Tijucas do Sul

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para outras cidades com este nome, veja Tijucas (desambiguação).
Município de Tijucas do Sul
Portal da cidade

Portal da cidade
Bandeira de Tijucas do Sul
Brasão de Tijucas do Sul
Bandeira Brasão
Hino
Fundação 14 de novembro de 1951 (65 anos)
Gentílico tijuquense ou tijucano
Prefeito(a) Antonio Cesar Matucheski (PSDB)
(2017–2020)
Localização
Localização de Tijucas do Sul
Localização de Tijucas do Sul no Paraná
Tijucas do Sul está localizado em: Brasil
Tijucas do Sul
Localização de Tijucas do Sul no Brasil
25° 55' 40" S 49° 11' 56" O25° 55' 40" S 49° 11' 56" O
Unidade federativa  Paraná
Mesorregião Metropolitana de Curitiba IBGE/2008[1]
Microrregião Rio Negro IBGE/2008[1]
Região metropolitana Curitiba
Municípios limítrofes Norte: São José dos Pinhais; Sul: Estado de Santa Catarina; Leste: Guaratuba; Noroeste: Mandirituba; sudoeste: Agudos do Sul
Distância até a capital 40 km
Características geográficas
Área 672,197 km² [2]
População 14 526 hab. Censo IBGE/2010[3]
Densidade 21,61 hab./km²
Altitude 940 m
Clima Subtropical
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,716 elevado PNUD/2000[4]
PIB R$ 125 284,434 mil IBGE/2008[5]
PIB per capita R$ 9 189,79 IBGE/2008[5]
Página oficial

Tijucas do Sul é um município brasileiro do estado do Paraná. Sua população estimada em 2010 era de 14.526 habitantes, conforme dados do IBGE.

Etimologia[editar | editar código-fonte]

De origem geográfica, provém dos depósitos de argila de coloração cinza-escura, pegajosa e popularmente chamada de "tijuco", é encontrada em grande escala no território do município.[6] O termo do "do Sul" foi acrescentado para diferenciá-la do município homônimo existente no Estado de Santa Catarina.[6]

História[editar | editar código-fonte]

Em 1541, o solo do que hoje é o território do município de Tijucas do Sul, foi pisado por Dom Alvãr Nuñez Cabeza de Vaca,[7] que havia desembarcado na Ilha de Santa Catarina e se destinava ao Paraguai,[7] seguindo caminho por terra.[7] Este homem foi o primeiro adelantado (governador) do Paraguai,[7] sendo que neste período, as terras hoje paranaenses, pertenciam à Espanha,[7] por força do Tratado de Tordesilhas,[7] assinado no ano de 1494,[7] por Portugal e Espanha.[7]

Cabeza de Vaca estava acompanhado por 250 homens,[7] 36 cavalos (da região de Andaluzia,[7] e que deu origem ao cavalo pantaneiro), e de um grupo de silvícolas amistosos,[7] que acompanhou a comitiva até determinada altura,[7] para lhes ensinar a cortar o imenso sertão através de um ramo do Caminho do Peabiru.[7]

Seguindo a milenar trilha utilizada pelo desbravador espanhol, muitas outras expedições rasgaram o chão tijucano.[7]

A preia do gentio e a cata do ouro se constituiu em bom motivo, que se prolongou por muitos anos.[7] A abertura da Estrada do Mota, mais tarde Estrada da Mata, também contribuiu para que o sudeste paranaense tivesse melhor sorte.[7]

Numerosos fatores fazem de Tijucas do Sul uma cidade marcada por acontecimentos históricos,[7] sendo que um deles é especialmente triste à lembrança do povo do lugar, a Revolução Federalista de 1893.[7]

De um lado estavam os insurretos federalistas,[7] baseados nos pampas,[7] sendo que depois sua luta foi disseminada Brasil afora,[7] e do outro lado as forças legalistas,[7] que apoiavam o governo do Marechal Floriano Peixoto.[7]

No Paraná a maioria era florianista,[7] e quando espalhou-se a notícia de uma possível invasão das tropas federadas na região fronteiriça com Santa Catarina,[7] armou-se um aparato militar, visando defender o território.[7]

O ataque dos gaúchos se fez de maneira organizada e cadenciada,[7] foram simultaneamente atacadas as guarnições de Paranaguá, Lapa e Tijucas do Sul.[7] Em Tijucas a primeira batalha se deu no dia 11 de janeiro de 1894,[7] de forma ininterrupta até o dia 19 do mesmo mês.[7] O que ocorreu naquele quadrilátero é digno de muitas páginas,[7] mas o resultado final foi a rendição dos bravos defensores do solo tijucano,[7] ante a supremacia bélica e numérica do oponente e principalmente pela notícia de que Paranaguá e Curitiba já estavam tomadas[7] e a Lapa sitiada.[7]

Nada restava fazer,[7] senão contar os mortos,[7] que foram em número de dezessete,[7] e dezenas de feridos.[7] Um triste episódio se deu no hospital de campanha da Cruz Vermelha.[7] Ali estavam a cuidar dos feridos os médicos dr. Brazílio Luz,[7] que era militar,[7] o dr. Jorge Meyer e mais dois enfermeiros.[7] De chofre, o local foi alvo de descarga de artilharia pesada,[7] atingindo aos dois enfermeiros,[7] sendo que um deles mortalmente.[7]

Não obstante toda esta movimentação, e apesar de se constituir região povoada, a Vila de Tijucas só foi elevada à categoria de município emancipado no dia 14 de novembro de 1951, através da Lei Estadual n° 790,[7] sancionada pelo governador Bento Munhoz da Rocha Netto.[7] O território foi desmembrado do município de São José dos Pinhais[7] e a instalação oficial deu-se no dia 14 de dezembro de 1952.[7]

Em 1956 o prefeito municipal de Tijucas do Sul era o sr. Nir M. de Oliveira,[6] e a Câmara Municipal) tinha a seguinte composição:[6] João Claudino Machado, João Boniecki, Osório Nestor da Rocha, Francisco C. de Lima, Loracy Bonato, Alfredo Caetano dos Santos, Manoel da Cruz, Alcides de L. Maoski e Francisco Ribeiro.

Turismo[editar | editar código-fonte]

A cidade é famosa pelos haras e pelas pousadas que atraem turistas durante todo o ano.

Referências

  1. a b «Divisão Territorial do Brasil». Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 1 de julho de 2008. Consultado em 11 de outubro de 2008 
  2. IBGE (10 out. 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 dez. 2010 
  3. «Censo Populacional 2010». Censo Populacional 2010. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 29 de novembro de 2010. Consultado em 11 de dezembro de 2010 
  4. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2000. Consultado em 11 de outubro de 2008 
  5. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 11 dez. 2010 
  6. a b c d FERREIRA, João Carlos Vicente (1996). O Paraná e seus municípios. Maringá: Memória Brasileira. 687 páginas 
  7. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u v w x y z aa ab ac ad ae af ag ah ai aj ak al am an ao ap aq ar as at au av aw FERREIRA, João Carlos Vicente (1996). O Paraná e seus municípios. Maringá: Memória Brasileira. 686 páginas 
Ícone de esboço Este artigo sobre municípios do estado do Paraná é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.