The Paradine Case

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: ""Agonia de Amor"" redireciona para este artigo. Este artigo é sobre um filme de Alfred Hitchcock. Para a telenovela mexicana, veja Agonía de amor.
The Paradine Case
O Caso Paradine[1] (PRT)
Agonia de Amor[2] (BRA)
Gregory Peck e Ann Todd em fotografia publicitária para o filme.
 Estados Unidos
1947 •  pb •  114 min 
Direção Alfred Hitchcock
Produção David O. Selznick
Roteiro Alma Reville
David O. Selznick
Robert Hichens (romance)
Elenco Gregory Peck
Ann Todd
Charles Laughton
Charles Coburn
Ethel Barrymore
Gênero filme de drama
filme de suspense
Música Franz Waxman
Paul Dessau
Direção de arte Thomas Morahan
Direção de fotografia Lee Garmes
Efeitos especiais Clarence Slifer
Figurino Travis Banton
Edição Hal C. Kern
Companhia(s) produtora(s) Vanguard Films
The Selznick Studio
Distribuição Selznick Releasing Organization
Lançamento Estados Unidos 8 de janeiro de 1948
Portugal 29 de novembro de 1949
Idioma língua inglesa
Orçamento US$4,258,000[3]
Receita US$2,119,000[3]

The Paradine Case (bra: Agonia de Amor; prt: O Caso Paradine) é um filme norte-americano de 1947, dos gêneros drama e suspense, dirigido por Alfred Hitchcock e estrelado por Gregory Peck e Ann Todd.

Notas sobre a produção[editar | editar código-fonte]

Ann Todd como a esposa de Gregory Peck, papel que Hitchcock queria para Greta Garbo.

The Paradine Case foi o último filme que Hitchcock fez para o produtor David O. Selznick, seguindo-se a Rebecca, Spellbound e Notorious. Àquela altura, Selznick já estava exausto, porém, como não tinha nenhum outro projeto para tocar, interferiu de forma decisiva na pré-produção, roteiro, filmagens e montagem.[4]

Prolixo e claustrofóbico drama de tribunal,[4] o resultado ficou abaixo da média do diretor,[5] sendo reconhecido como uma de suas realizações mais fracas.[4][6] Tudo isso porque, segundo o autor de O Gênio do Sistema, The Paradine Case é muito mais uma obra de Selznick do que de Hitchcock.[4]

O diretor, não muito interessado no projeto,[4] queria Greta Garbo para contracenar com Gregory Peck. Ela concordou em deixar seu retiro e chegou a fazer um teste, mas desistiu no final.[7]

Sinopse[editar | editar código-fonte]

O advogado Anthony Keane aceita defender Anna Paradine, presa sob a acusação de assassinar o rico e cego marido. Anthony é bem casado, mas acaba por se apaixonar pela cliente, que parece incentivá-lo. Na tentativa de livrar sua amada e com o coração comandando suas ações, Anthony quer que o júri se convença de que o culpado é André Latour, amante de Anna.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Ator/Atriz Personagem
Gregory Peck Anthony Keane
Ann Todd Gay Keane
Charles Laughton Juiz Lorde Thomas Horfield
Charles Coburn Sir Simon Flaquer
Ethel Barrymore Lady Sophie Horfield
Louis Jourdan André Latour
Alida Valli Anna Paradine
Leo G. Carroll Sir Joseph
Joan Tetzel Judy Flaquer
Isobel Elsom Taberneira

Premiações[editar | editar código-fonte]

Patrocinador Prêmio Categoria Situação
Academia de Artes e Ciências Cinematográficas Oscar Melhor Atriz Coadjuvante
(Ethel Barrymore)
Indicado
Portal A Wikipédia tem os portais:

Referências

  1. O Caso Paradine (em português) no CineCartaz (Portugal)
  2. Agonia de Amor no CinePlayers (Brasil)
  3. a b «Agonia de Amor». IMDB. Consultado em 12 de julho de 2015 
  4. a b c d e SCHATZ, Thomas, O Gênio do Sistema, tradução de Marcelo Dias Almada, São Paulo: Companhia das Letras, 1991
  5. MALTIN, Leonard, Leonard Maltin's Movie Guide - 2011 Edition, Nova Iorque: New American Library, 2010 (em inglês)
  6. LEGARE, Patrick. «The Paradine Case». AllMovie. Consultado em 13 de julho de 2015 
  7. ERICKSON, Hal. «The Paradine Case». AllMovie. Consultado em 13 de julho de 2015 
Ícone de esboço Este artigo sobre um filme estadunidense é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.