Contenda

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Município de Contenda
"Capital da Batata"
Bandeira de Contenda
Brasão de Contenda
Bandeira Brasão
Hino
Aniversário 14 de novembro
Fundação 1951 (66 anos)
Gentílico contendense
Prefeito(a) Carlos Eugenio Stabach (PMDB)
(2017–2020)
Localização
Localização de Contenda
Localização de Contenda no Paraná
Contenda está localizado em: Brasil
Contenda
Localização de Contenda no Brasil
25° 40' 33" S 49° 32' 06" O25° 40' 33" S 49° 32' 06" O
Unidade federativa  Paraná
Mesorregião Metropolitana de Curitiba IBGE/2008 [1]
Microrregião Curitiba IBGE/2008 [1]
Região metropolitana Curitiba
Municípios limítrofes Araucária, Balsa Nova, Lapa, Mandirituba, Quitandinha
Distância até a capital 36 km
Características geográficas
Área 299,037 km² [2]
População 15 892 hab. Censo IBGE/2010[3]
Densidade 53,14 hab./km²
Altitude 878,17 m
Clima Sub-tropical
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,761 alto PNUD/2000 [4]
PIB R$ 141 791,722 mil IBGE/2008[5]
PIB per capita R$ 9 142,54 IBGE/2008[5]
Página oficial

Contenda é um município brasileiro do estado do Paraná, situado na Região Metropolitana de Curitiba com uma área de 344,8 km². Sua população, em 2010, era estimada em 15.858 habitantes.

O município já foi conhecido como a Capital da Batata, em decorrência da grande produção do produto no região e grande parte de sua população reside no perímetro urbano do município. A sua zona rural é compreendida, em sua maior parte, de lavouras e de famílias de produtores rurais e alguns dos principais bairros rurais de Contenda são Catanduvas do Sul, Campestre, São Pedro e Serrinha.

Etimologia[editar | editar código-fonte]

De origem geográfica, constituindo-se em referência ao Ribeirão Contenda, que banha o território municipal. Contenda é designação de luta, guerra ou esforço para se conseguir algo: supõe-se que a denominação seja originária de uma disputa de terras às margens do Ribeirão Contenda, que na zona norte do município faz barra no Rio Izabel Alves, próximo de Serrinha. Esta denominação é conhecida a partir do final do século XIX.

História[editar | editar código-fonte]

A partir de meados do século XVIII, esta região passou a ser movimentada por conta da seção de sesmarias. Em torno de 1772, João Pereira Braga e sua mulher Josefa Gonçalves da Silva, donos de extensas áreas de terra na freguesia de Santo Antonio da Lapa, legaram ao seu filho, padre João da Silva Reis, para imensa propriedade rural, que produzia gado, milho e feijão. Este religioso, que era vigário em São José dos Pinhais, para ficar mais perto de sua fazenda pediu transferência para a Lapa, sendo, por conseguinte, seu primeiro pároco.

Mais tarde, o padre vendeu parte de suas terras à João da Cruz, o qual veio a estabelecer-se nesta região. João da Cruz tornou-se o primeiro grande proprietário de terras nesta região, após a subdivisão de sesmarias. Foi ainda patriarca de numerosa família, pai de de Amélia, casada com Bertoldo Nepomuceno, e de Abílio de Souza Pinto. De Amélia, João da Cruz teve os seguintes netos: Bento, Francisco, Ermelino, Antônio, Emílio, Placidina e Sebastião Nepomuceno Pinto. De Abílio de Souza Pinto e sua mulher nasceram: João, Francisca, que casou-se com Frederico Good Sobrinho e Juvencio de Camargo e Souza, casado com Lusia Cordeiro.

Quando já existia um pequeno núcleo de povoação, chegaram João Soares Franco e seu irmão Constantino Soares da Silva, que graças ao trabalho desempenhado, à sua índole política e poder de liderança, muito contribuíram para o fortalecimento social e econômico do lugar. Há quem atribua a estes dois irmãos a fundação do núcleo, sendo que outras fontes afirmam ser obra de imigrantes poloneses e alemães e outras de ucranianos a poloneses.

O que deu consistência à povoação de Contenda foi o advento Estrada do Imperador, que recebeu esta denominação após a visita do Imperador D. Pedro II à cidade da Lapa, em 1880. Esta via, conhecida por Estrada da Mata encontrava-se em péssimas condições de trafegabilidade, antes da vinda de sua majestade, sendo que sua melhoria foi autorizada pelo próprio Imperador, que desejava conhecer as terras paranaenses.

Em 1878, o engenheiro inglês Walter Joslin, em companhia de seu concunhado Jaimes Good, deram início aos trabalhos de restauração da estrada. Nesta época residiam nas imediações, além de João Cruz, a família de Manduca Padilha e Moreira Pinto, mais tarde chegou o padeiro Pedro Mildemberger.

O território do município foi citado quando a Lapa se tornou freguesia, não como Contenda, mas sim como Lagoa das Almas "...foi erecta a 13 de junho de 1769. O seu Orago é o sr. Santo Antonio a quem se dedicou sua Igreja. Começa o seu limite no Ribeirão chamado de Izabel Alz'q, e está junto a Lagoa das Almas...". E também na descrição da viagem do Imperador Pedro II ao Paraná, feita por Sebastião Ferrarini "...O único incidente ocorrido na viagem pelo Paraná foi quando, ao passar por Lagoa das Almas (no dia 2 de maio de 1880), tombou uma carruagem, pisando-lhe o cocheiro".

Em 1895, colonos alemães e poloneses fundaram próximo ao Rio Iguaçu o núcleo colonial de Contenda. Algum tempo após a fundação, a Colônia Contenda transformou-se em Distrito Administrativo no município da Lapa. Romário Martins nos diz que " ...em 1932, o distrito possuía 15.000 habitantes, era próspero e aspirava constituir-se em município autônomo".

A Lei Estadual n° 790, de 14 de novembro de 1951, sancionada pelo governador Bento Munhoz da Rocha Netto, criou o município de Contenda, com território desmembrado do município da Lapa. A instalação oficial deu-se no dia 14 de dezembro de 1952. O primeiro prefeito municipal foi Estanislau Szczypior.

Referências

  1. a b «Divisão Territorial do Brasil». Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 1 de julho de 2008. Consultado em 11 de outubro de 2008 
  2. IBGE (10 out. 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 de dezembro de 2010 
  3. «Censo Populacional 2010». Censo Populacional 2010. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 29 de novembro de 2010. Consultado em 11 de dezembro de 2010 
  4. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2000. Consultado em 11 de outubro de 2008 
  5. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 11 de dezembro de 2010 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • FERREIRA, João Carlos Vicente (1996). O Paraná e seus municípios. Maringá: Editora Memória Brasileira. pp. 246–247 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]