Bradley
Sucedido por
John Frank Davidson, Patrick David Wall e Archibald Howie