TSV 1860 München

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
1860 München
TSV 1860 München.svg
Nome TSV 1860 München
Alcunhas Die Löwen (Os leões) e Sechzig (Sessenta)
Fundação 17 de maio de 1860 (157 anos)
Estádio Estádio Grünwalder
Capacidade 12.500 pessoas
Presidente Alemanha Robert Reisinger
Treinador Alemanha Daniel Bierofka
Patrocinador Alemanha Die Bayerische
Material (d)esportivo Itália Macron
Competição Alemanha Regionalliga Bayern (4ª Divisão do Futebol Alemão)
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Uniforme
titular
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Uniforme
alternativo
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Uniforme
alternativo
editar

Turn- und Sportverein München von 1860, geralmente chamado de TSV 1860 München em alemão e conhecido como Munique 1860 ou simplesmente Munique em português, é uma agremiação esportiva alemã sediada na cidade de Munique, localizada no estado da Baviera. Joga as partidas de casa no Estádio Grünwalder.

História[editar | editar código-fonte]

É uma das associações esportivas mais antigas da Alemanha. O Turn und Sport Verein nasce em 17 de maio de 1860 com seções de ginástica e atletismo. O departamento de futebol foi fundado em 25 de abril de 1899, antes do surgimento do Bayern de Munique, hoje a equipe bávara mais conhecida. A primeira partida de futebol do TSV deu-se em 27 de julho de 1902, na derrota por 4 a 2 para o 1.Münchner Fussball-Club 1896.

As cores da agremiação são o verde e o ouro, enquanto as do futebol ficaram sendo o branco e o azul. Os "leões" de Munique endossaram alternativamente nos anos uma camisa celeste com calções brancos, ou uma camisa com listras verticais celestes e brancas, com calções brancos. Nos últimos anos foram apresentadas algumas variações no que tange ao uniforme.

O clube é um dos mais populares da Alemanha, com uma grande quantidade de torcedores, principalmente em Munique, e na Baviera, onde tem a segunda maior torcida da região, atrás apenas do seu maior rival, o FC Bayern, e à frente de clubes como 1.FC Nürnberg, Augsburg, Greuther Fürth e Ingolstadt.

O 1860 foi pioneiro e é um dos mais tradicionais do futebol alemão, também é uma das equipes fundadoras da atual Bundesliga. Ficou em segundo, atrás somente do Nuremberg na Oberliga Bávara, na temporada 1962-1963, constrangendo o Bayern de Munique, naquela ocasião terceiro, a não disputar todas as edições do máximo torneio, recorde, o qual, pertence apenas ao Hamburgo.

Entre os seus títulos, o Munique 1860 possui um campeonato alemão, conquistado em 1966, dois segundos lugares, em 1931 e 1967, duas copas da Alemanha, em 1942 e 1964, uma final da Recopa, na temporada 1964-1965, na qual foi derrotado pelo West Ham United FC por 1 a 0, algumas participações na Copa da Uefa e uma qualificação para o turno preliminar da UEFA Champions League, em 2000, quando foi eliminado pelo Leeds United, com uma dupla derrota. 2 a 1, em Leeds e 1 a 0, em Munique. No clube jogaram importantes atletas do calibre de Rudi Völler, Thomas Häßler, Klaus Fischer, Davor Suker, Abedi Pelé e outros conhecidos nomes do futebol mundial.

1942-1967: O período glorioso[editar | editar código-fonte]

Venceu o seu primeiro troféu, a Copa da Alemanha, em 1942, ao bater na final do Schalke 04 por 2 a 0. O clube viveu sortes alternadas no curso das últimas décadas. O melhor período da história ocorreu nos anos 1960. Primeiro, obtendo a segunda conquista da Copa da Alemanha, vencida em 1964. Posteriormente, o Munique 1860 ainda chegaria, em uma campanha histórica, à final da Recopa Européia, onde seria derrotado pelo icônico West Ham de Bobby Moore em Wembley. Além do épico título da Bundesliga, conquistado em 1966, obtido matematicamente na última rodada após um empate em casa, de 1 a 1, contra o Hamburgo. Na temporada seguinte, em 1967, os Leões terminariam na segunda colocação do Campeonato Alemão, passando perto de conquistar o bicampeonato.

No ano sucessivo, o 1860 participou da UEFA Champions League, na qual foi eliminado na segunda fase pelo histórico Real Madrid de Francisco Gento e companhia. A vitória de 1 a 0 obtida em casa não bastou. No jogo de volta, a equipe espanhola venceu por 3 a 1.

À esta altura, os leões de Munique se notabilizaram como um dos clubes mais fortes e representativos da Alemanha, inclusive, para muitos, estando em um patamar acima do seu grande rival, o FC Bayern.

1967-1994: Falência e ressurgimento[editar | editar código-fonte]

Entre o fim da década de 60 e o começo da década de 70, a equipe sofrera uma das mais complicadas fases de sua história, sendo rebaixada e com problemas nas finanças.

Na temporada 1981/1982 os leões não obtiveram a licença da DFB por graves problemas financeiros e acabaram rebaixados para as ligas regionais da Baviera.

Ao se reorganizarem, os leões voltavam para a Bundesliga em 1993/1994 após 13 temporadas de ausência sob o comando do folclórico Werner Lorant.

1994-2004: A volta à Bundesliga[editar | editar código-fonte]

No retorno á elite do futebol alemão, alternou bons e maus momentos, incluindo participações na Taça Intertoto, Copa da UEFA e UEFA Champions Lague.

Neste período contou com nomes do calibre de Thomas Hassler, Martin Max, Davor Suker, Abedi Pelé e os brasileiros Fernando e Rodrigo Costa.

Na primeira temporada de volta à Bundesliga, em 1994-1995, o 1860 terminaria em décimo quarto lugar, duas posições acima da zona de rebaixamento, confirmando sua permanência na elite do futebol alemão. Nesta temporada, também reencontrou o Bayern de Munique, onde voltariam a fazer o derby de Munique, e sofreu duas derrotas por 1 a 0 e 3 a 1.

Na temporada 1995-1996 faz campanha sólida e termina na honrosa oitava colocação.

Na época seguinte, em 1996-1997 faz uma temporada histórica e termina na sétima posição, se classificando para a Taça da UEFA, com grande destaque para Bernhard Winkler que marcara 17 gols naquela edição.

Em 1997-1998 e 1998-1999 os leões fizeram campanhas de meio de tabela, se consolidando de volta na elite do futebol alemão.

Na temporada 1999-2000, sob o comando de Martin Max, artilheiro da Bundesliga naquela edição, o TSV 1860 surpreendeu toda a Alemanha e garantiu vaga nas fases preliminares da UEFA Champions League, quando terminou na quarta posição com 53 pontos. Os acontecimentos mais marcantes da trajetória foram as duas vitórias sobre o seu arquirrival, o FC Bayern München - que era franco favorito e terminaria campeão - por 1 a 0 e 2 a 1, após 22 anos sem derrotar os vermelhos.

Na temporada seguinte, volta à Liga dos Campeões, mas fica no caminho na última fase preliminar antes da fase de grupos, após ser derrotado nos dois jogos pelo Leeds United. Na Bundesliga, faz uma campanha mediana e termina na décima primeira colocação, ganhando uma vaga na Taça Intertoto da UEFA como prêmio de consolo.

Em 2001-2002 e 2002-2003, continua fazendo campanhas sólidas e terminando em posições medianas na tabela, com destaque para mais uma artilharia de Martin Max e o surgimento da super-promessa Benjamin Lauth.

Na temporada 2003-2004, as coisas desandam e o clube perde o fôlego, terminando rebaixada na penúltima colocação, quatro pontos atrás do Kaiserslautern, primeira equipa fora da zona de descenso.

Após uma década transcorrendo uma década na Bundesliga, entre 1994 e 2004, foi novamente foi rebaixado à segunda divisão.

2004-2017: Ostracismo na 2.Bundesliga[editar | editar código-fonte]

Na temporada 2004-2005, na 2.Bundesliga, voltou a jogar no seu estádio histórico, o Grünwalder Stadion, com grande alegria dos torcedores. Parecia ser o ano do renascimento, mas um descuido no fim da temporada deu o terceiro lugar, e portanto a promoção, ao Eintracht Frankfurt.

O clube viveu nestes anos um momento particularmente difícil na sua história. Em maio de 2006, além de ficar no décimo-terceiro lugar, a agremiação evitou a falência, por conta de investimentos pouco vantajosos e pela construção onerosa do Allianz Arena, estádio que dividia com o Bayern de Munique, mas muito custoso para um clube não milita na máxima série. Todavia, um ótimo setor juvenil, triunfou na categoria sub-17, no campeonato nacional, temporada 2005-2006 o qual criou uma ótima base para o clube.

Na temporada 2006-2007 os leões de Munique disputaram um campeonato razoável, alcançando o oitavo lugar. Essa foi também a temporada de retorno de Daniel Bierofka, cujo pai havia jogado também no Munique 1860 nos anos 70.

Em 2007-2008, era a mais jovem, em média, da segunda divisão alemã, mas uma das mais talentosas. Após uma ótima primeira fase de temporada, coroada por resultados de bom nível, foi literalmente atropelada no segundo turno, conquistando de maneira matemática a permanência na segunda divisão apenas na penúltima rodada, no empate em casa em 1 a 1 frente ao VfL Osnabrück.

Na temporada 2008-2009 a equipe presencia o retorno de Benjamin Lauth, jovem atacante amado pelos torcedores, cedido depois do rebaixamento de 2004. O clube parte com três derrotas consecutivas para depois achar uma certa estabilidade no decorrer da metade da temporada. Todavia, nesse ano, lutou pela permanência na segunda divisão, conquistada virtualmente apenas na penúltima rodada, após empate em 1 a 1 com o Alemannia Aquisgrana. A última vitória no campeonato, naquela temporada, ocorre na vigésima-terceira rodada. Um 3 a 2 contra o FC Ingolstadt 04.

Na temporada sucessiva, o time mudou vários jogadores com o intuito de voltar à máxima série. As coisas, porém não ocorreram como o esperado. Após um começo permeado de altos e baixos, concluiu o campeonato no oitavo lugar. Nessa temporada festejou os 150 anos de história. Na vigésima-quinta rodada, na partida em casa, à qual venceu por 2 a 1 o FC Saint Pauli, o time usou uma camisa com listras verticais verde/ouro, as cores originais da agremiação. Os problemas financeiros que assolavam há anos a equipe, porém, se agravaram. O débito chegou a 10 milhões de euros.

Na temporada 2010-2011, os leões iniciaram bem, mas deslizaram na metade da classificação entre novembro e dezembro. No fim de 2010 a sociedade chegou quase à falência, mas graças a novos financiamentos e a um plano de saneamento, obteve a permissão para jogar o segundo turno. Os riscos, seja como for, estão sempre presentes. No fim da temporada, o 1860 alcançou o nono lugar.

Para resolver os problemas financeiros, por volta da metade do segundo turno, Dieter Schneider assume a presidência no lugar de Rainer Beeck. O clube pede auxílio ao Bayer de Munique, mas não consegue êxito. A solução advém através de um milionário jornadiano, Hasan Abdullah Ismaik, que compra 49% do capital do clube da Baviera. Pela lei alemã, 51% das ações dos times devem ficar em propriedade dos próprios clubes. Muitos torcedores, porém, manifestaram desapontamento por conta do fato, preferindo que o time partisse para a disputa de certames regionais do que se submeterem ao jogo de um desconhecido do qual não se sabia nada.

O objetivo da sociedade nessa temporada é a estabilidade financeira e não ainda a promoção, pois por vários problemas de balanço, mas não são feitas aquisições relevantes durante o verão.

Ultimas Temporadas

Na temporada 14/15 da 2.Bundesliga, a equipe passa por diversas dificuldades e termina o campeonato na décima sexta colocação, consequentemente, jogando os playoffs de rebaixamento contra o Holsten Kiel, terceiro colocado da 3.Liga. Após um empate sem gols na primeira primeira partida em Kiel, a segunda e decisiva partida seria disputada na Allianz Arena, diante de 60 mil espectadores. O jogo seguiria empatdo em 1 a 1, resultado que rebaixava Os Leões e que dava a vaga na 2.Bundesliga ao Kiel pela regra do gol marcado fora de casa, quando aos 92 minutos, Kai Bülow, em um gol salvador, desempatou a partida e salvou o 1860 do rebaixamento.

Na temporada 15/16, o Munique novamente passa por dificuldades e, após flertar com o rebaixamento durante todo o campeonato, se salva nas últimas rodadas terminando na modesta décima quinta posição.

A temporada 16/17 chegou e a esperança do clube era conquistar o acesso após investir muito alto em nomes como Stefan Aigner, Ivica Olic, Sebastian Boenisch, Ribamar, Jan Zimmermann, Victor Andrade e Karim Matmour, além do técnico Kosta Runjaic. No entanto, a primeira metade da temporada é um fracasso e a equipe termina na décima quarta posição. Descontente com o desempenho, o clube demite Runjaic e contrata o renomado treinador português Vitor Pereira além de Amilton e Lumor do Portimonense, Abdoulaye Ba do FC Porto e Christian Gytkjaer do Rosenborg. Com essas peças, a equipe consegue uma melhora e flerta com um fim de temporada tranquilo, mas por um descuido no fim da 2.Liga, acaba entrando nas zonas de playoffs de rebaixamento.

Nos playoffs, a equipe enfrenta o também bávaro Jahn Regensburg, terceiro colocado na 3.Liga. Após um empate por 1 a 1 em Regensburg, 62 mil torcedores lotaram a Allianz Arena, o que não foi o suficiente para evitar a desatrosa derrota por 2 a 0, selando assim, o rebaixamento dos leões.

2017-: Nova perda de licença e volta às disputas regionais[editar | editar código-fonte]

Em 2017-18 os leões jogariam a terceira divisão alemã, depois de terem sido rebaixados da 2.Bundesliga, mas após uma recusa do investidor Hasan Ismaik em arcar com os custos necessários para obter a licença da DFL e disputar a 3.Liga, o clube foi rebaixado para a quarta divisão.

O TSV foi um dos clubes fundadores da Bundesliga em 1963 e jogou um total de 19 temporadas na liga principal, desde então.

Rivalidades[editar | editar código-fonte]

O clube possui uma grande rivalidade com o FC Bayern, clube com quem faz o tradicional Derby de Munique. Apesar da disparidade entre as equipes atualmente, até o começo da década de 70 ambas estavam num patamar muito próximo, quando rivalizavam pra decidir qual seria a equipe número um de Munique. O confronto também é marcado pelo ódio entre as torcidas, que apesar de pouco se encontrarem, ainda se mantém muito vivo. A rivalidade também é vivida em jogos das equipes sub-23 na Regionalliga Bayern, divisão regional equivalente à quarta divisão do futebol alemão. Os jogos são disputados no histórico Grünwalder Stadion e costumam receber ótimos públicos.

Outro tradicional rival dos leões é o 1.FC Nürnberg, também da Baviera. Ao longo da história as equipes protagonizaram grandes partidas entre a primeira e segunda divisão da Bundesliga. No entanto, as torcidas não se odeiam, protagonizando cenas amistosas, ambas admirando a grandeza dos adversários e celebrando a rivalidade em comum com o Bayern de Munique.

Outras equipes rivalizam com o Sessenta por também serem da Baviera, são eles: Greuther Fürth, Augsburg, Ingolstadt.

Temporadas recentes[editar | editar código-fonte]

TSV 1860 München[editar | editar código-fonte]

Ano Divisão Posição
1999-2000 Fussball-Bundesliga (I)
2000-01 Fussball-Bundesliga 11°
2001-02 Fussball-Bundesliga
2002-03 Fussball-Bundesliga 10°
2003-04 Fussball-Bundesliga 17° ↓
2004-05 2. Bundesliga (II)
2005-06 2. Bundesliga 13°
2006-07 2. Bundesliga
2007-08 2. Bundesliga 11°
2008-09 2. Bundesliga 13°
2009-10 2. Bundesliga
2010-11 2. Bundesliga
2011-12 2. Bundesliga
2014-2015 2.Bundesliga 16°
2015-2016 2.Bundesliga 15°
2016-17 2.Bundesliga 16º

TSV 1860 München II

Ano Divisão Posição
1999-2000 Regionalliga Süd (III)
2000-01 Regionalliga Süd 16° ↓
2001-02 Oberliga Bayern (IV)
2002-03 Oberliga Bayern
2003-04 Oberliga Bayern 1° ↑
2004-05 Regionalliga Süd (III) 15°
2005-06 Regionalliga Süd 15°
2006-07 Regionalliga Süd 13°
2007-08 Regionalliga Süd 13°
2008-09 Regionalliga Süd (IV)
2016-17 Regionalliga Bayern

Médias de público

Médias de público recentes do clube:[1][2]

Ano Divisão Posição Média (mando de campo)
1999–2000 Fußball-Bundesliga (I) 27 282
2000–01 Fußball-Bundesliga 11º 25 276
2001–02 Fußball-Bundesliga 26 024
2002–03 Fußball-Bundesliga 10º 26 518
2003–04 Fußball-Bundesliga 17º ↓ 28 331
2004–05 2nd Bundesliga (II) 20 140
2005–06 2nd Bundesliga 13º 41 720
2006–07 2nd Bundesliga 35 688
2007–08 2nd Bundesliga 11º 35 071
2008–09 2nd Bundesliga 12º 28 135
2009–10 2nd Bundesliga 22 515
2010–11 2nd Bundesliga 19 768
2011–12 2nd Bundesliga 22 898
2012–13 2nd Bundesliga 22 682
2013–14 2nd Bundesliga 19 312
2015-16 2nd Bundesliga 15º 22 123
2016-17 2nd Bundesliga 16º 25 900

Uniformes[editar | editar código-fonte]

Uniformes dos jogadores[editar | editar código-fonte]

Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
1º uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
2º uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
3º uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Especial
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Combinação 1

Uniformes anteriores[editar | editar código-fonte]

  • 2007-08
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Primeiro
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Segundo
  • 2006-07
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Primeiro
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Segundo
  • 2005-06
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Primeiro
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Segundo


Títulos[editar | editar código-fonte]

Elenco[editar | editar código-fonte]

Atualizado dia 16 de julho de 2017

Legenda
  • Capitão: Capitão
  • PenalizadoExpulso: Jogador suspenso
  • Lesionado: Jogador lesionado


Goleiros
Jogador
1 Alemanha Marco Hiller
30 Alemanha Hendrik Bonmann
37 Áustria Alexander Strobl
Defensores
Jogador Pos.
4 Alemanha Felix Weber Capitão Z
6 Alemanha Jan Mauersberger Z
17 Alemanha Daniel Wein Z
19 Alemanha Lukas Aigner Z
2 Alemanha Eric Weeger LD
13 Alemanha Phillipp Steinhart LD
3 Alemanha Christian Köppel LE
31 Togo Kodjovi Koussou LE
Meio-campistas
Jogador Pos.
14 Alemanha Dennis Dressel V
25 Alemanha Lucas Genkinger V
28 Alemanha Lino Tempelmann V
29 Hungria György Hursán V
5 Suíça Nicolas Andermatt M
8 Alemanha Simon Seferings M
10 Alemanha Timo Gebhart M
15 Eslováquia Martin Gambos M
21 Turquia Ugur Türk M
Atacantes
Jogador
7 Síria Mohamad Awata
9 Alemanha Sascha Mölders
11 Alemanha Benjamin Kindsvater
18 Alemanha Nico Karger
20 Alemanha Markus Ziereis
23 Alemanha Nicholas Helmbrecht
33 Alemanha Felix Bachschmid
Comissão técnica
Nome Pos.
Alemanha Daniel Bierofka T
Alemanha Oliver Beer AS
Alemanha Wolfgang Schelenberg AS
Portugal Ricardo Matos TG

Jogadores famosos que atuaram pelo clube[editar | editar código-fonte]

Jogadores notáveis[editar | editar código-fonte]

Técnicos famosos que comandaram o clube[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Das deutsche Fußball-Archiv» (em German) 
  2. «Ergebnisse» (em German). Fussball.de